Arquivo da categoria: horta

Descubra benefícios da compostagem e como fazer uma composteira em casa ou apartamento

Produção de fertilizante orgânico, redução na emissão de gases poluentes e destinação adequada de resíduos, são algumas das vantagens da utilização de lixo doméstico como adubo

A quantidade de lixo produzida e descartada em locais inapropriados, é um dos mais graves problemas ambientais brasileiros. A Abrelpe (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais) estima que em 2016, cada brasileiro produziu 377 kg de lixo, resultando em cerca de 80 milhões de toneladas de resíduos sólido.

O estado de São Paulo é o campeão nacional em descarte de lixo. São geradas mais de 56 mil toneladas por dia. Desse total, cerca de 42 mil tem destinação adequada. O restante pode ser encontrado nas esquinas, nas calçadas, nos terrenos baldios, nos rios, em espaços públicos.

O descarte em locais impróprios, contamina os lençóis freáticos, causa mau cheiro, atraindo moscas, ratos, baratas e outros insetos e animais, causadores de inúmeras enfermidades.

De acordo com o Ministério do Meio Ambiente, em 2015 foram geradas cerca de 32 milhões de toneladas de resíduos orgânicos no Brasil, o que equivale a 88 mil toneladas de lixo diário. Todo este material quando entra em decomposição, seja nos lixões ou aterros sanitários, gera o gás metano, um dos principais causadores do efeito estufa.

Parte desse lixo produzido poderia ter destino mais produtivo: a compostagem, que é a reciclagem de resíduos orgânicos para produção natural de fertilizante ecológico, econômico e sustentável.

compostagem.png

“O processo da compostagem, realizado por meio de micro-organismos, como fungos e bactérias, degrada a matéria orgânica, resultando em um fertilizante de origem animal ou vegetal, com dois componentes principais: os minerais, contendo os nutrientes essenciais para as plantas; e o húmus, como condicionador e melhorador das propriedades físicas, químicas e biológicas do solo”, explica o engenheiro agrônomo Valter Casarin, coordenador científico da Nutrientes para a Vida (NPV).

Do total de resíduos domésticos produzidos, 30% poderiam ser usados na compostagem. Ou seja, menos lixo nos aterros, menos poluição ambiental e menos emissão de gases poluentes.

“A compostagem recicla nutrientes, como: nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio, magnésio e enxofre. Todos eles são assimilidados em maior quantidade (macronutrientes) pelas raízes, além de ferro, zinco, cobre, manganês, boro e outros, absorvidos em quantidades menores (micronutrientes). A composição do composto depende do material de origem. Assim, nem sempre os compostos conseguem fornecer todos os nutrientes que as plantas requerem e, muitas vezes precisam ser combinados com adubos minerais.”

Atuando com informações embasadas cientificamente, a NPV informa claramente os diversos tipos de fertilizantes, seja mineral ou orgânico, com o objetivo de nutrir de forma adequada e balanceada as plantas, de forma a proporcionar segurança alimentar e nutricional para os seres humanos.

Aprenda a fazer uma composteira para casa ou apartamento

compostagem composteira folhas pixabay
Pixabay

Segundo Cristal Muniz, blogueira e autora do livro Uma vida sem lixo, da Editora Alaúde, mais da metade do lixo produzido nas casas vem da cozinha: os restos de alimentos ou o chamado lixo orgânico. Para ela, que há quase três anos decidiu parar de produzir lixo, até mesmo os descartáveis, a solução para o mau cheiro nas lixeiras e para o grande descarte de restos inutilizáveis é ter uma composteira doméstica.
A autora defende que a solução é viável tanto para quem mora em casa quanto para quem mora em apartamento.

Reduzir o lixo da cozinha, ter um adubo maravilho, fácil e sempre à mão, manter uma horta superbonita: dá para ter isso tudo com uma composteira em casa. Existem vários tipos de composteira, mas o que a blogueira e autora do livro Uma vida sem lixo (Editora Alaúde), Cristal Muniz, recomenda é a com minhocas.

Como fazer composteira em casa

compostagem residuos organicos pixabay
Pixabay

1 – Faça um buraco na terra, de cerca de pelo menos 0,5 metro quadrado. Se a família for grande, você pode fazer dois e, enquanto um descansa, vocês enchem o outro. Ou fazer um grandão, de 1 metro quadrado. Uns 30 centímetros de profundidade são suficientes. Para ajudar a segurar as paredes de terra, você pode colocar tábuas nas laterais ou uma caixa sem o fundo (tipo uma caixa d’água, um caixote, algo que segure as laterais, mas dê acesso ao chão). Também dá para fazer cercando uma área em contato com a terra com cerca de arame, tábuas ou troncos.
2 – Coloque o material orgânico e não espalhe muito. Vá concentrando em um cantinho até encher o espaço. Sempre cubra muito bem com folhas secas ou serragem (é esse o segredo para o cheiro ruim não aparecer).
3 – Regue de vez em quando se fizer muito calor ou bater muito sol, porque a mistura pode esquentar e secar. É bom manter úmido para a decomposição acontecer mais rapidamente.
4 – A cada 15 dias, dê uma revirada em todo o material, para ajudar a aerar e facilitar a decomposição.
5 – Aos poucos, as sobras de alimento vão se transformar em uma terra bem escura, com cheiro de terra molhada. Esse adubo é maravilhoso para as plantas e para a sua hortinha!

