Todos os posts de carmenguaresemin

Sobre carmenguaresemin

Libriana, jornalista, escritora, assessora de imprensa, amante da natureza, em especial dos animais e, mais especialmente ainda, de gatos. Criei um blog em agosto de 2015: E De Repente 50. Pensei em um espaço onde poderia dar dicas de beleza, saúde, alimentação, gastronomia, moda e comportamento. Já em junho de 2018, pensei em separar deste primeiro os posts sobre animais. Assim, nasceu o Se Meu Pet Falasse. A intenção é compartilhar experiências, falar de saúde, alimentação, comportamento, adoção e direito animal. Além de falar do meu dia a dia com meus sete gatos. E, agora, em julho, nasce meu terceiro blog: Vivendo com a SII e a Intolerância à Lactose, voltado para quem tem esses problemas. Espero que gostem e que os textos ajudem a quem precisar. Obrigada!

Kith Restaurante é novidade em Pinheiros

Culinária feita por amigos e para amigos. Essa é a proposta do Kith Restaurante, recém-inaugurado em Pinheiros, São Paulo. A surpresa já começa pelo espaço. O restaurante fica no segundo andar de um prédio comercial, bem na esquina da movimentada rua dos Pinheiros. Subindo a escada, encontra-se um oásis de tranquilidade no meio do corre-corre do bairro.

www.tbfoto.com.brKITH2 - SP/SP - 25/09/2018
Foto: Tadeu Brunell
À frente da cozinha, está a chef gaúcha Juliana Faingluz – Foto : Tadeu Brunelli

Kith, como diz a raiz do nome (mix de “kith” com “kitchen”), busca reunir amigos, conhecidos, vizinhos, para resgatar o prazer de sentar-se à mesa. Em locação inusitada, traz um ar cosmopolita, urbano e de descoberta à experiência gastronômica. Um grupo de sócios e amigos do Kith – a chef Juliana Faingluz, o arquiteto Denis Pieroni, a advogada Eduarda Chaves e os fisioterapeutas Vitor Tosi e Marcio Luiz Tosi – busca oferecer um trivial de personalidade, culinária variada, de diferentes sotaques, sabores, texturas, sem complicação e com boa relação custo-benefício.

A princípio, a casa irá operar só no almoço, de segunda a sexta. À frente da cozinha está a experiente chef gaúcha Juliana Faingluz (ex-Maní, DOM, La Brasserie Erick Jacquin, e internacional, nos premiados Quique Dacosta, El Celler de Can Roca e Hotel Maher, na Espanha). Com cardápio que muda semanalmente, segundo a criatividade da chef e os ingredientes da estação, o menu executivo do Kith será composto por 3 tempos ao preço fixo de R$ 55.

Para petiscar, há abóbora assada com saladinha de rúcula, azeite, limão e lascas de parmesão ou a saladinha de alface romana na brasa com molho de iogurte e bacon crocante. Como principais, a chef sugere os espetinhos de carne com vinagrete de cebola assada, salada morna de batata e farofinha de pão com alho e salsinha; milanesa de carne com purê de batata e dijon e repolho roxo na brasa ou, ainda, o arroz de camarão com alho-poró, molho de ostra, amendoim, rúcula e raspas de limão. Sempre apresentando uma opção vegetariana, há versões de moqueca como a de pupunha e banana da terra com arroz cateto e farofa crocante.

Para finalizar, sobremesas reconfortantes como maçã assada, crumble de canela e sorvete de creme e o bolo quente de chocolate com calda morna de brigadeiro. Para harmonizar, uma novidade, vinhos frisantes – tinho e rosé – servidos em lata. Praticidade garimpada pela chef pelas vinícolas do Sul do país.

Na ampla e envidraçada cozinha da casa, brilha uma churrasqueira. A brasa do carvão será utilizada para grelhar as carnes e legumes e servi-los em espetos individuais. Churrasco e espetinhos serão uma marca da casa. “O menu do Kith vai ser uma mistura da minha bagagem, pelo Brasil, minha infância em Porto Alegre, e meus trabalhos na Espanha. Vamos ter desde um familiar arroz de costela, braseados de verduras até xixos, mix de carnes e legumes servidos em espetinhos. A churrasqueira vai ser o coração da casa”, explica a chef e sócia Juliana Faingluz.

www.tbfoto.com.brKITH2 - SP/SP - 25/09/2018
Foto: Tadeu Brunell
Um dos destaques do menu é o arroz de camarão com alho-poró, molho de ostra, amendoim, rúcula e raspas de limão – Foto: Tadeu Brunelli.

Décor

Com projeto do arquiteto e também sócio Denis Pieroni, a casa aposta num ambiente industrial iluminado e, ao mesmo tempo, aconchegante. Num amplo salão de 160m2, o projeto explora elementos como o concreto, madeira e ferro, piso de cimento queimado, tijolos e tubulações aparentes. Toda a caixilharia de ferro foi desenhada pelo arquiteto e executada sob medida. O décor traz itens de design contemporâneos, como cadeiras Charles Eames, Thonart e em madeira maciça vergada.

