Arquivo da categoria: sexo

SP tem programação especial na ‘Virada da Maturidade’

Unidades estaduais de saúde promoverão palestras, oficinas e atividades culturais para a população idosa entre os dias 27 e 29 de setembro

Começa hoje (27), em São Paulo, a Virada da Maturidade 2017. Durante o evento, que conta com o apoio da Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM), Instituto Butantan e outros serviços vinculados à Secretaria de Estado da Saúde, serão oferecidas atividades gratuitas para públicos de todas as idades, com destaque aos idosos. (Confira programação completa e endereços no final do post)

Os Ambulatórios Médicos de Especialidades (AMEs) Idoso Sudeste e Oeste, unidades da Secretaria gerenciadas pela SPDM, terão uma programação especial entre os dias 27 e 29 de setembro, com palestras e diversas atividades focadas na terceira idade. Os eventos são gratuitos e abertos a todos – pacientes e demais interessados. As inscrições são limitadas à capacidade dos espaços e no AME Idoso Sudeste serão feitas no momento das atividades. No Oeste é possível inscrever-se com antecedência.

“Procuramos contribuir com o evento principalmente em nossa área de atuação. Teremos, por exemplo, palestras sobre temas que impactam o dia a dia dessas pessoas, como Benefícios da Atividade Física na Qualidade de Vida”, afirma Marcia Maiumi Fukujima, diretora do AME Idoso Sudeste.

Atividades culturais também terão espaço na programação do AME Idoso Oeste. “Realizaremos um Cinedebate, oficinas de música e até apresentação de um coral na unidade”, explica Adriana Bottoni, diretora do AME Idoso Oeste.

No Instituto Butantan, as atividades terão início no dia 28 a partir das 9h, com uma visita guiada ao Museu Biológico. Serão realizados também bate-papos sobre as pesquisas e os 116 anos de história do Instituto, além do projeto “Mão na cobra”, onde os visitantes poderão conhecer as serpentes de perto.

No Centro de Referência do Idoso da Zona Norte (Cri-Norte), haverá atividade física e orientações sobre a cuidados com a saúde, e uma mostra de talentos.

No Instituto Paulista de Geriatria e Gerontologia (IPGG), também conhecido como Cri-Leste, entre as diversas atividades destaca-se o famoso “Baile da Virada”, que reunirá cerca de 600 idosos na sexta-feira, a partir das 14h30.

Já o Centro de Referência e Treinamento DST/ Aids realiza, também no dia 28, um mutirão de testagens de HIV em idosos no Terminal Jabaquara, em parceria com a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU). O mutirão acontece das 9h as 16h, com a oferta de 300 testes.

exame de sangue são luiz

Confira abaixo a programação completa da Virada da Maturidade:

Ø AME IDOSO OESTE
Endereço: Rua Roma, 466 – Lapa

27 de Setembro (quarta-feira)

09h00 – Dor Crônica na Maturidade: existe alguma saída?
Local: Sala de Eventos

10h00 – Dor Crônica na Maturidade: existe alguma saÍda?
Local: Sala de Eventos

14h00 – Saudável para a Mente
Local: Sala de Eventos

14h00 – História da Arte/velhice com conceito
Local: Auditório

14h30 – Palestra: Velhice – uma nova paisagem
Local: Auditório

15h00 – Adesão a Tratamento de Idosos Vulneráveis: vale a pena investir.
Local: Sala de Eventos

15h30 – História Musicada
Local: Auditório

16h00 – Dança Sênior
Local: Auditório

16h30 – Centro Dia para Idosos
Local: Auditório

idosos

28 de Setembro (quinta-feira)

09h00 – Oficina da Palavra
Local: Sala de Eventos

09h00 – Benefícios da Massagem
Local: Sala de Ginástica

10h00 – Oficina da Memória
Local: Sala de Eventos

14h30 – Cinedebate “Diário de Uma Paixão“ e vídeo para Cuidadores de Idosos com demência.
Local: Sala de Eventos

15h30 – Gyrokienesis para Maior de Idade
Local: Sala de Ginástica

29 de Setembro (sexta-feira)

09h00 – O Autoconhecimento na Segunda Metade da Vida
Local: Sala de Eventos

10h00 – Livro Cenas da Vida na Aldeia: um olhar atento para o entardecer da vida
Local: Sala de Eventos

11h00 – Oficina de Música e Coral.
Local: Sala de Eventos

14h00 – Desmistificação a Incontinência Urinária
Local: Sala de Eventos

16h30 – Coral Amigas para Sempre
Local: Sala de Eventos

Ø AME IDOSO SUDESTE
Endereço: Rua Monsenhor Manuel Vicente, 1 – Vila Mariana

28 de setembro (quinta-feira)

09h às 12h – Mesa Redonda: Benefícios da Atividade física na Qualidade de Vida
Local: Auditório

09h às 10h – Idade Ativa (atividade vivencial)
Local: Salão de Eventos

10h às 11h – Idade Ativa (atividade vivencial)
Local: Salão de Eventos

14h às 17h – Mesa Redonda: Sexualidade na maturidade: quebrando paradigmas Local: Auditório

29 de setembro (sexta-feira)

09h às 10h30 – Palestra – Finanças: educar para o mercado
Local: Auditório

10h30 às 12h – Palestra – Transições, Mudanças e Luto: superando desafios
Local: Auditório

14h às 17h – Mesa Redonda – Desmistificando o câncer: prevenção, tratamento e enfrentamento
Local: Auditório

17h às 18h – Palestra – Centro Dia para Idosos
Local: Auditório

idosos 3

Ø CRI-NORTE
Endereço: Rua Voluntário da Pátria, 4.301, Santana

28 de setembro (quinta-feira)

09h00 – Superando Limites – Experiências com as Atividades Físicas
Prática de atividades físicas conduzidas pelos voluntários idosos do Centro de Convivência, seguido de relatos de superação, orientações e depoimentos sobre a prática de atividades físicas.

