Arquivo da categoria: câncer de mama

Controle de horário das refeições contribui para reduzir risco de câncer de mama

Estudo conduzido nos Estados Unidos indica que restringir período de consumo de alimentos entre a população feminina pós-menopausa com sobrepeso é mais eficaz na prevenção de tumores do que dietas baseadas no controle de calorias

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o câncer de mama atinge 1,5 milhão de mulheres ao redor do mundo todos os anos. E mesmo com os avanços nas tecnologias para detecção precoce e tratamento da doença, esse ainda é o tipo de tumor mais incidente e uma das causas mais comuns de morte entre essa parcela da população global.

Um novo estudo conduzido nos EUA e apresentado durante o encontro anual da Sociedade Americana de Endocrinologia (Endo 2019) tenta agora lançar luz sobre medidas eficazes de prevenção que poderiam ajudar a frear um dos fatores evitáveis de risco relacionados aos tumores mamários: o excesso de peso.

cancer de mama

A análise mostrou que restringir os horários das refeições, permitindo a ingestão de alimentos dentro de um período de oito horas diárias, ajudaria a acelerar o metabolismo corporal e, com isso, reduzir drasticamente o sobrepeso e a possibilidade de surgimento do câncer de mama entre mulheres no período pós-menopausa. Essa seria ainda uma alternativa mais eficaz do que as dietas baseadas no corte de calorias.

A pesquisa inicialmente avaliou o comportamento de ratos obesos submetidos à limitação no horário de acesso à comida. O efeito ‘antitumor’ dessa medida seria justificada pela redução nos níveis de insulina no sangue, promovendo uma resposta efetiva tanto para a prevenção quanto para melhores respostas ao tratamento do câncer de mama, afirmou o pesquisador que liderou a análise, Manasi Das, da Universidade da Califórnia (Estados Unidos).

Para o oncologista Daniel Gimenes, do Centro Paulista de Oncologia (CPO), unidade do Grupo Oncoclínicas em São Paulo, ainda é cedo, contudo, para assegurar a eficácia desse tipo de medida, já que ainda não há registro de resultados do teste em humanos.

“Apesar de ainda tratarmos como uma hipótese, é fato que existem diferentes maneiras pelas quais a obesidade pode aumentar os riscos de câncer em mulheres. Essa nova pesquisa mostra que, assim como outros cientistas já vinham apontado, estabelecer uma janela de tempo reduzida para o consumo de alimentos é efetivo para manter os níveis de insulina do corpo baixos. Quando isso ocorre, as nossas células de gordura começam a queimar seu estoque de açúcar como fonte de energia. Assim começa a acontecer a perda de peso”, contextualiza.

Mas o especialista é enfático em afirmar que mais do que pensar em períodos adequados para o consumo de refeições, é imperativo o desenvolvimento de políticas públicas focadas em orientar a sociedade sobre hábitos alimentares pouco saudáveis, como ingestão de gorduras, açúcares e produtos industrializados em excesso.

mulher doces shutt

“Fast Food, salgadinhos de pacote, embutidos, refrigerantes e ultraprocessados em geral são os responsáveis pelo aumento da incidência de sobrepeso e obesidade entre a população nos mais diversos países, inclusive o nosso. Estes sim fatores que sabidamente elevam os riscos de incidência de câncer e devem ser diretamente evitados em todas as fases da vida e independentemente do gênero”, explica Gimenes.

75% da população mundial ignora relação entre sobrepeso e risco de desenvolver câncer

Uma outra pesquisa, realizada no final de 2016 pelo Cancer Research UK, do Reino Unido, constatou que três em quatro pessoas desconhecem a relação entre o excesso de peso e o diagnóstico de ao menos dez tipos de câncer: esôfago, vesícula, fígado, pâncreas, rins, intestino, útero, ovário, mama e próstata.

O estudo destaca ainda que indivíduos de origem socioeconômica mais baixa e homens, em especial, representam a maior parte entre aqueles que desconhecem os riscos aumentados de desenvolver tumores em decorrência da obesidade e que este mesmo grupo tem o maior número de pessoas obesas.

obesidade
Foto: Xenia/Morguefile

No Brasil, segundo os dados mais recentes do IBGE, quase 60% da população está acima do peso. Considerando-se apenas os impactos na incidência de câncer, estimativas do Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), indicam que pelo menos 15 mil dos casos de câncer registrados por ano no país – uma fatia que representa 3,8% do total – poderiam ser evitados a partir de medidas voltadas ao combate ao sobrepeso e à obesidade. Destes, 10 mil atingiriam mulheres e os outros 5 mil homens.

E essa é uma realidade que tende a evoluir de forma negativa: até 2025 serão 29 mil novos casos de câncer causados pelo excesso de peso (4,6% do total) segundo o estudo epidemiológico, feito em colaboração com a Harvard University (Estados Unidos) e publicado em 2018.

“A obesidade é a segunda maior causa evitável da doença, perdendo apenas para o tabagismo. E além do câncer, vale lembrar que problemas como diabetes, acidentes vasculares cerebrais (AVC) e doenças cardiovasculares podem ser evitadas a partir de medidas simples para controle desse excesso de quilos”, comenta Gimenes.

alimentacao-saudavel

O oncologista do CPO reforça que manter uma alimentação equilibrada é a chave para a diminuição da progressão dos casos de câncer. “A dieta saudável é aquela que o indivíduo tem a orientação de um nutricionista ou nutrólogo e que tenha um cardápio composto de alimentos integrais, frutas, verduras, proteínas de carne branca, além de limitar o consumo de carne vermelha, carnes defumadas e processadas e a ingestão de bebidas alcoólicas”, finaliza o especialista.

