Arquivo da categoria: cirurgia plástica

Silicone com chip é revolução na cirurgia de prótese de mama

Microchip pode armazenar informações importantes sobre a prótese de silicone como data da fabricação, além do número de série, formato, modelo, volume e data de colocação na paciente

Há 55 anos foi realizada a primeira cirurgia mamária de aumento relacionada à estética, nos Estados Unidos. Desde então, o número de cirurgias para colocar silicone só cresceu. Segundo dados da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (Isaps), divulgados no segundo semestre de 2016, no ano de 2015 foram realizadas mais de 2.577.810 cirurgias no mundo. No Brasil foram cerca de 358.655 mil intervenções cirúrgicas relacionadas à estética com objetivo de aumentar, suspender, corrigir a flacidez ou diminuir os seios.

“O Brasil avançou bastante em relação aos outros países, não apenas no aprimoramento técnico por parte dos cirurgiões, mas na assimilação de tecnologias de ponta. Atualmente, contamos com duas grandes novidades no setor de cirurgia plástica, são elas: o silicone com microchip e o Scanner 3D. Ambas têm finalidades diferentes, mas estão inseridas no contexto da plástica mamária”, explica o cirurgião plástico responsável pelo Centro de Referência em Cirurgia Mamária do Hospital Moriah, Alexandre Mendonça Munhoz.

O silicone com chip é um implante inteligente, pois o microchip armazena informações como número de série da prótese, tamanho, volume e data de colocação na paciente. Está inserido no conceito de segurança presente na maioria dos hospitais acreditados que é a segurança, identificação e rastreabilidade dos implantes/órteses. Isso evita problemas futuros como, por exemplo, a troca da prótese.

“As mulheres ficam anos com uma prótese, e os modelos mais modernos podem chegar a quase duas décadas. No momento da troca ela não se lembra de informações básicas para o cirurgião fazer o correto planejamento, ou as mesmas foram extraviadas, como volume, marca e tamanho. O microchip serve para esses casos que se perdem em nossa memória com o tempo, pois o chip agrupa e guarda esses dados, dentro da prótese, e ficam acessíveis por meio de um leito externo a qualquer momento”, completa Munhoz.

Microchip de 4 mm guarda informações como número de série da prótese tamanho volume e data de colocação na paciente

O chip, com 4 mm, conta com um armazenamento com longa duração, fica localizado dentro da prótese e permite a rastreabilidade de muitas referências. Após a cirurgia, esses dados são acessados por meio de radiofrequência, com um leitor externo. “Esta prótese é a primeira do mundo com revestimento construído por meio da nanotecnologia. Estudos relacionados demonstram maior durabilidade, resultados melhores a longo prazo, redução nos níveis de contratura muscular, entre outros benefícios”, detalha o cirurgião.

Munhoz também adianta que há pesquisas em andamento com microchips que fornecem informações como temperatura, pressão interna do implante e alterações químicas referentes ao silicone.

Fonte: Hospital Moriah

 

Anúncios

Depois da cirurgia, a cicatriz vai ficar para sempre?

Quem passa por uma cirurgia plástica, além de estar atento ao procedimento, fica preocupado com a marca que ela vai deixar, ou seja, a cicatriz. Em qualquer cirurgião, o especialista tem de cortar a pele. E, depois de realizado o procedimento, é hora de suturar (de costurar). Esta etapa é complexa, como o cirurgião plástico Alexandre Audi explica: “As células que formam a pele têm respostas que variam de acordo com cada área do corpo e com cada indivíduo”.

Ele acrescenta que outros fatores também interferem nesses “cortes e costuras”. “É preciso realizar o repouso após todas as cirurgias. Os esforços e as tensões na cicatriz, antes da cicatrização completa, podem levar a cicatrizes alargadas e mesmo deiscências, que são os rompimentos dos pontos.”

Ainda influenciam alterações genéticas, no caso dos negros e orientais, por terem maior predisposição a desenvolver cicatrizes hipertróficas e queloides. “Quando o nosso tecido é cortado ou ferido, imediatamente, se inicia o processo de crescimento de novas células na região. Não há o controle de quantas células deverão ser fabricadas para preencher aquela área cortada, podendo produzir mais que o necessário, o que faz com que as cicatrizes, às vezes, se tornem altas, endurecidas, avermelhadas e até dolorosas, o que, infelizmente, foge do controle do cirurgião”, comenta Audi.