Composteira em apartamento

Um dos sistemas de composteira doméstica mais famosos hoje é a composteira com minhocas. Isso porque ela é pequena, não tem cheiro ruim, cabe em quase qualquer cantinho, como a área de serviço, e a decomposição acontece mais rápido com a ajuda desses bichinhos.

Esse tipo de composteira é ótimo para quem mora em apartamento ou quem mora em casa e não pode fazer um buraco no quintal, como no método explicado acima. Existem composteiras prontas que já vêm com as minhocas, mas você pode fazer a sua usando caixas ou baldes de plástico.

Uma composteira com minhocas precisa de, no mínimo, três andares: o andar do topo, onde o lixo orgânico vai sendo depositado e coberto com o material seco (serragem e folhas secas) que, quando cheio, deve ficar em repouso por cerca de um mês. Durante esse tempo de repouso, o andar do meio vira o do topo e começa o ciclo de novo. Esses dois andares são onde ocorre a compostagem do material. O andar de baixo é o que recolhe o líquido que escorre (os andares são intercalados com furinhos para o líquido cair e as minhocas se movimentarem).

No final desses dois meses, o chamado período de repouso, o material que sobra é um húmus que parece terra, supernutritivo para as plantas e com cheirinho de terra molhada. Nada disso dá mau cheiro se tudo for feito corretamente.

O excesso de umidade pode facilitar a criação de mosquinhas, por isso é importante cobrir tudo muito bem com serragem. Além das minhocas, acabam aparecendo outros bichinhos pequenos, como formiguinhas e outros insetos, que também ajudam no processo de decomposição dos alimentos. É tudo limpo e, seguindo todas as etapas, não há risco nenhum de contaminação.

Como usar composteira com minhocas

composteira felipe machado e julia giusti
Crédito: Felipe Machado e Julia Giusti

=Para usar a composteira você deve colocar os restos de alimentos aos poucos. Não espalhe tudo, vá concentrando o lixo orgânico em cantinhos. Cubra muito bem com folhas secas e serragem. Não aparte ou comprima, deixe a mistura respirar porque ela precisa do oxigênio.
=Siga colocando seus resíduos até que o baldinho que estiver em cima esteja cheio. O ideal é levar mais ou menos um mês para encher, assim dá tempo de ele virar adubo e você poder trocar pelo andar do meio. Quando estiver cheio, ele vai para o repouso. =Troque de lugar com o que estava no meio da pilha, vazio.
=Quando esse recipiente (que estava no meio e foi para topo da pilha) estiver cheio, depois de um mês ou mais, vai ser hora de trocar os andares novamente. Se tudo deu certo, o recipiente que estava no repouso agora tem húmus.
=Para retirar o húmus, deixe o pote com a tampa aberta em um lugar com bastante luz. As minhocas não gostam e vão se enfiando para dentro da terra. Vá raspando o adubo aos poucos, para não machucar e não levar embora as minhocas.
=Na caixa fixa debaixo, vai começar a aparecer um líquido bem escuro. Ele é um biofertilizante poderosíssimo. Dilua cada parte do líquido em dez partes de água e use essa mistura para regar suas plantinhas uma vez por semana. Elas vão ficar lindas.
=O húmus pode ser colocado em plantas, mas, caso sobre, você também pode doar, colocar nas plantas do condomínio, na praça perto de casa etc.

Anúncios

Horta Urbana: já sabe quais vegetais plantar?

Uma prática que vem se tornando cada vez mais comum em grandes metrópoles é o cultivo de hortas urbanas. A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio da Coordenadoria de Desenvolvimento dos Agronegócios (Codeagro), traz algumas dicas de como plantar vegetais.

Os vegetais são ricos em vitaminas, minerais e fibras, que são essenciais para o nosso organismo. Auxiliam o sistema imunológico, a saúde dos ossos e da pele além de melhorar o trânsito intestinal. De acordo com a nutricionista da Codeagro Milene Raimundo, “o mais importante no consumo de vegetais é a variação. Deve-se variar as cores e formas de preparo, assim é possível garantir que os diferentes nutrientes que cada um fornece sejam bem aproveitados no organismo.”

Milene também garantiu que o cultivo próprio permite o consumo de alimentos mais frescos, com maior valor nutricional, além de fortalecer a relação do homem com a natureza. “O plantio incentiva o consumo e a variedade, pois é possível produzir diferentes alimentos durante o ano”.