Fonte: Centro Paulista de Oncologia CPO – Grupo Oncoclínicas

Mulher: descubra os benefícios do ômega-3 para a saúde feminina

O ômega-3 é um ácido graxo poli-insaturado que atua na modulação do processo inflamatório de diversas doenças, desde as cutâneas até os casos mais graves, como o câncer. Uma dieta rica em ômega-3 pode auxiliar na prevenção dessas enfermidades e na redução do estresse oxidativo.

Especialmente para as mulheres, o consumo regular da substância melhora a qualidade de vida e traz maior bem-estar ao dia a dia. Segundo Renato Leça, médico nutrólogo e vice-presidente da Associação Médica Brasileira de Ortomolecular, o ômega-3 está associado ao progresso de principais problemas associados à saúde feminina. Abaixo, ele explica sobre algumas delas:

– Câncer de mama

cancer de mama
O câncer de mama é o tipo de neoplasia que mais afeta mulheres no mudo e ocorre através da proliferação desordenada de células mamárias. Segundo estudos, a suplementação com ômega-3 ajuda a prevenir tumores de mama. Enquanto nos países ocidentais o consumo da substância ainda está sendo difundido, nos países orientais este já faz parte dos hábitos alimentares da população.

– Doenças cardiovasculares

coração6
Em relação às doenças cardiovasculares, embora as mulheres sofram menos que os homens, esta ainda consiste na primeira causa de morte, por doenças crônicas, entre o sexo feminino. Um dos principais fatores que predispõem as mulheres às doenças do coração é a menopausa, fase em que a mulher perde parte da proteção conferida pelos hormônios. Nesse sentido, a suplementação com ômega-3 pode ajudar a prevenir a fibrilação ventricular (ritmo cardíaco com batimentos descompensados e acelerados), a morte súbita, melhorar o relaxamento endotelial e regular o ritmo cardíaco.

– Alterações hormonais

mulher calor fogacho menopausa
Tanto a TPM quanto a menopausa também podem ter seus efeitos atenuados com a ingestão de ômega-3, uma vez que os efeitos inflamatórios relacionados a essas condições seriam amenizados pela substância

Portanto, enriquecer a dieta com suplementos à base de óleo de peixe parece trazer resultados positivos para a saúde feminina.

Como escolher o ômega-3

suplemento omega 3

Uma questão importante na suplementação de ômega 3 é a escolha de cápsulas que facilitem o uso e a deglutição. OmegaPure e OmegaPure DHA, da Biobalance, são os suplementos com a maior concentração e alta pureza de ácidos graxos ômega-3 já registrados no Brasil. Além do teor superior a 90%, a linha OmegaPure apresenta zero colesterol, zero gorduras saturadas e zero gorduras monoinsaturadas.

A tecnologia gastrorresistente, aplicada à menor cápsula do mercado, assegura um maior conforto gástrico, porque impede refluxo com odor de peixe – uma queixa comum de quem consome ômega 3 em cápsulas convencionais. As cápsulas de tamanho reduzido são de fácil ingestão, permitindo seu consumo de forma confortável também por crianças e idosos.

Fonte: Renato Leça é professor de Oftalmologia e Coordenador das Disciplinas de Medicina Integrativa e de Nutrologia com Prática Ortomolecular da Faculdade de Medicina do ABC.

As três doenças que mais afetam as mulheres

No mês da mulher, especialista alerta sobre os principais problemas, cuidados e prevenção

Celebramos recentemente o Dia Internacional da Mulher, data reconhecida mundialmente que se transformou em um ótimo momento para a reflexão, ainda mais quando envolve cuidados com a saúde. Afinal de contas, na correria do mundo moderno, fica cada vez mais difícil tirar alguns minutos do dia para cuidar da saúde, ainda mais quando tratamos das mulheres, que geralmente cumprem a famosa “dupla jornada”.

Segundo Márcia Araújo, ginecologista do Docway, as múltiplas funções da mulher e a falta de tempo para cuidar com atenção da saúde acabam por aumentar o número de casos de doenças como câncer de mama, depressão e câncer de colo de útero. Por isso, a especialista alerta sobre a importância dos cuidados mesmo com essa rotina agitada.

“Após muita luta, nosso papel na sociedade está evoluindo muito. Hoje, nós mulheres desempenhamos várias funções e acabamos descuidando da saúde. O que não pode acontecer é a negligência com os cuidados pessoais. Com os avanços tecnológicos e as facilidades que eles nos trouxeram, podemos manter nossa rotina e o acompanhamento médicos em dia, evitando vários problemas”, explica a especialista.

Confira uma análise da especialista sobre as três doenças que mais afetam as mulheres atualmente:

Câncer de mama

auto-exame-cancer-de-mama-ibcc-diante-do-espelho-chuveiro-ou-deitada

Esse tipo de câncer é o que mais comum entre mulheres no Brasil e no Mundo, correspondendo a 29% de novos casos de câncer todos os anos. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), no ano de 2018, a estimativa era que os casos de câncer de Mama ultrapassariam a casa de 59,7 mil no Brasil. O câncer de mama tem diversos tipos. Na maioria deles, quando diagnosticados em fases iniciais, é passível de tratamento, com boas perspectivas de cura.

“Nós mulheres devemos estar atentas, pois fazer os exames preventivos é fundamental. A maioria dos casos não têm sintomas em estágios iniciais. Por esse motivo, a mamografia tem grande importância. Dentre os sinais de alerta, um dos mais comuns é o nódulo no seio, que pode vir acompanhado ou não de dor. Porém, existem outros sintomas que devem chamar a atenção como secreção no mamilo, alterações na pele que recobre a mama e nódulo na axila. Vale lembrar que o autoexame não substitui a mamografia e o exame clínico cuidadoso feito por um profissional qualificado”, detalha a médica.