Muitas pessoas se baseiam na cicatriz anterior de uma cirurgia para imaginar como ficará a cicatriz da próxima operação. Isso nem sempre funciona, porque os procedimentos são diferentes assim como a pele de determinadas regiões do corpo. Não dá para se comparar a cicatrização em uma abdominoplastia ou mamoplastia, onde se irá retirar excesso de pele, esticar e dar pontos, com à de uma cesariana em que sobra muita pele e não resta nenhuma tensão.

cicatriz-mulher-corpo

“Na abdominoplastia, em vez de tirar a tensão como no parto, estaremos gerando muita tensão, traremos a pele desde a região do umbigo para uma nova posição. Vamos esticá-la bem e prendê-la na região do púbis”, pontua o cirurgião.

Uma cicatriz é formada por células novas com um colágeno diferente do qual nascemos, por isso ela nunca irá sumir, mas poderá ficar bem discreta, assim como todos os cortes profundos, marcas de vacina e outras existentes no seu corpo.

Existem vários tratamentos para as cicatrizes inestéticas, que vão desde pomadas, adesivos, injeções, placas de silicone, betaterapia, que é uma radioterapia específica na região da cicatriz, para inibir o crescimento de um queloide, até a necessidade de uma nova cirurgia plástica no local.

Fonte: Alexandre Audi é cirurgião plástico, formado pela Faculdade de Medicina da USP, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBPC), especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, cirurgião plástico do Hospital da Aeronáutica de São Paulo e do Núcleo de Feridas Complexas do Hospital Sírio-Libanês

 

Celulite: conheça procedimentos estéticos que ajudam na eliminação

Atualmente, aproximadamente 85% das mulheres têm celulite. Muitas horas sentadas, uma fugida da dieta e até mesmo a genética podem ser a causa deste problema de beleza que as mulheres tanto temem. Esta inflamação acontece em três graus. No primeiro nível, a celulite aparece quando a pele é pressionada. Já no nível dois, não é necessária nenhuma pressão na pele para que o problema seja percebido. No terceiro nível, além dos furos mais profundos, pode haver sensação de dor.

A formação das marcas ocorre devido ao acúmulo de gordura por baixo da pele. “As células linfáticas congestionam o local, dificultando a circulação sanguínea, a oxigenação das células e a eliminação de gordura, resultando no inchaço local, seguido de ondulações na pele”, explicou o cirurgião plástico membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), Tiago André Ribeiro.

Por estar ligada a hábitos físicos e alimentares, a celulite é um problema difícil de eliminar por completo. Na maioria das vezes, os tratamentos estéticos melhoram o aspecto da pele apenas de forma momentânea. De acordo com o cirurgião plástico, os procedimentos obtêm melhores resultados caso a paciente siga uma dieta de reeducação alimentar e a prática de exercícios físicos.

“É preciso reduzir o consumo de açúcar e gordura, e o mais importante, beber bastante água. Exercícios aeróbicos ajudam na queima de gordura localizada, enquanto a musculação torna a pele mais firme. Caso, não haja mudança no comportamento, os furinhos voltarão a aparecer”, afirmou o cirurgião plástico.

Celulite 2

Como eliminar a Celulite

De forma geral, para eliminar a celulite é preciso movimentar a gordura até que ela seja eliminada do corpo. Para isso, há algumas técnicas. Enquanto uns procedimentos deslocam as células de forma manual, outros aquecem ou esfriam o local, fazendo com que a gordura se desprenda das travas fibrosas e seja expelida pelo organismo.

Tratamentos

Massagens modeladoras

Este é um dos tratamentos mais eficazes na redução da celulite. De forma manual, o profissional faz uma massagem profunda no paciente, movimentando as células de gordura e melhorando a circulação do sangue. “Assim, a gordura localizada vai diminuindo e as toxinas são eliminadas pela urina. A massagem ainda reduz as medidas e melhora a flacidez da pele”, complementou o cirurgião plástico.

