Arquivo da categoria: Alimentação saudável

Dica culinária Coqueiro: muffins de espinafre com atum

Espinafre e atum formam uma dupla saudável e gostosa. Então, que tal aproveitar essa combinação e criar muffins que vão deixar todo mundo com água na boca? A dica é da Coqueiro, confira:

Muffins de espinafre com atum

Ingredientes:

Refogado
1 colher (sopa) de azeite de oliva
1 dente de alho amassado
meia cebola pequena picada
2 xícaras (chá) de espinafre cozido, espremido e picado

Massa
2 ovos
1 xícara (chá) de leite
4 colheres (sopa) de azeite de oliva
meia colher (chá) de sal
1 e meia xícara (chá) de amido de milho
1 tomate médio sem sementes picado
1 lata de Atum Sólido em Água Coqueiro escorrido
1 colher (sopa) de fermento em pó

Para untar
azeite de oliva

Para polvilhar
queijo parmesão ralado a gosto

Modo de preparo

Refogado
Em uma panela, aqueça o azeite em fogo médio e frite o alho e a cebola até dourar levemente.  Junte o espinafre cozido e refogue rapidamente para não soltar água. Reserve até esfriar.

Massa
Unte com azeite 10 formas para muffins (7 cm de diâmetro). Reserve. Preaqueça o forno em temperatura média (180°C). Bata no liquidificador os ovos, o leite, o azeite, o sal e o amido até ficar homogêneo. Coloque a mistura em uma tigela, junte o espinafre reservado, o tomate, o Atum Sólido em Água Coqueiro, o fermento e misture bem. Distribua a massa nas formas reservadas, polvilhe o queijo e leve ao forno por 30 minutos ou até que espetando um palito na massa, este saia limpo. Sirva quente ou frio.

Muffim de espinafre e atum.jpg

Dica: para obter 2 xícaras (chá) de espinafre cozido, utilize 1 maço de espinafre grande picado.
Tempo de preparo: 30 minutos
Tempo de forno: 15 minutos
Tempo total: 45 minutos
Rendimento: 10 unidades

Fonte: Coqueiro

Queda de temperatura: prepare o corpo com estratégias nutricionais

As quedas de temperatura, que se iniciam com a chegada do inverno e se intensificam nos próximos meses, podem comprometer o equilíbrio do organismo, especialmente em relação ao sistema imunológico. Para evitar isso, torna-se necessária a adoção de estratégias que modulem o corpo antes da previsão do tempo mudar. A alimentação é uma forte aliada nesse aspecto, tendo em vista que o aporte adequado de vitaminas, minerais e fitoativos é eficaz no aumento das defesas imunológicas.

viver outonos

Formado por componentes específicos que sofrem influências de nutrientes, o sistema imune depende de um bom funcionamento do intestino, que possui alta associação com a chamada imunidade inata, responsável por defender o corpo contra infecções e resfriados agudos.

sementes-de-abobora-max-straeten
Foto: Max Straeten / Morguefile

Certos nutrientes, especificamente a glutamina, a arginina, os ácidos graxos essenciais e as fibras dietéticas (com destaque às prebióticas) são necessários para o crescimento e função normal das células presentes na mucosa intestinal e, consequentemente, das imunológicas. Para isso, a inclusão de cereais integrais, sementes, oleaginosas e leguminosas é recomendada.

Segundo Karla Maciel, nutricionista consultora da Naiak, os micronutrientes também devem ser ajustados na alimentação destinada aos preparos do corpo para o frio. Dentre eles, pode-se destacar o ferro, zinco, selênio, cobre, vitaminas C, E e D e as do complexo B, especialmente riboflavina (B2), ácido fólico e niacina (B3).

espinafre

Eles atuam como cofatores enzimáticos do sistema antioxidante endógeno, potencializando a ação das principais enzimas com esse papel de reduzir o estresse oxidativo. “É preciso ressaltar, ainda, que o ácido fólico, largamente presente em vegetais verde-escuros, favorece a síntese de glóbulos brancos, essenciais para otimizar a imunidade”, completa.

blueberry mirtilo pixabay
Pixabay

Um grupo de fitoquímicos que merece atenção quando se fala em imunidade são as catequinas e antocianinas, presentes no chá verde e frutas roxas, respectivamente. Estudos clínicos demonstram a capacidade destes compostos em atuar como imunomoduladores e antioxidantes, reduzindo os radicais livres que potencializam o desenvolvimento de doenças.

salmao_com_laranja

Por fim, um nutriente que deve ser listado é o ômega-3. Com alta capacidade em atuar como anti-inflamatório, o seu consumo por meio da alimentação e de suplementos de qualidade, é ideal para minimizar processos inflamatórios decorrentes das mudanças bruscas de temperatura.

Fonte: Karla Maciel – nutricionista consultora da Naiak – CRN 46500

Alimentos que são ainda melhores juntos

A combinação desses elementos pode favorecer ainda mais o seu organismo

Que uma alimentação balanceada faz bem para o nosso organismo, todo mundo já sabe. Mas você sabia que ao unir alguns alimentos, eles trazem ainda mais benefícios a nossa saúde? Segundo a nutricionista e pesquisadora Aline Quissak, existem alimentos que, quando consumidos juntos, acabam potencializando suas propriedades, e essa sinergia – combinação – faz muito bem para o nosso corpo. Abaixo, uma lista com alimentos que são ainda melhores juntos do que separados, para que você possa inserir no seu dia a dia.