Depressão

tristeza-ansiedade-depressao

Estimativas da Organização Mundial de Saúde (OMS) alertam que até o ano de 2020 a depressão será a doença com maior impacto no mundo. Aqui no Brasil, a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) estima que uma faixa de 20% da população teve, têm ou terá um episódio em algum momento de sua vida. Falta de interesse, concentração, perda da autoestima e mudanças bruscas de humor são alguns dos sintomas da depressão. A doença atinge significativamente mais as mulheres do que os homens. Cientistas e especialistas não têm um real motivo para essa diferença, mas acreditam que ela tem relação com a influência dos hormônios femininos.

“Quadros depressivos devem ser diagnósticos e tratados com muita cautela e por profissionais capacitados. Mas podemos ajudar a melhorar esse quadro com, por exemplo, a prática regular de atividade física e a vinculação da pessoa a atividades coletivas, entre eles cursos e voluntariados. Essas ações ajudam a reduzir a ansiedade, melhora o humor e a interação com o meio social”, comenta a especialista.

Câncer de colo de útero

cientista laboratorio analise pesquisa

Dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA) mostram que esse tipo de câncer é considerado um dos mais importantes problemas de saúde pública do mundo. Só no ano de 2016 foram estimados mais de 16 mil casos novos de câncer do colo do útero no Brasil, o que significa 15 novos casos a cada 100 mil brasileiras. As principais causas da doença são o início precoce da atividade sexual da paciente, a variedade de parceiros sexuais, a higiene íntima inadequada e o Papilomavírus Humano (HPV).

“O câncer do colo do útero tem um grande potencial de prevenção e cura se diagnostico a tempo. Sintomas podem servir de alerta, entre eles sangramento vaginal após a relação sexual, corrimento vaginal de cor escura e com mau cheiro, e em estágios mais avançados, hemorragias, dores lombares e abdominais, perda de apetite e de peso. Uma ótima opção para a prevenção da doença é a vacina, que se destina a jovens, principalmente antes inicias as atividades sexuais. Para todas, o Papanicolau e o exame clínico anual são fundamentais”.

Para finalizar e médica lembra que as melhores formas de cuidado e prevenção são as mais conhecidas, ter uma alimentação saudável, praticar exercícios e ir ao médico regulamente são algumas atitudes básicas para quem busca qualidade de vida e longevidade. Esses cuidados básicos são a melhor forma de prevenir as principais doenças que afetam a saúde da mulher.

Fonte: Docway

Teste que mostra predisposição a alguns tipos de câncer é coberto por planos de saúde

Exame investiga se há mutações nos genes BRCA, permitindo prevenir o surgimento de tumores de mama e ovários em mulheres

Uma das doenças que mais preocupam as mulheres é o câncer. E essa preocupação não é à toa, visto que, no mundo, uma em cada seis mulheres terá câncer em algum momento da vida, de acordo com o relatório mais recente da Agência Nacional de Pesquisa Contra o Câncer, vinculada à Organização Mundial da Saúde (OMS).

A boa notícia é que com os avanços da medicina e da tecnologia, ter câncer não mais significa assinar uma ‘sentença de morte’. E, atualmente, as mulheres não só podem descobrir tumores malignos em estágios iniciais, por meio de exames periódicos, como até mesmo prevenir o surgimento de alguns tipos de câncer.

Entre os mais comuns entre as mulheres estão o de mama e o de ovários. Fatores como estilo de vida e idade avançada pesam na incidência da doença. Estima-se que 75% a 80% dos casos de câncer de mama originem-se em mulheres sem fator de risco genético para a doença. Mas para aquelas que já têm predisposição por fator genético da mãe ou do pai – o que corresponde de 5% a até 15% dos casos – é possível prevenir o aparecimento de tumores malignos realizando um teste genético simples.

pesquisa estudo microscopio testes ciencia pixabay
Pixabay

O exame, feito por meio de coleta de sangue ou saliva, identifica mutações nos genes BRCA. Laboratórios particulares no Brasil já o fazem. Ele custa entre R$ 1.500,00 e R$ 2.000,00 e é coberto pelos planos de saúde, mas ainda não está disponível no SUS.

“As portadoras de mutação BRCA1 apresentam risco cumulativo de desenvolvimento de neoplasia de mama, de cerca de 72% e de 44% para neoplasia de ovário; além de 40% para câncer de mama contralateral. Já as pacientes com mutação BRCA2 apresentam risco cumulativo de cerca de 69% para câncer de mama e de 17% para câncer de ovário e câncer de mama contralateral. As mulheres com mutações nesses dois genes possuem 40% mais chances de vir a ter câncer no futuro”, afirma a ginecologista e mastologista Juliana Pierobon, da Altacasa Clínica Médica, na capital paulista.

De acordo com a especialista, os genes BRCA 1 e 2 impedem a proliferação de células tumorais, agindo como freios. Quando um desses genes sofre mutação, perde esta capacidade protetora, deixando o organismo mais suscetível ao surgimento de tumores malignos, especialmente os de mama e ovários.

“É importante salientar que ter uma alteração nos genes BRCA não representa um diagnóstico final da doença, mas sim uma séria indicação de risco, de acordo com a análise hereditária. Esse estudo genético normalmente é indicado para mulheres que já têm casos de câncer na família. Sabendo dessa predisposição, o quanto antes for identificada a mutação BRCA, maiores serão as chances de redução dos riscos”, explica a ginecologista.

Juliana alerta, ainda, que em caso positivo de mutação dos genes, somente um profissional especializado pode dar as orientações necessárias e definir, junto com a paciente, qual a melhor estratégia para prevenção e tratamento – como a cirurgia para retirada dos seios ou ovários – levando em conta fatores de risco e o estilo de vida da mulher.