Os tampos de mesa feitos de painéis de cerne de madeira teca (teak), de reflorestamento, super-resistente e que injeta um calor à composição. Nas cores, além do cinza, há toques de argila, cor que é tendência e reflete o espírito moderno e acolhedor do restaurante. Moderno e com e amplas janelas transparentes com vista para a movimentada rua dos Pinheiros, a ideia dos sócios é utilizar o espaço para confraternizações à noite, como festivais gastronômicos, culturais, eventos corporativos e sociais. Cozinha com estilo. Culinária do mundo, com ingredientes frescos, locais e sabores afetivos, como os churrascos de infância da chef, com um toque de urbanidade.

Kith 2º Andar: Rua Bianchi Bertoldi, 168 -2º andar, Pinheiros – São Paulo – Horário de funcionamento – almoço: de segunda a sexta, das 11h45 às 15h30. Jantar: Não abre para o jantar e nem aos fins de semana e feriados.

 

Anúncios

Conheça a origem das flores em diferentes lugares do mundo

Uma das maiores belezas que o mundo possui são as paisagens deslumbrantes proporcionadas pela flora e também pela diversificada fauna característica de cada região. Alguns lugares têm espécies diferentes de flores típicas, que além de embelezar, trazem as principais referências de seu país nativo.

Confira alguns exemplos de flores e suas origens pelo mundo, selecionadas pela Giuliana Flores, maior e-commerce de flores e presentes do país.

Brasil – Orquídea

orquidea.png

No país, existem cerca de 2.600 espécies de orquídeas, sendo um dos principais países em termos de seu plantio. Estas flores, que se adequam melhor em temperaturas de 25 a 30 graus durante o dia e 20 a 25 graus à noite, são geralmente cultivadas em casa. Milhares de brasileiros são admiradores das orquídeas, ocasionando várias feiras espalhadas pelo país que estimulam a produção artificial da espécie, logo, preservando as flores presentes na natureza.

Bulgária – Rosa

rosa.png

Durante séculos, a Bulgária foi considerada a pátria das rosas. O Vale das Rosas, localizado no país, ao sul dos Balcãs, é famoso pela produção da flor, utilizada na produção de perfumes. Suas propriedades também são muito empregadas na indústria farmacêutica e de alimentos. Além disso, ela é oferecida aos hóspedes que estão de passagem, pois é considerada o símbolo da amizade.

Austrália – Golden Wattle

golden wattle.png

No dia 1º de setembro, é celebrado o “Wattle Day” ou “Dia da Acacia pycnantha” na Austrália, reforçando o status da flor que simboliza prosperidade, renovação e recomeço. O emblema nacional é natural do sul do país e muito bem adaptado ao clima local, semelhante ao brasileiro e regiões de queimada, que na maior parte das vezes matam as plantas-mãe, porém estimulam a germinação de sementes armazenadas no solo. As acácias australianas são caracterizadas por terem cinco pequenas pétalas, geralmente amarelas, que são arranjadas ao redor de longos ramos.

Turquia – Tulipa

tulipa.png

Originárias da Turquia, as tulipas foram batizadas em virtude de sua forma que, de ponta cabeça, se assemelha a pequenos turbantes – tülbend, em turco otomano – que posteriormente, após sofrer influências francesas, mudou para tulipe. Desde 2006, o país celebra anualmente um festival dedicado às tulipas. A flor também é muito popular na Holanda, sendo uma das principais economias do país.

Egito – Lótus

lotus.png

A Flor de Lótus é uma espécie aquática, geralmente encontrada sobre lagos. Sua delicadeza e elegância são admiradas entre diversos povos. Na cultura egípcia, a flor está associada ao renascimento. De acordo com lendas locais, o deus do sol nasceu de uma flor de Lótus, tornando-a sagrada. A planta está retratada no interior das pirâmides e nos antigos palácios do Egito. A Lótus geralmente brota na primavera e permanece aberta durante dois dias, permitindo que o fruto fique exposto após esse período.

Fonte: Giuliana Flores

 

 

Dicas de maquiagem para quem usa óculos de grau

Coordenador do curso de Make Up Design do Centro Europeu de Curitiba, Pablo Inisio, mostra quais técnicas podem valorizar o visual por trás das lentes

Quem usa óculos de grau sabe que muitas vezes na hora de se maquiar é preciso repensar o estilo da produção para que armação não esconda ou destoe do visual. Mas isso não impende que o acessório se torne um aliado e deixe as produções ainda mais bonitas e harmoniosas. Apostando nas técnicas que favorecem os adeptos das lentes, o maquiador e visagista Pablo Inísio, coordenador do curso de Make Up Design do Centro Europeu de Curitiba, preparou uma lista com dicas e opções para garantir um look bonito, estiloso e que valorize os traços.

