Arquivo da categoria: trabalho

Consultora de imagem dá dicas de como manter o estilo no ambiente de trabalho

Conselhos certeiros para dominar o dress code fazendo a leitura do ambiente da empresa

A imagem do profissional é um elemento relevante na cultura das empresas e contribui para a evolução da carreira. No mercado de trabalho, causar uma boa impressão sempre conta pontos, e aí entra o trabalho da consultoria de imagem, que atua para alinhar o estilo individual ao ambiente da empresa, e ao seu dress code, formal ou informal.

Com existência ou não de manual de dress code na organização, é possível cultivar estilo próprio. Para isso, é fundamental estar à vontade com o que usa, pois não há como passar credibilidade sem autoconfiança. Como etapa relevante do trabalho de imagem, o profissional precisa identificar o que lhe cai bem.

“Zelo é palavra-chave quando se trata de imagem corporativa, uma das mensagens mais importantes que se pode passar no ambiente da empresa”, afirma Lais Machado, consultora de imagem e estilo. A partir dessa premissa, Lais dá cinco dicas para ter uma imagem adequada no ambiente de trabalho.

1- Perfil da empresa

FreeGreatPicture MULHER EXECUTIVA

Com cultura corporativa não se brinca: a escolha do que vestir no ambiente de trabalho deve considerar o perfil da empresa. O colaborador representa a empresa, seu modo de vestir precisa estar alinhado ao “mood” organizacional. Para não errar, deve-se analisar: qual o perfil da empresa? Ela é mais tradicional? Mais criativa? Mais contemporânea? Temos dois exemplos extremos: bancos e agências de publicidade. O primeiro com o código mais formal e o segundo com uma liberdade maior para se vestir. Avalie por essa régua onde está sua empresa e, a partir disso, faça as escolhas.

2- Função desempenhada

mulher executiva celular
Pexels

Os líderes são sempre boas referências de como se vestir. Eles são espelhos, mas deve se considerar ainda o cargo ocupado. A partir dessas observações, fazer as escolhas para o guarda-roupa. A função que a pessoa desempenha deve estar representada no jeito que ela se veste. Então, não podemos esperar de um estagiário o mesmo que se espera de um gestor ou diretor.

3- Estilo pessoal

pexels-  mulher elegante.jpeg
Pexels

O estilo nada mais é do que reflexo da personalidade, por isso é sempre importante a pessoa identificar se o perfil da empresa vai de encontro com quem ela é, para não causar nenhum sofrimento e desconforto desnecessário. Depois de mapeado o ambiente e refletir sobre o código de vestimenta para a função desempenhada, importante trazer referências do estilo pessoal, de forma sutil, para o ambiente de trabalho. Pequenos elementos podem indicar pontos da personalidade a destacar. Influências culturais, idade e a geração a que o profissional pertence são balizas para essa composição.

4- Tendência de moda

mulher vestido confortável largo

Trazer um ar contemporâneo ao look é sempre bem-vindo, sem ser uma vítima da moda. Se o funcionário é ligado ao universo da moda e deseja trazer as tendências para o dia a dia, vale investir em elementos sutis e acessórios. Uma gravata divertida, colares, brincos, lenços, sapatos e bolsas.

5- Avalie o guarda-roupa

guarda roupa pintado pinterest

Para facilitar o dia a dia, analisar o guarda-roupa e mantê-lo organizado com peças-chave, sem excessos, vale muito. Normalmente, trabalha-se no mínimo 5 dias por semana, então você vai passar a maior parte do seu tempo em atividades profissionais. Assim, 70% das roupas devem ser voltadas para o trabalho, 15% para o lazer, 10% para ficar em casa e 5% para a vida noturna. A maioria das pessoas gasta muita energia fazendo o movimento contrário.

Fonte: Lais Machado é consultora de imagem e estilo pós-graduada pela faculdade Belas Artes de São Paulo, jornalista graduada pela UP e especialista em marketing pela PUC-PR, tem quase dez anos de experiência em comunicação corporativa, marketing e branding, tendo passado também por cargos de gestão.

Anúncios

O comportamento inadequado dos jovens e a promessa de um cargo dos sonhos

No início deste mês, a Catho divulgou uma pesquisa apontando que a maior dificuldade para os jovens conseguirem emprego não está na falta de experiência ou de qualificação, mas, sim, no comportamento inadequado da maioria deles.

Segundo a empresa de recrutamento online, durante a seleção, o recrutador observa atentamente o comportamento do candidato e, no caso dos jovens, não é incomum que uma pesquisa nas redes sociais também seja feita. Esta serviria para observar como o pretendente à vaga se porta.

Por comportamento inadequado podemos entender desde o desleixo na vestimenta ou modo de se sentar até uma falsa intimidade ou falar ao celular enquanto atende o cliente. Até mesmo a falta de higiene, em casos de pessoas que vão a baladas na noite anterior e seguem direto para a entrevista ou para o novo emprego, foi apontada.

Para o coach Edson Moraes, formado pelo Instituto EcoSocial e certificado pelo ICF – International Coach Federation, não podemos generalizar. “Claro que há jovens com perfis diferentes. E não ser educado ou higiênico, por exemplo, são coisas imperdoáveis. Porém, hoje em dia é muito comum, durante o recrutamento, o responsável pelo processo prometer um ‘padrão Google’ para o candidato. Aquilo de espaços de conveniência, extensão do ambiente descompromissado que se tem com amigos, horário flexível etc. Porém, quando o jovem começa a trabalhar, percebe que não é bem assim”.

homem trabalho emprego inadequado

Moraes também chama a atenção para o que chama de “choque de gerações”: “A empresa tem uma expectativa e o candidato também. O entrevistador pode encarar a postura do jovem como de um ‘folgado’. Ele, por seu lado, pensa que ali é um lugar ‘careta’. Hoje, o modelo de trabalho mudou muito e as empresas precisam se modernizar também”.

