Arquivo da categoria: obesidade

Nutricionista do HCor dá dicas para combater obesidade infantil

Alimentos coloridos, apresentação dos pratos, bom exemplo da família e até conhecer o modo de preparo das refeições são algumas das estratégias para incentivar hábitos saudáveis na dieta das crianças

O sobrepeso e a obesidade vêm ganhando destaque no cenário epidemiológico mundial, não só em função da sua prevalência crescente, mas, principalmente, por estarem associados a uma série de danos à saúde. Estudos recentes mostram que a obesidade é o terceiro problema de saúde pública que mais demanda gastos da economia brasileira, estando à frente até do tabagismo. Estima-se que os gastos giram em torno de R$ 110 bilhões, o que equivale a 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB) do país.

Outra característica marcante, é o crescimento da obesidade no grupo de crianças e adolescentes. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 15% das crianças brasileiras com idade entre cinco e nove anos têm obesidade atualmente. Mudanças no padrão da alimentação e da atividade física, em conjunto com fatores biológicos, comportamentais e ambientais favorecem esse aumento.

Para crianças e adolescentes, são exemplos desses fatores as condições e situações dos ambientes escolares, familiar e social. Destacam-se ainda as características presentes na gestação e no início da vida, como o estado nutricional materno prévio à gestação, o fumo durante a gravidez e alimentação na infância.

garoto gordinho

A gerente de Nutrição do HCor (Hospital do Coração), Rosana Perim, alerta: “não se trata apenas de uma questão estética. Crianças obesas têm mais chances de serem adultos obesos e, consequentemente, de apresentarem as complicações de saúde ligadas ao excesso de peso, como infarto, AVC, diabetes e síndrome metabólica. Só as complicações cardiovasculares em adultos já representam sozinhas a principal causa de morte no país, com mais de 29% do total de óbitos”, esclarece a nutricionista.

Portanto, cuidar da alimentação é algo que deve ser feito sempre. Quando a criança é educada seguindo um estilo de vida saudável, ela tem mais chances de seguir esse exemplo pelo resto da vida. Mas como dar um bom exemplo, diante de tantos apelos por alimentos industrializados e ultraprocessados?

A nutricionista do HCor explica que é preciso criar truques para tornar a alimentação saudável mais atraente. “A dica é apostar nas cores dos alimentos, experimentar novas preparações e transformar as refeições em momentos agradáveis junto à família. Comer com moderação e sem proibições é perfeitamente possível, desde que haja orientação dos especialistas”, ressalta Rosana.

Desde cedo, a criança deve ser incentivada a fazer de cinco a seis refeições por dia como café da manhã, lanche da manhã, almoço, lanche da tarde, jantar e um pequeno lanche antes de dormir, beber bastante água e evitar o consumo de alimentos como salgadinhos, doces, sanduíches, refrigerantes e sucos industrializados.

“Entre as ações que os pais podem fazer para incentivar a ingestão de alimentos saudáveis é tentar deixar as preparações apetitosas para o consumo, incluindo desde frutas frescas, salada de frutas, gelatina, bolos integrais, bolo de cenoura, biscoitos caseiros integrais, sucos naturais e água de coco”, sugere a profissional.

Dicas da nutricionista do HCor para incentivar hábitos saudáveis aos pequenos:

Depositphotos granola com frutas vermelhas.jpg
Depositphotos

Alimentos coloridos: aposte em cores variadas para tornar o prato mais atraente. A apresentação dos alimentos é uma das formas de aumentar o apetite da criança.

crianças e mae no supermercado The Yummy Mummy Club
Foto: The Yummy Mummy Club

Transforme em brincadeira: envolva a criança na escolha e no preparo dos alimentos, e transforme isso em algo atraente para ela. Além de conhecer mais sobre os alimentos e suas funções no organismo. Exemplo: leve a criança ao sacolão, mercado e feira para ajudá-la nas compras de frutas, verduras e legumes, permitindo que ela mostre as suas preferências.

afeto_familiar170315_145948

Refeição em família: é importante que os pais façam as refeições junto de seus filhos. A criança observa tudo que os pais estão fazendo e tenta copiar. Não adianta fazer a criança comer algo que você mesmo não consome.

pai crianças café

Importância da alimentação: na medida do possível, explique para a criança a função dos alimentos, bem como a importância de cada grupo alimentar.

bebe comendo frutas pixabay
Pixabay

Insistir com as novidades: sempre que possível introduza novos alimentos nas refeições dos pequenos. Nem sempre a criança concorda em comer uma preparação que lhe é oferecida pela primeira vez, mas é importante insistir e explicar a importância dos nutrientes presentes para a saúde.

menina tomando suco criança pixabay
Pixabay

Autonomia: deixar a criança controlar o quanto comer. Não forçar! Respeite a sensação de saciedade da criança. Mas atenção: fique de olho nas quantidades consumidas, pois o excesso é o grande vilão da obesidade.