Cuidado com a pele

mulher jovem pele make.jpg

O primeiro passo é garantir que os óculos não sejam um problema após a aplicação da base. “O atrito que a armação cria com a pele e o movimento de colocar e retirar pode acabar marcando o rosto ou retirando parte do produto, para que isso não aconteça o ideal é selar bem a base na pele, abusando do uso do pó compacto ou até mesmo bases em pó”, detalha Inísio.

Olhos marcados

meryl streep.jpg

Sem dúvida a maquiagem dos olhos é o maior destaque em quem usa óculos e como as lentes já chamam atenção para esta parte do rosto pode-se abusar dos efeitos bem marcados sem medo. “Um delineado com formato e textura mais marcantes e expressivos combinam muito com o uso de óculos e valorizam o olhar por trás das lentes ”, comenta o especialista.

Atenção aos cílios

oculos cilios jovem mulher.png

Para quem usa óculos, os cílios podem ser o grande realce ou o grande problema da maquiagem. Segundo Inísio, o segredo está na escolha do formato. O ideal são os cílios postiços ou as máscaras que dão volume mas não alongam, já que os fios muito grandes e longos podem bater na lente borrar a maquiagem ou gerar um desconforto.

Sobrancelhas

jennifer aniston oculos  the hunt.jpg

As sobrancelhas complementam a moldura do olhar e também merecem um atenção especial no visual de quem usa óculos de grau. “A correção natural de maquiagem na sobrancelha, com preenchimento neutro e sem muita marcação é o bastante para finalizar a maquiagem e alcançar um efeito bonito e harmonioso com os olhos”, completa Inísio.

Fonte: Pablo Inisio é coordenador do curso de Make Up Design do Centro Europeu de Curitiba,

Consultora de imagem dá dicas de como manter o estilo no ambiente de trabalho

Conselhos certeiros para dominar o dress code fazendo a leitura do ambiente da empresa

A imagem do profissional é um elemento relevante na cultura das empresas e contribui para a evolução da carreira. No mercado de trabalho, causar uma boa impressão sempre conta pontos, e aí entra o trabalho da consultoria de imagem, que atua para alinhar o estilo individual ao ambiente da empresa, e ao seu dress code, formal ou informal.

Com existência ou não de manual de dress code na organização, é possível cultivar estilo próprio. Para isso, é fundamental estar à vontade com o que usa, pois não há como passar credibilidade sem autoconfiança. Como etapa relevante do trabalho de imagem, o profissional precisa identificar o que lhe cai bem.

“Zelo é palavra-chave quando se trata de imagem corporativa, uma das mensagens mais importantes que se pode passar no ambiente da empresa”, afirma Lais Machado, consultora de imagem e estilo. A partir dessa premissa, Lais dá cinco dicas para ter uma imagem adequada no ambiente de trabalho.

1- Perfil da empresa

FreeGreatPicture MULHER EXECUTIVA

Com cultura corporativa não se brinca: a escolha do que vestir no ambiente de trabalho deve considerar o perfil da empresa. O colaborador representa a empresa, seu modo de vestir precisa estar alinhado ao “mood” organizacional. Para não errar, deve-se analisar: qual o perfil da empresa? Ela é mais tradicional? Mais criativa? Mais contemporânea? Temos dois exemplos extremos: bancos e agências de publicidade. O primeiro com o código mais formal e o segundo com uma liberdade maior para se vestir. Avalie por essa régua onde está sua empresa e, a partir disso, faça as escolhas.

2- Função desempenhada

mulher executiva celular
Pexels

Os líderes são sempre boas referências de como se vestir. Eles são espelhos, mas deve se considerar ainda o cargo ocupado. A partir dessas observações, fazer as escolhas para o guarda-roupa. A função que a pessoa desempenha deve estar representada no jeito que ela se veste. Então, não podemos esperar de um estagiário o mesmo que se espera de um gestor ou diretor.

3- Estilo pessoal

pexels-  mulher elegante.jpeg
Pexels

O estilo nada mais é do que reflexo da personalidade, por isso é sempre importante a pessoa identificar se o perfil da empresa vai de encontro com quem ela é, para não causar nenhum sofrimento e desconforto desnecessário. Depois de mapeado o ambiente e refletir sobre o código de vestimenta para a função desempenhada, importante trazer referências do estilo pessoal, de forma sutil, para o ambiente de trabalho. Pequenos elementos podem indicar pontos da personalidade a destacar. Influências culturais, idade e a geração a que o profissional pertence são balizas para essa composição.

4- Tendência de moda

mulher vestido confortável largo

Trazer um ar contemporâneo ao look é sempre bem-vindo, sem ser uma vítima da moda. Se o funcionário é ligado ao universo da moda e deseja trazer as tendências para o dia a dia, vale investir em elementos sutis e acessórios. Uma gravata divertida, colares, brincos, lenços, sapatos e bolsas.