Para ele, hoje com 54 anos, gerações passadas se adequavam às vagas. Os jovens de hoje se recusam a isso: “A minha geração, por exemplo, costumava pegar o primeiro emprego e ir se moldando. Isso não é muito aceito hoje em dia. Tanto que muitos jovens se formam e criam as próprias startups, para não se sujeitarem a horários e regras”.

Classe média

Moraes comenta que este comportamento de não aceitar tantas imposições vem de jovens da classe média e média alta. “Pessoas de baixa renda e sem tanta qualificação ficam sem escolha. Porém, ao entrarem, se adaptarem, serem resilientes e se superarem, é bem possível que muitos cheguem a se tornar líderes”.

Já os jovens que foram criados em situação financeira mais confortável e com certas liberdades, muitas vezes pelos chamados “pais-helicópteros”, tendem a não aceitar muitas regras: “Há uma questão de comportamento séria. Muitos veem esses jovens como mimados. E eles podem até ser, e isso irá atrapalhar muito a carreira, pois eles não têm a plasticidade necessária para se adaptar”.

Porém, Moraes frisa que o que mais cria desapontamento de ambos os lados são mesmo as expectativas: “Se elas não ficarem claras durante a entrevista e surgir aquela paixão, não verdadeira, mas idealizada, de quem está contratando e de quem está se candidatando, o relacionamento não durará três meses”.

Para ele, a empresa não pode se apresentar como moderna se a postura de seus líderes não for essa. Isso vale também para recrutadores, que muitas vezes não enxergam que a empresa está em fase de mudança, e acabam escolhendo perfis que não se encaixam a esse novo momento.

mulher jovem computador tedio pexels

Já ao candidato, Moraes aconselha: “Entender o contexto da empresa e se está preparado ou disposto a se adequar a ele. A resiliência, que é algo muito importante e necessária, nos impede de mudar, em relação ao objetivo final. Porém, é preciso lembrar que também precisamos ser críticos e reflexivos para revisar nossa meta se notarmos que estamos no caminho errado”.

Fonte: Edson Moraes é sócio do Espaço Meio, Executive Coach desde 2014 e Consultor (Gestão & Governança) desde 2003. Foi Executivo do Bank of America entre 1982 e 2003. Seguiu carreira na Área de Tecnologia da Informação, foi Head do Escritório de Projetos e CIO por 4 anos. É Master em Project Management pela George Washington University. Participou de programas de educação executiva na área de TI ( Stanford University, Business School São Paulo e Fundação Getúlio Vargas). Conselheiro de Administração formado pelo IBGC, Coach pelo Instituto EcoSocial e certificado pelo ICF. Articulista e palestrante nas áreas de Governança, Tecnologia da Informação e Gestão de Projetos.

Especialista dá dicas para quem tem medo de falar em público

Falar em público, seja para uma grande plateia ou mesmo na frente de um pequeno grupo, no trabalho ou na faculdade, pode provocar pânico em muitas pessoas.  O coach e master trainer em Programação Neurolinguística Roberto Debski dá algumas dicas na entrevista abaixo. Confira:

Pergunta – A princípio, qualquer pessoa pode falar em público?
Resposta: Sim, qualquer pessoa pode desde que se prepare para isto, principalmente no aspecto emocional, já que uma das principais fobias que existem é o medo de falar em público. A questão de se expor e ser julgado por uma plateia é assustadora e limitante para muitas pessoas, por diversas razões. Muitos passaram por experiências traumáticas na infância, durante o período escolar, desde então criaram um bloqueio que impede que se exponham sem sentir diversos tipos de sintomas que impossibilitam uma boa exposição. Para superar esta limitação, há inúmeras possibilidades, como a psicoterapia, terapias para fobias como o EMDR (Eye Movement Desensitization and Reprocessing ou Dessensibilização e Reprocessamento por Movimentos Oculares), terapia breve, PNL (Programação Neurolinguística), coaching, constelações sistêmicas, cursos de oratória e expressão verbal, dentre outros.

silueta homem falando publico palestra pixabay

P – Já atendeu alguém que tinha muita dificuldade e a superou? Pode resumir o caso?
R: Sim, diversos casos, inclusive eu mesmo já tive muita limitação e medo de falar em público, no início de minha carreira médica, recusando convites para participar de alguns eventos. A partir de um certo momento, quando esta dificuldade começou a me atrapalhar profissionalmente, impedindo que eu aproveitasse oportunidades que surgiam, decidi procurar uma maneira de superar e curar essa limitação, o que conquistei por meio de vivências durante minha formação em PNL, e participando de cursos de oratória e treinamento.