The girl is looking at the vegetables
Foto: The Yummy Mummy Club

Respeito: respeite a decisão da criança se ela não quiser comer naquele momento, mais tarde ela irá procurar você para se alimentar. Nessa hora ofereça sempre que possível preparações saudáveis.

Fonte: HCor

Anúncios

OMS alerta: obesidade infantil aumentou 10 vezes nos últimos 40 anos

Os números são alarmantes. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, há 124 milhões de crianças obesas no mundo. Em 1975 eram 11 milhões. No Brasil, cerca de 50% das crianças estão acima do peso. Há 40 anos era uma criança obesa a cada 100, hoje são 10 meninas e 8 meninos. Números que mostram a extensão dessa realidade, crianças com tendências a serem adultos obesos.

Ainda de acordo com a OMS, a obesidade já é considerada como doença, e os reflexos são: elevação dos níveis de colesterol, desencadeando doenças coronarianas e levando à morte prematura; diabetes tipo 2 com suas sérias complicações; desgastes ósseos; problemas de auto-estima e até depressão, uma outra “epidemia mundial”.

Segundo Fabiano Lago, endocrinologista do Spa Estância do Lago e um dos especialistas mais conceituados em emagrecimento no país, a criança obesa sofre preconceito e bullying, tende a se isolar, ter baixa autoestima, muitas vezes descontando a tristeza na comida. Ela deixa de praticar esportes, de sair e, como sedentária, só faz aumentar ainda mais o peso.

Outro dado importante é que a criança magra até os 7 anos não será necessariamente um adulto magro e vice-versa. O pequeno com sobrepeso pode não ser um adulto obeso. “Na puberdade é quando se determina a estrutura física básica que carregamos o resto da vida”, comenta o endocrinologista.

garoto gordinho

O médico explica que o ideal é fazer com que as crianças estejam no peso saudável até os 11 ou 12 anos, início da puberdade. “Nessa fase do estirão do crescimento, os hormônios estão orquestrados para a multiplicação celular. Se ao entrar na puberdade a criança permanecer com excesso de peso, os hormônios fazem com que ela multiplique muito o número das células de gordura, levando à temida obesidade hiperplásica, ou seja, promovendo um excesso de bilhões de células de gordura, aumentando muito o risco de obesidade mórbida na vida adulta”.

Lago indica maneiras especiais para tratar a criança e o jovem obeso e ressalta a importância do envolvimento de toda a família. “Eu me torno amigo dos meus pequenos pacientes em fase de reeducação alimentar, e não alguém que impõe um sofrimento. Os pais precisam estar engajados no tratamento, evitando o termo dieta, falando em alimentação saudável para toda a família, mudando apenas um hábito por consulta, facilitando assim o processo de mudança”.

Diminuindo um pouco o uso de vídeogames, o hábito de ficar horas em redes sociais e celulares, e estimulando a prática de exercícios prazerosos e de forma lúdica, é possível alcançar excelentes resultados, segundo Lago.

Fonte: Spa Estância do Lago

Seis passos para mudar hábitos alimentares e combater obesidade

Ontem, 11 de outubro, foi comemorado o Dia Mundial da Obesidade, data escolhida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para intensificar a conscientização e a prevenção sobre o assunto. No Brasil, nos últimos dez anos, a obesidade cresceu de 11,8% para 18,9% – o que deixou a comunidade médica e a indústria alimentícia com o alerta ligado para os riscos à saúde de um peso muito acima do recomendável.

Engana-se quem acredita que para se evitar o sobrepeso sejam necessárias apenas mudanças radicais na sua rotina. Pequenas modificações nos hábitos alimentares já se tornam grandes aliadas. A nutricionista Bianca Naves listou seis estratégias práticas que auxiliam no controle de peso, e reforçam a motivação para se ter hábitos de vida saudáveis.