1) Cúrcuma e Pimenta do Reino

curcuma.jpg

A curcumina presente na cúrcuma (açafrão da terra) é um dos anti-inflamatórios naturais mais poderosos que existem. Mas o infelizmente o nosso corpo não consegue absorver. E para isso precisa da piperina, encontrada na pimenta do reino, para potencializar sua absorção em mais de 1000x. Além disso, a melhor proporção para esse efeito é 3:1 (a cada 3 medidas de cúrcuma, uma de pimenta do reino).

Consumo recomendado: 1 colher de chá por dia de cúrcuma para efeitos medicinais dessa raiz.

2) Banana e Nozes

banana

A banana é a queridinha das frutas: prática, simples, docinha e com preço acessível. Ela é muito importante para a saúde do coração e da musculatura, é um importante para o pré-treino, por dar energia, além do fósforo que auxilia no condicionamento cardiorrespiratório. Porém, sozinha a banana tem pontuação inflamatória no nosso corpo. “Não significa que ela cause mal; como falamos, ela tem muitos benefícios. A orientação é não comer ela sozinha. A melhor opção nesse caso, é consumi-la com nozes, devido ao seu poder anti-inflamatório e a concentração de ômega 3. Assim, melhora a performance dos praticantes de atividades e a proteção do coração da população em geral”, explica Aline.

Consumo recomendado: 1 banana + 3 nozes

3) Beterraba e Laranja

beterraba.jpg

Você já deve ter ouvido que beterraba tem grandes quantidades de ferro, e é verdade. Se você tem anemia ou é vegano, saiba que o ferro da beterraba é chamado de “ferro não heme”, ou seja, um ferro não ativado. Por isso, quando adicionamos vitamina C, vinda da laranja ou do limão (se fizer suco use a laranja, se fizer salada opte pelo limão), ativamos o ferro que, aí sim, é absorvido pelo nosso organismo

Consumo recomendado: Para cada 50g de beterraba, 10g de suco de laranja ou limão.

4) Cacau e frutas vermelhas

frutas vermelhas
Foto: Max Straeten

Esses são dois alimentos que sozinhos já trariam muitos benefícios. Mas você sabia que quando unimos os antioxidantes do cacau com o ácido elágico das frutas vermelhas (morango, amora, mirtilo, framboesa), temos uma proteção potente para o tratamento do câncer de mama? “Por regular o estrogênio, essa combinação é ótima para mulheres com TPM intensificada”, lembra a nutricionista.

Consumo recomendado: 100g de morango + 20g de chocolate 70% cacau

5) Damascos ou tâmara e coco

damasco.jpg

Tanto o damasco quanto as tâmaras possuem um nível elevado de potássio e vitamina A. Quando unimos potássio + vitamina A + o TCM – que é a gordura do coco -, ativamos as sinapses dos neurônios, melhorando a memória, o foco e a concentração.

Consumo recomendado: 2 damascos secos/tâmaras +20g de coco seco

6) Shitake, Shimeji e Tomate Cereja

shimeji

Os cogumelos têm as suas particularidades nutricionais, já que ele possui certos antioxidantes que não são encontrados em outros alimentos. O problema é que nem sempre conseguimos absorver essa quantidade de nutrientes. Para isso, unimos a eles a quercetina associada e licopeno do tomate cereja, que conseguem transportar nutrientes do shitake e Shimeji para o cérebro e para o coração. Para isso acontecer, eles precisam ser refogados por pelo menos 8 min.

Consumo recomendado: 1 xícara de chá (metade cogumelos, metade tomate cereja).

7) Acerola e Melão

acerola.jpg

Acerola é a fruta mais anti-inflamatória existente no Brasil. Sozinha, é poderosa aliada no tratamento de doenças como artrite, artrose, câncer (que não seja de estômago), depressão e até Alzheimer. Quando juntamos essa fruta ao melão, temos o efeito anti-inflamatório prolongado, graças a glutationa.

Consumo recomendado: consumir as frutas de duas a três vezes na semana, para que elas tenham seu efeito durante a semana toda.

8) Café e Óleo de coco filtrado (TCM)

café getimage

O óleo de coco extravirgem possui, entre outras substâncias, uma gordura chamada TCM (triglicerídeos de cadeia média); quando o filtramos (Lotus de Coco), temos apenas o TCM isolado. Essa gordura é a única que não passa pelo fígado para ser metabolizado, passando direto para o sistema nervoso central. Por isso, quando unimos o TCM com a cafeína do café, ele carrega a carrega direto para o cérebro, dando energia rápida para quem consome a mistura. “Essa não é uma mistura termogênica como muitos acreditam, é uma mistura para aumentar o rendimento nos treinos ou dar um ‘up’ em quem está cansado”, alerta.

Consumo recomendado: Para cada xícara (80ml) uma colher de café (5ml). Não recomendado para quem sofre de ansiedade.

9) Linhaça e semente de abóbora

semente de abobora.jpg

As sementes são uma estratégia usada pelos nutricionistas para regular o ciclo da mulher. A linhaça já é uma “superfood”, mas quando consumimos junto com a semente de abóbora, ela cria um equilíbrio entre progesterona e estrogênio para melhorar o humor e disposição no início do ciclo de menstruação.

Consumo recomendado: 1 Colher de sopa de cada, do primeiro ao 15 dia, a partir do início da menstruação.

Padaria Pet lança ração 100% natural

A Padaria Pet, uma rede de lojas e fabricante de petiscos humanizados como bolos de aniversário, pipoca, sorvetes, gelatinas, bombons e muitas outras guloseimas para cães, gatos, passarinhos e hamsters, desenvolveu uma ração para cachorros com ingredientes inovadores e diferenciados. Sem medir esforços para trazer benefícios na saúde do pet e uma vida mais longeva, a empresa decidiu, junto com especialistas em nutrição animal, lançar no Brasil um conceito de ração com qualidade que já está crescendo em outros países como EUA e Europa.

