Arquivo da tag: coração

Petz oferece nova vacina contra o verme do coração em cães

Medicamento previne a dirofilariose, doença transmitida por mosquito e provocada por um verme que se aloja no coração do pet; a incidência é maior no litoral, mas há casos também em outras regiões

Quando começa a esquentar o tempo, as famílias viajam mais com os pets para a praia. Mas é justamente nesta época mais quente que aumentam os casos de dirofilariose, uma doença provocada por um verme que se aloja no coração dos pets, transmitida por mosquito nas regiões litorâneas. Para proteger os bichinhos de estimação, a Petz oferece uma nova vacina que previne contra o parasita dirofilária, causador da doença.

“O melhor remédio é a prevenção. Basta uma dose por ano, para proteger os bichinhos de estimação. Apesar de a doença também afetar os gatos, o medicamento é indicado apenas para cães a partir de nove meses de idade”, explica o veterinário da Petz Felipi Bruno Espada. Antes, a única forma de prevenção era a aplicação mensal de vermífugos ou de medicamentos específicos para dirofilariose. A incidência da doença é maior no litoral, mas há casos também em outras regiões.

Sinais

Apatia, tosse, falta de ar, perda de peso, cansaço e dificuldade para se exercitar são alguns dos sinais da doença, que vem se espalhando de forma silenciosa. “Pode ser detectada com um simples teste de sangue e, caso seja diagnosticada cedo, as chances de recuperação são maiores”, explica o veterinário. Quando instalada, a dirofilariose reduz expectativa de vida, pode deixar sequelas graves e até matar por insuficiência cardíaca súbita.

Cuidados com o coração do pet cachorro

Como tratar

O tratamento é voltado para acabar com as microfilárias (vermes jovens), evitando que novos parasitas cheguem à fase adulta e, com isso, se reproduzam e ocupem mais espaço no coração e nos vasos sanguíneos no pet. “É importante, além da prevenção, fazer check-up antes e depois das viagens, para obter informações com os veterinários sobre a melhor forma de proteger e tratar dos pets”, orienta o veterinário.

Fonte: Petz

Anúncios

Cardiologista esclarece mitos e verdades da arritmia cardíaca

Caracterizada por provocar alterações no ritmo dos batimentos cardíacos ou na condução do estímulo elétrico, a arritmia cardíaca, em muitos casos, é capaz de desencadear problemas graves, como a parada cardíaca; palpitações, desmaios e tontura são alguns sintomas

Sentir o coração bater fora do ritmo, como se tivesse uma “batedeira” dentro do peito, pode ser sinal de arritmia cardíaca. A condição, que altera o ritmo dos batimentos cardíacos, é uma das principais causas de morte súbita no país. Estimativas mostram que cerca de 2 milhões de brasileiros sofram de arritmia. A partir de um diagnóstico adequado, é possível reduzir seus riscos. Para cada tipo de arritmia, há um tratamento diferente que aumenta as chances de cura do paciente.

O cardiologista Enrique Pachón, responsável pelo Serviço de Arritmias Cardíacas do HCor – Hospital do Coração, alerta: “Apesar dos grandes progressos com o advento de novos medicamentos e com a evolução de medidas preventivas, no Brasil ocorrem cerca de 250 mil casos de morte súbita. Ou seja, a cada 2 a 5 minutos uma pessoa morre em decorrência da arritmia”, informa.

Confira alguns mitos e verdades da doença:

As arritmias podem ser prevenidas?
Verdade: é fundamental adotar hábitos de vida saudáveis, como ter uma dieta equilibrada, evitar o cigarro e o excesso de bebidas alcoólicas, além de fazer exercícios físicos regularmente. “O ideal é que, ao menos uma vez ao ano, sejam feitos exames preventivos. Palpitações ou batimentos irregulares são sinais de atenção”, explica Pachón.

coração estetoscopio
Foto: Imelechon

Há diferentes tipos de arritmia?
Verdade: existem arritmias benignas e malignas. As benignas, geralmente, provocam sintomas desagradáveis como palpitações, mas não colocam o paciente sob risco de vida. Já as malignas podem levar o paciente à morte súbita rapidamente. Ambas podem ocorrer também na total ausência de sintomas.