Drenagem linfática

Outro método bastante conhecido, a ação consiste em uma mensagem que estimula o sistema linfático a trabalhar mais rápido. A técnica diminui o acúmulo de líquidos e melhora a circulação na área com celulite. “Depois de realizar os procedimentos, adotar hábitos de vida saudáveis é imprescindível Desta forma, os resultados são mais prolongados e evita o reaparecimento das marcas mais frequentes”, alerta o doutor Tiago Ribeiro.

Celulite

Subcision

Subcision, ou subcisão, é uma técnica para a correção de rugas e sulcos da face, cicatrizes deprimidas e outras alterações do relevo cutâneo, incluindo a celulite. Nestas condições, a pele encontra-se retraída por septos de fibrose subcutânea. Com a técnica, as traves fibróticas subcutâneas são seccionadas para liberar a tração que elas exercem sobre a pele.

“Antes do procedimento é preciso passar por uma avaliação clínica criteriosa onde é possível detectar condições que podem comprometer sua realização. É importante investigar distúrbios da coagulação, tabagismo, fatores nutricionais, infecção local e história de cicatrizes hipertróficas e/ou queloides. Além disso, determinar o número de sessões necessárias para o tratamento, que vai variar de acordo com o tamanho, profundidade, localização do defeito e a tendência individual à formação de colágeno”, explicou o médico.

O Subcision pode ser utilizado em conjunto com a lipoescultura, para o preenchimento cutâneo, corrigindo as depressões do relevo que aparecem após a lipoaspiração, nas cicatrizes deprimidas, nas áreas que sofreram trauma ou nas celulites. “Contudo, essa técnica não é indicada para a correção da celulite de graus mais leves, como os graus I e II, nem para o tratamento de flacidez de pele ou gordura localizada”, completou o Ribeiro. O procedimento é de pequeno porte, seguro e só pode ser realizado por médicos.

Celulite 1

Fonte: Tiago Ribeiro é cirurgião plástico especialista pelo Hospital Santa Marcelina, de São Paulo, Tiago André Ribeiro é graduado em Medicina pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). É membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Atende nas cidades de: Toledo e Marechal Cândido Rondon. 

 

Labioplastia está tornando-se mais popular

As mulheres que procuram a labioplastia – cirurgia para reduzir o excesso de tecido vaginal – relatam uma ampla gama de sintomas físicos e funcionais, relata um estudo publicado na edição de abril da Plastic and Reconstructive Surgery, revista médica oficial da Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos.

No estudo, quase todas as mulheres que consultaram um cirurgião plástico sobre a labioplastia tinham vários sintomas físicos, além de preocupações relativas à aparência de seus órgãos genitais. As mulheres que procuram a labioplastia sofrem de sintomas físicos e psicológicos relacionados que afetam sua qualidade de vida.

Aumento das cirurgias

Estatísticas sobre a labioplastia são coletadas, desde 2015, pela Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos (ASPS). O relatório estatístico de 2016 mostrou que a labioplastia está mais popular do que nunca, com mais de 12.000 procedimentos realizados por cirurgiões plásticos americanos no ano passado (um aumento de 39%).

FreeGreatPicture MULHER NUA
FreeGreatPictures

O cirurgião plástico Ruben Penteado, diretor do Centro de Medicina Integrada, esclarece pontos importantes sobre o procedimento. Confira:

O que é a labioplastia? Por que mais mulheres estão procurando esse procedimento?
Ruben Penteado – A labioplastia, ou ninfoplastia, é um procedimento de cirurgia plástica procurado por razões estéticas e funcionais. É uma cirurgia plástica que tem por objetivo diminuir os pequenos lábios vaginais, estruturas que protegem a entrada da vagina. Além disso, os pequenos lábios também têm a função de proteger a vagina. A cirurgia é feita, principalmente, em casos de incômodo estético ou até mesmo de dor durante a relação sexual. Quando indicado, a cirurgia íntima feminina também pode alterar o tamanho e formato dos grandes lábios.

A labioplastia é dolorosa?
Ruben Penteado – Embora esta parte do corpo feminino seja realmente sensível e delicada, a recuperação da labioplastia é simples. Medicação para a dor é geralmente necessária por alguns dias. Uma semana de afastamento do trabalho é recomendada para permitir a convalescênça tranquila em casa. Calças confortáveis ​​são sugeridas e um miniabsorvente pode ser usado para absorver as secreções dos pequenos lábios por alguns dias. São recomendados absorventes tradicionais em vez de tampões para o primeiro ciclo menstrual após a cirurgia. Contusões e inchaço se resolvem em alguns dias ou semanas e o retorno à maioria das atividades físicas pode ocorrer antes de um mês.