20170822_00_alimentacao_prato_comida1

Aumente o Fracionamento das refeições – comer de três em três horas ou fazer de 3 a 5 refeições no dia, ajudam a controlar o nível da fome, evita comer demais nas refeições seguintes melhoraram o comportamento cognitivo e até o humor, Além disso é muito importante o praticar a alimentação com “mindfullness”, termo que expressa a atenção plena no momento de comer, degustando e saboreando os alimentos pois vão auxiliar nas ativação de mecanismos de saciedade e reduzir a chance de comer além da quantidade necessária.

muesli fibras pixabay
Pixabay

Aumente o consumo de fibras – pessoas que apresentam adequado consumo de fibras apresentam menor risco no desenvolvimento de doenças do coração, pressão alta, obesidade, diabetes e câncer de cólon. O aumento na ingestão de fibras reduz os níveis de colesterol no sangue, melhora a glicemia e auxilia no controle do peso corporal. Alimentos ricos em fibras que podem fazer parte do seu dia a dia são as frutas, verduras e cereais integrais (como a aveia e outros grãos integrais).

salmao

Substituir parcialmente as gorduras saturadas pelas gorduras boas (mono ou poli-insaturadas) – a substituição do tipo de gordura que você consome no dia a dia ajuda na prevenção de doenças do coração e na redução do peso. Alguns exemplos de alimentos que podem oferecer fonte de gorduras boas são: o salmão, cremes vegetais, oleaginosas, óleos vegetais (como soja, canola e girassol).

becel_

Consumir alimentos com fitoesteróis – eles auxiliam na redução da absorção do colesterol ruim e podem ser encontrados naturalmente nos vegetais e também em alguns alimentos enriquecidos como os cremes vegetais.

sal
Retirar o sal da mesa – essa atitude super simples é uma grande aliada no combate à obesidade. Fazer o consumo de sal de forma mais consciente, provando o sabor antes de adicionar mias sal à sua comida após o preparo da mesma auxilia você a levar uma vida mais saudável e uma alimentação mais equilibrada.

corrida caminhada inverno
Realizar atividades físicas regularmente – exercícios físicos ao menos três vezes por semana também ajudam a manter a saúde do coração em dia e auxiliam na redução de peso.

Fonte: Becel

Extrato produzido a partir de laranjas brasileiras é novidade contra obesidade

Não é de hoje que a obesidade tem atingido índices alarmantes no país. Contudo, cada vez mais a indústria farmacêutica tem se desenvolvido para apresentar alternativas eficazes para a prevenção e o tratamento desse mal. Agora, quem apresenta a novidade é a Idealfarma que lançou recentemente o Sinecitrus, um extrato 100% vegetal produzido a partir dos frutos de quatro diferentes tipos de laranjas brasileiras.

Se tratando de doenças crônicas, a obesidade tem sido reconhecida como o maior problema de saúde pública mundial, cuja prevalência é crescente. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 50% da população brasileira está acima do peso, ou seja, na faixa de sobrepeso e obesidade. Mas, felizmente, estudos recentes tem demonstrado que a prevenção de algumas desordens metabólicas pode ser possível com modificações na dieta e estilo de vida.

E, no que diz respeito ao controle do peso corporal, a introdução de agentes derivados de plantas tem apresentado considerável efeito positivo sobre o metabolismo, reduzindo ainda os riscos da administração das drogas antiobesidade conhecidas, cuja maioria está relacionada a sérios efeitos colaterais, como alteração da pressão arterial e enxaquecas.

Dentro desse contexto que o Sinecitrus se destaca como um poderoso aliado contra a obesidade. São diversas as evidências científicas que apresentam o papel das laranjas como mediadoras das respostas inflamatórias, apontando o papel modulador dos seus compostos bioativos, como os flavonoides, na prevenção e no tratamento de doenças crônicas mediadas por processos inflamatórios.