Nesses casos, uma das estratégias usadas na prevenção ao câncer é a cirurgia profilática, que passou a ser mais conhecida depois que a atriz Angelina Jolie se submeteu ao procedimento de retirada total dos ovários e das mamas devido à mutação BRCA e ao histórico familiar e da grande probabilidade que tinha de desenvolver tumores nesses órgãos. Porém, caso a mutação genética seja diagnosticada somente após a descoberta de um câncer, há diversas opções de tratamento além da tradicional quimioterapia.

As cirurgias redutoras de risco podem prevenir o aparecimento de tumores na outra mama, por exemplo. Além disso, a depender do subtipo tumoral, as terapias hormonais e as chamadas terapias alvo, que atacam diretamente o tumor com mutação genética, podem ser usadas como alternativas ou complementares à quimioterapia.

cancer de mama

“A terapia alvo tem sido uma nova grande arma da medicina para aumentar as chances de sobrevivência dessas mulheres que apresentam certos tipos de tumores, como os HER2 . Além disso, permitem que a paciente seja tratada sem que perca sua autonomia e qualidade de vida, quando comparada à quimioterapia tradicional”, conclui a médica.

Fonte: Altacasa

Livro “Perdi minha mama e agora?” orienta sobre procedimentos e como retomar a autoestima

A falta de informação leva muitas mulheres a perderem a qualidade de vida após terem câncer de mama. Diante dessa realidade, a cirurgiã plástica Camila Naif, com o intuito de auxiliar milhares de pessoas que passam por esse difícil momento na vida, desenvolveu o livro “Perdi minha mama, e agora?”, em que compartilha seu conhecimento sobre reconstrução mamária.

Resultado da tese do Mestrado Profissional da Unifesp, a obra teve o auxílio e co-autoria das cirurgiãs plásticas e professoras Alessandra Haddad, Christiane Sobral e Lydia Masako Ferreira.

A edição ilustrada é um manual em versão impressa e também digital, que pode ser baixada gratuitamente clicando aqui, o primeiro site brasileiro, com este conteúdo informativo, feito em linguagem direta e acessível, para maior compreensão do leitor. As autoras explicam todas as etapas, os termos médicos, a lei, os tratamentos, os preparativos, as contraindicações cirúrgicas, os tipos de implantes, os cuidados e tudo que possa proporcionar segurança.

CAPA DO LIVRO

Além disso, a doutora Camila Naif orienta sobre a importância de conversar diretamente com o cirurgião plástico reconstrutor, seja do atendimento público ou privado, sem receio de tirar todas as dúvidas.

“Conforme uma lei já estabelecida no Brasil, a mulher tem direito a reconstrução mamária e simetrização após o tratamento cirúrgico de câncer de mama. Isso vale tanto para os tratamentos realizados pelo SUS, como também para os convênios médicos. Quando for indicada a cirurgia pela equipe de mastologia, o médico já encaminha a paciente para o serviço de cirurgia plástica que atende aquela região. No momento da consulta, a paciente deve questionar a possibilidade de cirurgia plástica reparadora para reconstrução mamária”, reforça a médica.

Sobre Camila Naif

FOTO CAMILA NAIF

Graduada em Medicina pela Universidade Metropolitana de Santos (2009). Concluiu a residência médica de Cirurgia Geral no Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto – USP (2012). Concluiu a Residência Médica de Cirurgia Plástica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto – USP ( fev/2015). Possui Título de Especialista em Cirurgia Plástica aprovado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, pelo MEC e AMB. Possui pós graduação em Reconstrução de Mama pelo Hospital Pérola Byington (fev/2016). Possui pós graduação em Estética – Cosmiatria, Laser e procedimentos pelo Hospital Israelita Albert Einstein. Atua na área de Cirurgia Plástica e Cosmiatria.

Oncologista aponta dez dicas para prevenir principais tipos de câncer

A máxima “prevenir é melhor que remediar” não poderia se aplicar tão bem a outra doença quanto ao câncer. Estudos recentes mostram que até 40% dos casos de câncer e metade das mortes causadas pela doença são resultados de hábitos de vida que podem ser alterados e não causados por determinação genética, acaso ou contaminação química.

Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o câncer é a segunda maior causa de mortes no Brasil – sendo responsável por 15,6% dos óbitos -, perdendo apenas para doenças cardiovasculares (como infarto e hipertensão). Isso se deve, principalmente, à maior exposição aos fatores de risco, como o cigarro, alimentação inadequada e o abuso do álcool. Em contrapartida, quem segue uma vida mais saudável consegue prevenir-se e diminuir os riscos de ter a doença.

A prevenção dos diversos tipos de cânceres inclui, basicamente, a adoção de uma vida saudável, com bons hábitos alimentares e comportamentais. De acordo com o oncologista do HCor, Auro Del Giglio, os hábitos recomendados abaixo são fundamentais para se evitar diversos tipos de câncer:

o-cigarro-pode-levar-a-infertilidade

Não fume: segundo estatísticas do Inca (Instituto Nacional de Câncer), o tabagismo é a principal causa de câncer evitável no mundo. Ao queimar o cigarro, as consequências são sentidas não apenas por quem fuma, mas também por todos ao seu redor. “Para se ter uma ideia, 90% dos casos de câncer de pulmão tem o cigarro como responsável – os outros 10% são decorrentes do fumo passivo. O tabagismo também é o grande culpado por 30% da ocorrência de outros tipos de câncer, como boca, laringe, faringe, esôfago, estômago, pâncreas, fígado, rim, bexiga, colo de útero e leucemia”, esclarece Del Giglio.

alcool bebida pixabay

Não abuse de bebidas alcoólicas: o álcool aumenta a chance de desenvolvimento de alguns tumores, como intestino, esôfago e fígado. Mas o que mais se nota é que ele potencializa os efeitos do tabaco. “Além disso, estudos científicos têm relacionado o abuso do álcool com outros tipos de câncer. De acordo com a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer, a quantia de 18 gramas (aproximadamente duas doses) de álcool por dia eram suficientes para aumentar significantemente o risco de desenvolver câncer de mama”, aconselha o oncologista.