As mulheres que procuram a labioplastia são influenciadas pela pornografia?
Ruben Penteado – Normalmente, não. As pacientes interessadas ​​na labioplastia são mulheres que têm desconforto físico durante a prática esportiva ou sexual. Outras desejam se sentir mais confortáveis ao usarem um maiô ou uma calça de yoga. Elas não estão procurando uma “vagina perfeita”. Só querem se sentir mais confortáveis em situações íntimas e no vestiário da academia.

A labioplastia precisa ser refeita depois de ter filhos ou com a idade? Isso afeta a função ou a sensação sexual?
Ruben Penteado – Não. Os resultados da labioplastia persistem ao longo do tempo. A cirurgia não precisa ser refeita devido à idade, ao tempo, à gravidade, ao parto vaginal ou à menopausa. A cirurgia não interfere na capacidade sexual, nem na capacidade da mulher de atingir o orgasmo. As cicatrizes são bem toleradas devido à qualidade do tecido labial, conhecido como “mucosa”. Os resultados da labioplastia são naturais e as mulheres se beneficiam com um maior conforto, além de uma aparência estética melhor após a cirurgia. Esta é a razão pela qual as mulheres estão tão felizes com os resultados e a popularidade da cirurgia está aumentando.

mulher infecção urinaria

Fonte: Ruben Penteado é formado pela Faculdade de Ciências Médicas de Santos; Residência em Cirurgia Geral e Cirurgia Plástica no Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo; Fellow da Clínica Planas, em Barcelona, Espanha; Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e Diretor Clínico do Centro de Medicina Integrada

 

Por que fazer cirurgia plástica no inverno?

Inchaço e desconforto são menores na estação, as roupas são mais confortáveis e ainda tem a vantagem de recuperação antes do verão

Quem disse que no inverno as pessoas não pensam no verão? Para quem quer estar em forma e bonita na estação mais quente do ano, onde há maior exposição do corpo nas praias, e o uso de roupas que deixam os contornos a mostra, já é hora de se preparar. Esse é um dos motivos que levam muitos brasileiros – líderes na procura por tratamentos estéticos no mundo – aos consultórios dos cirurgiões plásticos nesta época do ano.

Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, no inverno a procura por procedimentos cirúrgicos estéticos tem um aumento de 50%. Junho e julho se tornam, então, “meses de cirurgia plástica”, mas justamente por ser a época de férias e, sobretudo do inverno, período propício para cirurgias.

Esta é a melhor estação para se fazer uma cirurgia, pois traz algumas vantagens, principalmente se comparada ao verão. Por ser mais frio, o inchaço pode ser menor, se comparado com dias mais quentes.

“Isso é mais evidente para cirurgias como lipoaspiração, abdominoplastia, cirurgia da face, em que o inchaço é mais acentuado. Outro ponto a considerar, segundo os médicos especialistas, é que muitas cirurgias plásticas necessitam da recuperação do uso de cintas elásticas por mais de um mês, o que é melhor tolerado em dias frios”, diz  Arnaldo Korn, diretor do Centro Nacional de Cirurgia Plástica .

corpo cirurgia

Além disso, também são férias escolares – o que permite uma melhor programação da cirurgia com recuperação adequada, principalmente para aqueles que ainda não têm filhos e folgam nesta época. Logo, por estes motivos julho foi por muito tempo o mês mais procurado para cirurgias plásticas; mas claro que isso não é um fator decisivo para se escolher uma data. O mais importante é pesquisar um médico que seja especialista em cirurgia plástica (começando por investigar na internet) e buscar referências de outros pacientes.

“Outro fator essencial é que a pessoa tenha um determinado tempo para a recuperação; pois, se for malfeita, influenciará diretamente no resultado da cirurgia. Assim, é melhor se programar para que tenha tempo suficiente para a recuperação, sem ter que voltar ao trabalho antes do período ideal”, afirma o diretor.

Mas se o problema na programação da cirurgia é financeiro, não é necessário esperar o décimo terceiro, pois muitos especialistas trabalham com empresas que prestam serviços de assessoria administrativa e financeira – auxiliando, assim, o pagamento do procedimento em parcelas, como é o caso do Centro Nacional.