Quais vegetais plantar em espaços pequenos:

Alface

alface
Foto: Wunee/Morguefile

Clima: alface tem diversidades em seus cultivares; o de inverno para plantio em temperaturas amenas e frias, e de verão, para plantio sob temperaturas mais altas.

Plantio: as mudas podem ser plantadas em vasos e tem que ficar em locais bem iluminados. O solo deve possuir alto teor de matéria orgânica e ser mantido úmido.

Cuidados: a alface necessita de boa luminosidade, preferencialmente com luz solar direta, mas é tolerante à sombra parcial. Irrigar com frequência, porém sem que permaneça encharcado.

Colheita:  a colheita da alface pode ser feita entre 55 e 130 dias depois da semeadura.

Rúcula

rucula

Clima: a rúcula é uma hortaliça que cresce melhor em clima ameno, com temperaturas em torno de 16°C a 22°C. Recomenda-se o plantio em março e julho.

Plantio: plante as sementes diretamente no local definitivo, superficialmente com até 0,5 cm no solo, ou em sementeiras, com as mudas sendo transplantadas quando atingirem 5 cm de altura, com cuidado para não danificar as raízes.

Cuidados: no outono e inverno pode ser cultivada com sol direto o dia todo, mas no verão é melhor prover sombra parcial durante as horas mais quentes do dia. Irrigue com frequência para que o solo seja mantido sempre úmido, mas sem que permaneça encharcado. Retire as plantas invasoras que estiverem concorrendo por recursos e nutrientes.

Colheita: a colheita da rúcula pode ser feita a partir de 20 a 65 dias da semeadura.

Quais vegetais plantar em espaços médios:

Cenoura

Cenoura

Clima: a cenoura é uma planta que cresce melhor em clima ameno, porém existem cultivares adaptados a condições mais quentes.

Plantio: o cultivo é indicado entre o outono e o inverno e as sementes devem ser plantadas diretamente na horta, com profundidade de 0,5 cm a 1 cm, pois a cenoura não suporta transplante. Os cultivares de raízes arredondadas devem ser semeados em vasos, desde que a profundidade dos mesmos comporte o tamanho da raiz.

Cuidados: a cenoura cresce melhor em condições de alta luminosidade de sol, porém o cultivo tolera meia sombra. Irrigar quando necessário para manter o solo levemente úmido, evite o excesso de água, pois ela apodrece as raízes. Retire as plantas invasoras que estiverem concorrendo por recursos e nutrientes.

Colheita: a colheita da cenoura ocorre entre 60 e 120 dias após a germinação.

Tomate Cereja

tomates cereja pixabay
Pixabay

Clima: geralmente o tomateiro cresce melhor com temperaturas diurnas entre 20°C e 26°C, com uma variação de temperatura entre o dia e a noite.

Plantio: as sementes de tomate podem ser plantadas diretamente no local definitivo ou em sementeiras, com cerca de 10 cm de altura e 7 cm de diâmetro. O plantio das mudas de tomate é realizado quando elas atingem de 15 cm a 25 cm de altura. Os tomateiros se adaptam a um grande número de recipientes, como em vasos, jardineiras e cestas, mas a variedade a ser plantada deve ser escolhida de acordo com o tamanho da planta e do recipiente.

Cuidados: os tomateiros geralmente crescem e produzem melhor em condições de alta luminosidade, com sol direto por algumas horas no dia. Irrigar de forma a manter o solo sempre úmido, mas sem que permaneça encharcado. Tomateiros plantados em vasos, jardineiras, cestas suspensas, sacos plásticos com terra e outros tipos de contêineres precisam ser escorados para assegurar seu desenvolvimento. Podem ser usadas varas de bambu ou de madeira, tomando-se o cuidado ao amarrar os suportes em cada planta.

Colheita: o tomate não precisa estar maduro para a colheita que, em geral, inicia-se de 90 a 100 dias após a realização do transplante.

Couve

couve shuttestock
Foto: Shutterstock

Clima: a couve é uma planta que cresce melhor em clima ameno ou frio, durante o outono e o inverno e em área com parte sombreada. O calor acentuado prejudica a qualidade das folhas, com crescimento reduzido, aparência e sabor alterado.

Plantio: pode ser feito por meio de sementes e pode ser propagada por brotos laterais tirados de plantas adultas. As sementes podem ser plantadas diretamente na horta ou em sementeiras, transplantadas quando estiverem com 10 cm de altura e irrigando logo em seguida. Plante as sementes com aproximadamente 1 cm de profundidade.

Cuidados: cultive em condições de alta luminosidade, com sol direto. O solo deve ser mantido sempre úmido, mas sem que fique encharcado. Corte a ponta do caule principal para que a couve mantenha altura e tamanho adequados para o manuseio e a colheita, além de que favorece o desenvolvimento dos brotos laterais.

Colheita: a colheita das folhas da couve inicia-se normalmente de 70 a 112 dias após o plantio.