5- Avalie o guarda-roupa

guarda roupa pintado pinterest

Para facilitar o dia a dia, analisar o guarda-roupa e mantê-lo organizado com peças-chave, sem excessos, vale muito. Normalmente, trabalha-se no mínimo 5 dias por semana, então você vai passar a maior parte do seu tempo em atividades profissionais. Assim, 70% das roupas devem ser voltadas para o trabalho, 15% para o lazer, 10% para ficar em casa e 5% para a vida noturna. A maioria das pessoas gasta muita energia fazendo o movimento contrário.

Fonte: Lais Machado é consultora de imagem e estilo pós-graduada pela faculdade Belas Artes de São Paulo, jornalista graduada pela UP e especialista em marketing pela PUC-PR, tem quase dez anos de experiência em comunicação corporativa, marketing e branding, tendo passado também por cargos de gestão.

É possível ter a pele bonita e saudável em todas as estações do ano

A cada estação, um novo começo. A primavera é uma boa época para realizar procedimentos estéticos dermatológicos, como tratar olheiras, rugas ou flacidez, já que a recuperação é mais rápida neste período. Porém, devemos lembrar que a decisão mais importante ao fazer um procedimento é consultar o médico dermatologista, especialista indicado para fazer o diagnóstico de doenças da pele, cabelos e unhas e prescrever tratamentos específicos.

Alguns procedimentos são bastante comuns nesta época do ano. Os mais comuns são a aplicação de toxina botulínica, o preenchimento com ácido hialurônico, os tratamentos a laser, a radiofrequência, os peelings, o microagulhamento e o ultrassom microfocado, sendo que todo procedimento precisa de planejamento.

Portanto, levar em conta o tempo necessário para aguardar a recuperação da pele ou mesmo a época mais adequada para fazer tal procedimento, garantem um planejamento estético adequado e resultados mais seguros para o paciente e sua saúde.

Essa época também é indicada para realizar aplicação da toxina botulínica para hiperidrose (suor excessivo) nas axilas, mãos ou pés. A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) lembra que a rotina diária de cuidados com a pele envolve pelo menos três passos básicos: limpar, tratar e proteger.

“Não existe uma idade ideal para começar a cuidar da pele nem regra de tratamento para cada idade, mas de um modo geral, a partir dos 25 anos, medidas preventivas devem ser adotadas, usando produtos especializados para cuidados com a saúde da pele, além de tratamentos dermatológicos que induzem a produção de colágeno e reparam danos solares”, explica a dermatologista Sylvia Ypiranga.

Vale ressaltar que todo procedimento estético dermatológico deve ser acompanhado por um médico, para que eventuais complicações possam ser percebidas, diagnosticadas e tratadas.

Realizar uma visita ao consultório ou na clínica onde o procedimento será realizado, prestando a atenção aos detalhes, é um bom meio de saber se o local escolhido terá a estrutura e a segurança necessárias para iniciar o tratamento. Desconfie de locais que se dispõem a cobrar preços muito baixos, têm muita rotatividade de profissionais e não disponibilizam equipamentos e produtos de qualidade, por exemplo.

Verifique também se o local tem autorização de funcionamento expedida pela Secretaria Municipal de Saúde e da Vigilância Sanitária e confira a higiene do espaço e se os materiais são descartáveis. Lembre-se de que casas e imóveis residenciais não devem ser considerados para a prática de procedimentos invasivos. No consultório é possível observar os quesitos de biossegurança dos procedimentos.

cosmetic-injectables-botulinum-toxin botox

O conhecimento das técnicas de aplicação e da anatomia local também são fundamentais para o bem-estar e segurança do paciente.

Para encontrar um dermatologista associado à SBD clique aqui.

Crescer com animais pode tornar uma pessoa mais resiliente quando adulta

Uma educação rural com muito contato com animais pode garantir o sistema imunológico e a resiliência mental ao estresse de forma mais eficaz do que a criação em uma cidade e sem animais de estimação.

Essa foi a conclusão de uma pesquisa liderada por profissionais da Universidade de Ulm na Alemanha e agora publicada na revista PNAS. Esse estudo não é de forma alguma o primeiro a propor que crescer em ambientes urbanos sem diversidade de micróbios pode prejudicar a saúde física.

A esse respeito, acrescenta-se à crescente evidência em apoio às teorias que se desenvolveram a partir da “hipótese da higiene”. Porém, o estudo é o primeiro a sugerir que um risco maior de transtornos psiquiátricos – provavelmente devido a uma “resposta imunológica exagerada” – pode ser outra consequência inesperada do crescimento em um ambiente com menos oportunidades de interagir com uma variedade de micróbios.

“Já foi muito bem documentado”, diz Christopher A. Lowry, coautor do estudo, professor de fisiologia integrativa na Universidade do Colorado em Boulder, que “a exposição a animais e ambientes rurais durante o desenvolvimento físico é benéfica em termos de redução de riscos de asma e alergias mais tarde na vida “.