29 de setembro (sexta-feira)

09h00 – Coração Voluntário
Apresentação de documentário com depoimento de voluntários do Centro de Convivência seguido de bate papo.

30 de setembro (sábado)
14h00 – Mostra de Talentos
Local: Teatro Tattersal – Parque da Água Branca

Ø CRI-LESTE
Endereço: Praça Padre Aleixo Monteiro Mafra, 34, São Miguel Paulista

27 de setembro (quarta-feira)

10h00 – Mexendo o corpo e mente e Saboreando Cultura: Karatê
Prática do Karatê, que se configura como movimento importante para exercitar o corpo e mente.

14h00 – Mexendo o corpo e mente e Saboreando Cultura: Encontros do Saber
Encontro para expor temas diversos referentes ao bem-evenlhecer: cultura, saúde e lazer

15h00 – Mexendo o corpo e mente e Saboreando Cultura: Ginástica
Oportunidade para praticar a Ginástica Mínima, que se configura como movimento importante para exercitar o corpo e mente.

28 de setembro (quinta-feira)

10h00 – Longevirando e Historiando: Dança Sênior
Pratica da Dança Sênior, que se configura como movimento importante para exercitar o corpo e mente.

13h00 – Longevirando e Historiando: Aulão Circuito e Dança
IPGG oferece convite à prática da ginástica por meio de circuitos de atividades e danças, que se configuram como movimentos importantes para exercitarem o corpo e mente.

14h00 – Longevirando e Historiando: Dança de Salão
Prática da Dança de Salão que se configura como movimento importante para exercitar o corpo e mente.

14h00 – Longevirando e Historiando: Contação de História
Contação de história, em que o tema abordado será envelhecimento.

15h00 – Longevirando e Historiando: Alongamento
Oportunidade para praticar o alongamento, que configura um movimento importante para exercitar o corpo e mente.

16h00 – Longevirando e Historiando: Apresentação Dança do Ventre
Apresentação de dança do ventre protagonizada por idosas em ritmo árabe. A coreografia é intitulada “A Lenda”.

29 de setembro (sexta-feira)

08h30 – Protagonismo do Idoso “Mestres da Vida”
Palestra sobre diversos aspectos gerontológicos que visam fomentar o protagonismo do idoso.

14h30 – Baile da Virada da Maturidade
Durante o grande baile os participantes poderão usufruir das atividade física e exercitar corpo e mente. É também um ótimo espaço de socialização.

Ø INSTITUTO BUTANTAN
Endereço: Avenida Vital Brasil, 1500, Butantã – São Paulo

butantan

28 de setembro (sexta-feira)

Butantan na melhor idade aos 116 anos
Local de todas as atividades – Museu Biológico
Inscrições para participar das atividades – https://goo.gl/forms/9FHG3Zk8R1qJg6jk2

Público máximo – 150 pessoas
8h30 – Recepção
9h00 – Visita ao Museu Biológico

Primeiro museu do Instituto Butantan, localizado em um edifício histórico, antiga cocheira de imunização, construída na década de 1920.
O museu conta com uma exposição zoológica viva e permanente: serpentes, aranhas e escorpiões podem ser vistos em recintos que recriam seu ambiente (biodioramas). Além disso, outros animais como lagartos, peixes e insetos também fazem parte da exposição.
Duração – 30 minutos
Responsável – Giuseppe Puorto

9h30 – Bate-papo – Pesquisa, cultura e vida nos 116 anos de Butantan – No auditório do Museu Biológico
Abertura com Rui Curi – Diretor do Centro de Desenvolvimento Cultural do Instituto Butantan.
Luciana Mônaco – Coordenadora do Circuito Butantan da Maior Idade
O Circuito Butantan da Maior Idade​ viabiliza o contato com artes, meio ambiente, cinema, fotografia e divulgação da ciência, além de atividades ligadas à saúde mental e física. O Butantan oferece o programa desde março de 2015, ampliando o público que se beneficia das suas atividades de difusão científica ao abordar, para as pessoas acima de 60 anos, temas como sustentabilidade, saúde e animais venenosos.
Osvaldo Augusto Brazil Esteves Sant’Anna – Família e pesquisa no Butantan
Bisneto mais velho do Vital Brazil, vai falar sobre curiosidades da família, como se tornou pesquisador na área e os avanços que acompanhou ao longo da carreira.
Prof. Henrique Moises Canter – Arquitetura e cultura no Butantan
Há mais de 50 anos como funcionário do Butantan, vai falar sobre a história arquitetônica dos prédios do Butantan, mostrando a evolução do Parque e também dos museus.
Giuseppe Puorto – Caminhos das serpentes
Diretor do Museu Biológico, funcionário do Butantan há 40 anos e biólogo vai falar sobre os avanços das pesquisas com animais peçonhentos e curiosidades sobre o tema.
Aberto ao público para perguntas

