Arquivo da categoria: horta

Cresan oferece curso gratuito de horta urbana

Serão 30 vagas para atividades técnicas e práticas de horticultura e jardinagem funcional

O Centro de Referência em Segurança Alimentar e Nutricional (Cresan) na Vila Maria, equipamento da Secretaria Municipal de Trabalho e Empreendedorismo (SMTE), está com inscrições abertas para o curso extensivo em Hortas Urbanas. Ao todo, serão disponibilizadas 30 vagas gratuitas.

Os interessados podem se inscrever pelo e-mail: eancosan@prefeitura.sp.gov.br. É necessário enviar nome completo, número do RG e telefone. Todas as oficinas acontecem no Cresan Vila Maria (Rua Sobral Júnior, 264 – Vila Maria Alta).

O curso tem como proposta desenvolver atividades técnicas e práticas de Horticultura e Jardinagem Funcional, desde a identificação de solos até a aplicação de plantas em ambientes específicos, como agentes de redução de impactos aos poluentes. Além disso, as oficinas também têm como objetivos incentivar a pesquisa cultural local e ampliar a socialização e a troca de ideias e de conhecimentos.

O curso será ministrado pelo grupo Sinfonia de Cães e será divido em três encontros: 27 de abril, 25 de maio e 29 de junho, sempre das 14 às 17 horas. Ao final, os participantes receberão certificado.

horta cenouras
Foto: Pixabay

Confira o cronograma:

Local: Cresan Vila Maria
Rua Sobral Júnior, 264 – Vila Maria Alta

27 de abril
Solo (Composição)
Adubação (Compostagem)

25 de maio
Plantio (Consorciação e rotação)
Manejo (Tratos culturais)
Pragas e doenças (Caldas)

29 de junho
Comedoria (Grãos germinados, sucos funcionais e PANCS – Plantas alimentícias não convencionais)

Anúncios

Cresan abre oficinas gratuitas de culinária e horta urbana

Confeitaria, fabricação de hambúrguer e manutenção de hortas serão os cursos ofertados

O Centro de Referência em Segurança Alimentar e Nutricional (Cresan), na Vila Maria, da Secretaria Municipal de Trabalho e Empreendedorismo, está com inscrições abertas para oficinas de bolos confeitados, fabricação de hambúrguer artesanal e hortas urbanas.

Ao todo, serão disponibilizadas 30 vagas gratuitas por curso. Os interessados podem se inscrever pelo e-mail: eancosan@prefeitura.sp.gov.br. É necessário enviar nome completo, número do RG e telefone. Todas as oficinas acontecem no Cresan Vila Maria (Rua Sobral Júnior, 264 – Vila Maria Alta).

Confira os cursos

Quinta-feira (13/04) – Bolos confeitados
Os participantes irão aprender o básico para decorar um bolo de forma simples e caprichosa. Horário: das 14 às 17 horas

Bolo de brigadeiro

Quarta-feira (19/04) – Fabricação de hambúrguer artesanal
Quem participar ficará por dentro dos truques e receitas para um delicioso hambúrguer caseiro. Para esta aula, a chef Ana Maria Tomazoni escolheu ensinar dois tipos de hambúrguer: um de carne com especiarias e um vegetariano de soja e abóbora. Os acompanhamentos serão: maionese especial e creme de abacate. Horário: das 13 às 17 horas

hamburguer

Quinta-feira (27/04) – Hortas urbanas
O Cresan realiza nesta data a oficina de manutenção e criação de uma horta. Os participantes receberão dicas de como plantar, como cuidar de plantas e o que utilizar na sua horta. A oficina será ministrada pelo grupo Associação Cultural Sinfonia de Cães. Horário: das 14 às 17 horas

horta dtl
Foto: Morguefile/DTL

Obs.: fotos meramente ilustrativas

Horta em casa? Faça você mesma

Gostaria de montar uma horta? Está em dúvida, pois mora em apartamento? Mas não e impossível. Já pensou em uma horta vertical? O infográfico: Dicas para montar sua própria horta, produzido pelo Ferramentas Kennedy, pode ajudar.