P – O que é mais importante? A postura, a fala, a lógica do pensamento…
R: Para falar em público com sucesso, é fundamental que estejamos preparados técnica e psicologicamente, e tenhamos uma dinâmica de expressão que atinja o público alvo, como um todo. Conhecimento técnico sobre o tema é básico, mas se fosse somente esse o requisito necessário, as pessoas conhecedoras dos assuntos sobre os quais vão palestrar não teriam problema em se expressar. Treinar e conhecer o tema a respeito do qual irá falar, saber expressar-se pela fala, pela postura corporal, pelo olhar, pela movimentação. E passar o conteúdo com lógica e dinamismo, alcançando o interesse e a motivação do público é uma arte que pode ser treinada e aprendida, possibilitando o sucesso da apresentação.

palestra reunião trabalho pixabay hans
Foto: Hans/Pixabay

P – Usar recursos multimídia ajuda ou dispersa?
R: Há controvérsias sobre o uso de recursos multimídia e audiovisuais.
Um palestrante que lê todo o conteúdo para o público torna-se geralmente desinteressante, já que qualquer um pode ler a respeito do tema, sem precisar que alguém o faça para ele. O uso moderado de fotos, vídeos e gráficos, sobre os quais o palestrante faça as explicações e embase sua fala, pode ser interessante e reforçar a mensagem. Algumas escolas de treinamento sugerem que o palestrante use um flipchart para escrever sobre sua fala, e use imagens e vídeos somente quando extremamente necessário. Todas essas maneiras de falar a uma plateia dependerão muito do carisma do palestrante e de seu preparo e envolvimento com o público.

P – Há alguma técnica infalível?
R: Não há técnicas infalíveis, porém, se o palestrante conseguir conquistar a atenção de seu público por meio do envolvimento emocional, do despertar da curiosidade sobre o tema, e da transmissão clara, dinâmica e focada de sua apresentação, terá a oportunidade de transmitir sua mensagem de maneira efetiva e conquistar sua audiência.

P – O começo e o fim da apresentação são as partes mais importantes?
R: Os primeiros minutos da fala são importantes para conquistar a curiosidade e a motivação da audiência e garantir que, a partir daí, estarão disponíveis e participativos para participar do evento. Claro que o palestrante deverá manter o nível, trazer e desenvolver um conteúdo interessante, de maneira didática e com boa expressão para manter o público participando junto a ele. O final, quando poderá fazer um resumo do tema, reforçar seu interesse e relevância, e deixar uma mensagem positiva que toque a audiência, fará com que a lembrança do evento e de si mesmo, enquanto profissional de excelência no tema, seja positiva, levando o público a querer participar novamente em um futuro evento.

mulher reunião palestra healthista_

P – Poderia dar um passo a passo, por exemplo: comece assim, foque nisso, permaneça assim, siga desse modo e termine…
R: Comece se apresentando e fale sobre a relevância do tema que irá abordar, o porquê o tema é interessante para a audiência, o que ela ganhará ao participar e, a seguir, comece a desenvolver o tema, de maneira lógica e didática, com exemplos práticos. Se preferir, pode abrir para algumas perguntas durante a apresentação, ou combine de deixá-las para o final, mas é interessante estar aberto para interagir com o público, sem se mostrar o dono da verdade ou inacessível. Ao final, faça um resumo do que falou, agradeça a atenção de todos e, quando cabível, abra para perguntas e comentários, mostrando-se interessado na participação da audiência e no que ela tem a dizer e contribuir. Deixe um meio para a audiência entrar em contato posteriormente, como um e-mail ou rede social.

P – O que não fazer, tipo tomar alguma bebida ou um ansiolítico para se sentir mais solto.
R: Se o palestrante precisa ingerir bebida alcoólica ou medicamentos para falar em público, isto é sinal que não se sente preparado para tal, e é indicado que procure ajuda profissional para superar suas limitações. Evite sempre o uso de qualquer substância que afete sua cognição, raciocínio ou postura. Evite contar piadas que possam demonstrar preconceito, não seja grosseiro, não demonstre superioridade ou inferioridade. Seja sempre natural. Não imagine que irá acontecer algo errado, mas se encontre preparado para intercorrências, que podem sempre acontecer. Não caia em possíveis provocações, mostre-se educado e firme, sem responder a possíveis agressões e ofensas, que não são comuns, mas podem acontecer. Prepare-se adequadamente antes do evento, e faça o melhor, aprimorando-se sempre, para superar-se a cada apresentação, mantendo a motivação e o interesse. Esses são alguns dos requisitos para o sucesso em sua apresentação e para posicionar seu nome como referência no tema que desenvolve.

Businesswoman standing on stage and reporting for audience
BigStock

P – Pode, por favor, listar dicas que qualquer pessoa possa usar?
R- Claro:

-Conheça bem o tema sobre o qual irá falar, prepare e treine sua apresentação.
-Crie um estado propício para passar sua mensagem, esteja tranquilo, atento, focado, motivado e preparado para quaisquer intercorrências que possam acontecer, como problemas técnicos dos meios audiovisuais acessórios, ou pessoas que queiram criar polêmicas.
-Movimente-se sem excessos, varie o tom e o volume de sua fala, dê exemplos práticos que despertem curiosidade e conectem as pessoas ao tema, não seja soberbo ou humilde demais, seja natural e mostre conexão com as pessoas e com o tema.
-Seja bem-humorado, mas não conte piadas que possam constranger pessoas, nem seja vulgar.
-Assista a outras pessoas que abordam temas semelhantes aos seus, para aprender com seus pontos fortes e fracos, a ampliar seu repertório.
-Assista também a pessoas que são tidas como boas oradoras, mesmo que em temas diversos dos quais aborda, para observar postura, como transmitem a mensagem e interagem com a audiência.
-Falar bem é um aprendizado, que deve evoluir continuamente, e tem como base a autoconfiança e o conhecimento, e pode ser aprimorado com treinamento e dedicação.

Fonte: Roberto Debski é formado em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Santos e em Psicologia pela Universidade Católica de Santos. Fez curso em Programação Neurolingüística pelo Instituto de Neurolingüística Aplicada, nível master trainer e Curso de formação em Coaching na Sociedade Latino Americana de Coaching.