A ração possui beterraba, arroz, levedura de cerveja, batata doce, gema do ovo, linhaça, algas e muitas vitaminas, fibras e minerais. A ração é 100% natural e a primeira com ervas de chá, como hortelã e alecrim. Sem transgênicos, sem conservantes artificiais e sem corantes, este alimento completo possui muitos outros ingredientes funcionais como a glucosamina para articulações, a l-carnitina para a obesidade, a zeólita para o odor das fezes, o óleo de peixe para a pelagem e o hexametafosfato de sódio para o tártaro.

Com 28% de proteína, a ração superpremium possui ingredientes com maior valor nutricional e energético, o que gera menos volume de fezes.

De acordo com Rodrigo Chen, um dos fundadores da Padaria Pet, a nova ração surgiu a partir da constatação que nos últimos anos, as pessoas têm mudado os seus hábitos de alimentação em busca de ingredientes mais saudáveis, sem conservantes artificiais e sem corantes. “Esta mesma tendência pode ser vista também no mercado pet, onde hoje, mais de 60% das pessoas consideram o seu animal de estimação como membro da família (segundo pesquisa com internautas realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL))”, explica.

“Devemos lembrar que os pets têm necessidades fisiológicas diferentes dos humanos e por isso, não é aconselhável darmos a nossa mesma comida aos pets. Além de não ser completa com os nutrientes necessários, o pet também poderá estar comendo alimentos que fazem muito mal para eles”, observa Rodrigo Chen. Convém destacar que os cachorros não podem comer feijão, cebola, uva, chocolate e muitos alimentos que são normais para os humanos.

Foto ração.jpg

O produto será oferecido em embalagens de 1 quilo, por um preço a partir de R$ 17,40.

Sobre a Padaria Pet

Idealizada pelos irmãos Rodrigo e Ricardo Chen em 2011, após uma viagem aos Estados Unidos, eles perceberam um mercado promissor em ascensão mas carente desta experiência. Eles também notaram que, assim como os americanos, os brasileiros passaram a humanizar mais os seus animais, tornando-os membros da família. Assim, o conceito da Padaria Pet seria muito receptivo no Brasil.

Por isso em 2015 os irmãos Chen inauguraram a primeira loja em Pinheiros, São Paulo. Posteriormente, em meados de 2016, inaugurou-se uma loja conceito na Rua Oscar Freire. Depois, a expansão foi rápida e a empresa conta com franquias já em Belo Horizonte (MG), em Vila Velha (ES) e nos bairros Chácara Klabin e Brooklin, em São Paulo.

Esta expansão se deve à meta da empresa em atingir 15 unidades até 2019, por isso, eles oferecem uma taxa de franquia flexível de acordo com o modelo de negócio, variando os valores de R$ 15 mil a R$ 30 mil e, dependendo do modelo de franquia, o investimento médio inicial pode variar entre R$ 50 mil a 250 mil.

Informações: Padaria Pet

Mulher: descubra os benefícios do ômega-3 para a saúde feminina

O ômega-3 é um ácido graxo poli-insaturado que atua na modulação do processo inflamatório de diversas doenças, desde as cutâneas até os casos mais graves, como o câncer. Uma dieta rica em ômega-3 pode auxiliar na prevenção dessas enfermidades e na redução do estresse oxidativo.

Especialmente para as mulheres, o consumo regular da substância melhora a qualidade de vida e traz maior bem-estar ao dia a dia. Segundo Renato Leça, médico nutrólogo e vice-presidente da Associação Médica Brasileira de Ortomolecular, o ômega-3 está associado ao progresso de principais problemas associados à saúde feminina. Abaixo, ele explica sobre algumas delas:

– Câncer de mama

cancer de mama
O câncer de mama é o tipo de neoplasia que mais afeta mulheres no mudo e ocorre através da proliferação desordenada de células mamárias. Segundo estudos, a suplementação com ômega-3 ajuda a prevenir tumores de mama. Enquanto nos países ocidentais o consumo da substância ainda está sendo difundido, nos países orientais este já faz parte dos hábitos alimentares da população.

– Doenças cardiovasculares

coração6
Em relação às doenças cardiovasculares, embora as mulheres sofram menos que os homens, esta ainda consiste na primeira causa de morte, por doenças crônicas, entre o sexo feminino. Um dos principais fatores que predispõem as mulheres às doenças do coração é a menopausa, fase em que a mulher perde parte da proteção conferida pelos hormônios. Nesse sentido, a suplementação com ômega-3 pode ajudar a prevenir a fibrilação ventricular (ritmo cardíaco com batimentos descompensados e acelerados), a morte súbita, melhorar o relaxamento endotelial e regular o ritmo cardíaco.

– Alterações hormonais

mulher calor fogacho menopausa
Tanto a TPM quanto a menopausa também podem ter seus efeitos atenuados com a ingestão de ômega-3, uma vez que os efeitos inflamatórios relacionados a essas condições seriam amenizados pela substância

Portanto, enriquecer a dieta com suplementos à base de óleo de peixe parece trazer resultados positivos para a saúde feminina.

Como escolher o ômega-3

suplemento omega 3

Uma questão importante na suplementação de ômega 3 é a escolha de cápsulas que facilitem o uso e a deglutição. OmegaPure e OmegaPure DHA, da Biobalance, são os suplementos com a maior concentração e alta pureza de ácidos graxos ômega-3 já registrados no Brasil. Além do teor superior a 90%, a linha OmegaPure apresenta zero colesterol, zero gorduras saturadas e zero gorduras monoinsaturadas.