Ele contém algumas dicas simples e as ferramentas necessárias para que você mesmo possa criar sua horta em casa, plana ou vertical. Confira:

horta1horta2

horta3.pnghorta4

Restaurante mantém horta urbana para plantio de temperos e legumes

Verd & Co. se destaca em Curitiba por oferecer refeições criativas e saudáveis

Comuns nos grandes centros, as hortas urbanas estão ganhando cada vez mais espaço nas cidades e agora figuram também nos restaurantes. Exemplo disso é o restaurante Verd & Co., de Curitiba (PR). O empreendimento, que tem ganhado cada vez mais notoriedade na capital paranaense por oferecer comida saudável, saborosa e criativa, além de versões mais leves das tradicionais comidas como pizza e hambúrguer, inova também quando o assunto é utilização de insumos e ingredientes para a composição do menu.

Em sua área externa, o estabelecimento possui cerca de 100 vasos, nos quais cultiva temperos como hortelã, manjericão, alecrim, pimenta e orégano, além de verduras, como espinafre, alface e beterraba. De acordo com o proprietário do estabelecimento, Germano Bohrer Oppitz, a ideia de destinar um espaço para plantar as iguarias surgiu da necessidade. “Nós queríamos ter os temperos orgânicos e folhas verdes para consumo no restaurante, já que alguns desses insumos são difíceis de encontrar na capital paranaense”, conta ele. “E também para deixar ainda mais verde a área do nosso estacionamento”, acrescenta.

horta2.jpg

Todos os itens plantados no Verd & Co. são utilizados no preparo dos pratos servidos no restaurante, que possui um projeto de expansão do plantio desses insumos, incluindo outras espécies. Mas como toda horta, a do Verd & Co. também exige cuidados. “Geralmente, fazemos a poda das plantas quando necessário, executamos a limpeza da terra e utilizamos a adubação natural, que é feita em uma composteira, aqui mesmo no restaurante, em que reaproveitamos os restos de frutas e verduras que não são utilizadas em nossos pratos, e minhocas que fazem o preparo perfeito para a terra”, completa Oppitz.

Verd & Co. – Rua Coronel Dulcídio nº 588 – Batel, Curitiba. Funciona de segunda a sábado, das 11h30 às 23 horas.

Horta doméstica reaproveita materiais e produz alimentos agroecológicos

Alfaces verdinhas, macias e que não recebem agrotóxicos são produzidas na Embrapa Pantanal por meio de um sistema que aproveita materiais recicláveis, ocupa pouco espaço e exige baixa manutenção. Estamos falando da horta suspensa vertical semi-hidropônica, adaptada para produzir verduras na unidade de pesquisa pantaneira. As plantas crescem em uma estrutura com várias colunas formadas por garrafas pet encaixadas umas nas outras, preenchidas com terra. Usando o gotejamento como método de irrigação, o sistema retém umidade, usa menos água que as hortas convencionais e otimiza a produção.

“O custo é muito baixo. A pessoa tem uma horta o ano todo que ela mesma pode manejar de forma muito simples, muito fácil. É uma plantação pequena que se pode ter em casa de maneira sustentável, reaproveitando material de reciclagem e evitando que ele seja descartado no meio ambiente”, afirma o supervisor do Setor de Campos Experimentais (SCE) da Embrapa Pantanal, Cleomar Berselli.