“Ao unir em sua composição quatro tipos de laranjas brasileiras, incluindo a laranja amarga e a laranja moro, conhecida pelo seu tom mais avermelhado, o Sinecitrus se apresenta ao mercado com uma excelente alternativa ao controle de peso, por aumentar a saciedade e reduzir a adiposidade visceral e o tecido adiposo subcutâneo”, explica Daniela Ferraz, farmacêutica da marca.

laranja fatias pixabay.png

Por se tratar de um extrato vegetal seco, cuja técnica de obtenção ocorre por spray drying, esse composto tem todas as características tecnológicas adequadas para um produto com maior qualidade. Dentre seus principais efeitos estão a redução da gordura corporal e dos níveis de colesterol e triglicerídeos, a melhora da sensibilidade à insulina, a diminuição da quantidade de calorias ingeridas diariamente e a aceleração do metabolismo e do gasto calórico em repouso. Isso sem contar sua potente atividade antioxidante e anti-inflamatória que possibilita uma ação direcionada aos múltiplos mecanismos ativos na obesidade.

Apesar de ter chegado agora ao mercado, uma das principais vantagens do Sinecitrus é a sua facilidade de acesso, visto que está disponível em diversas farmácias de manipulação espalhadas pelo país. Assim, todos que sofrem ou desejam prevenir a obesidade e a diabetes podem usufruir de seus benefícios. Se esse é o seu caso, basta consultar seu nutricionista ou farmacêutico.

Informações: Idealfarma

 

Causas e consequências da obesidade em cães e gatos

Assim como acontece com os humanos, obesidade também é uma das doenças com maior ocorrência no mundo animal. Estima-se que a incidência dessa patologia nos pets varie entre 25% a 40%, índice que serve como alerta para saúde dos melhores amigos. A Farmina Pet Foods explica as causas e as consequências da obesidade e dá dicas de como tratar esse problema.

As causas da obesidade

Dieta desequilibrada: todo alimento ingerido é transformado em energia após passar pelo processo digestivo, e essa energia é usada pelo corpo para executar todas as funções e atividades que o animal desempenha. Quando o consumo de energia é maior que o gasto, o organismo guarda essa energia na forma de gordura. Além de servir como reserva energética, a gordura tem outras funções como proteção dos órgãos internos, isolamento térmico, transportadora e precursora de hormônios e vitaminas, entre outros.

Portanto, ter essa gordura acumulada no corpo é normal dentro dos limites saudáveis. A obesidade se estabelece quando há um acúmulo de gordura maior que o necessário para desempenhar essas funções. Pode-se chamar de sobrepeso quando se tem até 15% acima do peso ótimo, e de obesidade, quando esse excesso ultrapassa esse valor. Portanto, a principal causa da obesidade é a alimentação desequilibrada.

Queda do gasto energético; diversos fatores podem reduzi-lo:

– Idade: após um certo tempo na vida adulta (após 5-7 anos de idade), a massa magra (músculos) vai diminuindo gradualmente, o que produz uma diminuição no metabolismo.

– Problemas hormonais: alguns hormônios ditam o ritmo do metabolismo. Quando há uma doença hormonal, pode ocorrer uma queda do gasto calórico.

– Predisposição genética: algumas raças apresentam uma incidência muito alta de obesidade. Nos cães, os labradores, pugs, buldogs e goldens retriever são os mais acometidos. Em gatos ainda não existe um consenso sobre o tema.

– Castração: a castração pode levar a uma queda do gasto calórico do animal por questões hormonais. Em gatos essa característica é mais marcante.

– Baixa atividade física: animais que não passeiam e se movimentam pouco dentro de casa tem mais chances de engordar. Apesar disso, vale ressaltar que não existe exercício físico que compense uma dieta ruim, pois o aumento do gasto calórico com exercícios não é tão grande a ponto de “ganhar” do excesso e da qualidade baixa do alimento que o animal ingere.

gato_obeso_2016718113740

Consequências da obesidade

A obesidade traz uma série de consequências ruins para a saúde do pet. As principais são:

– Diabetes: a obesidade induz a uma resistência à insulina, o que resulta em uma maior dificuldade do corpo colocar o açúcar (glicose) presente no sangue para dentro das células, a fim de desempenhar sua função. Esse excesso contínuo de açúcar no sangue predispõe ao desenvolvimento da diabetes.

– Problemas articulares: o excesso de peso acaba sobrecarregando as articulações, induzindo ao aparecimento precoce de artrites e artroses. Esse risco é ainda maior em animais de porte grande.

– Problemas cardíacos e respiratórios: com o excesso de peso o coração e o pulmão acabam tendo que trabalhar mais para manter a circulação eficiente. Além disso, a gordura pode se alojar nas artérias o que prejudica ainda mais o trabalho do músculo cardíaco.