A tecnologia gastrorresistente, aplicada à menor cápsula do mercado, assegura um maior conforto gástrico, porque impede refluxo com odor de peixe – uma queixa comum de quem consome ômega 3 em cápsulas convencionais. As cápsulas de tamanho reduzido são de fácil ingestão, permitindo seu consumo de forma confortável também por crianças e idosos.

Fonte: Renato Leça é professor de Oftalmologia e Coordenador das Disciplinas de Medicina Integrativa e de Nutrologia com Prática Ortomolecular da Faculdade de Medicina do ABC.

Chá verde: sete benefícios que você não conhecia

Bebida milenar, tradicional na China e no Japão, o chá verde só chegou à Europa por volta do século XVII. Atualmente, ele é consumido no mundo todo, graças aos seus inúmeros benefícios. Feito a partir da infusão da planta Camellia sinensis, o chá verde é chamado assim porque, durante o processamento, suas folhas sofrem pouca oxidação. E não se deixe enganar, só a Camellia sinensis produz o verdadeiro chá verde.

Os benefícios mais comuns todos já sabem: ajuda na “queima” de gordura, é diurético, melhora a função cerebral e diminui o risco de alguns tipos de câncer. “Isso se dá graças a riqueza em polifenóis (catequinas e os flavonoides) que são poderosos antioxidantes. Essas substâncias são benéficas para a saúde, pois diminuem a formação dos radicais livres que degeneram as células no corpo, auxiliando no efeito antienvelhecimento”, explica a nutricionista e pesquisadora Aline Quissak.

Mas segundo a especialista, os benefícios não param por aí; o chá verde possuí uma gama enorme de substâncias que fazem bem ao nosso organismo. Confira sete benefícios desse chá para o seu dia a dia.

Cafeína

cha verde mulher

Composto estimulante mais conhecido no chá, sua quantidade é suficiente para produzir uma boa resposta sem causar efeitos nervosos quando há o excesso da substância, como no café. Ajuda na queima de gorduras e melhora o desempenho dos exercícios, já que aumenta a concentração, tempo de reação, além de ajudar na memória e humor.

Aminoácido L-teanina

Esse aminoácido melhora a atividade de neurotransmissores com efeitos anti-ansiedade, ajuda no foco, reduz o estresse e tem potencial tranquilizante sem causar sonolência, afetando de forma positiva a química do cérebro. Alguns estudos sugerem que pessoas que tomam chá verde com frequência são menos propensas a ter depressão.

EGCG

É uma das principais propriedades medicinais da bebida, esse tipo de catequina tem um potencial anticancerígeno grande, com ação mais potente nos cânceres de bexiga e próstata.

Diurético

Por conter catequinas e cafeína, que é um estimulante físico e mental, o chá pode provocar aumento da diurese, eliminando principalmente o excesso de líquidos retidos no corpo e retirando toxinas através do xixi.

Doenças cardiovasculares

chá verde japones tradicional louça pixabay
Pixabay

O chá é um grande amigo do coração, artérias e veias, pois os fortifica, atuando na prevenção de doenças circulatórias e cardíacas. Diminui as taxas de LDL (colesterol ruim), graças ao alto teor em polifenóis, que evitam que as partículas oxidadas prejudiquem as artérias e causem inflamações.

Sistema imunológico

Por conter potássio, manganês, vitaminas C, B1, B2, e K, ajuda a prevenir infecções e inflamações, pois esses minerais melhoram o funcionamento do sistema imunológico.

Neurônios

Alguns estudos indicam que as catequinas contidas no chá verde, podem ter efeitos de proteção nos neurônios, pois agem na prevenção da diminuição cognitiva que é causada pelo envelhecimento das células cerebrais. Com isso, diminui o risco de desenvolver Alzheimer, o mal de Parkinson e outras doenças neurodegenerativas.

Dúvidas

cha verde (2)

Quanto eu devo consumir para obter esses benefícios? Segundo Aline, o ideal é tomar até 3 xícaras por dia, com no máximo 2 gramas de chá para cada xícara. Se não conseguir suportar seu amargor característico, bata com hortelã ou algumas frutas, como morango, maçã, amora, acerola e uva. Beba sempre entre o intervalo das refeições, porque ele reduz a absorção de alguns nutrientes, como o ferro, cálcio e ácido fólico.

Sua infusão não deve ser maior que 3 minutos e a água para fazer a extração não pode estar fervendo, já que o gosto amargo pode acentuar e alguns compostos bons se dissolvem na água muito quente. Evite tomá-lo de noite, para não atrapalhar o sono por conta da cafeína.

Apesar de todos esses benefícios, algumas pessoas devem evitar a bebida. “Gestantes devem evitar tomar o chá verde, já que ele pode dificultar a absorção de ácido fólico. E a cafeína, mesmo que presente em doses menores que no café, pode causar dores de cabeça, taquicardia e náuseas. Pessoas intolerantes à cafeína, com gastrites ou úlceras também devem evitar o consumo, já que ele pode provocar mais irritação no estômago”, alerta a nutricionista.

Mesmo sendo um produto natural, quando consumido em excesso pode fazer mal ao organismo, por isso, fique atento às dicas da quantidade recomendada, melhores horários para o consumo e suas contraindicações. Siga sempre as recomendações do seu nutricionista.

Fonte: Aline Quissak – Nutri Secrets

Como tornar a sua dieta mais saudável com grãos

Nutricionista da Bio Mundo explica os benefícios de incluir o alimento nas refeições diárias

Dar os primeiros passos em direção a uma vida mais saudável pode ser mais simples do que se pensa. Um bom começo é através de uma reeducação alimentar, e existem muitas formas de melhorar a sua dieta, uma delas é com o uso de grãos e cereais, que são nutritivos e já estão presentes nas mesas dos brasileiros. Mas como os grãos desempenham esse papel de tornar a vida mais saudável?