 

Pensando em mudar de país? Melhor planejar antes de sair

Após uma fase nacional de bonança, na qual era comum a vinda de estrangeiros para trabalhar no país, agora, principalmente por causa da crise e dos altos índices de desemprego, o que está ocorrendo é o inverso: o aumento de brasileiros querendo mudar de país. Mudanças e desafios, especialmente na carreira, são sempre bem-vindos, porém, é preciso se planejar bastante e se preparar muito para isso.

E o que uma pessoa deve levar em conta, profissionalmente falando, ao pensar em mudar de país? “Primeiramente, que a área de atuação esteja devidamente regulamentada no país de destino, evitando que a profissão escolhida exija alguma certificação ou chancela distinta da aplicada no Brasil. Carreiras como Direito, Medicina e Engenharia geralmente exigem certificações específicas no país para permitir que o profissional exerça alguma atividade”, explica o coach Edson Moraes, formado pelo Instituto EcoSocial e certificado pelo ICF – International Coach Federation.

freegreatpicture-mulher-carreira-laptop

Para aqueles que irão atuar na área na qual são formados é importante que tenham uma visão de mercado, tanto local quanto global, para facilitar a empregabilidade. Moraes cita os profissionais de Tecnologia da Informação como exemplos. Eles são frequentemente contratados em vários países, uma vez que possuem os requisitos para desempenhar a função em qualquer lugar.

“De qualquer maneira, é interessante que a pessoa já saia do Brasil com alguma oportunidade previamente negociada ou que tenha uma reserva financeira para se manter no país por alguns meses até que possa arrumar um emprego”, aconselha o coach. Assim como para prospecção ou transição de carreira no Brasil, para aqueles que querem mudar de país, planejar-se é fundamental para o sucesso da empreitada.

Espírito de aventura

Para Moraes não há problemas em relação ao estado civil da pessoa que pensa em emigrar, nem ao fato de ter filhos ou não. Porém, ele frisa que a experiência de buscar uma carreira internacional fica facilitada caso o profissional esteja sozinho, pois poderá correr mais riscos, experimentar trabalhos alternativos ou aguardar oportunidades melhores.

Há também uma impressão que profissionais mais jovens são mais requisitados. Moraes rebate: “Os mais jovens normalmente aceitam atividades alternativas com mais facilidade, mas vejo oportunidades para os mais velhos também. Assim como para uma recolocação no próprio país, mapear o mercado, buscar oportunidades e candidatar-se ainda estando no Brasil são formas de avaliar e identificar as melhores oportunidades”.

Além da fluência da língua, muitos países preferem especialistas em determinadas áreas, mas e se a pessoa não se encaixar, vale a pena ir mesmo assim? “Somente se o profissional tiver um espírito de aventura, pois há sempre o risco de não se dar bem naquela vaga. E o custo de sair do Brasil, estabelecer-se no local, afastar-se da família e amigos pode ser muito maior que a remuneração de um trabalho que não satisfaça a pessoa”, alerta o coach.

E já há casos de brasileiros que se mudaram para Portugal, um destino em alta nos últimos anos, cheios de esperanças e com um curso superior na bagagem, voltando para o Brasil. A maioria conta que não conseguiu emprego e sequer se alimentava direito. O retorno tornou-se a alternativa mais fácil.

aeroporto viagem mulher pixabay 2.jpg

“Buscar uma oportunidade no exterior exige certa dose de desapego, principalmente em relação às questões emocionais, pois o afastamento da família e dos amigos pode ser um fator que desestabilize a pessoa. Competências como resiliência, criatividade, inteligência emocional e flexibilidade cognitiva, assim como o planejamento da carreira e das finanças são essenciais para o sucesso dessa empreitada”, enfatiza Moraes.

Fonte: Edson Moraes é sócio do Espaço MeioExecutive Coach desde 2014 e Consultor (Gestão & Governança) desde 2003. Foi Executivo do Bank of America entre 1982 e 2003. Seguiu carreira na Área de Tecnologia da Informação, foi Head do Escritório de Projetos e CIO por 4 anos. É Master em Project Management pela George Washington University. Participou de programas de educação executiva na área de TI ( Stanford University, Business School São Paulo e Fundação Getúlio Vargas). É Conselheiro de Administração formado pelo IBGC, Coach pelo Instituto EcoSocial e certificado pelo ICF. 

Oportunidade de renda extra: SMTE realiza oficina gratuita de empadas

A Secretaria Municipal de Trabalho e Empreendedorismo (SMTE) realiza, nesta quinta-feira (09), a oficina de empadas. A atividade vai ocorrer no Cresan Butantã, que fica na Rua Nella Murari Rosa, 40, das 13h30 às 16h30. A atividade é gratuita e é poder ser uma oportunidade de empreender na área gastronômica.

Os participantes irão aprender a fazer a massa da empada e recheios de frango e palmito. Inicialmente serão orientados os cuidados higiênicos e o manuseio correto dos alimentos. Serão dadas dicas de montagem e tamanhos do salgado, para atender diferentes públicos ou eventos. Na oficina, será possível preparar todas as etapas do salgadinho e, no final, degustar as empadas. A culinarista responsável vai esclarecer todas as dúvidas e dar orientações sobre a melhor forma de produção e venda.

As atividades da SMTE são gratuitas e, para participar, basta ter mais de 16 anos. As inscrições são feitas pelo telefone 3326-4115. O atendimento acontece de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.