Confira os materiais necessários para montar uma horta vertical semelhante à que existe atualmente na Embrapa Pantanal:

• 3 pedaços de madeira para apoiar as colunas de garrafas – podem ser postes usados ou caibros. O tamanho sugerido é que dois pedaços tenham 1,60m e um tenha 2m;
• 80 garrafas pet de plástico resistente e com o bico afunilado para facilitar o encaixe;
• De 50kg a 60kg de composto orgânico, terra com composto ou 40kg de composto + 10 litros de substrato próprio para horticultura;
• Tinta branca;
• De 15 a 18 metros de arame liso para manter as garrafas suspensas;
• 10 metros de arame fino, fácil de moldar.
Essas quantidades variam de acordo com o tamanho da horta.

embrapa.jpg

Passo a passo

Cleomar ensina como erguer a estrutura: primeiro, monta-se uma ´trave´ com os postes de madeira que deverá servir como base. Depois, as linhas de arame são fixadas na horizontal entre os postes verticais para apoiar as colunas de garrafas (a horta da Embrapa Pantanal tem 7 linhas de arame). “As colunas ficam encostadas nas linhas de arame e presas a elas por um arame mais fino, que contorna as garrafas e as fixa no arame mais grosso”, diz Cleomar. Também é preciso pintar as garrafas com tinta branca antes de utilizá-las para assegurar que a temperatura da horta se mantenha estável.

Depois, é hora de começar a montar as colunas. A primeira garrafa, a que ficará no chão, deverá permanecer com tampa para reter a umidade no sistema, mas terá o fundo retirado para que a próxima se encaixe. As outras garrafas da coluna deverão ter o fundo retirado, assim como toda a estrutura da tampa – porém, o topo afunilado deve ser mantido para facilitar o encaixe entre elas, de acordo com o supervisor. Cada nova garrafa deverá ser acoplada à anterior já com um pouco de terra dentro. A cada duas ou três garrafas, Cleomar recomenda que se acrescente um pouco mais de terra.

Na Embrapa Pantanal, cada coluna tem nove garrafas, sendo que a última serve para irrigar o sistema. Ela deve ser mantida inteira, tampada e cheia de água. É preciso fazer alguns furos com uma agulha próximo à tampa o gotejamento e um ou dois furos na base para permitir a entrada de ar. O supervisor substituto do SCE, Marcelo Xavier, dá uma alternativa: levar a água produzida por aparelhos de ar condicionado até as plantas por meio de uma mangueira com furos sobre as colunas de garrafas. Dessa forma, enquanto o ar estiver ligado, não é necessário recolocar água no sistema. “Mesmo ficando três dias sem irrigação, as verduras sofrem, mas não perdemos a produção. O próprio sistema se mantém úmido”, afirma.

Após a montagem da horta, é preciso fazer alguns cortes nas garrafas para que as plantas tenham espaço para crescer. Cleomar sugere abrir quadrados de 3x3cm ou 4x4cm, mantendo um dos lados do quadrado fixo na garrafa – dessa forma, as verduras terão em que se apoiar quando crescerem. Ele relembra que os dois lados do sistema podem receber plantios. “A gente sugere, ainda, que a horta seja montada no sentido norte-sul por causa do sol. Como estamos em uma região muito quente, não precisamos ter o dia inteiro de sol pleno. Dessa forma, as plantas serão iluminadas ou à tarde, ou pela manhã”.

Vantagens

De acordo com o supervisor do SCE, a praticidade da horta vertical favorece vários benefícios. “Você não precisa se preocupar em fazer canteiros ou com a presença de animais, como cachorros ou gatos, que possam defecar no local e contaminar os alimentos. As plantas também não se sujam facilmente porque não têm contato com o solo. O sistema tem uma infinidade de vantagens”, afirma. Marcelo diz que, além das hortaliças, é possível plantar flores da mesma forma. “Temos várias flores que não precisam ficar embaixo do sol o dia todo. Com a claridade de uma varanda, por exemplo, é possível produzir”.