Por Kevin Previatti, Pk. – Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo

Todos os sábados de janeiro terão Clube da Horta no Sesc Avenida Paulista

Cultivo de temperos, plantas medicinais e aromáticas e plantio de baixa manutenção estão entre as atividades

Localizada a 60 metros de altura, a horta do Sesc Avenida Paulista – cenário para muitas fotos – conta com a programação do Clube da Horta, que tem por objetivo oferecer ao público a oportunidade de colocar a mão na terra, em atividades práticas que conscientizam os visitantes sobre as relações de plantio e consumo especialmente no que diz respeito a saúde e alimentação.

Em janeiro as oficinas do Clube da Horta no Verão ocorrem todos os sábados – dias 5, 12, 19 e 26, sempre das 10h30 às 13h30, com retirada de ingressos a partir das 10 horas.

A participação nas oficinas também é uma oportunidade para os visitantes conhecerem a horta de 12 m² instalada no terraço da unidade e apreciar suas mudas de temperos, ervas medicinais, verduras e legumes. Algumas delas, como a ora-pro-nobis, costuma ser utilizada em lanches do cardápio da Comedoria e do Café-Terraço.

Programação:

horta_foto_julia parpulov (3)
Foto: Julia Parpulov

Cultivo de Temperos
Dia 5 de janeiro, sábado, às 10h30.
Com Mariana Marchesi.
Oficina que estimulará a prática da horticultura como forma de ampliar o contato direto com a natureza. Será realizada a prática da semeadura e o plantio de temperos em caixotes.
14 anos. Grátis.

Fazendo Mudas em Casa
Dia 12 de janeiro, sábado, às 10h30.
Com Mariana Marchesi.
Os participantes aprenderão a montar sementeiras, plantar e conservar rizomas e propagar plantas por meio de estacas.
14 anos. Grátis.

Plantio de Baixa Manutenção
Dia 19 de janeiro, sábado, às 10h30.
Com profissionais do ArboreSer.
A atividade apresentará o cultivo em canteiros instantâneos feitos na palha, que possuem diversos benefícios e são uma boa solução para plantio nas cidades em pequenos espaços.
14 anos. Grátis.

Plantas Medicinais e Aromáticas
Dia 26 de janeiro, sábado, às 10h30.
Com profissionais do ArboreSer.
A oficina apresenta o conceito das plantas medicinais, seus princípios ativos e os benefícios do cultivo e utilização dessas plantas para a saúde, além de desmistificar a crença popular de que plantas não fazem mal, alertando assim para os cuidados adequados na utilização correta das medicinais, evitando as toxicidades e os riscos para a saúde.
14 anos. Grátis.

horta_foto_brenda amaral (4)
Foto: Brenda Amaral

Clube da Horta no Verão
Dias: 5, 12, 19 e 26 de janeiro de 2019 (sábados)
Horário: 10h30 
Local: Horta – 17º andar
Ingressos: Grátis (retirada de ingressos com meia hora de antecedência no local).
Duração: 90 minutos
Classificação etária: Livre

Sesc Avenida Paulista
Avenida Paulista, 119, Bela Vista, São Paulo – Fone: (11) 3170-0800
Transporte Público: Estação Brigadeiro do Metrô – 350m

Horário de funcionamento da unidade:
Terça a sábado, das 10h às 22h.
Domingos e feriados, das 10h às 19h.

Horário de funcionamento da bilheteria:
Terça a sábado, das 10h às 21h30.
Domingos e feriados, das 10h às 18h30.

Como fazer uma horta em casa

Dr. Planta, especialista da Petz, orienta como cultivar temperos em vasos ou jardineiras

A primavera é a melhor época para plantas. A estação favorece a elevação da umidade do ar, as chuvas, as temperaturas moderadas e os dias mais longos que as noites. Para aproveitar esse momento, o gerente comercial da linha garden e piscina da Petz, Marcio Alexandre, conhecido como o Dr. Planta, dá dicas para montar uma horta em casa.

“O cultivo das plantas é uma atividade relaxante, ajuda no bem-estar e deixa um visual bonito na casa, além de fazer bem para a saúde, pois permite uma a alimentação com ingredientes frescos, afirma o Dr. Planta. A dica é plantar em espaços que recebam bastante sol (preferencialmente pela manhã), independentemente do tamanho.

Uma parede da sacada do apartamento ou do quintal da casa pode se tornar uma horta vertical repleta de temperos e especiarias, assim como uma jardineira pode ser destinada ao cultivo das ervas. As regras básicas são: iluminação natural, lembrar-se de regar a horta e se certificar de que as espécies escolhidas são ideais para o espaço.

A horta vertical se ajusta a qualquer espaço e proporciona um visual único. Ela pode ser instalada em painéis de madeira, vasos presos direto na parede ou, até mesmo, estantes com diversas prateleiras.

Passo a passo

1 – Prepare os vasos ou jardineiras com uma camada de argila expandida ao fundo, seguida de uma manta de drenagem e, por fim, terra especial para o plantio.