A palpitação é o único sintoma da arritmia?
Mito: além da palpitação, desmaios e tonturas, segundo Pachón, são os mais frequentes e devem servir de alerta. “Confusão mental, fraqueza, pressão baixa e dor no peito são menos comuns, mas podem se manifestar. No entanto, muitos casos são assintomáticos, o que aumenta o seu risco, pois, sem sintomas, o paciente não procura atendimento médico”, explica.

A morte súbita só ocorre se fizer muito esforço físico?
Mito: a doença acomete indivíduos independentemente da faixa etária ou sexo. A maior porcentagem de ocorrência está no grupo de pessoas que possuem doenças cardíacas, entre os que já sofreram parada cardíaca e naqueles que têm histórico familiar, como pais, avós, tios, irmãos etc. O exercício físico realizado corretamente e na quantidade adequada, é uma ótima forma de prevenir muitos problemas cardíacos.

A morte súbita pode ser evitada?
Verdade: em muitas vítimas, a morte súbita é reversível, se tratada rapidamente. Quando as manobras de ressuscitação cardiopulmonar são realizadas no período entre 5 a 7 minutos após a parada cardíaca, a chance de sobrevida é maior que 50%. O local onde mais ocorrem essas mortes são no domicílio do paciente e não nos hospitais. A população deveria estar preparada para atender uma parada cardíaca, o que é possível a partir de manobras muito simples. Isso evitaria a perda de muitas vidas diariamente.

coração6

Arritmia em números
· 5% da população brasileira possui algum tipo de arritmia;
· 450 mil casos de morte súbita por ano ocorrem nos Estados Unidos;
· 250 mil casos de morte súbita por ano ocorrem no Brasil;
· A cada 2 minutos ocorre uma morte súbita no Brasil.

Fonte: Serviço de Arritmia Cardíaca do HCor

 

Consumir vegetais é saudável ao coração. Mas de quem?

Dados sobre adultos não podem ser atribuídos a adolescentes de imediato, mostra pesquisa

Por Raphael Concli – Editorias: Ciências da Saúde

 

20170822_00_alimentacao_prato_comida1
A relação entre hábitos alimentares e prevenção de doenças cardiovasculares em adolescentes precisa de maiores estudos – Foto: Visual Hunt/CC

É comum que se associe o consumo de alimentos como frutas e vegetais à manutenção de uma vida saudável. De fato, pesquisas diversas apontam como este hábito associa-se à redução do risco de diversas doenças, como câncer, diabete e doenças cardiovasculares. Entretanto, se estas constatações podem ser ditas com segurança em relação à população adulta, o mesmo vale para adolescentes?

Esta é a questão geral que guiou os autores do artigo O papel das frutas e vegetais na saúde cardiovascular de adolescentes: uma revisão sistemática, que ganhou destaque na edição de maio deste ano da Nutrition Reviews, uma das publicações mais importantes do mundo no campo da nutrição. Embora o estudo tenha notado que o consumo de frutas, legumes e verduras por adolescentes está muito abaixo da recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) de cinco porções ao dia, não é possível afirmar que este baixo consumo esteja relacionado a riscos cardiovasculares em pessoas nesta faixa etária. E a própria medição deste consumo é também um problema.