– Risco anestésico: animais obesos tem um maior risco de sofrer complicações durante anestesias. A gordura dificulta a respiração do animal durante a cirurgia, e atrapalha a manipulação do cirurgião dentro das cavidades torácica e abdominal. Além disso, animais obesos tendem a ter uma pressão sanguínea e frequência cardíaca mais alta.

cachorro obeso.jpg

Como descobrir se seu pet está obeso

O diagnóstico certeiro da obesidade é dado apenas por um Médico Veterinário. Mas você pode analisar o seu cão ou gato para ter uma ideia se ele está ou não obeso. Há duas maneiras:

Apalpando: ao apalpar as costelas você deve senti-las com facilidade, se perceber uma camada grossa antes de atingi-las com as pontas dos dedos é sinal que lá há mais gordura do que o necessário. Pode apalpar a região abdominal também, que em animais obesos apresenta uma grande quantidade de gordura.

Visualizando: aqui a dica é olhar o animal de cima para baixo com ele na posição de pé (conforme figura) e olhar para região da cintura. O animal no peso ideal tem uma curvatura nessa região.

Tratamento

A principal medida é ajustar a dieta do animal e algumas perguntas devem ser respondidas: ele come mais ração do que o indicado na embalagem? Qual a quantidade e qualidade dos petiscos oferecidos? Ele come comida caseira? Com essas repostas o médico veterinário vai instruir e corrigir os erros na alimentação.

veterinario-gato-1-770x490

Se receitados por veterinários, alimentos coadjuvantes podem fazer parte do processo de emagrecimento dos pets. Esse tipo de ração tem função terapêutica e auxilia no tratamento da obesidade. A Farmina oferece o Vet Life Natural Feline Obesity para gatos e o Vet Life Natural Canine Obesity & Diabetic para cães. Com baixa densidade energética e um elevado teor de fibras e proteínas de qualidade, os alimentos são indicados para a redução do excesso de peso corporal nos pets, além de ser formulado apenas com conservantes naturais e livre de transgênicos.

E lembre-se: o tutor tem sua responsabilidade no tratamento. Cães e gatos são animais carnívoros, portanto não devem comer pizza, pão ou biscoito em hipótese alguma! Alimentos açucarados são ainda piores e fazem muito mal. Existem inúmeros hábitos alimentares prejudiciais que com o passar dos anos vão engordando o pet. A chave do emagrecimento saudável é sempre uma dieta equilibrada.

Fonte: Farmina

 

Estresse crônico pode levar ao ganho de peso

A obesidade já é considerada uma epidemia mundial. Só no Brasil, segundo a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), mais da metade da população brasileira está com sobrepeso e a obesidade atinge 20% das pessoas adultas em nosso país.

Segundo Carolina Marques, psicóloga, neuropsicóloga e cofundadora da Clínica Estar, além da mudança dos hábitos alimentares e do sedentarismo, típicos da sociedade moderna, o estresse crônico vivido por boa parte da população é um fator importante para o ganho de peso.

“O nosso cérebro comanda todas as nossas funções, incluindo a produção e a secreção de hormônios. Entretanto, o órgão não consegue diferenciar uma situação real de uma imaginária. O estresse tem uma função importante de nos deixar prontos para enfrentar algum perigo. Mas, quando essa situação se prolonga, há produção aumentada de uma série de hormônios, como o cortisol, a noradrenalina, adrenalina e GH (hormônio do crescimento). Todos eles levam à redução do gasto calórico para poupar energia do organismo, favorecendo assim o ganho de peso ou a dificuldade em perder peso”, explica Carolina.

Entre todos os hormônios secretados em situações de estresse prolongado, o cortisol é o que tem mais relação com o ganho de peso. De acordo com a psicóloga, ele age no hipotálamo, área do cérebro envolvida no controle do apetite. Ele ainda ativa enzimas que levam à multiplicação das células de gordura, incentivam o depósito de tecido adiposo na região abdominal e promovem a produção de uma substância (neuropeptídeo Y),que incentiva a produção de tecido gorduroso.