10h30 – Mão na Cobra – Venha sentir a textura do animal vivo
O objetivo é proporcionar aos visitantes a oportunidade de manipular falsas-corais e dormideiras. A atividade é acompanhada por biólogos, que esclarecem dúvidas sobre os animais, discutem o papel das serpentes na natureza e sua importância para o homem. A atividade permite a manipulação de certas espécies de serpentes pela população com acompanhamento de especialistas que esclarecem dúvidas.
Responsável – Giuseppe Puorto 2627-9535.
Duração – 60 minutos
11h30 – Brunch

ØCRT DST/Aids
Local: Terminal Jabaquara
28 de setembro (quinta-feira)
9h – Mutirão de testagens de HIV em idosos

Fonte: Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo

 

Anúncios

Hoje é o Dia Mundial da Saúde Sexual

Instituído pela World Association for Sexual Health (WAS) em 2010, hoje, 4 de setembro, é celebrado o Dia Mundial da Saúde Sexual. A iniciativa promove a educação sexual em prol de uma vida saudável. Rogério Bonassi Machado, ginecologista e 2º vice-presidente da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo (Sogesp) esclarece as principais dúvidas sobre a sexualidade feminina e ressalta a importância de a mulher sempre ter o acompanhamento médico durante sua vida.

A saúde sexual inclui uma ampla variedade de assuntos como comportamento, doenças sexualmente transmissíveis, métodos contraceptivos e reprodução humana. E os cuidados também variam e dependem exclusivamente das condições clínicas que cada mulher apresenta, como infecções vaginas, dores durante a relação sexual e aspectos relacionados aos métodos anticoncepcionais.

As mulheres com vida sexual ativa e que não desejam engravidar são candidatas ao uso dos contraceptivos. No entanto, a escolha do melhor método nem sempre é uma decisão fácil. Fatores como o período de uso (eventual ou prolongado), a melhor época para a gravidez e as preferências individuais são levadas em consideração.

desenho mulher

“Por esse motivo, os diagnósticos precisos são necessários para podermos indicar o melhor método contraceptivo para cada tipo de caso. Se houver algum problema com a saúde sexual da paciente, como corrimento vaginal ou infecções pélvicas, ela será encaminhada para um tratamento adequado”, informa Machado.

Uma das novidades nos métodos anticoncepcionais para as mulheres são as chamadas camisinhas femininas. Apesar de lançadas há cerca de 20 anos, só há pouco tempo passaram a ganhar mais atenção das fabricantes de preservativos. Uma de suas vantagens, além da contracepção, é a prevenção contra as DSTs.

Já a pílula do dia seguinte não deve ser confundida com um método anticoncepcional. Ela deve ser utilizada quando há presunção de falha que possa culminar em gravidez. No Brasil, seu uso deve ser em até 72 horas após o ato. Embora não existam evidências sobre os prejuízos à saúde com sua utilização diária, a repetição rotineira desse recurso não é recomendável.

DST com maior incidência, o HPV é cercado de mitos, e um deles é o de que pode levar a doenças neurológicas, fato que o médico desmente. “Recomenda-se que a vacina seja realizada em larga escala em meninas a partir dos 9 anos de idade, e em meninos a partir dos 11. A ocorrência de eventos adversos relacionados à vacina é extremamente baixa e não existem evidências de relação causal com as doenças neurológicas”, esclarece o especialista, lembrando que a moléstia é a principal causadora do câncer de colo de útero.

HPV-Infection vírus
Imagem: Agência Aids

Mas e se a mulher sentir dor durante a relação sexual, isso é normal? O ginecologista afirma que não. “Problemas emocionais ou orgânicos podem ser os responsáveis e a avaliação ginecológica é indicada nesse sentido. Por isso é importante que as mulheres se atentem aos exames ginecológicos anuais e à coleta de papanicolau, que são mandatórios em mulheres em idade reprodutiva”, reforça o médico.

Fonte: Sogesp

 

Dia do Orgasmo: será que há o que comemorar?

Hoje, 31 de julho, é Dia do Orgasmo, mas para metade das brasileiras não há o que comemorar. Segundo pesquisa realizada pelo Projeto de Sexualidade da Universidade de São Paulo (Prosex), 55,6% das brasileiras apresentam dificuldades para atingir o orgasmo. A ausência do orgasmo nas mulheres é considerada uma disfunção sexual, que leva o nome de Transtorno Orgásmico Feminino, ou popularmente chamado de anorgasmia.

Os vilões do orgasmo feminino

Segundo Marina Simas de Lima, psicóloga, especialista em Sexualidade Humana, Terapeuta de Casal e cofundadora do Instituto do Casal, para a mulher atingir o orgasmo é preciso a combinação de fatores biológicos, psicológicos e culturais. “As causas físicas mais comuns do Transtorno Orgásmico envolvem doenças que atingem o sistema nervoso, como a esclerose múltipla, doença de Parkinson e epilepsia, por exemplo. Depois temos as doenças crônicas, como diabetes e a aterosclerose que interferem na circulação sanguínea, essencial para a função sexual”, comenta Marina.

Para a também psicóloga, terapeuta de Casal e cofundadora do Instituto do Casal, Denise Miranda de Figueiredo, as causas psicológicas também são importantes. “A culpa sexual é bastante prevalente, normalmente ligada à educação religiosa ou mais repressora. Ansiedade, estresse, depressão e conflitos nos relacionamento também são frequentes, assim como baixa autoestima, problemas com a imagem da região genital e falta de conhecimento da própria anatomia vaginal”, explica Denise.