No entanto, ele acrescenta que seu estudo também “avança a conversa mostrando pela primeira vez em humanos que essas mesmas exposições provavelmente são importantes também para a saúde mental”.

Perdendo contato com micróbios coevoluídos

quarto hotel poluição cama computador

A existência humana está se tornando cada vez mais urbanizada. Em 1950, apenas um terço da população mundial vivia nas cidades. Em 2014, esse número subiu para 54% e deverá aumentar para 66% até 2050.

A ideia de que o aumento da urbanização e as mudanças no estilo de vida que o acompanham pode aumentar o risco de certas doenças, devido à redução da interação com uma variedade de micróbios, decorre da hipótese da higiene.

A teoria tem suas raízes em uma pesquisa de 30 anos que sugere que uma taxa mais baixa de infecção entre crianças pequenas foi o motivo pelo qual as taxas de asma e doenças relacionadas à alergia aumentaram no século XX. No entanto, tornou-se evidente que a interação com os micróbios ultrapassa esse escopo original, e até mesmo foi sugerido que o termo hipótese de higiene é um equívoco e deve ser abandonado.

Em seu estudo, o autor sênior Stefan O. Reber, professor de psicossomática molecular na Universidade de Ulm, e sua equipe usam o termo “velhos amigos” para se referir aos micróbios que coevoluíram com os humanos.

Lowry e colegas discutiram anteriormente como “a perda progressiva do contato com organismos com os quais coevoluímos” pode ser a culpado por “grande parte do fracasso da regulação de respostas imunes inflamatórias inapropriadas” visto em muitos habitantes urbanos modernos e habitantes de nações mais ricas.

Estudo testou homens com vários níveis de educação

cachorro homem beagle

O novo estudo investiga ainda mais esse elo comparando as respostas relacionadas ao estresse em adultos jovens que foram criados em ambientes rurais, onde tiveram muito contato com animais com pessoas criadas em áreas urbanas “na ausência de animais de estimação”.

Os investigadores inscreveram 40 voluntários masculinos saudáveis com idades entre 20 e 40 anos residentes na Alemanha. Metade tinha sido criada em fazendas onde eles frequentemente lidavam com animais, e a outra metade tinha sido criada em ambientes urbanos sem animais de estimação.

Para criar a condição de estresse, todos os participantes completaram duas tarefas. Na primeira, fizeram uma apresentação para uma audiência que não mostrou reação, e então, eles tiveram que resolver um problema de matemática difícil sob pressão de tempo. Os voluntários deram amostras de sangue e saliva 5 minutos antes do teste, e novamente 15, 60, 90 e 120 minutos depois.

“Resposta imunitária exagerada”

Os resultados mostraram que os homens jovens criados em cidades sem animais de estimação tiveram um “aumento pronunciado” nos níveis de “células mononucleares do sangue periférico”. Essas células formam uma grande parte do sistema imunológico.

Enquanto isso, membros do grupo educados na cidade também tiveram níveis mais altos de interleucina 6 e níveis “suprimidos” de interleucina 10. A interleucina 6 é um composto que promove a inflamação, enquanto a interleucina 10 é um composto que reduz a inflamação.

Lowry diz que esses resultados mostraram que “as pessoas que cresceram em um ambiente urbano tiveram uma indução muito exagerada da resposta imune inflamatória ao estressor, o que persistiu durante o período de duas horas”.

O que surpreendeu os pesquisadores foi que, embora seus corpos parecessem ter uma resposta mais sensível ao estresse, os homens criados em cidades e sem animal de estimação relataram sentimentos mais baixos de estresse do que seus colegas que foram criados em fazendas.

Lowry compara a “reação inflamatória exagerada” dos homens criados na cidade a “um gigante adormecido que eles desconhecem completamente”.

Contato com animais pode ser fator chave

homem brincando com gato

Ao discutir suas descobertas, os autores mencionaram pesquisas anteriores que mostraram que a forma como nosso sistema imunológico responde ao estresse é moldada na infância por nossas interações com os micróbios.

Outros estudos sugeriram que uma resposta amplificada à inflamação está ligada a uma taxa mais alta de transtorno de estresse pós-traumático e depressão mais tarde. Eles também discutem como a presença ou a ausência de animais pode ser um fator importante nos resultados.

Eles observam como outros pesquisadores descobriram que “agricultura altamente industrializada com baixo contato com animais de fazenda” está mais ligada a condições relacionadas à desregulação imunológica – como asma e alergias – do que “agricultura tradicional com contato regular com animais de fazenda”.

Isso sugeriria, eles explicam, que o “efeito protetor” – de uma educação rural com animais em comparação a uma criação na cidade sem animais – venha mais provavelmente  do contato com animais do que a diferença entre os estilos de vida rural e urbana.