Só é necessário antecipar os preparativos e escolher bem o cirurgião pois, segundo SBCP, 94% dos procedimentos que têm complicações são realizados por profissionais que não são especialistas. O ideal é pesquisar no próprio site da entidade sobre o médico escolhido.

O que deve ser evitado antes de se realizar uma cirurgia plástica

Bebidas alcoólicas, chás escuros, cigarro e alguns medicamentos estão na lista de contraindicações

Assim como qualquer outra, a cirurgia plástica também necessita de um pré-operatório. Na maioria dos procedimentos estéticos, alguns hábitos como tabagismo, alimentação incorreta e a falta da prática de exercícios físicos devem ser alterados até 60 dias antes do procedimento, para que não haja complicação durante e após a operação.

Outra questão importante são os exames pré-operatórios, pois indicam qualquer problema que impeça a realização da cirurgia. Geralmente, o médico faz o requerimento de exames, como hemograma completo, coagulograma, glicemia, colesterol total e frações, exame de urina e um eletrocardiograma. “Exames mais específicos como mamografia e ressonância magnética podem ser requisitados conforme a região a ser operada”, lembra o cirurgião plástico, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), Tiago André Ribeiro.

corpo cirurgia

Além dos exames, os fumantes, por exemplo, devem deixar o cigarro de 15 a 30 dias antes do procedimento, pois o fumo interfere na cicatrização e prejudica os resultados. Já pacientes hipertensos, que usam medicamento diário precisam procurar o médico com antecedência de pelo menos 20 dias, conforme explica Tiago Ribeiro. “Na maioria dos casos, é necessário o ajuste da dosagem da medicação, já que a ansiedade no período que antecede a cirurgia costuma alterar a pressão arterial”.

remédios

Remédios para emagrecer também podem causar riscos e devem ser evitados por um período entre 15 dias antes do procedimento cirúrgico. Medicações com efeito coagulante também devem ser suspensas entre 15 e 20 dias antes.

No caso das cirurgias faciais, a maquiagem deve ser evitada no dia anterior. “Bebidas alcoólicas, chás escuros, receitas caseiras para cicatrização, medicamentos para emagrecer ou que contenham ácido acetilsalicílico – que afina o sangue – não devem ser consumidos antes do procedimento”, ressalta o cirurgião plástico.

Alimentação

Alimentos ricos em sal, como embutidos, defumados e molhos prontos causam retenção de líquido e deixam o paciente inchado e devem ser suspensos. “Bem como as comidas fermentadas, como grãos, bebidas gaseificadas e massas pesadas. Além de modificar a dieta, o paciente deve respeitar o jejum de oito horas para alimentos e bebidas antes da cirurgia”.

frutas-citricas-limao-laranja

Já os alimentos ricos em Vitamina C, como laranja, acerola, tomate devem ser consumidos ao menos uma vez por dia, pois ajudam na cicatrização, além de estimular a produção de colágeno e combater os radicais livres. “Hidratar o organismo com pelo menos oito copos de água por dia contribui na preparação do corpo para o pós-operatório, assim como também deve ser incluso alimentos ricos em fibra, como cereais e frutas”, esclarece o cirurgião plástico, Tiago Ribeiro.

Fonte: Tiago Ribeiro é Cirurgião Plástico especialista pelo Hospital Santa Marcelina, de São Paulo, Tiago André Ribeiro é graduado em Medicina pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). É membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Atende nas cidades de: Toledo e Marechal Cândido Rondon (PR).

Plástica facial melhora percepção de feminilidade e personalidade

A avaliação abrangente e o tratamento do paciente que fará um rejuvenescimento facial requer uma compreensão mais ampla das muitas mudanças na percepção que são suscetíveis de ocorrer com a intervenção cirúrgica. O rosto não é definido apenas pela juventude

“A cirurgia plástica facial pode fazer mais do que trazer um ar jovial ao rosto. Pode mudar – para melhor – a forma como as pessoas percebem você. O primeiro estudo a examinar a percepção após a cirurgia plástica conclui que as mulheres que realizaram certos procedimentos são percebidas como possuidoras de mais habilidades sociais, sendo consideradas mais simpáticas, mais atraentes e mais femininas”, afirma o cirurgião plástico Ruben Penteado, diretor do Centro de Medicina Integrada.