Segundo as especialistas, o uso de medicamentos antidepressivos é outro fator que contribui para o Transtorno Orgásmico. Eles podem retardar ou tirar totalmente a capacidade de atingir o orgasmo. Uma pesquisa de 2006 mostrou que cerca de um terço das mulheres que tomam os antidepressivos Inibidores Seletivos da Recaptação da Serotonina (ISRS) relatam problemas com o orgasmo.

corpo mulher

Vaginas são diferentes, orgasmos idem

Um mito bastante arraigado na crença popular é sobre o tipo de orgasmo feminino: vaginal ou clitoriano. Algumas mulheres só conseguem atingir o orgasmo com a estimulação do clitóris e outras conseguem com a penetração. A explicação pode estar nas diferenças das ramificações do nervo pudendo, responsável pela sensibilidade do períneo, lábios vaginais, ramos retais e clitóris. Quando este nervo se ramifica leva a diferenças na sensibilidade de certas áreas.

Segundo a ginecologista norte-americana Deborah Coady, em seu livro Healing Painfull Sex, o sistema nervoso pélvico varia muito de uma mulher para outra e cada uma possui diferentes terminações nervosas nas cinco zonas erógenas, como clitóris, entrada da vagina, colo do útero, ânus e períneo. Isso ajuda a explicar porque algumas mulheres têm mais sensibilidade no clitóris e outras na entrada da vagina. “Mas, de qualquer maneira precisamos lembrar que não importa como a mulher atinge o orgasmo, o importante é experimentá-lo”, diz Marina.

FreeGreatPicture MULHER NUA

Masturbação é uma das chaves para chegar ao orgasmo

Pesquisa do Prosex mostrou que 40% das mulheres brasileiras não se masturbam. “Esse é um destaque muito importante na área da sexualidade humana, já que a masturbação é uma das chaves essenciais para se conhecer o próprio corpo, suas zonas de prazer e entender como conseguimos alcançar o orgasmo, dizem as especialistas.

“O tratamento para mulheres que apresentam o Transtorno Orgásmico requer alguns passos importantes. O primeiro é buscar ajuda com um ginecologista e se certificar de que não há nenhum problema físico ou hormonal que possa estar dificultando o alcance do orgasmo. Os problemas orgânicos devem ser diagnosticados e tratados”, diz Marina.

“As causas psicológicas também são importantes. Por isso, é fundamental buscar também a ajuda de um psicoterapeuta especializado em sexualidade humana para compreender o que poderia estar afetando o alcance do orgasmo. A psicoterapia pode ajudar na diminuição da ansiedade, estresse, melhorar a autoestima, a percepção corporal com exercícios diretivos que ajudarão a mulher a ter uma qualidade sexual melhor”, diz Denise.

“Por fim, incluir o parceiro ou a parceira no tratamento também é um passo essencial para o tratamento do Transtorno Orgásmico, pois isso amplia as possibilidades do casal conversar abertamente sobre o tema e se ajudar mutuamente na busca do prazer, deixando o corpo responder de forma natural”, finalizam as especialistas.

Fonte: Instituto do Casal

Fim da dor na relação durante a menopausa

Vamos tocar em um assunto sério e que é meio tabu, algo que as mulheres não gostam de comentar, nem com as amigas. Porém, cerca de 18% da população feminina sofre com algum tipo de transtorno de dor ligado à penetração dolorosa. Há quem culpe os hormônios e até os parceiros, mas sabe-se que, comprovadamente, o tratamento de fisioterapia pélvica reduz a dor na relação sexual até em mulheres menopausadas

Uma grande parte das mulheres tem a vida sexual afetada após entrar na menopausa, muitos acreditam que somente o desejo é alterado pela redução de hormônios nessa fase da vida e a tão falada redução da lubrificação vaginal. Porém, o que não sabem é que o canal pode se tornar menos flexível e que muitas sentem dor na penetração vaginal, isso faz com que as mulheres evitem seus parceiros com medo de sentirem dor.

Débora Pádua, fisioterapeuta uroginecológica especialista em dor na relação sexual, conta que alguns hormônios locais ou lubrificantes são indicados pelos ginecologistas e colaboram para que o desconforto seja menor, mas muitas mulheres continuam a sentir dor e pensam que é algo “normal” pela idade e que a vida sexual pode se encerrar.

“Isso é um engano já que não existe uma idade limite para se ter uma vida sexual saudável e ativa, para isso a fisioterapia pélvica pode ajudar neste transtorno. Com técnicas específicas como massagem perineal, eletroestimulação intracavitária, exercícios pélvicos ajudam a melhorar a flexibilidade, hidratação e redução da dor na relação ou mesmo para realizar exames ginecológicos”, diz.

FreeGreatPicture MULHER NUA
FreeGreatPictures

As sessões são realizadas semanalmente e a taxa de sucesso do tratamento é entre 70 a 100%. “Sexo deve ser sinônimo de prazer e nunca de dor mesmo estando na menopausa”, finaliza a especialista que em 2014 inaugurou em SP a 1ª Clínica de Fisioterapia Especialista em Dor na Relação Sexual. O espaço, que leva seu nome, faz atendimento exclusivo a mulheres que tem dificuldade na penetração sem a presença de dor ou mesmo as que não conseguem ter nenhum tipo de penetração.

Fonte: Débora Padua é educadora e fisioterapeuta sexual Graduada pela Universidade de Franca (SP), durante 5 anos fez parte do corpo clínico da Clínica Dr. José Bento de Souza, e foi responsável pelo setor de Uroginecologia do Centro Avançado em Urologia de Ribeirão Preto (SP). Atualmente atende em sua clínica na capital paulista especializada no tratamento de vaginismo.