2 – Adicione as mudas, tomando bastante cuidado com as raízes.

3 – Acomode as plantas nos seus respectivos vasos e preencha o espaço vazio com mais terra.

4 – Regue a terra e as folhas.

horta_foto1

5 – Distribua os vasos na estrutura escolhida e coloque etiquetas decorativas, facilitando a identificação de cada plantinha.

6 – A maioria das ervas e temperos precisam de água, dependendo da região e do local a necessidade pode variar, recomendo diariamente ou com intervalo de 1 dia, porém sem encharcar. Como ficam diretamente ao sol, com mínimo de 4 horas, sua necessidade de água é maior em relação a outras plantas.

7 – Como sugestão, para finalizar a horta, seja ela vertical, horizontal, em canteiro ou vaso, colocar uma camada de casca de árvore, além de ficar com o acabamento bonito, protege a camada do solo, mantendo a umidade do mesmo e evitando o crescimento de pragas ao redor das plantas.

8 – Outra dica, colocar sempre o dedo na terra verificando a umidade. Se estiver úmido, não precisa molhar, caso contrário fazer a rega.

9 – Geralmente, as plantas com falta de água começam a murchar, identificando claramente sua necessidade.

Quer aprender a montar uma horta vertical? Assista ao vídeo preparado pela Petz, clicando aqui.

Opções para a horta caseira:

Alecrim

Alecrim MGD©
Alecrim – Foto: MGD©

Necessidade de espaço: plantar mudas com espaçamento de 10 cm.
Necessidade de luz: sol pleno, mínimo de 4 horas para ter um produto de qualidade.
Pode ser usado para: tempero para carnes, legumes e batata. O chá de alecrim é muito conhecido pelas suas propriedades medicinais.

Cebolinha

cebolinha creative commons
Foto: CreativeCommons

Necessidade de espaço: plantar mudas com espaçamento de 10 cm.
Necessidade de luz: sol pleno, mínimo de 4 horas para ter um produto de qualidade.
Pode ser usado para: tempero carnes e legumes.

Hortelã

hortelã
Foto: Maria Mas/Morguefile

Necessidade de espaço: plantar mudas com espaçamento de 10 cm. Tenha sempre a hortelã sozinha no vaso. Caso plante em jardineiras e for dividir espaço com outras espécies, coloque uma divisória entre ambas para que a hortelã não “mate” a planta vizinha.
Necessidade de luz: a hortelã ou menta pode ser cultivada em lugares ensolarados ou em sombra parcial com alta luminosidade.
Pode ser usado para: comida árabe, saladas e água aromatizada.

Manjericão

manjericao crative commons
Foto: CreativeCommons

Necessidade de espaço: plantar mudas com espaçamento de 10 cm.
Necessidade de luz: necessita de alta luminosidade e deve receber luz solar direta por pelo menos 4 horas.
Pode ser usado para: tempero para molho vermelho e base para molho pesto.

Orégano

oregano pixabay
Foto: Pixabay

Necessidade de espaço: plantar mudas com espaçamento de 10 cm.
Necessidade de luz: sol pleno, mínimo de 4 horas para ter um produto de qualidade.
Pode ser usado para: tempero para carnes, molhos, massas, legumes.

Salsinha

salsinha

Necessidade de espaço: plantar mudas com espaçamento de 10 cm.
Necessidade de luz: pode ser cultivada em lugares ensolarados ou em sombra parcial com alta luminosidade.
Pode ser usado para: tempero para carnes, molhos e legumes.

Tomilho

tomilho

Necessidade de espaço: plantar mudas com espaçamento de 10 cm.
Necessidade de luz: sol pleno, mínimo de 4 horas para ter um produto de qualidade.
Pode ser usado para: carnes vermelhas em geral.

Fonte: Petz

 

Salvar

Shopping Eldorado aproxima o projeto Telhado Verde do público

O Shopping Eldorado, que possui o maior centro de compostagem em Shopping Center no país e uma área de aproximadamente 8 mil m² de Telhado Verde, promove o “Descendo o Telhado Verde”. Até o dia 21 de outubro, o projeto oferece um encontro do público a esta iniciativa do shopping que existe desde 2012 e reaproveita diariamente de 3 a 4 toneladas de resíduos orgânicos.

O objetivo desta ação é despertar mais consciência e incentivar seus frequentadores sobre a importância do reaproveitamento de resíduos orgânicos.

“Nosso Telhado Verde fica totalmente fora do olhar do cliente e a ação foi uma forma de trazer esse projeto para perto dele, reforçando nosso compromisso sustentável. Além das experiências no mall, contando com ações que encorajam o consumidor a implementar o processo de compostagem em casa. Os interessados também poderão visitar o projeto localizado no telhado do Shopping. Basta conferir a agenda de visitações. ”, afirma Lilian Piva, gerente de marketing do Shopping Eldorado.

telhado verde shopping eldorado

O público é impactado logo na entrada do Shopping por um lounge sensorial, que mostra os plantios legítimos do Telhado Verde e permite que as pessoas vejam de perto algumas plantas que se desenvolveram através desse método. Há também almofadas em caixas agrícolas dentro do espaço, criando um ambiente de imersão e aproximando cada um da realidade do projeto.