Chef

Ilda Ferreira trabalhou como cozinheira na Faculdade de Engenharia Elétrica da USP. Empreendedora no ramo de alimentação é experiente em produção e venda de salgados.

empada

Oficina de Empadas
Data: 09/08
Horário: 13h30 às 16h30
Local: Cresan Butantã
Endereço: Rua Nella Murari Rosa, 40 – Butantã
Atividade Gratuita

Copa: como equipes corporativas podem se inspirar nas seleções de futebol

Um técnico, um capitão, jogadores na reserva, 11 homens em campo e um destino: ganhar. Este é o roteiro de uma partida de futebol. Porém, modificando algumas peças, poderia ser também o perfil de uma equipe corporativa atrás de um objetivo em comum. O coach Edson Moraes, formado pelo Instituto EcoSocial e certificado pelo ICF – International Coach Federation, responde algumas questões e mostra que as várias seleções que participam do maior campeonato do mundo de futebol podem ensinar muito para profissionais de diversas áreas. Confira:

1 – Como um time de futebol pode inspirar uma equipe corporativa? Quais semelhanças?
Edson Moraes – Entendo que toda e qualquer modalidade desportiva, que seja disputada por equipes, sirva como metáfora para trabalhos relacionados à liderança ou à busca de resultados em uma corporação. Em ambos os casos há a figura de um ou mais líderes, papéis e responsabilidades distintas, necessidade de trabalho colaborativo e foco no resultado.

2 – O técnico define os jogadores, mas o talento pessoal, conta. Porém, o individualismo pode prejudicar uma partida. E no ambiente profissional?
EM – Depende da situação. Equipes comerciais tendem a ser baseadas na atuação de talentos individuais, pois o trabalho colaborativo é incomum nesses casos, uma vez que as pessoas não querem compartilhar contatos nem oportunidades de negócios com ninguém que seja uma ameaça ao seu resultado pessoal. Equipes de produção, suporte ou apoio a negócios precisam ser mais colaborativas. Nessas, o individualismo pode prejudicar o resultado coletivo e a garantia dos processos.

futebol - pixabay

3 – No caso do time de Portugal, muitos disseram que Cristiano Ronaldo “carregava o time”. No mundo corporativo isso pode acontecer?
EM – Muito difícil encontrar este modelo em empresas grandes, mas certamente ocorre em empresas de pequeno ou até médio porte. Tais empresas muitas vezes estão baseadas nas habilidades, competências ou networking de seus líderes e dependem deles para buscar resultados.

4 – Isso pode ser prejudicial? E como evitar que isso aconteça?
EM – Pode ser prejudicial se a empresa crescer e continuar a depender de uma única pessoa. Aprender a delegar e descentralizar processos, decisões e ações são requisitos fundamentais para o desenvolvimento da carreira e da empresa.

5 – No futebol tem se o líder principal (técnico) e outro dentro do campo (capitão)? E no mundo corporativo? Isso não confunde?
EM – O conflito (geralmente de egos) acontecerá se não houver uma clara definição de papéis e responsabilidades. Um bom técnico precisa de um jogador em campo que faça a diferença na liderança do time. Em uma empresa, o principal gestor necessita de líderes que saibam conduzir suas equipes.

Seleção Brasileira comemorando um gol -
Seleção Brasileira – Foto FIFA-Getty Images

6 – O técnico da Espanha admitiu que assim que terminasse o campeonato, deixaria o cargo para treinar o Real Madrid. Porém, ao saber disso, a Federação Espanhola o demitiu às vésperas da Copa. Em um ambiente corporativo, quais as consequências de algo similar? Os funcionários se recuperariam do susto rapidamente?
EM – Sim, os funcionários se recuperam rapidamente. Quanto à atitude do técnico da Espanha, o que pesa é a ausência de lisura e ética no processo. Um profissional deve honrar seus compromissos e sua palavra. Venho do mercado financeiro, onde um “fechado” em um negócio não poderá nunca ser revisto. Apesar da quantidade de contratos assinados em qualquer processo do mundo dos negócios, honrar a palavra ainda tem um simbolismo importante em qualquer meio.

7 – Quando um time ganha, de modo fácil ou com muitos gols, é possível que se ache o grande favorito. Essa soberba pode atrapalhar? Trace paralelos.
EM – Como no mercado de ações, ganhos passados não garantem resultados futuros. Um investidor sabe disto e um empresário deve partir sempre desta mesma premissa. Um bom resultado, mesmo que uma goleada, não garante que o próximo negócio ou período traga resultado equivalente. A experiência conta muito no mundo corporativo e faz com que evitemos cometer os mesmo erros novamente, mas não garante que o resultado seja sempre o mesmo. Foco, observação de mercado e presença ativa e consciente na gestão da empresa trazem consistência nos resultados, mas não garantem vitórias sempre.

8 – O contrário também. Como se recuperar de uma derrota, mesmo que pequena?
EM – Da mesma forma, observar os erros, não se deixar abater e manter o foco nos objetivos. Não há pessoa ou empresa que não tenha sofrido algum revés. Saber avaliar a derrota, identificar os erros e ponderar se vale a pena continuar no jogo são aspectos importantes. Muitas vezes, sair do jogo é uma saída mais inteligente do que permanecer perdendo.

futebol derrota - daniel reche pixabat
Foto: Daniel Reche/Pixabay

9 – E se a derrota for acachapante, como os inesquecíveis 7 x 1 entre Alemanha e Brasil, em 2014? Como superar isso em um ambiente de trabalho?
EM – Certamente trocar o quadro de gestores será o primeiro passo. Depois disto, estabelecer novos objetivos, redefinir o time, treinar e voltar a campo.