 

 

 

Pesquisa mostra quais sentidos mais influenciam no desejo sexual

Por meio dos sentidos, os seres vivos percebem e reconhecem características do meio ambiente em que se encontram. Os mais conhecidos são cinco: a visão, a audição, o tato, o paladar e o olfato. Esses sentidos podem estimular o envolvimento e a participação da pessoa nas práticas sexuais ao receber estímulos com sentido erótico. Em resposta, o corpo físico envia sinais para o cérebro que está sentindo prazer e satisfação, então o corpo produz alterações fisiológicas que estimulam a vontade e o desejo sexual.

A fisioterapeuta e sexóloga Fabiane Dell’Antônio realizou uma pesquisa sobre a influência dos sentidos no desejo sexual com os clientes de um site de revendas de produtos sensuais. Participaram 235 pessoas sendo 74,9% mulheres e 25,1% homens. Dos entrevistados, 60,8% têm até 29 anos, 57,9% são casados e 23,8% namorando. Destes, 87,2% são heterossexuais e 38,11% estão em relacionamentos de até três anos.

A maioria dos entrevistados, 74,9%, relata que gostaria de ter mais desejo sexual, e 68,5% gostaria que seus parceiros sentissem mais desejo sexual. Com esses resultados, a sexóloga observou a necessidade das pessoas melhorarem os estímulos sexuais e terem iniciativas para aumentar o desejo individual e entre o casal.

beijo estátuas

Quando questionados sobre qual dos sentidos mais provoca desejo sexual, os resultados: 86,4% disseram que o toque é o sentido que mais favorece o desejo sexual, seguido por visual (imagens) com 47,2%. O auditivo (sons) teve 39,6%, o olfato (cheiro) 38,3%, e, por último, a gustação (sabor), escolhida por 16,6% dos entrevistados.

“A pesquisa identifica que o toque é o estímulo que mais favorece o desejo sexual durante as preliminares. Por isso a importância desse momento que antecede a penetração. Afinal, quando a pessoa recebe estímulos prazerosos estará mais excitada, e com isto facilitará o prazer sexual”, explica Fabiane.

Ela completa que quanto mais a pessoa sente prazer nas práticas sexuais, mais desejo terá em realizar estes posteriormente, e feliz estará o casal. “As pessoas querem melhorar o desejo sexual de si mesmas e dos seus parceiros, e o toque é o sentido que mais favorece isso”, conclui.

 

Pesquisa: 72% dos casais brasileiros conversam sobre fantasias sexuais

Porém, nos comentários da pesquisa, cerca de 16% das mulheres destacaram que consideram o seu parceiro careta, moralista ou sem criatividade quando o assunto é fantasia sexual.

Em tempos do lançamento do segundo filme da trilogia “50 tons de cinza”, o que não falta é imaginação para as fantasias sexuais. E parece mesmo que as mulheres estão com a criatividade à flor da pele quando o assunto é esse. Por outro lado, o homens estão deixando um pouco a desejar na hora de realizar os desejos femininos.

Essas foram as conclusões da pesquisa realizada pelo Instituto do Casal no final de 2016 revelou que 72% dos casais conversam sobre fantasias sexuais. Porém, nos comentários, cerca de 16% das mulheres destacaram que consideram o seu parceiro careta, moralista ou sem criatividade quando o assunto é fantasia sexual.

Segundo Marina Simas de Lima, psicóloga e especialista em sexualidade e terapia de casal, a maioria das pessoas tem frequentemente suas fantasias sexuais. “Podemos chamar as fantasias sexuais de “alimento” da libido, ou seja, do desejo sexual. Cada pessoa cria sua própria fantasia com aquilo que mais lhe excita, pois a imaginação não tem limites e oferece a liberdade de experimentar várias situações sexuais, mesmo que apenas na mente”, explica Marina.

“É interessante observar que muitas vezes uma fantasia sexual pode expressar o desejo por um determinado tipo de relação, por sexo anal, ou transar com mais pessoas ou até mesmo pela prática do sadomasoquismo, como no filme. Entretanto, na maioria das vezes, cumpre apenas a função de estimular o interesse pelo sexo”, explica Marina.

É importante ressaltar que quando um casal se sente à vontade para falar de seus desejos, passa a ter mais intimidade e compreensão sobre o que outro deseja”, explica Denise Miranda de Figueiredo, psicóloga e especialista em terapia de casal.

Para desmistificar o tema, o Instituto do Casal listou 6 fatos sobre as fantasias sexuais. Confira:

-A fantasia sexual pode “acender” a libido. Pessoas com baixa libido geralmente têm poucas fantasias sexuais. Em muitos casos, conectar com as próprias fantasias pode propiciar ao casal ter uma vida sexual mais estimulante.

casal

-Aumenta o repertório: depois de um tempo de relacionamento, é comum a vida sexual esfriar. As fantasias sexuais são uma ótima maneira de fazer com que o sexo saia da monotonia.

-Homens x mulheres: geralmente, as fantasias dos homens são direcionadas para o ato sexual e as mulheres tendem a romantizar mais situação.

fifty_shades_darker

-Realidade x ficção: nem tudo que se imagina vai ser realizado. O sexo deve ser algo lúdico e criativo. As fantasias são excelentes para trabalhar o lado divertido do sexo, porque dificilmente serão realizadas em sua totalidade, mas o simples fato de se imaginar em uma situação sexual não convencional, pode levar a um alto nível de excitação.