Outro aspecto importante é o fato de nenhum defensivo químico ser utilizado nas plantas da horta. De acordo com Marcelo, caso seja preciso combater pragas comuns – como pulgões ou lagartas – o recomendado é que se utilize caldas naturais para o controle, como o chá de boldo. “Ferva bastante a folha, misture com água limpa comum e borrife nas plantas para que o amargo do boldo sirva como repelente”, diz. Ele também conta que é possível misturar água com pimenta macerada para colocar na base das colunas de garrafas, próximo ao chão, para evitar que os insetos subam. O ideal, de acordo com Cleomar, é adaptar o sistema às necessidades e possibilidades de cada um. “Qualquer pessoa que tiver um cantinho em um terreno que pegue sol pode fazer”, finaliza.

Não deixe de conferir dicas de outros modelos para o cultivo de hortaliças em áreas reduzidas na publicação “Horta em pequenos espaços” da Embrapa. Saiba mais aqui.

Texto: Nicoli Dichoff

Interesse pela gastronomia caseira traz tendência de paisagismo com horta

Preocupados com a saúde, os “chefs caseiros” se utilizam cada vez mais de hortaliças fresquinhas

Nunca a gastronomia esteve tão em alta no Brasil como agora. Dá para se ter uma ideia sobre isso ao vermos os inúmeros programas sobre o assunto na TV aberta ou paga, alguns deles são reality shows de grande audiência. Alguns programas apresentados por famosos em suas próprias casas ou em estúdios – que se assemelham a uma cozinha caseira -, mostram também a nova tendência por paisagismo com horta. Além de ser prático ter os ingredientes à mão, eles são saudáveis, fresquinhos e bonitos, tendo o charme de terem sido cuidados pelos anfitriões.

A horta pode ser feita juntamente com um projeto geral de paisagismo externo ou interno, pois o cantinho dela será bem planejado e executado de forma profissional, sem o risco de estarem em local inadequado ou plantada de forma que não se desenvolva. Charmosas e úteis, as hortaliças podem se desenvolver em gavetas (basta que tenha um furo para drenagem e impermeabilidade com três demãos de neutrol); pneus (utilizados deitados e sempre cheios de terra na parte interna); sapatos como botas de couro (para que tenha uma vida mais duradoura, já que os demais calçados só permitem que a planta viva por 15 dias); e garrafa PET (com um furo embaixo para drenagem, e em cima do furo colocar a manta bidim, impedindo assim que a terra saia com a água).

Porém, não basta executar o projeto, é necessário arrumar tempo na correria dos dias atuais, ainda que breve, para o cuidado de plantas, principalmente quando falamos em horta caseira. Além desse apelo gourmet, ter uma horta em casa ou no apartamento, independendo do espaço disponível, se tornou também uma atividade de prazer e lazer – algo como uma terapia. E não há nada mais especial do que poder dar um toque especial ao molho de tomate utilizando o seu próprio pé de manjericão. Além, é claro, de ajudar na decoração e nos diversos aromas que se espalham pela casa.

horta dtl
Foto: Morguefile/DTL

Mas lembre-se: é necessário investir em tempo e cuidados, como regá-la todos os dias. Se muitos dias passarem sem que a terra, que também necessita ser adubada, receba água, a horta irá morrer. Outro ponto importante é saber como fazer a poda de determinada espécie, pois com a retirada das folhas para utilização na comida, a vegetação da planta se revigora para novos brotos, onde se ramifica e fortalece. Neste caso, a poda inadequada pode matar a planta.

Os apartamentos, apesar de pequenos, podem ter a sua horta com espécies de hortaliças, como o manjericão e o alecrim, que são bem resistentes. O ideal é que com pouco espaço no ambiente, eles sejam cultivados em vasos que tenham, no mínimo, 30 cm. Já em casas com jardins, além do manjericão e do alecrim, outras espécies são hortelã, salsinha e cebolinha. Lembre-se sempre de que entre uma espécie e outra devem ter no mínimo 50 cm de distância.

Há um detalhe extremamente importante que por parecer prático para alguns parece um benefício: o uso de produtos químicos para acabar com as pregas na horta. Isso deve ser feito manualmente, pois estes produtos prejudicam a saúde! As espécies frutíferas, como limão, laranja e morango, precisam ter cuidado redobrado neste sentido, apesar de todas exigirem atenção especial.