10 – Faça um resumo do que podemos aprender, profissionalmente, assistindo aos jogos e vendo as equipes em campo.
EM – Tomando-se como base as competências essenciais definidas pelo Fórum Econômico Mundial, devemos observar como são resolvidos os problemas complexos de uma partida (como reverter um placar desfavorável); o uso da criatividade na construção de jogadas; perceber como o técnico monta seu time e quais mudanças ele faz ao longo da partida (alguns jogadores essenciais saem lesionados e outros por baixo desempenho); observar como o time desenvolveu sua inteligência emocional e como reage às pressões psicológicas da partida; como são tomadas as decisões em campo; como negociam entre eles e com o juiz; e como lidam com os aspectos cognitivos (como fazer a leitura do adversário, dos árbitros, da torcida e do próprio time). Enfim, um time pode nos ensinar muito sobre habilidades sutis que podem ser empregadas em nosso dia a dia corporativo.

Fonte: Edson Moraes é sócio do Espaço Meio, Executive Coach desde 2014 e Consultor (Gestão & Governança) desde 2003. Foi Executivo do Bank of America entre 1982 e 2003. Seguiu carreira na Área de Tecnologia da Informação, foi Head do Escritório de Projetos e CIO por 4 anos. É Master em Project Management pela George Washington University. Participou de programas de educação executiva na área de TI ( Stanford University, Business School São Paulo e Fundação Getúlio Vargas). 

 

Sobrenome corporativo: quem ainda precisa dele?

Para quem tem mais de 40 anos, é comum se lembrar de estar em um evento e conhecer alguém que se apresentava assim: José da Silva, da Cia. XYZ, esta última parte, o sobrenome corporativo. Porém, com as mudanças muito rápidas das últimas décadas, como a chegada da Internet, de novas tecnologias e da chamada geração millennials, parece que acrescentar esses sobrenomes não tem mais tanta importância assim.

O coach Edson Moraes, formado pelo Instituto EcoSocial e certificado pelo ICF – International Coach Federation, afirma que tanto na sua experiência em consultoria quanto em seu escritório de coaching, atuando com profissionais de diversas áreas, formações e idades, considera que a questão do sobrenome corporativo deva ser observada, sim, sob um prisma geracional.

“Baby-boomers (nascidos entre o final da segunda guerra e o início dos anos 60) e a geração X (de 1960 até o início dos anos 1980) consideram relevante o nome da empresa que se apõe aos seus no momento de se identificarem. Dá um certo orgulho ser apresentado como ‘Fulano de Tal da Cia. X’, pois o sobrenome corporativo, utilizado por tempo determinado, identifica uma casta, uma forma de pensar, uma forma de ser percebido pelo mercado e pelos pares. Geralmente, promove certo status e faz com que o profissional se sinta valorizado e reconhecido por todos, sendo útil também para abrir portas e receber convites para eventos, viagens e encontros com seus pares”, indica Moraes.

cartão de visita
Pixabay

Por outro lado, as gerações abaixo dos 40 anos lidam diferentemente com o tema, sem que isso signifique necessariamente desprezar o sobrenome corporativo. Porém, esses aprenderam a lidar com outras formas de se relacionar com o trabalho, incluindo o empreendedorismo como uma alternativa concreta e desejada, além de considerar irrelevante o período de permanência nessa ou naquela empresa para suas identidades.

“Por essa razão, reter talentos tem sido um grande desafio para as empresas, atualmente. Esta geração se identifica com o propósito, os valores e os projetos da empresa na qual está, algo menos impactante para os mais velhos. O nome da empresa conta, principalmente se for ligada à transformação digital, mas, nesse caso, mais pelo efeito relevante na mudança da sociedade que pela ‘tradição da marca’. Profissionais mais novos buscam realizar transformações positivas na sociedade por meio do trabalho, enquanto os mais velhos ainda querem a estabilidade de uma empresa”, afirma o coach.

A demissão & o luto

tristeza dor depressão mulher pixabay

Também não é incomum presenciar algo que ocorre com as pessoas que costumam usar o sobrenome corporativo: após serem demitidas (ou se demitirem/aposentarem), acabam se sentindo transtornadas, como se tivessem perdido a própria identidade.

“Como em processos de separação litigiosa ou morte de uma pessoa querida, a demissão ou a aposentadoria nos obriga a adaptar a vida sem o antigo empregador por meio da reconstrução de significados”, explica Moraes. Ele acrescenta: “A retirada do sobrenome corporativo de uma pessoa pode significar, muitas vezes, a perda de sua identidade profissional, mas não significa que o mesmo ocorra com sua carreira, profissão e objetivos”.

Moraes indica que essa é uma chance de aproveitar a oportunidade para pensar no que se deseja para o futuro: “Baseie-se em seu propósito, seus valores e suas crenças para definir para onde mirar, rever seus objetivos, permitir-se escrever novos planos e definir ações para alcançá-los. Isto facilitará a relação com essa perda e a identificação de novos percursos”.

Um dos caminhos para contornar esse momento, segundo Moraes, pode ser trilhado pelas tarefas essenciais descritas pelo psicólogo Dr. J. William Worden em “Terapia no Luto e na Perda”, que podem ser assim adaptadas às demissões ou aposentadorias:

• Aceitar a realidade da perda: ser demitido significa simplesmente ter um contrato encerrado. A vida se mantém e novas oportunidades se apresentam;
• Trabalhar a dor advinda da perda: compreender que não participar da antiga empresa não significa que as possibilidades se encerraram lá. Sem dúvida que qualquer rejeição é dura, mas perceber que quanto mais rápido assimilar esta dor, mais facilmente estará preparado para buscar outro trabalho;
• Compreender que aquele lugar não será mais frequentado: tudo muda o tempo todo. Neste caso, do crachá à rotina diária de sair de casa e tomar um determinado caminho deverão ser repensados. Incluir outra rotina na vida, mesmo que seja a disciplina para buscar um emprego ou nova atividade já é uma forma de trabalho que requer nova atitude;
• Prosseguir com a vida, embora as lembranças sempre irão existir: guarde as memórias e os relacionamentos. Certamente a experiência será útil em um futuro próximo, tanto na busca de recolocação ou na definição de novas atividades quanto no networking requerido no caminho da carreira.