camisinhas

Mantenha hábitos de sexo seguro: hoje, sabe-se que o papiloma vírus humano (HPV) – doença sexualmente transmissível – é o principal responsável por alguns tipos de câncer como o câncer do colo do útero, vulva, pênis e orofaringe (garganta). “Por isso, a importância de praticar sexo seguro e sempre com o uso da camisinha – até mesmo para o sexo oral”, alerta.

hepatite

Proteja-se contra a hepatite: o sexo seguro também evita os vírus da hepatite B (para a qual há vacina) e da hepatite C, ambos com potencial para levar ao câncer de fígado. “O uso da camisinha, além de reduzir as chances de cânceres no sistema reprodutor e orofaringe, também pode proteger seu fígado. Isso porque a hepatite B também é sexualmente transmissível”, diz o médico.

churrasco-kebab-carne

Evite o consumo excessivo de açúcares, gorduras, carne vermelha, de porco e das processadas: o açúcar não tem relação direta com os diversos tipos de câncer. No entanto, quando é consumido em excesso, faz o organismo liberar muita insulina para metaboliza-lo. “A insulina muito alta aumenta a produção de uma substância chamada citocina pró-inflamatória. E quanto maior a quantidade dessa substância, maiores as chances de câncer. Em relação as frutas, legumes e verduras, elas são ricas em fibras e protegem o intestino contra o câncer”, alerta.

salsicha e embutidos pixabay

Evite o consumo de alimentos ricos em sódio e conservantes: os alimentos processados – o que incluem enlatados e embutidos como mortadela, presunto, salame, mortadela, bacon e salsicha -, são ricos em uma substância chamada nitrosamina, que é cancerígena. Por isso é importante que estes tipos de alimentos sejam evitados ao máximo, assim como fast foods que, em geral, são ricos em processados.

protetor -solar- rosto

Cuidado com o sol: use filtro solar diariamente e evite a exposição entre 10h e 16h – os raios UVA e UVB, emanados pelo sol, são os responsáveis pelas alterações celulares que levam ao câncer de pele. “Por isso proteger-se do sol é algo tão importante na luta contra o câncer. Além do protetor solar, que deve ter o mínimo de fator 20 -, é preferível tomar sol apenas antes das 10h e depois das 16h e não abrir mão de barreiras físicas, como chapéus, guarda-sol, bonés e óculos escuros”, explica Dr. Giglio.

Young woman running in wood, training and exercising for trail r
Pexels

Pratique atividades físicas todos os dias: a prática de atividades físicas promove um bem geral ao organismo e também protege contra o câncer. Isto se deve graças a capacidade, em especial de exercícios aeróbicos, de diminuir a circulação das citocinas pró-inflamatórias em nosso organismo.

autoexame seios cancer rivermedical

Mantenha-se atento a sua saúde: sabemos que o nosso corpo dá sinais quando algo não está certo. Isso também vale para casos de câncer. É importante que se preste atenção no corpo, pois só assim é possível notar a presença de algum caroço estranho, uma íngua, mancha na pele ou outro sinal.

mamografia-2

Faça um check-up anual: é importante realizar todos os exames de diagnóstico precoce indicados pelo seu médico. Existe uma série de exames que são fundamentais na hora de detectar os diversos tipos de cânceres. Entre eles a mamografia, que deve ser feita a partir dos 40 anos para detectar o câncer de mama ou a coleta do PSA – exame de sangue que pode detectar câncer de próstata”, finaliza o oncologista.

Fonte: HCor

Exames moleculares predizem o risco do desenvolvimento do câncer de mama

Com resultados precisos, é possível um tratamento preventivo, minimizando as chances de um mal prognóstico

O câncer de mama é uma doença que se manifesta pela proliferação de células tumorais, constituindo nódulos geralmente fixos e indolores. A doença, apesar de grave, costuma ter um desfecho favorável quando identificada precocemente. Nesse sentido, o autoexame realizado frequentemente pelas mulheres nas mamas, mamilos e axilas, além da mamografia, a principal forma de identificação destas anormalidades.

Entretanto, antes mesmo que sintomas se manifestem é possível predizer a probabilidade do seu desenvolvimento, graças aos testes moleculares. Altamente indicado para mulheres que têm histórico familiar da doença, este exame identifica mutações em genes fortemente associados à doença.

pesquisa estudo microscopio testes ciencia pixabay
Pixabay

Uma simples coleta de sangue, que analisa o DNA da paciente, basta para a pesquisa destas mutações. O resultado pode indicar ao médico informações sobre a probabilidade do desenvolvimento da doença. “Um diagnóstico precoce e abrangente, garante até 95% de chances de cura, “, informa o gerente geral do DB Molecular, laboratório de apoio focado em biologia molecular e genética, Nelson Gaburo, especialista em biologia molecular.

O teste mais conhecido para detectar as mutações que levam ao câncer de mama é a análise dos genes BRCA1 e BRCA2. Gaburo explica que esses genes protegem o organismo do câncer de mama. Quando há alteração em um deles, o corpo perde essa capacidade de reparo e se torna vulnerável e propenso a aparição da doença. “Mulheres que apresentam alguma mutação, principalmente no gene BRCA2, possuem cerca de 85% de chances de desenvolver um tumor”, explica o especialista.

Outro exame básico para esse tipo de diagnóstico é o CA 15-3, que analisa no sangue da paciente os marcadores tumorais – macromoléculas presentes no tumor, cujo aparecimento indica a presença destas células tumorais em desenvolvimento. “Tanto marcadores sorológicos quanto genéticos, em conjunto com exames de imagem, fornecem resultados precisos, auxiliando para o tratamento adequado”, garante Gaburo.