‘Tenha um animal de estimação e passe um tempo na natureza’

homem e cachorro docg
Foto: Docg

Os pesquisadores agora querem repetir o estudo com grupos maiores – tanto homens quanto mulheres – e com educação mais variada, a fim de desvendar os efeitos do contato com animais e do grau de urbanização.

Eles também reconhecem que o estudo não levou em conta outros fatores que podem afetar a exposição infantil à variedade de micróbios. Esses incluem, por exemplo, o tipo de parto ao nascer, a amamentação em comparação com a alimentação de outra forma, o uso de antibióticos e dietas.

Enquanto isso, os pesquisadores sugerem que os moradores da cidade se tornem um “animal de estimação peludo”, passem um tempo na natureza e comam alimentos que são “ricos em bactérias saudáveis”. Além de adotarem um animal de estimação.

“Muitas pesquisas ainda precisam ser feitas. Mas parece que gastar o máximo de tempo possível, de preferência durante a educação, em ambientes que oferecem uma ampla gama de exposições microbianas, tem muitos efeitos benéficos” afirmou o professor Stefan O. Reber.

Fonte: MedicalNewsToday

Câncer de pele também pode atingir os lábios; fotoproteção é fundamental

Sendo causado principalmente pela exposição excessiva e sem proteção ao sol, este tipo de câncer atinge principalmente o lábio inferior de pessoas com fototipos de pele baixos. Dermatologista Valéria Marcondes explica quais os principais tratamentos da doença e como preveni-la.

O câncer da pele é um dos tipos de câncer mais comuns, correspondendo a 33% dos diagnósticos da doença no Brasil. E, por mais estranho que possa parecer, o câncer de pele não se restringe apenas ao tecido cutâneo, podendo atingir também os lábios, uma região extremamente delicada, de pele fina, formada por uma semimucosa, ou seja, uma transição da mucosa oral para a pele estratificada que a gente tem ao redor dos lábios.

“Assim como outros tipos de câncer, o câncer de lábios ocorre devido a um crescimento anormal e acelerado de células cancerígenas, sendo que sua principal causa é a exposição excessiva e sem proteção aos raios ultravioletas do sol. Mas, apesar da exposição solar ser o principal fator, o tabaco e o álcool também possuem papel importante no desenvolvimento do câncer de lábio”, explica a dermatologista Valéria Marcondes, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da American Academy of Dermatology (AAD).

labios_bonitos

Segundo a especialista, este tipo de câncer tende a aparecer principalmente no lábio inferior, pois estes ficam mais expostos ao sol devido a sua posição, e em pessoas de pele clara. “Pessoas de fototipos de pele mais baixos possuem menos melanina, pigmento que dá cor a pele e que a protege da ação dos raios solares. Dessa forma, quem tem a pele mais clara acaba desenvolvendo câncer de pele e de lábios mais facilmente. O que, claro, não quer dizer que pessoas de fototipos altos não possam desenvolver este tipo de câncer, apenas estão mais protegidas”, completa.

E, apesar do câncer de lábios poder demorar anos para aparecer, já que os danos dos raios solares são cumulativos, alguns sinais podem surgir antes da doença se instalar de fato. Um exemplo é a Queilite Actínica, uma doença que afeta o lábio devido à exposição constante e desprotegida ao sol e que, apesar de ainda não ser um câncer, tem grande potencial de se tornar maligna.

“Podendo permanecer por muitos anos antes de se transformar em um câncer, a Queilite Actínica é bastante comum em profissionais que trabalham em ambientes externos e começa com uma pequena descamação da área dos lábios que pode evoluir para feridas que não cicatrizam. Em casos mais graves, o lábio incha e podem aparecer manchas brancas e vermelhas, bolhas e sensação de queimação na região”, alerta a médica.

Outros sintomas da doença incluem sangramento, dor e o surgimento de feridas, lesões, bolhas, úlceras e nódulos que não desaparecem na região dos lábios. Ao encontrar qualquer um deles, o mais importante é que você consulte um médico especializado. Apenas ele poderá realizar uma avaliação de seus lábios, pedir exames para confirmar a doença, como uma biopsia, e dar o diagnóstico correto, indicando o melhor tratamento para o seu caso.

“Assim como outros cânceres, o tratamento depende do estágio, do quão rápido a doença está progredindo e da saúde do paciente no geral. Se o tumor ainda estiver pequeno, pode ser realizada uma cirurgia para removê-lo, com a possibilidade de uma segunda intervenção para a reconstrução do lábio, dependendo do quanto a estrutura foi afetada. Já em casos em que a doença está em estágios mais avançados, a radioterapia e a quimioterapia podem ser usadas para diminuir o tumor antes de removê-lo cirurgicamente e depois da cirurgia para reduzir o risco de reincidência”, destaca a dermatologista.