O estudo não é superficial, pois a importância da aparência facial está enraizada na evolução humana e os estudos sugerem que julgar uma pessoa com base em sua aparência resume-se à sobrevivência. Os resultados foram publicados on-line no JAMA Facial Plastic Surgery.

Para realizar o estudo, os autores estabeleceram critérios para avaliar e quantificar as mudanças na percepção de personalidade que ocorreram após vários tipos de cirurgia de rejuvenescimento facial, incluindo o lifting facial, o lifting de olho superior e inferior, o lifting de testa, o lifting de pescoço e/ou implante de queixo.

O estudo envolveu fotos pré e pós-operatórias de 30 mulheres caucasianas e incluiu respostas de pesquisa com 170 pessoas. Os entrevistados foram solicitados a avaliar sua percepção de atratividade, feminilidade, traços de personalidade (extroversão, amabilidade, habilidades sociais, comportamento de busca de risco, agressividade e confiabilidade) de cada foto que analisaram. Nenhum participante viu fotos antes e depois da mesma mulher, ninguém sabia que uma cirurgia plástica tinha sido realizada.

A melhora pós-cirúrgica foi detectada em quatro aspectos: habilidades sociais, amabilidade, atratividade e feminilidade. Embora não seja estatisticamente significativa, também foi observada uma tendência para a confiabilidade.

plástica1

“O lifting facial e o lifting de olho inferior foram os dois procedimentos que obtiveram as revisões mais favoráveis após a cirurgia, com o lifting de olho inferior levando um pouco mais de vantagem”, diz Ruben Penteado, que é membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

De acordo com os autores do estudo, uma pesquisa anterior mostrou que os olhos são altamente relacionados à atratividade e à confiabilidade. Isto pode explicar porque as pacientes que fizeram um lifting de olho inferior foram consideradas mais atrativas e femininas, inspirando mais confiança.

A avaliação abrangente e o tratamento do paciente que deseja fazer o rejuvenescimento facial requer uma compreensão das mudanças na percepção sobre essa pessoa que são suscetíveis de ocorrer após a cirurgia, além das esperadas.

“Mesmo com os resultados de um estudo pequeno, que incluiu apenas mulheres brancas, o que potencialmente limita a replicação dos resultados em outros grupos, é razoável esperar que os pacientes desejam saber como cada procedimento cirúrgico pode afetar a percepção dos outros sobre os seus traços de personalidade. Quando ganhamos conhecimento mais específico sobre o que essas mudanças na percepção representam, somos capazes de melhorar os resultados para os pacientes”, afirma o médico.

Fonte: Medicina Integrada

Mamoplastia redutora: cirurgia indicada quando os seios prejudicam a mulher

Procedimento consiste na retirada de parte das mamas e diminui incômodo de postura e coluna

Mulheres que possuem seios muito grandes sofrem desconforto físico e estético. Para amenizar dores nas costas e desvios posturais devido ao peso das mamas, muitas delas recorrem a mamoplastia redutora, procedimento cirúrgico que diminui o volume e o peso dos seios. A cirurgia é indicada para mamas que ao longo dos anos apresentam ptose (queda) e geram incômodo na postura e na coluna da paciente.

A quantidade de mama retirada depende do tamanho dos seios, da dimensão torácica e do objetivo final da paciente. “A mamoplastia redutora consiste na retirada do excesso de gordura, pele e do tecido glandular dos seios. Tudo conforme a estrutura física da mulher”, explicou o cirurgião plástico, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), Tiago André Ribeiro. “Em alguns casos a paciente apresenta seios assimétricos ou tem o tamanho da auréola exagerado em comparação à mama. Isso pode ser corrigido na cirurgia”, completou.

mamoplastia-2

Para a realização do procedimento, o ideal é que a paciente tenha as mamas completamente desenvolvidas, o que acontece a partir dos 18 anos. Segundo o cirurgião plástico, a redução mamária ainda pode dificultar ou impossibilitar a amamentação no futuro. “É recomendável fazer a cirurgia depois da paciente já ter tido filhos. A amamentação pode mudar o formato dos seios já operados e diminuir os efeitos da cirurgia”.

