Brasileira cria biorepelente que protege até 60 dias contra Aedes aegypti

A Organização Mundial da Saúde acaba de considerar todo o estado de São Paulo como área de risco de febre amarela. Já são 36 mortes confirmadas pela doença em um ano, segundo dados da Secretaria Estadual da Saúde contabilizados desde janeiro de 2017. As cidades mais afetadas pela doença são Américo Brasiliense, Amparo, Atibaia, Batatais, Itatiba, Jarinu, Mairiporã, Monte Alegre do Sul, Nazaré Paulista, Santa Lucia e São João da Boa Vista.

Desde a confirmação da epidemia, os postos de saúde do estado, incluindo os da capital, têm registrado filas e horas de espera para a imunização contra a doença. A boa notícia em meio ao caos é que uma startup brasileira de alta tecnologia acaba de desenvolver uma solução inovadora a nível mundial para proteção contra o mosquito da febre amarela e dengue e insetos transmissores do zica e chikungunya, entre outros males.

aedes.jpg

Trata-se do Protec da Aya Tech, um biorepelente aerossol que protege até 60 dias contra o Aedes aegypti e é inovador em todos os sentidos: além do longo período de proteção, ele é feito a partir de compostos naturais extraídos de uma flor e seu solvente é à base de água, isto é, não agride seres humanos, animais e maio ambiente. O produto é para ser aplicado sobre a roupa, e não na pele, permanecendo no tecido por até 60 dias ou mais de 15 lavagens.

O desenvolvimento do Protec foi feito ao longo de anos de pesquisas pela engenheira química Fernanda Checchinato, CEO da Aya Tech. Doutora em Ciência e Engenharia de Materiais pela Universidade Federal de Santa Catarina e por Lyon, na França, onde trabalhou no laboratório CNRS, de onde já saíram 3 ganhadores do Nobel, Fernanda usou seu conhecimento em pesquisas, desenvolvidas ainda na JICA do Japão, para sintetizar a base de um biorepelente sem similares no mundo.

Segundo a executiva, a proteção se dá por efeito “knock down”. Ou seja: o inseto pousa ou passa pela superfície aplicada, absorve o produto e entra em estado de paralisia e morte. Além de roupas, o Protec pode ser borrifado diretamente em superfícies como sofás, cortinas, tapetes, carpetes, tiaras de cabelo e até coleiras de animais, além de pisos, azulejos e vasos de plantas. “A duração comprovada em testes laboratoriais exaustivos é de dois meses”, diz Fernanda, “ou, no caso de roupas, até 20 lavagens caseiras.”

protec.png

Outra grande sacada é a formulação do Protec, à base de permetrina e água. A permetrina, princípio ativo do biorepelente, é retirado de uma flor que qualquer um conhece – o crisântemo. ““Fruto de muito trabalho de pesquisa e desenvolvimento com nanotecnologias, é uma solução única no mundo e 100% brasileira contra a febre amarela”, diz a cientista.

Segundo Fernanda, além de proteger contra transmissores da febre amarela, dengue, zica virus e chikungunya, o Protec é eficaz contra ácaros, traça, formiga, barata, pulgas, carrapatos, muriçocas, borrachudos, pernilongos, moscas e outros insetos, inclusive os transmissores de doenças como leishmaniose e Síndrome de Guillain-Barré.

Fernanda Checchinato
Fernanda Checchinato

Informações: Aya Tech

 

Anúncios

Um comentário sobre “Brasileira cria biorepelente que protege até 60 dias contra Aedes aegypti

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s