Porém, prevenir a doença ainda é o melhor remédio e evitar o câncer não é tão difícil, basta adotar alguns cuidados e hábitos básicos a sua rotina diária. Por exemplo, é fundamental que, além de evitar fumar e ingerir álcool, você não faça sessões de bronzeamento artificial, utilize chapéus e bonés sempre que for se expor ao sol e, o mais importante, aplique diariamente protetores labiais com fator de proteção solar de no mínimo 30 FPS, reaplicando sempre a cada duas horas.

pexels protetor labial lábios
Pexels

“É essencial também que você consulte um médico regularmente para detectar qualquer indicio de câncer precocemente. Quando diagnosticado nos primeiros meses do aparecimento, praticamente 100% dos casos de câncer de lábios são curados rapidamente e com pouco ou nenhum dano estético”, finaliza Valéria.

Fonte: Valéria Marcondes é dermatologista da clínica que leva seu nome, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia com título de especialista e da Academia Americana de Dermatologia. Foi fundadora e é membro da Sociedade de Laser.

Que tal imprimir sua foto no cappuccino? Sterna Café lança serviço inédito em SP

A partir de agora as fotos e selfies podem ir muito além das imagens de perfis e postagens das redes sociais. Oferecer um cappuccino com um toque de exclusividade é a nova aposta da rede Sterna Café. A cafeteria paulistana acaba de lançar o serviço inédito na capital onde é possível imprimir qualquer foto no próprio cappuccino.

Feito com tinta comestível, a novidade sai por R$ 19,90 (cappuccino de 200 ml). Para ter a imagem estampada na bebida, basta encaminhar a foto desejada via e-mail, bluetooth ou WhatsApp no momento que fizer o pedido. A impressão demora menos de 30 segundos.

café com foto

O serviço Sterna Print está disponível na unidade Sterna Vila Mariana, localizada na Rua Áurea, 409 – Vila Mariana. O horário de atendimento é de segunda a sábado das 8h às 19h30.

Como fazer uma horta em casa

Dr. Planta, especialista da Petz, orienta como cultivar temperos em vasos ou jardineiras

A primavera é a melhor época para plantas. A estação favorece a elevação da umidade do ar, as chuvas, as temperaturas moderadas e os dias mais longos que as noites. Para aproveitar esse momento, o gerente comercial da linha garden e piscina da Petz, Marcio Alexandre, conhecido como o Dr. Planta, dá dicas para montar uma horta em casa.

“O cultivo das plantas é uma atividade relaxante, ajuda no bem-estar e deixa um visual bonito na casa, além de fazer bem para a saúde, pois permite uma a alimentação com ingredientes frescos, afirma o Dr. Planta. A dica é plantar em espaços que recebam bastante sol (preferencialmente pela manhã), independentemente do tamanho.

Uma parede da sacada do apartamento ou do quintal da casa pode se tornar uma horta vertical repleta de temperos e especiarias, assim como uma jardineira pode ser destinada ao cultivo das ervas. As regras básicas são: iluminação natural, lembrar-se de regar a horta e se certificar de que as espécies escolhidas são ideais para o espaço.

A horta vertical se ajusta a qualquer espaço e proporciona um visual único. Ela pode ser instalada em painéis de madeira, vasos presos direto na parede ou, até mesmo, estantes com diversas prateleiras.

Passo a passo

1 – Prepare os vasos ou jardineiras com uma camada de argila expandida ao fundo, seguida de uma manta de drenagem e, por fim, terra especial para o plantio.

2 – Adicione as mudas, tomando bastante cuidado com as raízes.

3 – Acomode as plantas nos seus respectivos vasos e preencha o espaço vazio com mais terra.

4 – Regue a terra e as folhas.

horta_foto1

5 – Distribua os vasos na estrutura escolhida e coloque etiquetas decorativas, facilitando a identificação de cada plantinha.

6 – A maioria das ervas e temperos precisam de água, dependendo da região e do local a necessidade pode variar, recomendo diariamente ou com intervalo de 1 dia, porém sem encharcar. Como ficam diretamente ao sol, com mínimo de 4 horas, sua necessidade de água é maior em relação a outras plantas.

7 – Como sugestão, para finalizar a horta, seja ela vertical, horizontal, em canteiro ou vaso, colocar uma camada de casca de árvore, além de ficar com o acabamento bonito, protege a camada do solo, mantendo a umidade do mesmo e evitando o crescimento de pragas ao redor das plantas.

8 – Outra dica, colocar sempre o dedo na terra verificando a umidade. Se estiver úmido, não precisa molhar, caso contrário fazer a rega.

9 – Geralmente, as plantas com falta de água começam a murchar, identificando claramente sua necessidade.

Quer aprender a montar uma horta vertical? Assista ao vídeo preparado pela Petz, clicando aqui.

Opções para a horta caseira:

Alecrim

Alecrim MGD©
Alecrim – Foto: MGD©

Necessidade de espaço: plantar mudas com espaçamento de 10 cm.
Necessidade de luz: sol pleno, mínimo de 4 horas para ter um produto de qualidade.
Pode ser usado para: tempero para carnes, legumes e batata. O chá de alecrim é muito conhecido pelas suas propriedades medicinais.