“Os adolescentes são um grupo etário pouco estudado, por conta da sua alta complexidade e constantes alterações biológicas, psíquicas e sociais”

De modo geral, pesquisas na área “costumam associar a ingestão de alimentos ricos em gorduras saturadas, sódio e açúcar com o desenvolvimento de indicadores de risco cardiovascular em adolescentes”, afirma Tatiana Collese, primeira autora do artigo e doutoranda em medicina preventiva pela Faculdade de Medicina (FM) da USP. Entretanto, “os adolescentes são um grupo etário pouco estudado, por conta da sua alta complexidade e constantes alterações biológicas, psíquicas e sociais”, adiciona a pesquisadora, o que leva a uma falta de definição clara sobre o que de fato seja risco cardiovascular nestas pessoas. Além disso, como o consumo de frutas e vegetais neste grupo é muito baixo, não é possível afirmar quais efeitos este hábito pode ter em sua saúde.

Ausência de critérios

O resultado inconclusivo deriva da falta de critérios comuns dentre a própria comunidade científica neste tipo de pesquisa.

Mais de 5.600 artigos a respeito da relação de riscos de doenças cardiovasculares em adolescentes e consumo de frutas e vegetais foram considerados no estudo. Como conta Tatiana, em muitos destes a classificação do que é ser adolescente diferia daquela adotada pela OMS: pessoas maiores de 10 e menores de 19 anos.

Notou-se também uma grande variedade de métodos para classificar o consumo de frutas e vegetais neste grupo. “Não há consenso quanto ao melhor método para se avaliar o consumo alimentar em adolescentes”, diz Tatiana. Além disso, constatou-se inclusive a falta de padronização nos critérios sobre o que é risco cardiovascular em adolescentes.

20170817_01_frutas-e-vegetais
Poucos estudos sobre adolescentes levam em conta a recomendação da OMS quanto ao consumo adequado de frutas e vegetais – Cesta de Frutas, de Giuseppe Arcimboldo via Wikimedia Commons

“Antigamente, as doenças cardiovasculares surgiam apenas nos nossos avós. Não se cogitava medir indicadores, como a glicemia ou a pressão arterial, nos adolescentes, já que era muito improvável desenvolver tais riscos em idades precoces sem ser congênito. Portanto, estudar risco cardiovascular em adolescentes é assunto inconclusivo”, destaca a pesquisadora.

De todo modo, revisões como esta permitem justamente identificar caminhos que futuras pesquisas podem percorrer, a fim de mostrar se aquilo que se observa em adultos pode ser dito de adolescentes. Como diz Tatiana, o trabalho do grupo ressalta “a necessidade de padronização destes critérios, a fim de se obter uma classificação unificada, capaz de estimar a prevalência global de risco cardiovascular em adolescentes e possibilitar comparações válidas entre as nações”.

Fonte: Jornal da USP

Cardiologista esclarece as cinco dúvidas mais comuns no consultório

Muitos acreditam que o cardiologista só deve ser procurado em caso de doença. Porém, com o passar dos anos, visitar um especialista e fazer um acompanhamento preventivo é fundamental para evitar riscos à saúde do coração. O desafio é convencer as pessoas a ir ao especialista para fazer o check up.

“Hoje em dia, com a necessidade de avaliar fatores de risco e o risco cardiovascular, a consulta ao cardiologista tornou-se muito importante”, afirma Dr. Roberto Cury, cardiologista que integra o corpo clínico do Delboni Medicina Diagnóstica. Ele complementa que é fundamental realizar um acompanhamento, principalmente quando há histórico de doença cardiovascular na família ou fatores de risco associados, como hipertensão, diabetes, tabagismo, sedentarismo e dislipidemia. Abaixo, o especialista lista cinco dúvidas comuns no consultório médico:

– Qual a periodicidade indicada para consultas no cardiologista?

medico shutt
Foto: Shutterstock

A avaliação cardiológica preventiva deve ser realizada para a liberação para as atividades físicas e esportes principalmente de caráter competitivo. Além disso, indivíduos com fatores de risco citados acima e principalmente pacientes com história familiar de doença coronariana devem fazer avaliações precoces. A periodicidade de consultas com o cardiologista irá variar conforme a estratificação de risco e diagnóstico estabelecido mas consultas anuais são recomendadas. Todo paciente entre 30 e 40 anos de idade deve passar por uma avaliação cardiológica.