Para a nutricionista Larissa Miriam da Bio Mundo, rede de franquias que busca gerar saúde e bem estar na vida das pessoas por meio de uma alimentação saudável, os benefícios que os grãos trazem sãos muitos. “Eles são nutritivos e contém quantidades consideráveis de vitaminas, como complexo B, que é muito importante no cardápio de veganos e vegetarianos. Outro ponto positivo é que, apesar de conter carboidratos, os grãos têm baixo índice glicêmico por sua proporção de fibras, auxiliam na saúde cardiovascular e redução do colesterol” afirma.

A nutricionista destaca também a importância de ficar atento as formas que os grãos são consumidos, que são subdivididos em cereais integrais e grãos refinados. “Elas interferem na qualidade e quantidade de nutrientes do produto. Por causa do processo industrial, os refinados acabam perdendo fibras, vitaminas e minerais. Algo que não ocorre com os integrais”, explica Larissa.

Por esse motivo se deve priorizar o consumo de grãos integrais. Os refinados, como a farinha de trigo branca, são pobres em fibras e vitaminas e podem levar a um aumento da glicemia se consumidos isolados (sem proteínas, gorduras e fibras) na refeição.

De acordo com a nutricionista, é importante variar os tipos de grãos e cereais, quanto maior a variedade mais diversificados são os nutrientes. Entre as melhores opções estão:

– Soja

soja-1600 getty
Getty Images

“Alguns grãos como a soja diminuem até mesmo os riscos de câncer de mama e próstata, mas é preciso ficar alerta com a procedência desses grãos, que de preferência devem ser orgânicos, e não transgênicos, para serem usados com essa finalidade” comenta Larissa.

– Feijão

feijao

Rico em fibras, proteínas, potássio, vitaminas do complexo B, zinco, ferro e magnésio, o feijão é importante para a regulação arterial, reforço do sistema imunológico, reparação muscular e prevenção da anemia.

– Grão de bico

grão de bico max straeten
Foto: Max Straeten/Morguefile

Além dos muito nutrientes, o Grão de Bico possui substâncias que, consumido diariamente, pode reduzir o nível de colesterol ruim do organismo. É também o consumo ideal para quem tem diabete, porque as proteínas e fibras fazem com que a digestão ocorra de forma mais lenta controlando os níveis de glicemia no sangue.

– Ervilha

ervilhas pixabay 1

Ajuda a prevenir doenças cardíacas, melhorar a saúde mental e a evitar lesões oculares, a ervilha traz diversos benefícios para o organismo. Rica em vitamina C e E, polifenois, ácidos fenóicos, entre outros nutrientes, o grão ainda combate a aceleração do envelhecimento.

“Outros grãos podem ser colocados nessa lista, como lentilha, amaranto, arroz integral, quinoa. As opções são muitas quando se trata de tornar a sua dieta mais saudável” finaliza a nutricionista.

Fonte: Bio Mundo

Casa Santa Luzia promove especial de produtos veganos

Clientes podem degustar produtos e aproveitar ofertas até o dia 23 de março

A Casa Santa Luzia realiza de 11 a 23 de março, no mezanino da loja, a 2ª. edição do Especial de Veganos. O evento traz exposição de produtos, ofertas e degustações, que vão desde alimentos com versões integrais e sem glúten a diversos itens que não levam componentes de origem animal ou não foram testados em animais, como produtos de higiene e limpeza.

São mais de 40 marcas participantes, entre elas: Pura Vida, Chocolife, Bianca Simões, Castanharia, Essencial, Mais Pura, Greenpeople, Jasmine (geladeira), Pamalani, Fresco, Vida Veg, Gelato (limpeza e higiene), BioZ, Schraiber e Live Aloe.

Além dos produtos de fornecedores, também estão disponíveis itens da linha Feitos na Casa, como o cheescake de caramelo individual (R$ 17,30 de 115g), a moqueca de banana da terra congelado (R$ 22,10 de 330g) e o pudim de chia e frutas vermelhas (R$ 11,60 de 70g).

casa santa luzia veg 2

Algumas ofertas:

Pipoca Mais Pura 150g caramelo com sal de R$10,10 por R$9,00.
Pasta de amendoim Eat Clean de R$19,30 por R$17,40.
Snack Kalassi Rice 100g original de R$12,10 por R$10,90.
Sorvete Gelato vegano (chocolate, creme, flocos e milho verde) de R$21,70 por R$ 19,50.
Lava louça Bioz 600ml neutro de R$10,20 por R$ 9,20.
Desodorante Schraiber sem perfume 50ml roll on de R$17,60 por R$15,90.

casa santa luzia veg

Confirma abaixo a programação:
Dia 12 de março, terça-feira: Universo Saudável e Flow.
Dia 13 de março, quarta-feira: Monama, Carob House, Hué e No Bones.
Dia 14 de março, quinta-feira: A Tal da Castanha, Grano Square, Vitalin e Gelato.
Dia 15 de março, sexta-feira: Pinati, Grani Amici, Bio2, Schraibmann, Plante.
Dia 16 de março, sábado: Bianca Simões, Castanharia, Mais Pura, BioZ, Fresco.
Dia 19 de março, terça-feira: Ana Lelis e Lev Crock.
Dia 20 de março, quarta-feira: Sekiama, Kalassi, Cajueiro e Pamalani.
Dia 21 de março, quinta-feira: Hart’s Miss Croc, B.Eat, Jasmine e Flor de Sal.
Dia 22 de março, sexta-feira: Essential, Simple, Fhom, Green Peopl e Vida Veg.
Dia 23 de março, sábado: Chocolife, Eat Clean, Pura Vida, Live Aloe e Seeds.