Compulsão por alimentos calóricos

mulher comendo doce
Foto: Pixabay

Outro ponto importante é que o estresse aumenta o desejo por alimentos calóricos, ricos em carboidratos e gorduras. O carboidrato se transforma em energia rapidamente, aumentando a serotonina circulante, o que traz sensação de prazer. A gordura é fácil de ser armazenada para situações hipotéticas de perigo. “É como se o corpo quisesse, de algum jeito, compensar o sofrimento imposto pelo estresse”, explica Carolina.

Como ficar de bem com a balança

FreeGreatPicture MULHER PESO BALANÇA

O primeiro passo é gerenciar o estresse. “Estamos falando de uma consequência grave do estresse, pois o excesso de peso é um fator de risco importante para desenvolver outras doenças, como hipertensão, diabetes, doenças cardiovasculares, depressão, ansiedade, etc. A boa notícia é que o estresse pode e deve ser controlado. Tudo é uma questão de hábito, ou seja, para termos mais qualidade de vida precisamos mudar nossos comportamentos e fazer escolhas melhores até que se tornem hábitos”, diz Carolina.

Para a psicóloga, o primeiro passo é identificar o que está causando o estresse. O trabalho? A família? Os estudos? O trânsito? Nem tudo pode ser resolvido, mas é possível encontrar meios de gerenciar as situações para diminuir o estresse. Quer um exemplo?

“Se o trânsito é o foco do problema, que tal praticar alguma atividade física depois do trabalho? Além de ser saudável, o exercício libera substâncias que trazem prazer e bem-estar e ajudam a perder peso. Voltar pra casa depois do horário de pico será mais rápido e a pessoa terá feito uma escolha saudável para passar o tempo. Se isso se tornar um hábito, melhor ainda”, conclui Carolina.

ioga

Fonte: Clínica Estar

Fitoterápico FIT: o pet é o que ele come

Fórmula fitoterápica elaborada com ingredientes naturais pode auxiliar a digestão, queima de calorias e na manutenção de um peso saudável

No Brasil estima-se que mais de 30% dos pets estejam com sobrepeso. A obesidade já é um problema comum para muitos cães e gatos e suas consequências vão desde a intolerância para realizar uma atividade física até problemas cardiorrespiratórios, artrites e diabetes.

Assim como para nós, as consequências da obesidade podem trazer impactos negativos para a expectativa de vida do seu pet. Como explica Ana Cristina Osiro, médica-veterinária da Botica Pet, um gato ou cachorro que tenha um excesso de peso igual ou superior a 20% do normal já requer cuidados especiais.

Para quem busca um cuidado natural para o pet, que o ajude a ter um peso saudável e um equilíbrio digestivo, a Botica Pet apresenta a fórmula fitoterápica FIT. O produto associa uma série de ingredientes naturais que visam facilitar o processo de emagrecimento. “Ao equilibrar o sistema digestivo do animal, o fitoterápico contribui para a manutenção de um peso saudável”, afirma Ana Cristina.

Benefícios

Livre de conservantes sintéticos, o fitoterápico FIT é elaborado a base de plantas, frutas, verduras e levedura de cultivo controlado que são combinadas entre si para potencializar os efeitos benéficos para os animais.

Vendida em comprimidos (podendo ser oferecido como petisco ao animal), o produto agrada a cães e gatos por ser altamente palatável.

Conheça os ingredientes e seus benefícios:

-Guaraná: reduz o apetite, pois mantém os níveis de glicose do sangue estáveis, além de atuar como um “energético”, aumentando a resistência nos esforços musculares e diminuindo a fadiga motora.

botica pet2

-Garcínia Cambogia: ajuda a diminuir a absorção de gorduras através da inibição da enzima citrato-liase, que reduz os níveis de colesterol (LDL) e triglicérides. Também aumenta a serotonina, proporcionando uma maior saciedade.

-Extrato de frutas cítricas (laranja amarga): dificulta a absorção de gorduras, carboidratos e colesterol (LDL), pois atua como uma “esponja” no sistema digestivo. Além disso, possui a substância sinefrina, que auxilia na queima de calorias devido a sua propriedade de aceleração do metabolismo.

botica pet1

-Extrato de alcachofra: facilita a digestão, estimula o fígado e aumenta a liberação da bile, promovendo a eliminação de toxinas e a regulação do intestino.

comprimidos

-Levedura de cerveja: é considerada um modulador do sistema imunológico por estimular as defesas naturais, além de ser fonte de vitaminas do complexo B, minerais e proteínas.

Fonte: Botica Pet