Os ventos fortes também são “inimigos” das hortaliças. Por isso, para quem deseja que sua horta fique na varanda, é bom pensar duas vezes. Porém, é necessário que o local seja bem iluminado, com pelo menos duas horas de sol ao dia. Ter uma horta para chamar de sua não é tão simples como muitas pessoas pensam, mas vale a pena ter todos estes cuidados, não só pelos sabores, mas também para criatividade na decoração.

Artigo de: Daniela Sedo é arquiteta e paisagista

Terapeutas Ocupacionais recomendam horta caseira para afastar o estresse

Isla Sementes estima que pelo menos 15 milhões de pessoas vivem a experiência do cultivo em casa

O ditado “Está estressado? Vai pescar” está mudando. Cada vez mais as pessoas estão recorrendo às hortas caseiras para esquecer os problemas do dia-a-dia. Seja com finalidade de buscar uma alimentação mais saudável, relaxar depois do trabalho, ter mais contato com a natureza ou até mesmo para desenvolver práticas pedagógicas com crianças, homens e mulheres têm procurado na terra uma forma de terapia.

Para os profissionais de saúde, a prática é mais que recomendada: “Durante uma oficina de horta caseira aplicada no Centro de Atenção Psicossocial do município de Picuí (PB) notou-se o interesse dos usuários, muitos com transtornos, com crises de choros constantes. No decorrer da atividade, se envolveram tanto com o projeto que passaram aproximadamente uma hora longe das crises incômodas”, diz Clarissa Ruback, Terapeuta Ocupacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro. A profissional indica o cultivo de hortas para crianças e até casais: “Além de levar estímulo e incentivar a terapia, cuidar da terra, plantar sementes, acompanhar o crescimento faz as pessoas trabalhem melhor a ansiedade, ficando mais alegres e com um melhor convívio entre si, levando-os a um melhor relacionamento social”, afirma.

Os produtores de sementes também percebem um crescimento na procura de materiais específicos para hortas caseiras. “Os consumidores procuram alimentos saudáveis, frescor, aroma, bem-estar e bom exemplo. Ao instalar uma horta, as pessoas melhoram a alimentação e recuperam o prazer de produzir seus próprios alimentos, além de ter uma atividade física e de lazer”, diz o diretor de planejamento estratégico da Isla Sementes, Andrei Santos.

Com a grande demanda, a empresa criou, no fim de 2014, a websérie “#minhahorta”, veiculada no Youtube. Os cinco episódios tiveram mais de 54 mil visualizações. “Através do contato com o público percebemos que 7 em cada 10 pessoas gostariam de ter uma horta em casa, porém identificamos que apenas 1 destas 7 transformavam o desejo em realidade. As justificativas para as que querem mas não tentavam em geral eram a falta de espaço, de tempo, a demora para crescer, além do trabalho. Assim surgiu o projeto ‘Minha Horta’ para desmistificar todas estas desculpas. A gente mostrou que que para ter um cultivo basta ter vontade e atitude”, explica Andrei.

E para quem quiser começar a se aventurar no cultivo, o diretor dá dicas sobre o local: “A escolha do lugar é o pontapé inicial para quem gostaria de ter uma horta, assim indicamos que explore cada canto da sua casa, observando onde pega sol e por quanto tempo, se os locais são pouco ou muito ventilados. Também é importante garantir uma fonte de água (torneira) perto da horta, pois é necessário regar diariamente. A partir da escolha e das características do local fica mais fácil acertar na escolha do que será cultivado”.

Sobre a websérie #MinhaHorta:

Os vídeos estão disponíveis no canal “Isla Sementes” do Youtube e também no Instagram. Usando a hashtag #minhahorta, os seguidores da Isla no Instagram também podem enviar imagens que mostrem como está ficando o seu cantinho verde.