-Nem mais, nem menos amor: quando a fantasia sexual envolve uma terceira pessoa, mesmo que seja apenas na imaginação, alguns casais podem ter dificuldade para lidar com o ciúmes ou até podem surgir dúvidas sobre o amor e a fidelidade. A dica aqui é conversar e analisar se é meramente uma fantasia ou um desejo real e assim avaliar em que medida isso é saudável para o casal.

love-triangle-psychicemily
Foto: Psychicemily

-Há fantasias e fantasias: quando a fantasia envolve diversão, prazer, amor e intimidade entre o casal é sempre bem-vinda. Porém, é preciso avaliar se a fantasia sexual não ultrapassa os limites do bom senso e da lei, obviamente.

Fonte: Instituto do Casal

Desempenho sexual é o ponto chave para homens irem ao médico

Urologista do Hospital São Luiz explica que sintomas surgem após os 50 anos e são eles que estimulam os homens a procurar tratamento

Durante o mês de novembro é comum nos depararmos com monumentos, prédios e parques iluminados de azul, mês em que acontecem campanhas em prol da saúde masculina. O Novembro Azul, como ficou conhecido o período, é uma oportunidade para que os homens cuidem de si mesmos.

Dentre os temas discutidos no período está o câncer de próstata, o segundo que mais acomete os homens. Mas há outra doença que também atinge os homens neste período da vida, o Distúrbio Androgênico do Envelhecimento Masculino (Daem), popularmente chamado de andropausa, que tem sintomas semelhantes ao maior vilão da saúde masculina, o câncer.

Com a chegada aos 50 anos, o homem tem uma diminuição progressiva na produção de testosterona, hormônio produzido pelos testículos. Uma queda gradual que pode chegar a 5%, e varia de acordo com biotipo, herança genética e modo de vida de cada um (alimentação, exercícios físicos e prevenção). Esse conjunto pode acarretar em diminuição da libido e disfunção erétil, depressão ou irritabilidade, diminuição do tecido muscular e diminuição de alguns aspectos da força muscular. Além disso, o conjunto de sintomas acima pode estar associado ao aumento da gordura abdominal, diminuição da densidade mineral óssea, do volume testicular e queda de pelos.

Para Ricardo De La Roca, urologista do Hospital São Luiz Jabaquara, este conjunto de sintomas é uma das grandes causas que levam os homens a procurar ajuda nos consultórios médicos. “A disfunção erétil é a maior causa que estimula o homem a ir a uma consulta médica por si só, ou motivado pela companheira, uma vez que ela também sofre indiretamente com o quadro da queda da libido dele”, observa o médico.

É sabido que os tumores malignos de próstata são estimulados pela presença de testosterona. Para melhor entender a diferença entre Daem e o câncer de próstata, os médicos analisam todas as variáveis possíveis, como o metabolismo, o funcionamento do eixo produtor da testosterona, e as repercussões das eventuais alterações nos exames laboratoriais no organismo masculino, bem como em que situação a próstata se encontra, crescida ou não. Para o tratamento, caso haja câncer de próstata, não se pode indicar, por exemplo, a reposição hormonal com a testosterona.

novembro-azul-e1478639267161

Após a realização dos exames de diagnóstico e a constatação do Daem, o tratamento mais indicado é levar bem-estar e autoestima para sua vida, por meio da prática de exercícios diários, perda de peso aos que têm sobrepeso e estimulação dos testículos com medicações que elevam a produção de hormônios. É indicado, também, o controle de outros fatores de risco como hipertensão, diabetes, ácido úrico elevado, taxas altas de colesterol e triglicérides.

O médico explica ainda que nos dias de hoje, seis em cada dez pacientes vão ao urologista para check-up de próstata, e em cerca de 70% destes podem ser apontados com algum grau de Daem. “O desempenho sexual pode ser o maior motivador para a procura médica e desta podemos em muitas vezes salvar a vida destes pacientes, curando-os não só do distúrbio, mas do câncer de próstata”.

Informações: Facebook

Pesquisa revela que 55,9% dos casais estão insatisfeitos com a vida sexual

Rotina, cuidados com os filhos e problemas financeiros são apontados como as principais razões para o esfriamento na cama

Uma pesquisa realizada pelo Instituto do Casal, especializado em relacionamentos e sexualidade humana, revelou que 55,9% dos casais consideram a vida sexual ruim ou regular. Segundo o estudo, realizado entre os meses de setembro e outubro deste ano, com 510 pessoas que compartilham uma vida a dois, 72,9% dos entrevistados relatam mudanças expressivas na relação sexual depois do casamento.

A pesquisa “Como anda a sua satisfação conjugal”, coordenada pelas psicólogas Denise Miranda de Figueiredo e Marina Simas de Lima, ambas terapeutas de casal e família e fundadoras do Instituto do Casal, procurou identificar o que os casais brasileiros pensam sobre sexo, intimidade, resolução de conflitos, medos e outros fatores que permeiam o relacionamento a dois. Cerca de 70% dos entrevistados têm entre 31 e 50 anos e mantêm relacionamentos estáveis há mais de dois anos e aproximadamente 80% da população entrevistada tem filhos.

“Embora algumas pessoas relataram melhorias na vida sexual pós casamento ou união estável, a maioria do entrevistados afirmou que o sexo piorou depois da união, sendo a rotina, os filhos e a queda na frequência das relações os principais fatores para a piora da qualidade da vida sexual”, afirma a psicóloga Denise Miranda de Figueiredo.

Para Marina Simas de Lima, a pesquisa só corroborou o que é visto no dia a dia do consultório: “A maioria dos casais não sabe lidar com a questão da rotina e com as mudanças que a vida a dois traz. As pessoas mudam com o passar do tempo e são muitos os fatores que o casal tem que lidar”, afirma Marina.