Telhado Verde_ELD_1Telhado Verde_ELD_2Telhado Verde_ELD_6

Já no segundo piso, o shopping preparou totens informativos, nos quais os frequentadores podem se deparar com um conteúdo explicativo sobre o processo de compostagem e informações de como é possível trazer esta realidade sustentável para o dia a dia. Nos totens, por exemplo, há explicações detalhadas sobre o processo de montagem de uma composteira, tipos de alimentos mais indicados e a utilização do chorume.

telhado verde lounge.jpg

Finalizando a experiência, o terceiro piso do shopping traz uma área de interação sensorial, com painéis que têm amostras de algumas sementes plantadas no Telhado Verde e permite às pessoas sentirem o cheiro e a textura de cada uma. Ainda neste andar, os visitantes podem levar um pouco do composto orgânico, como uma forma de incentivo ao início da produção desse material com os próprios resíduos.

Fonte: Shopping Eldorado

Dicas para começar a cultivar ervas e temperos em casa

O uso de temperos na culinária é indispensável, e não poderia ser mais prático quando cultivado em sua própria casa. Pequenos espaços como sacadas, floreiras, varandas ou até perto da janela da sua cozinha, podem se tornar um bom local para o plantio. Além de ajudar a decorar seu ambiente, a praticidade de colher o frescor e os benefícios provenientes dos temperos, darão mais sabor às suas refeições.

Uma das queridinhas para se ter em casa é a hortelã, que acrescenta sabor a bebidas, saladas e comidas diversas, além de ter um aroma muito agradável e terapêutico. Que tal começar por esse cultivo?

Conheça 5 dicas para o cultivo da hortelã:

ervas plantando.png
Tramontina

1. Plante-o em vaso, separadamente de outros temperos. Seu crescimento é intenso, podendo comprometer o desenvolvimento dos demais.

2. Irrigue a planta mantendo o substrato úmido, porém não encharcado.

hortelã
Foto: Maria Mas/Morguefile

3. Adube-o frequentemente, porém em pequenas doses, mantendo a planta sempre bem nutrida.

4. Certifique-se que a planta receberá sol de forma direta ou indireta, porém todos os dias.

ervas em casa
Tramontina

5. Colha ou pode os ramos com frequência. Com isto você manterá o tamanho da planta reduzido, favorecendo o crescimento lateral dos ramos.

Fonte: Tramontina

Conheça os benefícios de ter uma horta em casa

Ter uma horta em casa não é um privilégio apenas de quem mora em grandes terrenos. É completamente possível cultivar quaisquer tipos de hortaliças, temperos e ervas em apartamentos ou em pequenos espaços. Viver essa experiência a partir da semente é uma excelente maneira de restabelecer a nossa conexão com a natureza.

Os benefícios de cultivar são inúmeros. Melhor compreensão do ciclo da vida e da sazonalidade dos alimentos; ingredientes sempre fresquinhos, e ainda uma alimentação mais saudável, variada e sem agrotóxicos.

“Acompanhar o crescimento de uma plantinha nos lembra de todos os desafios que os alimentos vencem para chegar até a nossa mesa: mudanças bruscas de clima, pragas e outras intempéries. Além disso, também conseguimos perceber todo o ciclo da vida e compreender que cada alimento possui seu próprio ritmo, uma época certa de plantio, de crescimento e de colheita. E assim, passamos a valorizar ainda mais o alimento”, observou Andrei Santos, diretor de planejamento estratégico da Isla Sementes, marca de sementes pioneira no segmento. Então, que tal começar a sua própria horta?

Para ter uma horta em casa, não é necessário ter muito espaço. Basta ter um vaso, que pode ser de barro ou de plástico. O importante é que tenha um furo embaixo para que a água escorra ao regar.

O que precisamos fazer? Primeiro, temos que preparar o vaso para receber a semente. No vaso, é necessário fazer uma área de drenagem da água, com argila expandida e depois fazer uma camada de areia que drene a água para que ela não escorra com terra. Depois, coloque uma espessa camada de vermiculita, um mineral argiloso que ajuda a reter água e que é fundamental para o crescimento de uma planta saudável. Depois disso, no meio do vaso, abra um espaço com os dedos e coloque a semente da especiaria desejada. Não precisa afundar a semente na terra, coloque-a superficialmente sobre a vermiculita e regue.

horta_2

De maneira em geral, as hortaliças precisam de com quatro horas de sol, mas elas se adaptam em qualquer ambiente que bata sol pelo menos um tempo por dia, então se na sua casa não há muito espaço para o sol, não se preocupe! A sua plantinha vai crescer. Regue uma vez por dia. Seguindo o passo a passo, dentro de alguns dias, a sua mudinha vai dar os primeiros sinais de vida.