Cebolinha

cebolinha creative commons
Foto: CreativeCommons

Necessidade de espaço: plantar mudas com espaçamento de 10 cm.
Necessidade de luz: sol pleno, mínimo de 4 horas para ter um produto de qualidade.
Pode ser usado para: tempero carnes e legumes.

Hortelã

hortelã
Foto: Maria Mas/Morguefile

Necessidade de espaço: plantar mudas com espaçamento de 10 cm. Tenha sempre a hortelã sozinha no vaso. Caso plante em jardineiras e for dividir espaço com outras espécies, coloque uma divisória entre ambas para que a hortelã não “mate” a planta vizinha.
Necessidade de luz: a hortelã ou menta pode ser cultivada em lugares ensolarados ou em sombra parcial com alta luminosidade.
Pode ser usado para: comida árabe, saladas e água aromatizada.

Manjericão

manjericao crative commons
Foto: CreativeCommons

Necessidade de espaço: plantar mudas com espaçamento de 10 cm.
Necessidade de luz: necessita de alta luminosidade e deve receber luz solar direta por pelo menos 4 horas.
Pode ser usado para: tempero para molho vermelho e base para molho pesto.

Orégano

oregano pixabay
Foto: Pixabay

Necessidade de espaço: plantar mudas com espaçamento de 10 cm.
Necessidade de luz: sol pleno, mínimo de 4 horas para ter um produto de qualidade.
Pode ser usado para: tempero para carnes, molhos, massas, legumes.

Salsinha

salsinha

Necessidade de espaço: plantar mudas com espaçamento de 10 cm.
Necessidade de luz: pode ser cultivada em lugares ensolarados ou em sombra parcial com alta luminosidade.
Pode ser usado para: tempero para carnes, molhos e legumes.

Tomilho

tomilho

Necessidade de espaço: plantar mudas com espaçamento de 10 cm.
Necessidade de luz: sol pleno, mínimo de 4 horas para ter um produto de qualidade.
Pode ser usado para: carnes vermelhas em geral.

Fonte: Petz

 

Salvar

Dúvidas sobre vinho e harmonização? Equipe do SAC da Evino resolve

O Serviço ao Atendimento ao Consumidor (SAC) da Evino, um dos maiores e-commerces e aplicativos de vinhos do Brasil, tem feito sucesso entre os clientes por oferecer informações sobre tipos de vinhos, uvas e harmonização de rótulos. Os colaboradores do SAC são capacitados com o objetivo de oferecerem uma experiência de compra completa ao consumidor.

Para isso, em 2017, a Evino, por meio de seu time de sommelières, criou um formato de treinamento sobre vinhos exclusivo para o time de atendimento ao cliente. Ele conta com três módulos, totalizando 25 horas de curso.

O primeiro módulo abrange conhecimentos básicos sobre vinho, desde o vinhedo (ou seja, como o vinho é produzido) até a taça (como fazer uma degustação técnica). “Eles aprendem a diferenciar as características dos vinhos, desde a cor, aromas e características como corpo, acidez e tanino, um dos componentes mais importantes do vinho”, explica Natália Cacioli, integrante do time de sommelières da Evino.

A segunda etapa tem como foco as principais regiões produtoras de vinho, principalmente nos países do velho mundo. Nele, os colaboradores aprendem, por exemplo, quais uvas são usadas na produção de um Bordeaux e qual é o estilo desse vinho, além de fazer correlações com outros tipos de rótulos, com o objetivo de fazer indicações para os clientes. O terceiro módulo aprofunda nas características dos diferentes tipos de uva e em noções de serviço e harmonização.

“Em todas as aulas trazemos situações do dia a dia do SAC para que possamos, juntos, formular respostas e pensar na melhor forma de endereçar os questionamentos dos consumidores que estão com dúvidas”, reforça Natália. Todo o conteúdo teórico é colocado na prática com degustações de cerca de quatro rótulos.

 

vinho SBS

“Capacitar a equipe é uma das diretrizes para continuar aumentando a satisfação dos nossos colaboradores e possibilitar que eles se relacionem de forma fluida, objetiva e personalizada. O cliente precisa ser cuidado”, diz Diogo Justino da Silva, gerente de atendimento da Evino.

Recentemente, a Evino conquistou o selo RA1000 do Reclame Aqui, que avalia a companhia de acordo com o compromisso com o pós-venda, elevando o grau de confiança em sua marca, produtos e serviços. Para conquistar o selo é preciso atingir um índice de resposta igual ou superior a 90%, índice de solução igual ou superior a 90%, média de avaliações registradas pelo consumidor igual ou superior a 7 e apresentar índice de novos negócios igual ou superior a 70%. A empresa também conta com o nível máximo de satisfação segundo o Ebit, por meio do selo diamante.

Informações: Evino