Parceiros caretas

Embora 72,3% dos entrevistados afirmaram que se sentem à vontade para falar sobre as fantasias sexuais, um número considerável de comentários mostra que ainda há muitos tabus que cercam a realização dessas fantasiais. “O que nos chama a atenção é que nos relatos as mulheres descrevem seus parceiros como quadrados ou moralistas, e isso seria uma das razões que as inibem a falarem sobre seus desejos e fantasias”, comenta Marina.

Medo do quê?

casal sombra
Supreendentemente, o principal medo apontado pelos entrevistados foi o de ter doenças na família, seguido de ficar viúvo (a). “Acreditamos que esses resultados estão relacionados com a faixa etária da maior parte da população que respondeu a pesquisa, o ciclo vital atual e inseguranças de como conduziriam a família sozinhos”, explica Denise.

Em terceiro lugar aparece o medo de deixar de ser amado (a), seguido de ser traído e perder o desejo sexual. Para Marina, esses medos representam a forma de vivenciar o amor líquido. “Hoje em dia o amor não é mais aquele do “até que a morte nos separe”, mas sim aquele que diz “que seja infinito enquanto dure”, ou seja, se não está bom, as pessoas desfazem e reconstroem com outros parceiros”.

E o que pode atrapalhar os casais?

casal-dormindo
A pesquisa revelou que o trabalho é o que mais afasta o (a) parceiro (a), interferindo na qualidade das relações. Depois, problemas financeiros e criação dos filhos, assim como a falta de ajuda de um dos parceiros nas tarefas domésticas e nos cuidados com a casa são os fatores mais estressantes para os casais. “Pessoas que se dedicam exageradamente ao trabalho podem estar fugindo de uma situação ruim no relacionamento. “Hoje o mercado de trabalho exige muito mais das pessoas, mais atividades fora de casa, mais especializações e desafios a serem cumpridos, o que nos faz pensar que os casais da atualidade estão com dificuldade de administrarem a vida, distribuindo um tempo de qualidade para o relacionamento”, afirma Denise.

Como anda nosso diálogo?

casal-celular
Um dos quesitos mais importantes em um relacionamento é o diálogo. A pesquisa apresentou uma dualidade: 63,45% dos entrevistados afirmam que conversam duas ou mais horas por dia. “ Porém, na prática observamos uma realidade trazida por esses casais bem diferente. Eles ou elas nos relatam que têm tido pouco tempo para dialogarem com seus parceiros, o que afeta a intimidade e a qualidade dessas relações. Que diálogos são esses? Tema para uma próxima pesquisa”, explica Denise.

Um ponto relevante da pesquisa foi destacar que 87,6% dos casais dizem ter projetos em comum, o que se torna fundamental na construção de vínculos e para fortalecimento e a continuidade das relações.

Quando perguntados sobre como solucionam os conflitos da vida a dois, os casais dizem preferir buscar um acordo que seja para bom para os dois, seguido de resolver o problema em outro momento. “O nosso questionamento é: será que resolvem ou simplesmente acumulam problemas ao longo da relação, transformando-os em ressentimentos? Entendemos que a resolução de conflitos se faz fundamental, assim como a empatia (se colocar no lugar do outro), a disponibilidade, o diálogo e o afeto. Acreditamos que com essas competências os casais consigam alcançar um entendimento, tendo chances melhores de viver uma vida a dois mais harmônica”, dizem Marina e Denise.

O que realmente importa?

casal
A pesquisa mostrou ainda quais são os fatores mais importantes em um relacionamento. No ranking dos cinco mais votados estão: afeto/carinho, amor, ter planos e sonhos em comum, fidelidade e sexo. No último lugar ficou a paixão. Também é interessante perceber que as pessoas ainda esperam a fidelidade e uma vida sexual satisfatória, mesmo em tempos de “amor líquido”, explica Marina.

“Mesmo vivendo um cenário em que mudanças significativas acontecem nos relacionamentos afetivos e sexuais, a pesquisa mostrou que os padrões aprendidos pelas antigas gerações ainda imperam na maneira como os casais se relacionam atualmente”, diz Denise.

Por onde for, quero ser seu par

Placa_Namorados_2016_50x70cm_03

Se você tem curiosidade em descobrir o que os casais brasileiros gostam de fazer juntos, lá vai. Segundo a pesquisa, viajar é o programa predileto de 7 em cada 10 casais. Depois, comer, ver filmes, fazer amor e trocar carinhos são as atividades mais realizadas pelos entrevistados quando estão juntos. “Fomos surpreendidas com a ideia de que fazer amor não aparece tão em destaque quanto viajar, comer e ver filmes. Isso significa que nessa faixa etária e para essa população que respondeu a pesquisa, a parceria, a amizade e a cumplicidade são mais importantes que o sexo em si”, concluem as psicólogas.

Veja a pesquisa completa aqui.

Workshop: Diálogos na Vila

Para celebrar o lançamento da pesquisa e do Instituto do Casal, as psicólogas Denise Miranda de Figueiredo e Marina Simas de Lima irão ministrar no próximo dia 27 de outubro, na Livraria da Vila da Alameda Lorena, o workshop “Diálogos na Vila”. O workshop é voltado para casais ou para pessoas que desejam investir em sua relação e repensar seus posicionamentos frente às questões afetivas e sexuais que constituem nossa vida. A duração é de 1 hora e 30 minutos. Por meio de um jogo lúdico e dinâmico, o grupo terá a oportunidade de discutir diferentes situações do dia a dia na vida de um casal e encontrar a melhor maneira de resolvê-las. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo e-mail: contato@institutodocasal.com.br. As vagas são limitadas a 40 pessoas.