Uma ideia legal também a horta vertical. Feita com vasos cônicos, depois que as plantas crescem, você terá uma parede toda verde, cheia de plantinhas e bem perfumada. Para fazer um vasinho, como de orégano, é só fazer o mesmo passo a passo do vaso comum: argila expandida, areia e vermiculita, e depois espalhar as sementes pelo recipiente. As sementes de orégano são bem pequenas como grão de sal, então, após colocá-las no vaso, finalize com uma leve camada de vermiculita por cima e borrife água.

Dicas essenciais

Sol, água e drenagem! São esses os fatores fundamentais para que a sua planta cresça e floresça. Então, mesmo que você tenha uma vida agitada, assim como cuidar de um bichinho de estimação, é necessário que tenha pelo menos 5 minutos ao dia para regá-la e podá-la quando necessário. A drenagem é necessária na hora da montagem do vaso, então não esqueça dessa etapa importante.

Sementes para cultivo

kist_isla_baixa_2

Para te ajudar, a Isla Sementes criou o kit ‘Eu que plantei’, ideal para quem quer iniciar a primeira horta. Contém folhas (alfaces), frutos (tomates) e raízes (cenouras), possibilitando uma salada super colorida e altamente nutritiva produzida por quem plantou.

Além do Kit de sementes ’Eu Que Plantei’, a Isla oferece ainda mais 5 opções, cuidadosamente desenvolvida pela equipe da empresa, com o objetivo de atender duas importantes demandas do consumidor. “A primeira é que muitas pessoas tem vontade de cultivar uma horta e não sabem o que plantar, dúvida fácil de se entender ao se deparar com um portfólio como o da Isla com mais de 600 sementes diferentes”, diz Santos.

Ele explica também que para facilitar a escolha, os conjuntos trazem combinações temáticas que ajudam a quem tem um pequeno espaço escolher o tipo de horta que mais lhe agrada ou a quem tem um pouco mais de espaço ter várias hortas em uma só, uma horta de temperos, outra de hortaliças, outra de flores etc.

A segunda demanda é atender as muitas dúvidas que as pessoas tem na hora de fazer a sua primeira horta. “Nos envelopes tradicionais de hortaliças temos pouco espaço, de forma que as informações são mais compactas e objetivas. Já estes kits acompanham um completo guia de cultivo, com as principais dicas desde o semeio até a colheita”, afirma Santos.

Conheça todos os seis modelos de Kits desenvolvidos pela Isla:

cenoura

 

“Eu que plantei” – alface, tomate e cenoura – trio clássico para sua primeira horta, viva a experiência de cultivar folhas (alfaces), frutos (tomates) e raízes (cenouras) e tenha uma salada super colorida e altamente nutritiva. E o melhor, produzido por você mesmo.

“Tempera que eu gosto” – salsa, cebolinha e manjericão – mais sabor e saúde em sua mesa! Cultive uma horta de temperos com um trio capaz de acompanhar todos os tipos de pratos e tenha-os sempre à mão.

“Verde que te quero ver-te” – alface, couve e rúcula – faça seu canto verde com esse trio super vitaminado. Aproveite esta combinação e produza folhas jovens, tendo uma horta rápida e ainda mais nutritiva.

isla_013

“Planta de casa faz milagres” – camomila, lavanda e sálvia – que tal uma horta que além de bonita e cheirosa pode nos ajudar com um chazinho nas horas difíceis?! Esse trio promete muita paz e alegria.

“Choveu na minha horta” – amor-perfeito, petúnia e pimenta – cultive suas relações com muito amor e simplicidade, apimentando sempre que necessário.

“Salve Simpatia” – arruda, erva-doce e pimenta – viva a experiência de cultivar a natureza e canalize as boas energias com esse trio superalto astral.

É possível encontrar os kits no site da Isla e nos varejos atendidos pela empresa em todo Brasil. E ainda, na compra de três kits você ganha uma estojo de presente.

horta

E se ficar alguma dúvida, é possível acessar ainda o canal da empresa Minha Horta e ver um vídeo mostrando o passo a passo de plantio. 

Então, mãos a horta.

Curso gratuito na Galeria do Rock ensina a montar horta urbana

A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio da Coordenadoria de Desenvolvimento dos Agronegócios (Codeagro) em parceria com o Instituto Cultural Galeria do Rock, realizará no próximo sábado (20), das 9 às 16 horas, o Dia de Campo na Galeria do Rock, como objetivo de ensinar a montar uma horta urbana.