Mudando as relações

empresa trabalh executivos pixabay
Pixabay

E por que os profissionais mais jovens provavelmente não passarão por este luto? Moraes credita as mudanças à percepção de que o aumento de produtividade e a redução de trabalho, com consequente aumento de tempo livre, algo que a tecnologia traria aos profissionais, não ocorreu na realidade. Notou-se que o ônus de atividades nem sempre compensava o bônus no final de um período. Isso para todas as áreas, profissões e idades.

Dessa maneira, diversos profissionais das gerações mais velhas também buscam mudanças na sua relação com o trabalho. Mesmo com uma carreira estabelecida, compreender que há vida além do trabalho e que há muito a se viver com ou sem reforma na previdência faz com que se reflita sobre a relação com o trabalho e a forma de se relacionar com a atividade profissional. Hoje é mais simples fazer escolhas do que foi no passado. Incluir temas como qualidade de vida, convívio com a família, tempo de estudo e lazer não são tabus que poucos poderiam sonhar em considerar na vida.

“Os jovens talvez percebam isso de forma mais explícita, até pelo exemplo que têm em casa, mas muitos, de qualquer geração, refletem sobre a carreira e a forma de se relacionar com o mundo do trabalho. Há muita gente dispensando o sobrenome corporativo pelo seu próprio nome, mesmo que isso signifique uma redução na remuneração. Um problema para as empresas e suas áreas de RH, pois, como falei antes, está cada vez mais difícil reter talentos de qualquer idade, seja no auge de sua capacidade produtiva ou no vigor de seu potencial. Como oferecer qualidade de vida exigindo-se o sangue?”, questiona.

Moraes propõe uma reflexão sobre qual o propósito de cada um. Perceber o que nos move a partir do que dá sentido à vida talvez ajude a perceber o quanto o sobrenome corporativo é efêmero e irrelevante. Tanto faz trabalhar para si ou para a corporação X ou Y, desde que algumas questões sejam claramente respondidas por cada um de nós:
• Faço o que amo?
• Utilizo o melhor de minha capacidade e dedicação? Faço bem feito?
• Consigo me sustentar com isso?
• Sirvo ao mundo?

Encontrar as respostas às perguntas acima e, mais do que isso, conseguir relacioná-las à vida profissional faz com que tenhamos o que os japoneses chamam de ikigai. Trata-se de algo que permite que encontremos um propósito na vida, uma razão para acordar todas as manhãs com alegria e disposição, com ou sem um sobrenome corporativo para nos identificar. “Portanto, fica a questão: qual é o seu ikigai?” – finaliza Moraes.

Fonte: Edson Moraes é sócio do Espaço Meio, Executive Coach desde 2014 e Consultor (Gestão & Governança) desde 2003. Foi Executivo do Bank of America entre 1982 e 2003. Seguiu carreira na Área de Tecnologia da Informação, foi Head do Escritório de Projetos e CIO por 4 anos. É Master em Project Management pela George Washington University. Participou de programas de educação executiva na área de TI ( Stanford University, Business School São Paulo e Fundação Getúlio Vargas). Conselheiro de Administração formado pelo IBGC, Coach pelo Instituto EcoSocial e certificado pelo ICF. Articulista e palestrante nas áreas de Governança, Tecnologia da Informação e Gestão de Projetos.

 

 

Você está preparado para viver em um mundo VUCA?*

Vivemos um tempo de desafios extremos, tanto para profissionais liberais quanto para pequenas e médias empresas e corporações. Segundo especialistas em gestão, vivemos em um “mundo VUCA”, expressão que nasceu durante a Guerra Fria, mas que está cada vez mais presente no vocabulário dos profissionais e dos empreendedores da nova economia.

VUCA é um acrônimo do inglês volatile, uncertain, complex e ambiguous e serve para descrever quatro características que estão presentes atualmente na vida de todos: volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade.

O principal impacto dessas características pode ser percebido na dificuldade de realizar qualquer planejamento em longo prazo. Entende-se que no mundo VUCA seja mais prudente ter agilidade na resposta às demandas imediatas do ambiente e nas ações de curto prazo do que projetar cenários longos e complexos.

empresa trabalh executivos pixabay
pixabay

Tal situação, contudo, afeta diretamente a nossa relação com as necessidades básicas dos seres humanos, como reconhecimento, segurança ou estabilidade. Por esta razão, é cada vez mais importante termos clareza do nosso propósito, da missão de nosso negócio e da identificação dos resultados buscados, mitigando o impacto da volatilidade que está ao nosso redor.

O mesmo vale para a incerteza, pois a forma de resolver os problemas de hoje talvez não sirva para compreender e resolver os problemas em um futuro próximo. Perceber a interdependência das coisas e considerar a complexidade das variáveis presentes na tomada de decisão fogem dos modelos de gestão de riscos tradicionalmente utilizados em processos corporativos e atitudes individuais. Como consequência, é improvável que ações isoladas tenham algum efeito em um sistema interconectado.

A ambiguidade está presente na ausência de clareza ao se analisar contextos complexos. Experiências anteriores não garantem que a solução para um problema sirva em um novo cenário, uma vez que este pode propiciar diversas interpretações cabíveis.