Outubro Rosa

outubro rosa laço.jpg

A campanha Outubro Rosa visa conscientizar as mulheres sobre importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama. No Brasil, a aderência à campanha aconteceu em 2002, no parque Ibirapuera, em São Paulo, quando o monumento Obelisco do Ibirapuera foi iluminado de rosa, para chamar atenção para a causa. A partir de 2008, a campanha foi se popularizando e várias entidades, empresas, ONGs, etc, fazem campanhas e as mais variadas ações para passar incentivar a prevenção, o cuidado e informar as mulheres.

Fonte: DB Molecular

 

Infográfico Outubro Rosa

Segundo o INCA (Instituto Nacional do Câncer), quando o câncer de mama é diagnosticado precocemente, as chances de cura são superiores a 90%. No entanto, a taxa de mortalidade, ainda, é de 24%.

Pensando na conscientização do tema, a radiologista Carla Benetti, gerente médica do Centro Especializado em Mama do Salomão Zoppi Diagnósticos, elaborou um infográfico com os principais exames que devem ser realizados para prevenção do câncer de mama.

Mamografia

Infografico-SZ-Outubro-Rosa2

– O que é o exame: trata-se de um exame de imagem que utiliza baixas doses de radiação para obtenção de radiografias da mama. Sendo o único de rastreamento com comprovação na redução da mortalidade por câncer de mama, através do diagnóstico precoce.
– Como realizar: esse exame é realizado por uma técnica de radiologia, que posiciona as mamas sobre uma espécie de bandeja acrílica. Após o posicionamento adequado, é realizada compressão da mama por uma outra bandeja, com o intuito de espalhar o tecido fibroglandular, permitindo a melhor visualização de possíveis lesões.
– Preparo: pede-se que a paciente não utilize desodorantes, cremes ou talcos no dia do exame tanto nas mamas como nas axilas.
– É dolorido? É invasivo?: trata-se de um exame não invasivo. A compressão necessária das mamas pode ser desconfortável para algumas mulheres, porém é rápida e bastante suportável.
– Existe indicação / contraindicação?: a mamografia é indicada para rastreamento de mulheres assintomáticas a partir dos 40 anos, segundo o Colégio Brasileiro de Radiologia. Em alguns casos específicos, esse rastreamento pode começar em idades mais jovens. Ela também pode ser indicada para avaliação de alterações palpáveis pelo médico ou mesmo pela paciente, após avaliação profissional. Esse exame não deve ser realizado por pacientes gestantes, salvo casos específicos quando indicados pelo médico.
– Duração do exame: cada compressão da mama dura segundos e são feitas, inicialmente quatro incidências mamográficas.
– Tempo do resultado: quatro dias

Tomossíntese

Infografico-SZ-Outubro-Rosa3

– O que é o exame: também conhecida como Mamografia 3D, trata-se de um exame avançado, no qual são obtidas diversas imagens em série da mama em diferentes ângulos, de modo a se obter uma visão tridimensional do órgão, diminuindo os efeitos de sobreposição dos tecidos observada na mamografia 2D.
– Como realizar: assim como a mamografia, esse exame é realizado por uma técnica de radiologia. As imagens em série são obtidas em poucos segundos durante a mesma compressão da mamografia 2D. Após a aquisição, tais imagens são enviadas a uma estação de trabalho dedicada, onde serão analisadas por um médico especialista.
– Preparo: pede-se que a paciente não utilize desodorantes, cremes ou talcos no dia do exame tanto nas mamas como nas axilas.
– É dolorido? É invasivo?: trata-se de um exame não invasivo. A compressão necessária das mamas pode ser desconfortável para algumas mulheres, porém é rápida.
– Existe indicação / contraindicação?: a tomossíntese pode ser realizada em conjunto com a mamografia 2D por qualquer mulher que faz rastreamento, uma vez que é capaz de aumentar em até 30-40% as chances de detecção do câncer de mama, sobretudo tumores invasivos em mamas densas. Esse exame não deve ser realizado por pacientes gestantes, salvo casos específicos indicados pelo médico.
– Duração do exame: assim como na mamografia 2D, cada compressão da mama dura poucos segundos e a aquisição sequencial é feita em conjunto as incidências mamográficas convencionais.
– Tempo do resultado: quatro dias

Ultrassom das Mamas

Infografico-SZ-Outubro-Rosa4

– O que é o exame: trata-se de um exame muito conhecido, que se utiliza de ondas sonoras para a obtenção de imagens do parênquima mamário.
– Como realizar: no nosso laboratório, exame é realizado por um(a) médico(a) especialista, que avaliará suas mamas e axilas com um moderno equipamento de ultrassonografia. Ele é realizado com a paciente deitada em decúbito dorsal (barriga para cima), com as mãos sob a cabeça e aplicado gel sobre as mamas para que o transdutor deslize e seja possível a obtenção de imagens.
– Preparo: não é necessário preparo. No entanto, para pacientes com pedidos médicos de mamografia e ultrassonografia, é desejável que os exames sejam feitos em conjunto ou, sem em dias distintos, que a ultrassonografia seja feita após a mamografia, para análise conjunta e, dessa maneira, exames mais acurados.
– É dolorido? É invasivo?: trata-se de um exame não invasivo e indolor.
– Existe indicação / contraindicação?: a ultrassonografia pode ser utilizada para avaliação complementar de alterações ao exame clínico do médico, assim como avaliação de lesões observadas na mamografia ou Ressonância das Mamas. Ela também pode ser útil em casos de mamas densas, com o intuito de aumentar a sensibilidade da detecção de lesões da mama assim como método para direcionamento de certos tipos de biópsia. Não há contraindicações.
– Duração do exame: o exame dura, habitualmente, cerca de 15 minutos.
– Tempo do resultado: dois dias