Casa Santa Luzia Alameda Lorena, 1471 – Horário de funcionamento: de segunda a sábado, das 8h às 20h45

Por que na dieta low carb sinto menos fome?*

A maioria dos praticantes da dieta low carb relata perder um pouco do apetite quando inicia esta estratégia alimentar, e se pergunta se isso é normal ou é algo que deve ter uma maior atenção. A resposta é: sim. É completamente normal que a fome diminua quando iniciamos a low carb. Isso ocorre pelo fato de diminuirmos o consumo de carboidratos e aumentarmos o consumo de gorduras.

Quando consumimos mais carboidratos, provocamos mais picos de insulina em nosso organismo, que é o hormônio transportador de glicose no sangue. E, quando essa insulina cai novamente, sentimos fome mais rápido. Quando diminuímos o consumo dos carboidratos e aumentamos o de gordura, essa insulina para de ser ativada com tanta frequência, o que faz com que demoremos mais para sentir fome novamente.

Outro fator de sentir essa sensação de saciedade é que as gorduras são nutrientes que demandam mais tempo para serem digeridas e absorvidas em nosso organismo do que os carboidratos. Ou seja, elas ficam por mais tempo em nosso estômago, provocando uma sensação de saciedade mais prolongada.

Portanto, fique tranquila, se for iniciar a low carb, tenha consciência de que você naturalmente irá diminuir o número de refeições do seu dia. Isso é uma boa prática inclusive para evitar exageros no consumo de gorduras, por exemplo.

Dieta Low Carb

dieta-low-carb-header
Header

Tem como principal objetivo reduzir a quantidade de carboidratos ingeridos. A redução pode variar de 5% a 45% do que se consome de carboidrato ao longo do dia. Essa redução pode trazer emagrecimento, pois os alimentos consumidos serão de baixo índice glicêmico, que, normalmente, são rapidamente absorvidos pelas células como fonte de energia. Sendo assim, não serão armazenados como forma de gordura.

Nessa dieta é importante priorizar o consumo de fibras, que auxiliam na saciedade e funcionamento do intestino, como pães produzidos com farinha 100% integral. Sempre se atentando a consumir alimentos com baixo índice glicêmico. É uma alimentação indicada para perda de peso e controle da glicose, vale salientar que não é uma alimentação só composta de proteínas, mas também de gorduras, sais minerais, vitaminas, fibras, água e redução de carboidratos, conforme necessidade do paciente. É necessário avaliar o paciente de forma individualizada e fazer as adequações necessárias de quantidades de nutrientes.

Não se trata de uma dieta da moda e com uma fórmula única. Uma dieta pode ser feita apenas baseada em alimentos low carb. Mas é mais complicada de se seguir, pois se reduz muito a oferta de alimentos fontes de carboidratos, ficando baseada, de forma geral, em verduras, legumes e carnes. Numa dieta low carb, com a restrição de carboidratos, o organismo busca em outras fontes a energia necessária (cuja a maior fonte são os carboidratos) para sua manutenção, no caso, nas gorduras – que também promovem saciedade.

Ao reduzir a ingestão de carboidrato diária, muitas pessoas aumentam as quantidades de proteína e gordura, as quais em excesso não serão saudáveis, pois podem ocasionar doenças renais e cardíacas. Portanto, é preciso sempre procurar orientação de um especialista antes de iniciar qualquer dieta. Os alimentos permitidos são vegetais (com exceção de alguns, como, por exemplo, abóbora), carnes, verduras e leite e derivados.

Devem ser excluídos do cardápio cereais (como arroz, milho etc.), alguns vegetais (como abóbora), tubérculos (batatas, aipim, inhame etc.), qualquer alimento que contenha farinhas (o que exclui o glúten, além de pães, massas etc.), leguminosas e alimentos altamente processados (os industrializados).

frutas vermelhas skyangel

Quanto ao consumo de alimentos fontes de gorduras, as melhores opções são: azeite de oliva, manteiga, óleo de coco, apenas óleos de origem natural. No caso das frutas, elas podem elevar o índice glicêmico devido ao seu alto teor de frutose. Para melhorar isso, devem ser sempre consumidas com uma fonte de fibras, uma semente como a chia, por exemplo; ou devem ser escolhidas aquelas que podem ser consumidas com o bagaço, como a mexerica ou a laranja, pois o aporte de fibras reduz o índice glicêmico das frutas.

As frutas vermelhas contêm menores quantidades de açúcares. Outras opções são: coco, abacate e as frutas secas e castanhas, que por serem ricas em gorduras boas, não elevam o índice glicêmico. É importante a busca por um profissional para que ele diga por quanto tempo essa dieta pode ser seguida, pois é individualizado.

Vegetarianos e a dieta low carb

vegetariana

Eu vim derrubar alguns mitos de que o vegetariano não pode fazer uma alimentação com baixo teor de carboidrato. Obviamente que é possível entrar no mundo low carb com saúde e a consciência que é necessário lançar mão de alguns alimentos para perder peso e ganhar melhor qualidade de vida.

Primeiramente, eu gostaria de esclarecer que low carb não é zero carboidrato, mas, sim, redução. Eliminar a farinha branca e demais alimentos que contenham alto teor de glúten e elementos que engordam e incham prejudicando a saúde faz bem e pode ser implantado na dieta vegetariana, desde que sejam feitas substituições inteligentes.