Desenvolver habilidades específicas será um caminho de empoderamento que viabilizará melhores ações de contorno no mundo volátil, incerto, complexo e ambíguo. Uma vez que as mudanças são inevitáveis, a inteligência emocional, a autoestima e a resiliência são essenciais para lidar com a volatilidade e com as adaptações requeridas na transformação do cenário.

Para lidar com as incertezas, a flexibilidade é o caminho para a adaptação constante à realidade que se transforma. A impossibilidade de certezas sobre qual caminho seguir sugere que tenhamos a mente aberta para o desenvolvimento da criatividade e da capacidade de resolução de problemas complexos.

No caso da complexidade do mundo, competências como teamworking, pensamento crítico e flexibilidade cognitiva são as ferramentas que permitirão ampliar a visão sobre o contexto, viabilizando a elaboração de soluções mais aderentes às necessidades.

grupo reunião trabalho união.png
Pixabay

A ambiguidade requer que tenhamos uma grande habilidade de negociação, tanto interiormente quanto com os participantes da situação, pois o caminho a seguir não será necessariamente similar às decisões sustentadas no passado. Aprender com os erros e analisar a situação por outra perspectiva requerem uma postura firme e disposição para assumir novos riscos.

Enfim, no mundo VUCA, é fundamental que se tenha ousadia. Pois é sendo ousado que poderemos analisar os problemas em potencial e suas variáveis, entenderemos as consequências de cada problema e as possíveis ações requeridas, avaliaremos a interdependência das variáveis identificadas e nos prepararemos para as alternativas e seus desafios.

*Edson Moraes é sócio do Espaço Meio, Executive Coach desde 2014 e Consultor (Gestão & Governança) desde 2003. Foi Executivo do Bank of America entre 1982 e 2003. Seguiu carreira na Área de Tecnologia da Informação, foi Head do Escritório de Projetos e CIO por 4 anos. É Master em Project Management pela George Washington University. Participou de programas de educação executiva na área de TI ( Stanford University, Business School São Paulo e Fundação Getúlio Vargas). Conselheiro de Administração formado pelo IBGC, Coach pelo Instituto EcoSocial e certificado pelo ICF. Articulista e palestrante nas áreas de Governança, Tecnologia da Informação e Gestão de Projetos

 

 

Dicas de como combinar acessórios para o dia a dia de trabalho

Sempre pensando em inovar e trazer novas coleções para uma mulher antenada ao mundo fashion, a Rommanel dá dicas de como harmonizar bolsas com acessórios para a rotina de trabalho, sem deixar a composição exagerada.

A Coleção Anual 2018, desenvolvida pela equipe criativa da marca, traz sua principal inspiração linkada ao perfil de seis mulheres com suas personalidades únicas e que são apresentadas através de diversos modelos.

No estilo Raquel, por exemplo, que apresenta uma mulher forte e workaholic, os acessórios são básicos, mas ao mesmo tempo elegantes, versáteis e com apelo fashion, apostando fortemente no geométrico.

Para a harmonização de looks no perfil Raquel, Rommanel traz a dica que combina braceletes e maxibrincos em formato triangular, com uma bolsa estruturada da mesma cor da roupa, por exemplo, proporcionando alongamento à silhueta e trazendo mais destaque aos acessórios, que podem ser banhados a ouro ou rhodium.

mulher rommanelmulher trabalho rommanel

Para quem busca pelas principais tendências do mundo fashion, o earcuff propõe ousadia e modernidade ao look, trazendo à peça em opções variadas e cravejadas com zircônias.

Informações: Rommanel

Cinco dicas para se alimentar bem durante o trabalho

Ontem, foi comemorado o Dia do Trabalho e é preciso lembrar que, com a correria diária entre um compromisso e outro, comer de maneira adequada fora de casa passou a ser um grande desafio para muita gente. Pensando nisso, o nutricionista clinico e esportivo Rafael Amaral listou cinco dicas para quem quer manter uma dieta saudável durante o trabalho. Confira:

marmita saudável anediblemosaic

=Programe-se e se possível, prepare marmitas – tenha sempre em mãos opções de lanches mais saudáveis, como por exemplo, nuts (castanhas e frutas secas) ou alguma fruta. Se possível, prepare também seu almoço, com proteína, grãos, legumes ou verduras e acondicione em potinhos, para comer no trabalho.

suco industrializado no supermercado pinterest
Pinterest

=Evite sucos e bebidas industrializadas – bebidas prontas são ricas em açúcar, corantes, conservante e outros ingredientes artificiais. O ideal é priorizar sucos naturais, chás e água.

mulher bebendo agua pixabay
pixabay

=Mantenha-se hidratado – beba em média dois litros de água por dia. A água ajuda a eliminar toxinas e manter o bom funcionamento dos rins.

20170822_00_alimentacao_prato_comida1

=Evite fazer grandes refeições no almoço – comer muito costuma diminuir a produtividade e aumentar a sensação de cansaço, o que pode prejudicar seu rendimento no trabalho. Procure opções mais leves e com ingredientes integrais, para ajudar na sensação de saciedade.

prato taça talher laurentvalentinjosp pixabay
Foto: LaurentValentinJospi/Pixabay

=Evite pular as refeições ou ficar sem comer por muito tempo – quando o intervalo entre refeições é muito grande, a fome também é maior, assim como a quantidade de comida. Procure fazer refeições menores de três em três horas.

Fonte: Rafael Amaral é graduado em Nutrição pela Universidade Anhembi Morumbi, Pós-graduado Nutrição Esportiva pela USP e em Nutrição Clínica pelo IDPC.