Ressonância nas Mamas

Infografico-SZ-Outubro-Rosa5

– O que é o exame: trata-se de um exame de imagem que não utiliza radiação ionizante, com sensibilidade muito alta, indicações precisas e habitualmente utilizado como método diagnóstico auxiliar nas doenças da mama.
– Como realizar: esse exame é realizado por um biomédico e a paciente ficará em decúbito ventral (barriga para baixo), com as mamas encaixadas em uma bobina dedicada.
– Preparo: a paciente deve estar em jejum de 3 horas e não fazer uso de cremes, desodorantes ou talcos nas mamas e axilas. Para pacientes com mais de 60 anos, cirurgia renal ou alteração da função renal, é necessário resultado recente de creatinina.
– É dolorido? É invasivo?: trata-se de um exame indolor e não invasivo, com necessidade de injeção de contraste endovenoso (gadolínio). A única indicação de exame de Ressonância das mamas sem contraste é avaliação de próteses mamárias.
– Existe indicação / contraindicação?: a RM das mamas tem como indicações principais: rastreamento em pacientes de alto risco para câncer de mama; avaliação de próteses de silicone; avaliação em pacientes com diagnóstico recente de câncer de mama e avaliação da resposta em pacientes com câncer de mama submetidas à quimioterapia neoadjuvante (antes da cirurgia). As contraindicações incluem àquelas para quaisquer exames de Ressonância Magnética, tais como marca-passo cardíaco, implantes oculares, cocleares, clipes de aneurisma cerebral, claustrofobia. Pacientes gestantes podem realizar o exame, porém deverão comunicar a equipe.
– Duração do exame:  dura cerca de 20 minutos.
– Tempo do resultado: sete dias

Fonte: SalomãoZoppi Diagnósticos

Imunoterapia tem resultados positivos em casos de tumor de mama agressivo

A imunoterapia já vem sendo apontada como o principal avanço no combate ao câncer, porém seus estudos clínicos no tratamento do câncer de mama até o presente momento ainda não indicavam resultados que pudessem torná-lo uma alternativa segura e eficaz nestes casos.

Recentemente, durante a Asco 2018(American Society of Clinical Oncology ), principal evento voltado à oncologia clínica, alguns estudos mostraram que em casos classificados como tumor de mama triplo-negativo, ao ser combinado com quimioterápicos, trouxe boas respostas aos pacientes no tratamento neoadjuvante oferecido antes da cirurgia.

Considerado um tipo de câncer agressivo e que afeta geralmente mulheres jovens, o câncer de mama triplo-negativo representa cerca de 20% de todos os casos da doença mundialmente. Se considerarmos que o Brasil, segundo estimativas do Instituto Nacional do Câncer (Inca) contará com cerca de 60 mil novos casos de câncer de mama em 2018, esse percentual representa um universo de ao menos 12 mil pessoas.

“A denominação “triplo-negativo” é utilizada em casos em que o tumor não conta com nenhum dos três biomarcadores relacionados a classificação do câncer de mama: receptor de estrógeno, receptor de progesterona e proteína HER-2″, explica o oncologista Daniel Gimenes, do Centro Paulista de Oncologia ( CPO) – unidade de São Paulo do Grupo Oncoclínicas.

IMUNOTERAPIA CANCER the week
Imagem: The Week

Segundo o especialista, o câncer de mama triplo-negativo tem maiores chances de recorrência e em muitos casos acaba promovendo uma sobrevida menor em comparação a outros subtipos de tumores mamários. Por isso, a possibilidade de sucesso com a imunoterapia é animadora e abre novas frentes para o enfrentamento desta doença.

“Para esses casos de câncer especificamente houve poucos progressos terapêuticos nos últimos anos. Por isso, os estudos internacionais preliminarmente divulgados na ASCO são animadores por indicarem um novo caminho para tratar esse tipo de câncer de mama”, afirma Gimenes.

O médico menciona o estudo GeparNuevo que analisou 174 pacientes com câncer de mama triplo-negativo metastático ou localmente avançado Um grupo recebeu um tipo de imunoterápico associado à quimioterapia enquanto as demais pessoas utilizaram placebo. O resultado demonstra um aumento significativo na redução do tumor nos casos que receberam a combinação da imunoterapia com a quimioterapia.

“Apesar de ainda ser o uma primeira etapa de análises, esse avanço já pode ser entendido como um progresso terapêutico importante para médicos e pacientes. Essa combinação de imunoterapia com quimioterapia desconta como uma opção estratégica importante para mulheres com a doença em especial pelos benefícios a qualidade de vida dessas pacientes”, explica o médico.

Entenda a Imunoterapia

Na última década, a imunoterapia passou de um tratamento teórico promissor para um padrão de cuidados que está contribuindo para respostas positivas de pacientes oncológicos. Desde 2011, a Food and Drug Administration (FDA) aprovou 15 novas drogas imunoterápicas para o tratamento do câncer, sendo cinco só no ano passado. No Brasil, a imunoterapia tem aprovação da Anvisa para uso em casos de melanoma, câncer de rim , câncer de pulmão e câncer de bexiga.

De forma simplificada, o nosso sistema imunológico é programado para combater quaisquer sinais que representem ameaças à saúde. Porém, para manter um equilíbrio que assegure plenamente o nosso bem-estar, o mecanismo de defesa do corpo também tem freios que impedem uma ação exagerada nesta resposta – caso contrário, ele pode desencadear as chamadas doenças autoimunes, como lúpus, esclerose múltipla e artrite reumatoide.

Contudo, quando ocorre uma falha nesse processo de combate ao inimigo e, em consequência, o surgimento de um tumor, a medicação imunoterápica pode ser adotada para inibir a ação desses freios e provocar a resposta necessária para combater as células malignas. “A imunoterapia cria uma memória imunológica no paciente contra o tumor. A concepção é gerar uma resposta imunológica exacerbada no paciente. Ao fazer isso, o sistema imunológico volta a reconhecer o tumor como um agente externo”, diz Gimenes.