Sobre o Instituto do Casal
O Instituto do Casal (IC) é uma organização que se dedica a práticas, pesquisas e educação em relacionamentos e sexualidade humana. O IC foi fundado pelas psicólogas Denise Miranda de Figueiredo e Marina Simas de Lima, ambas com mais de 20 anos de experiência em sexualidade humana e terapias de casal, de família e individual. O IC oferece diversos recursos, tanto para os casais que buscam autoconhecimento e terapias, quanto para profissionais da área de saúde e educação que procuram ampliar e se aprofundar nos temas relacionados à qualidade dos relacionamentos afetivos e sexuais.

Informações: Instituto do Casal 
 

 

Livro Direto ao Ponto: sexo sem rodeios para cada fase da vida a dois

Em seu novo livro, Kevin Leman, autor e psicólogo norte-americano, fala sobre a sexualidade no casamento em linguagem objetiva e bem-humorada

Falar sobre sexo e intimidade nem sempre é fácil. Além dos tabus que rodeiam o assunto, ainda há aquela “timidez” para abordar temais mais “picantes” e, assim, sanar as dúvidas que mais nos intrigam. Por essa razão, muitos casais vivem dilemas por não ter a coragem de conversar abertamente sobre o assunto e, juntos, descobrir o caminho para uma prazerosa e frutífera vida sexual.

Direto ao Ponto, sexo e intimidade no casamento, novo livro de Kevin Leman, veio para ajudar os casais a lidar com essa situação. Em mais de 300 páginas, o autor e psicólogo internacionalmente reconhecido perpassa temas relacionados à sexualidade no casamento, desde a lua de mel e chegada dos filhos até a “crise de meia idade”.

De maneira bem-humorada e com linguagem objetiva, Direto ao ponto não é um manual impessoal sobre sexualidade. Existe proximidade com o leitor em virtude das perguntas reais que Kevin responde ao longo do livro. Cada capítulo apresenta-se em uma série de questionamentos e respostas sobre determinado tema, seguido de uma observação geral sobre o assunto ao final. Todos os leitores se identificarão com as dúvidas em algum momento.

Além disso, a obra traz listas utilitárias para o casal, por exemplo: “Cinco grandes dicas para namorar seu cônjuge”, “Dez programas memoráveis e baratos”. Há outras divertidas como “As dez principais maneiras de desestimular sua esposa”, com sugestões do tipo: “Use a mesma cueca samba-canção por uma semana”, “Solte gases”, “Deixe graxa embaixo das unhas”, “Olhe para outras mulheres e faça comentários”. E ainda outras mais “diretas”: “Quatro maneiras de matar um orgasmo” com observações bastante úteis e ao tom de Leman: “Certifique-se de que seu objetivo é ter um orgasmo, e não fazer amor com seu par. Afinal de contas, o ato é que importa, certo?… Ou será que é o cônjuge?”.

Direto ao ponto, sexo e intimidade no casamento é um livro para homens e mulheres, com foco na sexualidade, cuja temática estende-se para o relacionamento como um todo. Segundo o autor, uma sexualidade saudável está além da prática sexual e começa com o respeito, o cuidado, o envolvimento sincero, a empatia e o desejo real de fazer o outro feliz A partir disso, explicar didaticamente a uma esposa como fazer sexo oral com seu marido, pela primeira vez depois de 30 anos de casados, por exemplo, é só uma sugestão de Kevin Leman para fazer ainda mais felizes duas pessoas que construíram uma história de amor juntas e que querem inovar. E por que não?

direto-ao-ponto3

“Tudo se resume a isto: o amor não busca os próprios interesses — caso contrário, não é amor.”

O lançamento no formato impresso já está presente nas melhores livrarias de todo o país e até o fim de janeiro estará disponível também em e-book, nas melhores lojas digitais (Amazon, Apple Store, Google Play, Livraria Cultura, Saraiva e Kobo).

Sobre o autor

Kevin Leman é um autor e psicólogo internacionalmente reconhecido. Fez pós-graduação e doutorado em Psicologia Clínica na Universidade do Arizona (EUA) e é fundador e presidente de Couples of Promise, uma organização que tem por objetivo ajudar casais a permanecer com um relacionamento sólido e feliz. Suas afiliações profissionais incluem a Associação Americana de Psicologia, a Federação Americana de Artistas de Rádio e Televisão, o Registro Nacional de Provedores de Serviços de Saúde Psicológica e a Sociedade Norte-Americana de Psicologia Adleriana. Uma autoridade quando o assunto é comportamento e família. Conhecido por seu bom humor e praticidade, Kevin é autor best-seller do New York Times e já escreveu mais de 30 livros de sucesso sobre temas relacionados à vida conjugal e familiar, paternidade e desenvolvimento pessoal. Entre eles, figuram as obras: Transforme seu filho até sexta, O sexo começa na cozinha e Mais velho, do meio e caçula, publicados no Brasil pela Mundo Cristão. Casado há mais de 44 anos com Sande Leman e pai de 5 filhos, vive em Tucson, Arizona.

direto-ao-ponto

Ficha técnica
Editora: Mundo Cristão
Autor: Kevin Leman
Páginas: 312
Formato: 14×21 cm
Ano: 2016
Preço: R$ 44,90