Antes de iniciar todo o procedimento estético, o cirurgião irá requerer exames de mamografia, ultrassonografia e exames laboratoriais completos de urina e sangue. “Também são pedidos exame cardiológico e de coagulação para fazer parte da avaliação pré-operatória”, concluiu o cirurgião.

Técnica

O procedimento mais usado é o que utiliza uma incisão em formato de “T” invertido. A incisão é feita ao redor da aréola e desce até o sulco mamário, onde corre horizontalmente. ”Se a mama for muito grande, pode ocorrer a retirada do mamilo e da auréola, que serão recolocados depois. A mama será remodelada para ficar com o formato de cone, que é a forma natural dos seios”, afirmou o cirurgião.

A cirurgia tem tempo médio de três horas e o período de internação da paciente é, geralmente, de 24 horas. O resultado da mamoplastia aparece depois dos primeiros 30 dias, com a diminuição do inchaço, mas é entre o 6º e o 12º mês que os seios ganham formas definitivas de consistência, volume e sensibilidade.

mamoplastia

Fonte: Tiago Ribeiro – Cirurgião Plástico especialista pelo Hospital Santa Marcelina, de São Paulo,  é graduado em Medicina pela Universidade Estadual de Londrina (UEL); membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Atende nas cidades de: Toledo e Marechal Cândido Rondon. Mais informações no site.

Por que os 55 anos estão se transformando na idade da cirurgia estética?

A mensagem para o setor estético é clara: os pacientes querem algo sutil e discreto, mais refrescante, eles estão com expectativas mais realistas

No início do ano, no Reino Unido, foi publicada uma pesquisa que revelou que os cinquentões estão realmente vivendo a vida e aproveitando a sua aposentadoria, empregando seu dinheiro em coisas que lhes proporcionam prazer, tais como cortadores de grama de última geração, trompetes, viagens ao redor do Reino Unido e até mesmo telescópios ultramodernos para contemplar o céu.

Além disso, a pesquisa, realizada pelo órgão que paga as pensões no Reino Unido, encontrou pensionistas interessados em investir seu dinheiro em cirurgias estéticas, como a mastopexia, o lifting de sobrancelhas e implantes dentários.

De acordo com a Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos, em 2014, os americanos, entre 55 anos ou mais realizaram 24% de todos os procedimentos de cirurgia plástica, enquanto aqueles com idade entre 40-54 anos realizaram cerca de 34%, a maior porcentagem de todas as faixas etárias.

Uma pesquisa deste ano da Associação Britânica de Cirurgiões Plásticos Estéticos (BAAPS) descobriu que, enquanto o número de cirurgias estéticas tem diminuído cerca de 9% desde 2013, os procedimentos discretos e sutis – tais como cirurgia de pálpebras, lifting de sobrancelhas e a transferência de gordura de uma parte do corpo para a outra – praticamente permaneceram inalterados e tornaram-se o novo ideal para muitos que estão na casa dos 50. E esta tendência é particularmente visível entre os que estão com mais de 55 anos, houve um ligeiro aumento do número de pessoas com 55 anos ou mais que estão optando por fazer cirurgias estéticas.

“Isso se deve à liberdade financeira que essa faixa etária está desfrutando, mas também ao fato de a cirurgia estética não ser mais um tabu na sociedade. Hoje, as cirurgias estéticas estão mais baratas e acessíveis”, afirma o cirurgião plástico Ruben Penteado, diretor do Centro de Medicina Integrada.

Seniors Couple
Foto: Bigstock

O que desejam os cinquentões?

Os procedimentos mais desejados entre os que estão com 55 anos são os que contribuem para o rejuvenescimento facial. “Este grupo opta por procedimentos não-cirúrgicos como preenchimentos ou a aplicação de toxina botulínica, além liftings de pálpebra ou de sobrancelha, e tendem a não fazer cirurgias grandes no resto do corpo, que normalmente são as eleitas pelo público mais jovem”, explica o diretor do Centro de Medicina Integrada.