Como pode ser feita a dieta low carb para os vegetarianos?

vegetariano

As fontes de proteínas para os vegetarianos são constituídas por vegetais, folhosos, grãos integrais como quinoa, amaranto, fungos (cogumelos), frutos secos e suplementação. Esses alimentos são necessários para manter a energia e o bom funcionamento do organismo.

Nas dietas low carb são equilibradas as proteínas, frutas com baixas calorias ricas em vitaminas e pouco teor de carboidrato, além de folhas, legumes,soja e tofu. Os vegetarianos que possuem uma alimentação saudável já consomem esses alimentos, o que é necessário é apenas um planejamento das refeições com inclusão de itens saudáveis e equilibrados que substituam alguns carboidratos.

A fonte de alimentação vegetariana na dieta low carb pode vir de gorduras boas do abacate, castanhas, nozes, óleo de coco, azeite de oliva. Açúcar, pães, bolos, bolachas, massas e grãos com glúten devem ser eliminados. O importante é suprir todas as necessidades do organismo com relação aos nutrientes necessários para evitar carências vitamínicas.

Dieta low carb em vegetarianos com orientação nutricional

Eu já havia abordado esse tema, mas é importante frisar que toda mudança alimentar necessita de orientação de um profissional. Nosso organismo tem a necessidade de vitaminais, minerais e aminoácidos importantes para evitar inúmeras doenças. Com a dieta low carb não é diferente, não basta eliminar uma categoria de alimentos, mas sim substituí-la por outra mais benéfica. Ganhe saúde, emagreça com responsabilidade e evite dietas sem orientação de um profissional. Lembre-se que você é o que você come.

Carboidratos bons x ruins

Os carboidratos são parte essencial de uma dieta saudável, mas é importante saber que nem todos são iguais. Os três principais tipos de carboidratos são açúcares, amidos e fibras. Eles também podem ser classificados como ‘simples’ ou ‘complexos’ com base em sua composição química e com o que seu corpo faz com eles. Mas, como muitos alimentos contêm um ou mais tipos de carboidratos, ainda pode ser complicado entender o que é saudável para você e o que não é. Vamos tentar entender melhor?

Carboidratos ‘bons’

pasta e pane integrale

Os carboidratos complexos são considerados ‘bons’ por causa da cadeia mais longa de açúcares de que eles são feitos e que o corpo leva mais tempo para quebrar. Isso significa que você obterá quantidades mais baixas de açúcares liberadas a uma taxa mais consistente – em vez de picos e vales – para mantê-lo durante todo o dia.

Os alimentos com carboidratos complexos também possuem mais vitaminas, fibras e minerais do que alimentos que contêm carboidratos mais simples, desde que você esteja escolhendo grãos inteiros ao invés de processados. Por exemplo, grãos integrais, como farinha de trigo integral, quinoa, arroz integral, cevada, milho e aveia, dentre outros, fornecem mais nutrientes do que grãos processados, como arroz branco e pães, macarrão e assados ​​feitos com farinha branca.

Os carboidratos complexos com densidade nutritiva que fazem parte de uma dieta saudável e equilibrada incluem pães, alimentos feitos com farinha de trigo integral, arroz integral e selvagem, cevada, quinoa, batatas, milho, legumes, como feijão preto, grão de bico, lentilhas e outros.

Carboidratos ‘ruins’

vegetais jerzy gorecky
Foto: Jerzy Gorecki

Os carboidratos simples não são necessariamente ruins – depende do alimento que você esteja ingerindo. Por exemplo, frutas e vegetais são excelentes fontes de vitaminas e minerais essenciais necessários para uma boa saúde e, naturalmente, contêm carboidratos simples compostos de açúcares básicos. Mas frutas e vegetais são muito diferentes de outros alimentos na categoria ‘simples’ de carboidratos, como biscoitos e bolos com açúcares refinados.

A fibra em frutas e vegetais muda a forma como o corpo processa seus açúcares e diminui sua digestão, tornando-os um pouco mais como carboidratos ‘bons’. Evite carboidratos simples como refrigerantes, doces, biscoitos e outras sobremesas, bebidas açucaradas como limonada ou chá gelado, bebidas energéticas e sorvete.

Portanto, ao tentar descobrir se uma fonte de carboidratos é boa ou ruim, lembre-se que quanto maior em açúcar o alimento é, e quanto menor em fibra, vitaminas e minerais, pior será essa fonte de carboidrato para você.

*Paula Fernandes Castilho é nutricionista graduada pelo Centro Universitário São Camilo. Especialista em Nutrição Clínica pelo Ganep, capacitada em Fitoterapia em Nutricosméticos. Diretora da Sabor Integral Consultoria em Nutrição.

Chef funcional ensina receitas para deixar o lanche mais saudável

Hábitos saudáveis adquiridos na infância garantem mais qualidade na vida adulta. Ok, isso todo mundo sabe, certo? O grande desafio muitas vezes é colocar isso em prática. Mas se nem sempre é possível convencer os pequenos a trocarem a batata frita pela maçã, que tal oferecer um pão mais natural, e uma coxinha funcional?

Esta é a proposta da chef funcional Lidiane Barbosa, que ensina cada vez mais famílias a mudarem seus pratos levando alimentação saudável, sabores e paladares e, principalmente, seu conhecimento em relação àquilo que colocam na dispensa com o seu Projeto Crescer e Semear:

“O objetivo é despertar o olhar dos pais por meio das crianças para uma alimentação mais saudável, pois acredito que o que se aprende nos primeiros anos de vida levamos para a vida toda. A criança não vai sozinha ao supermercado, não tem o poder de decisão e nem paga conta. As crianças têm vontades, assim como os adultos, mas cabe a nós oferecermos as opções mais saudáveis, ensinando que podemos comer bolos, biscoitos e muitas guloseimas de uma forma natural e saudável”, afirma a nutricionista.