A atividade gratuita é destinada a todos os que querem aprender técnicas para cultivar hortaliças, ervas aromáticas, flores e Plantas Alimentícias Não Convencionais (Panc’s), além de instalar um melipolinário, com orientações de especialistas.

horta dtl
Foto: Morguefile/DTL

Programação

8h – Café da manhã

9 h – Atividades nos canteiros
– Instalação do canteiro de Panc’s (Plantas Alimentícias Não Convencionais)
– Manutenção do canteiro de hortaliças
– Manutenção do canteiro de aromáticas

10 h – Melipolinário
– Instalação do Melipolinario (Espécie Mandaguari Preta)
– Instalação do canteiro de flores

11 h – Composteira
– Manutenção da composteira seca

12 h – Horário de Almoço Livre

14 h – Podas e manutenção
Podas de condução e pode geral

15h – Controle mecânico de pragas
– Instalação de armadilhas de monitoramento

As inscrições podem ser feitas por telefone (11) 5067-0370 (com José Carlos) até 19/01. As vagas são limitadas.

Local: Galeria do Rock
Av. São João, 439 – 5º andar (cobertura) – República – São Paulo

Fonte: Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo

 

 

Quer sua horta ou jardim sempre bonitos?

Confira cinco dicas de irrigação para cuidar do seu espaço verde

Você sabia que, de modo geral, os vegetais são constituídos por 85% de água? Sim, grande parte do peso de uma planta é água, elemento fundamental para o deslocamento dos nutrientes, resfriamento da folha, realização da fotossíntese das plantas, além de inúmeras outras funções primordiais para o seu desenvolvimento.

Com a chegada do verão, suprir a demanda de água das plantas é essencial para que elas possam expressar toda a sua beleza. Conheça algumas dicas de irrigação para você cuidar da sua horta ou jardim:

1- Horário

Procure irrigar nos horários com menor intensidade de sol (pela manhã ou final da tarde). Porém, é importante que as condições climáticas sejam suficientes para secar a folha após a irrigação, para que ela não fique molhada por um longo período, o que facilitaria o surgimento de doenças.

jardim irrigação

2- Quanto irrigar

Irrigue em abundância, mas é importante que a água infiltre. Isso promoverá maior desenvolvimento de raízes em profundidade e maior absorção de nutrientes. Atenção para exceções, como cactos e suculentas, que precisam de menos água.

3- Onde irrigar

Irrigue no entorno do tronco, molhando a área de projeção da copa como um todo. Irrigar somente em um local ou em superfície, fará com que as raízes cresçam somente naquela região, ficando menos resistentes a longos períodos de seca.

4- Seja eficiente

Quando possível, utilize sistemas de irrigação localizados. Desta forma, é possível reduzir as perdas pela evaporação e o surgimento de doenças nas folhas.

Prod Ferramentas para Jardinagem 04

5- Um simples truque

Utilizar cobertura morta (folhas secas, grama seca, cascas e outros materiais) sobre o solo ajuda a reduzir as perdas de água por evaporação e controlar plantas invasoras.

 

Morada da Floresta oferece a possibilidade de ter uma horta em casa

O Horta Fácil é ideal para lugares com pouco espaço e possui um sistema inovador para quem sempre esquece de regar as plantas

Para quem não conhece, a Morada da Floresta é um laboratório de permacultura viva, no qual se pratica a culinária vegetariana, consumo consciente, e há sistemas de captação de água da chuva, utilização de energia solar, cultivo de horta e compostagem de resíduos, com o intuito de proporcionar mudanças que amenizem os impactos causados ao meio ambiente.

morada da floresta horta 2

Pensando nisto, lá são oferecidas soluções socioambientais, cursos, produtos, serviços e são desenvolvidos projetos que incentivam práticas sustentáveis cotidianas. Um deles é o Kit Horta Fácil, um suporte para horta vertical auto irrigável. Feito com material reciclado, é perfeito para lugares com pouco espaço, pois tem aproximadamente 94 cm de altura e 49 cm de largura, além do sistema de rodízio que facilita o seu deslocamento. Outra vantagem é a sua tecnologia, que garante a umidade certa da terra por até 14 dias, o que é ideal para quem costuma não ter tempo – ou até mesmo esquece – de regar as plantas.

morada da floresta 2

No kit também vem um conjunto de sementes para plantio consorciado, que é quando elas se beneficiam mutuamente por serem plantadas juntas, e uma aula virtual de hortas, que irá facilitar todo o processo de montagem do sistema, com explicações de qual o melhor lugar para instalação e como preparar o solo, entre outros. Além de tudo o que contempla o kit, a Morada da Floresta ainda envia dois brindes, uma apostila de hortas e uma cartilha de plantio.

morada da floresta horta 1

A Horta Vertical é perfeita para receber o húmus de minhoca e o composto líquido proveniente das composteiras, pois vão dar melhores resultados e manter as plantas mais saudáveis. Entre os muitos benefícios que ela traz estão: alimentos orgânicos, frescos, saborosos e saudáveis, a economia de água e de compra de hortaliças a longo prazo e, por conta do seu design, a prevenção do mosquito da dengue.

Informações: Morada da Floresta