Além dos procedimentos para combater os sinais de envelhecimento, há uma tendência de cirurgias de mamas entre as mulheres na casa dos cinquenta, embora não da maneira usual. “As cirurgias corporais que estamos realizando em mulheres mais velhas são, na verdade, atualizações da cirurgia de mama que essas mulheres fizeram quando eram mais jovens. Isso não significa que elas estão aumentado as mamas, muitas vezes, estão apenas fazendo uma atualização da cirurgia anterior, o que pode implicar na substituição dos implantes anteriores por próteses menores ou numa elevação de mamas”, explica Ruben Penteado, que é membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Uma aparência menos cansada

Para a maior parte dos pacientes com mais de 55 anos, aos optarem por uma cirurgia plástica, o objetivo não é parecer mais jovem, mas ter um olhar, uma aparência menos cansada. “Isso é o que é relevante para essa faixa etária. Eles querem ter uma aparência mais jovial e menos cansada. Preferências estéticas evoluem naturalmente ao longo do tempo. O cirurgião plástico precisa estar atento a esses fatos. Recentemente, vimos homens que ostentam barbas espessas e mulheres com sobrancelhas grossas virarem ícones de beleza. As celebridades agora buscam diminuir o tamanho dos implantes de silicone. Hoje, quem está na casa dos 50 acha que menos é mais, e um ajuste mínimo é o suficiente para que se sintam bem”, finaliza o médico.

Fonte: Medicina Integrada 

Reconstrução mamária após mastectomia recupera autoestima

Após o diagnóstico do câncer de mama, o próximo passo é a preparação para a principal etapa do tratamento: a cirurgia de retirada do tumor. Mastectomia, como é chamado o procedimento, resulta na remoção total ou parcial da mama, a depender do tamanho e da localização do câncer.

Quando a reconstrução ocorre imediatamente depois da retirada da mama, as vantagens são maiores para a paciente, pois o procedimento evita a depressão, aumenta a autoconfiança e agiliza retomada da vida sexual. A cirurgiã plástica Ivanoska Filgueira conta que os benefícios vão além da estética. “A autoestima da mulher é recuperada. Poder colocar uma roupa de banho ou usar a roupa preferida faz toda diferença na vida da paciente.”

O tipo de reconstrução a ser realizada depende do tamanho e da localização do tumor. A utilização de tecidos e músculos da própria paciente, com próteses de silicone são os métodos mais conhecidos. “Durante o procedimento, a auréola do seio também é reparada. A área pode ser reconstruída com retalhos, levantamento do bico ou com tatuagem”, explica Ivanoska.

Autoestima

barbara

Depois de receber o diagnostico do câncer e passar por seis meses de quimioterapia, Bárbara Matos retirou as duas mamas. A reconstrução foi imediata, utilizando expansor e prótese de silicone para acompanhar a extensão natural do corpo.

“No momento que a mulher recebe o diagnostico de câncer de mama e descobre que vai perder a mama a grande preocupação é com a questão da feminilidade e da sexualidade. Eu, como atleta, pensei também na funcionalidade do meu corpo”, atesta.

Após a cirurgia, com muita dedicação às fisioterapias diárias e acompanhamento médico, o tratamento contra o câncer de mama e a reconstrução não comprometeram as ações cotidianas da atleta.

O fato de praticar atividades físicas antes do diagnóstico influenciou diretamente na recuperação. “Meu corpo estava muito preparado, eu tinha uma musculatura forte e isso me ajudou a passar bem por todo tratamento. As cicatrizes são as marcas da minha vitória”, declara.

Recuperação

Assim como qualquer cirurgia, o pós-operatório requer repouso e cuidados especiais. Medicamentos indicados para evitar inflamações ou preocupações posteriores são receitados pelo cirurgião. Se não houver nenhum tipo de complicação, a paciente pode retomar as atividades diárias após 30 dias de cirurgia. Vale lembrar que a reconstrução não invalida a importância do acompanhamento periódico através de mamografia, autoexame e outras técnicas de detecção de câncer.

ivanovska

Fonte: Ivanoska Filgueira graduou-se na Universidade Federal do Rio Grande do Norte e veio para Brasília para cursar residência médica. Determinada ainda se pós graduou em medicina do trabalho, obtendo logo depois o titulo de mestra em ciências da saúde pela Universidade de Brasília. Durante anos atuou na área de queimados do HRAN – Hospital Regional da Asa Norte. Atualmente divide o tempo entre dois consultórios e as salas de cirurgia. Mas não deixou de lado as causas sociais, frequentemente participa de mutirões para pacientes de baixa renda.