Lidiane garante que preparações integrais, sem glúten, sem leite, sem soja e, se houver a necessidade, sem açúcar também, podem ser muito saborosas. Confira abaixo três receitas que com certeza vão fazer sucesso na hora do lanche do seu filho.

Bolo de abóbora

bolo de cenoura

Ingredientes:
2 xícaras (chá) de abóbora cabotia crua ralada
½ xícara (chá) de óleo de girassol ou óleo de coco
3 ovos caipiras
1 xícara (chá) de açúcar mascavo
1 1/2 xícara (chá) de farinha de arroz integral ou farinha de trigo integral
½ xícara (chá) de coco ralado flocos grossos sem açúcar
1 colher (sopa) de fermento em pó
1 pitada de canela
Óleo de girassol e farinha de arroz para untar e polvilhar a forma

Modo de preparo:
Preaqueça o forno a 180 graus. Bata as claras em neve e reserve. No liquidificador, bata os demais ingredientes, com exceção do coco e do fermento. Coloque a massa no mesmo bowl das claras em neve e mexa delicadamente incorporando aos poucos. Acrescente o coco e o fermento. Leve ao forno por 40 minutos.

Pão de mandioquinha

pao de queijo.jpeg

Ingredientes:
3 xícaras (chá) de mandioquinha (ou tubérculo que tiver) cozida e amassada
½ xícara (chá) de azeite de oliva
1 ½ xícara (chá) de polvilho doce
1 xícara (chá) de polvilho azedo
1 colher (chá) de sal marinho moído
Água filtrada, se necessário, para dar liga

Preparo:
Faça um purê amassando a mandioquinha. Misture todos os ingredientes. Leve em forno preaquecido a 180 graus por 35 minutos.

Coxinha funcional com frango cremoso

coxinha funcional.jpg

Ingredientes

Massa
200 g de farinha de farinha de grão-de-bico
100 g de fécula de batata
350 ml de caldo de galinha caseiro (aquele que sobra do cozimento do frango)
2 colheres de sopa de óleo de coco
4 colheres de sopa de farinha de linhaça

Recheio
200 g de frango cozido e desfiado
3 colheres de sopa de molho de tomate caseiro
5 colheres de sopa de creme de tofu
Sal a gosto

Creme de tofu
200 g de tofu sem sal
4 colheres de sopa de azeite de oliva extra virgem
1 pedacinho de alho
1 colher de chá de açafrão em pó
Salsinha a gosto
Sal a gosto

Farinha funcional (para empanar)
100 g de quinoa em flocos
100 g de gergelim torrado
20 g de semente de linhaça
20 g de semente de chia

Montagem
Azeite de oliva, óleo de coco ou água

Modo de preparo
Bata todos os ingredientes do creme de tofu no liquidificador e acerte o sal se necessário. Também no liquidificador, coloque para bater todos os componentes da farinha funcional. Reserve. Para o recheio, misture todos os ingredientes e reserve. Preaqueça o forno em temperatura média (180 ºC) por 5 minutos. Adicione a farinha de grão de bico e a fécula de batata peneirada aos poucos mexendo sempre, até formar uma massa homogênea. Triture a linhaça e adicione à massa. Ficará uma massa mais durinha que vai soltar do fundo da panela. Não cozinhe muito para que a massa não fique dura. Pegue um pouco da massa, abra na palma da mão e coloque uma porção do recheio. Modele as coxinhas, passe no azeite de oliva, óleo de coco ou água, empane-as na farinha funcional e leve ao forno, preaquecido, durante 20 a 25 minutos.

Chef Funcional Lidiane Barbosa

lidiane barbosa.jpg

Lidiane trocou uma especialização com foco na carreira jurídica pelo curso de técnicas em gastronomia na Escola de Restauració I Hostalatge, de Barcelona, em 2002. Não demorou muito para ela mergulhar de cabeça na gastronomia funcional. Fez pós-graduação e outras especializações na área. Em 2015, teve a oportunidade de expandir seus conhecimentos estudando na Le Cordon Bleu, em Paris. Estudou no Natural Gourmet Institute, em Nova York, Escola Jamie Oliver, em Londres e Matthew Kenney Culinary School em Venice Beach

Lidiane tem como “bandeira” a disseminação da comida “de verdade”, o uso de ingredientes integrais, frescos e orgânicos, incentivo ao produtor local, a utilização das plantas alimentícias não convencionais (PANCS) e a socialização por meio da comida. É também especialista em gastronomia sem glúten e sem outros alergênicos.

A chef é requisitada para consultorias a restaurantes e bistrôs pelo Brasil. No currículo, são 16 estabelecimentos em Belém, Distrito Federal, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraná, Santa Catarina, São Paulo etc (lista completa abaixo). Ela também viaja o país comandando cursos e workshops de gastronomia funcional. Já foram mais de 400 cursos e palestras, 80 cidades e um total de mais de 40 mil alunos.

É autora das receitas do livro “Vó Leninha e … O Aniversário de Isabela”, primeira publicação brasileira com preparações funcionais voltada para crianças, em parceria com uma escritora de Santa Catarina

Presidente e Idealizadora do Projeto Crescer e Semear (desde 2015), realizado pela ONG – Instituto Alice Henrique de Campos Gonçalves, também presidido pela mesma, que só em 2018 está alcançado 4500 crianças, 50 merendeiras de 13 escolas públicas da cidade de Blumenau/SC.