Quando a imunoterapia é a melhor opção?

body defense

Apesar dos avanços promissores, o especialista explica que ainda é cedo para afirmar que a imunoterapia seria a chave para a cura do câncer de mama. De toda forma, os passos já trilhados são observados com otimismo e lançam boas perspectivas para tratamentos do câncer de mama triplo-negativo metastático e que não responde às medicações convencionalmente indicadas, tais como quimioterápicos e drogas alvo moleculares.

O que tem se observado de forma global no tratamento do câncer é que nos casos onde o médico pode optar pela imunoterapia, a resposta dos pacientes têm sido satisfatórias. “Ela tem alguns efeitos colaterais, porém o paciente tem melhor qualidade de vida. É um tratamento mais sustentável para a saúde do paciente, pois ataca diretamente o tumor. E uma das principais vantagens da adoção destes imunoterápicos da nova geração é que, mesmo após o fim do tratamento, a imunidade desse indivíduo pode continuar respondendo a células tumorais, diminuindo a recidiva de tumores e aumentando o tempo livre de progressão da doença”, conclui Gimenes.

Fonte:  Grupo Oncoclínicas

Sete verdades que parecem mito sobre o câncer de mama

O câncer de mama é o tipo mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, depois do de pele não melanoma. Sua incidência responde por cerca de 28% do total de casos novos a cada ano, de acordo com o Inca. Já o câncer do colo de útero mata, em silêncio, cerca de 5 mil brasileiras anualmente.

Para levar informações confiáveis para as mulheres, o Instituto Lado a Lado pela Vida (LAL) lançou a campanha Mulher por inteiro, que acontece durante a programação do Outubro Rosa. “Já faz alguns anos que alertamos as mulheres da importância de cuidar de sua saúde integralmente. O cuidado com as mamas é primordial pois sua incidência é cada vez maior, mas reforçamos também que o câncer de colo de útero pode ser evitado com prevenção e chamamos a atenção para o câncer de ovário, que é o mais difícil de ser diagnosticado e, por isso, requer cuidado redobrado”, revela Marlene Oliveira, presidente do LAL.

Como em todos os anos, a campanha prevê ações em espaços de grande circulação em várias cidades do país e também em empresas e escolas, com palestras e distribuição de materiais informativos.

Verdades sobre o câncer de mama

Por ser uma doença de alta incidência, há muitas informações desencontradas sobre o câncer de mama que acabam dificultando o seu diagnóstico. Por isso, o oncologista e membro do comitê científico do LAL, Marcelo Cruz, esclarece uma série de verdades que podem ser confundidas com mitos, mas que precisam ser levadas a sério.

Obesidade e sedentarismo aumentam as chances de ter a doença

obesidade obesa gorda pixabay
Pixabay

“O excesso de peso, principalmente após a menopausa, faz com que o tecido gorduroso que se acumula no corpo produza estrogênio e aumente as chances da doença”, afirma Cruz. Ele reforça que a falta de uma vida saudável, sem prática de exercícios também pode dar brechas para o desenvolvimento do tumor. “Além disso, consumir bebidas alcoólicas, mesmo que em pequenas quantidades, pode agravar as chances de ter a condição”, explica ele.

O autoexame deve ser feito após o período menstrual

autoexame seios cancer rivermedical

Durante a menstruação, as mamas ficam mais enrijecidas e doloridas, dificultando a identificação de eventuais lesões. Por isso, o autoexame precisa ser feito a partir dos 20 anos de idade, de seis a sete dias após o início do período menstrual, quando a mama está menos sensível e mais flácida.

Não é preciso ter histórico familiar para desenvolver o câncer de mama

seios cancer sinais breastcancercare

Mais de 90% dos casos de câncer de mama não têm relação com história familiar. Apenas o fato de ser mulher faz com que a chance de desenvolver o tumor seja de 12%, independente de ter casos na família. A estimativa é de que uma em cada oito brasileiras de até 70 anos terão a condição.

Amamentar protege a mulher do câncer de mama

amamentação mãe pixabay
Foto: Pixabay

Quanto menos a mulher for exposta às variações hormonais que ocorrem durante o ciclo menstrual, menores são as chances de ter a doença. Mulheres gestantes e que amamentam seu filho, terão os ciclos interrompidos por longos períodos. Quanto maior o período de amamentação e o de número de filhos até 35 anos, maior é a prevenção. Além disso, quando o bebê mama, as células mamárias ficam ocupadas com a produção de leite e se multiplicam menos, o que reduz o risco de contrair a doença.

Gravidez antes dos 30 anos previne câncer de mama; gravidez tardia aumenta o risco

gestação gravidez pixabay luciana
Foto: Luciana Ferraz/Pixabay

A gravidez previne o câncer de mama se ocorre antes dos 30 anos. Quanto menos a mulher menstruar menor é a chance de ter o câncer de mama. Ter filhos até essa idade e amamentar podem ajudar na prevenção.

Mulheres em tratamento contra o câncer de mama não podem amamentar

mãe bebê pixabay
Foto: Pixabay

Embora as células cancerosas não possam passar para o bebê por meio do leite materno, os médicos aconselham as mulheres que iniciam o tratamento com isótopos radioativos ou com quimioterapia parem de amamentar até que os elementos radioativos ou medicamentos sejam completamente eliminados do seu corpo.

Quando diagnosticada no início, a doença costuma ter cura

mamografia-com-contraste

Felizmente, é verdade. O diagnóstico precoce do câncer de mama pode aumentar consideravelmente as chances de cura em até 90%. A forma mais eficaz de evitar a evolução da doença é a realização de exames periódicos. O único exame capaz de diminuir a mortalidade pelo câncer de mama é a mamografia.

Fonte: Instituto Lado a Lado pela Vida