– Vou começar a fazer exercícios físicos com maior periodicidade. Preciso fazer exames para avaliar meu coração?

corrida

Sim. Mesmo aqueles que nunca tiveram problema cardíaco precisam fazer uma avaliação clínica cardiológica e a estratificação de risco clínica e com exames não invasivos de acordo com o risco clínico de cada indivíduo. uma avaliação preventiva ao incluir na rotina atividades físicas. “Dependendo do tipo e intensidade da atividade física é possível que aqueles que têm alguma doença que ainda não se manifestou, em repouso possa apresentar algum sintoma durante ou após o esforço, alerta o médico.

– Posso continuar comendo alimentos ricos em gordura e compensar com atividades físicas?

fast food

Não. É sabido que as atividades físicas ajudam a diminuir os níveis de gordura no sangue, mas se o consumo é muito grande, isso pode ser prejudicial à saúde cardiovascular. “A gordura deve fazer parte de uma dieta balanceada, mas, deve-se preferir a ingestão de gorduras de origem vegetal, como azeite de oliva extra virgem e de alguns peixes ricos em HDL – a gordura “do bem”- , e evitar aqueles que aumentam o LDL, que é a gordura que se deposita nas artérias e que pode levar ao entupimento delas”, afirma Dr. Cury. É importante procurar orientação dietética com uma nutricionista para ter uma alimentação balanceada e saudável.

– Sinto-me muito cansada quando faço qualquer atividade física, como subir um lance de escada. Posso ter um problema cardíaco?

estresse__cansaco__tristeza

Nesses casos, é fundamental a avaliação do cardiologista ainda mais se esses sintomas forem de início recente, podendo necessitar de exames cardiológicos adicionais. Afinal, o cansaço pode ser resultado de vários fatores, não só de problemas cardíacos. O próprio sedentarismo contribui para o aumento do cansaço, e para a diminuição da capacidade cardiorrespiratória. “O cansaço resultante de um dia corrido, ou da prática intensiva de um determinado exercício é normal. O problema é quando essa sensação dura dias, semanas, e impede a prática de atividades rotineiras do dia a dia, como uma simples caminhada, por exemplo”, alerta o cardiologista.

– A pílula anticoncepcional pode fazer mal ao coração?

388x210_Contraceptive_Patch_vs_The_Pill-Pros_and_Cons

Esta resposta depende de vários fatores. A combinação de progestágeno e estrogênio podem aumentar os riscos de trombose e AVC em algumas mulheres. Por isso é importante conversar com o seu ginecologista sobre alguns pontos, como seu histórico familiar de problemas cardíacos e seus hábitos de vida, que também podem influenciar no aparecimento de alguma complicação. ‘Mulheres fumantes, hipertensas, com histórico de doenças autoimunes ou história de trombose também podem ter complicações devido ao tipo de pílula anticoncepcional”, finaliza o especialista.

Fonte: Delboni Auriemo Medicina Diagnóstica

Consumir a gordura certa pode reduzir o risco de doenças cardiovasculares

Estudos comprovam que consumo moderado de gorduras insaturadas tem papel importante na prevenção de doenças do coração

Consumo de gordura é sempre um tema que gera dúvidas, uma vez que muito se relaciona o seu consumo com obesidade e doenças crônicas. Por conta disso, é sempre importante reforçar as funções que a gordura tem no organismo e quais são os tipos que contribuem para a manutenção da saúde cardiovascular e redução do risco de doenças do coração.

Um artigo recentemente divulgado pelo Board da American Heart Association – uma das associações de maior renome na área – trouxe alguns resultados importantes sobre a relação entre as gorduras na dieta e as doenças cardiovasculares.

De acordo com estudos randomizados e controlados que foram analisados pela associação médica, fazer a substituição de gorduras saturadas por insaturadas diminui o LDL-colesterol, popularmente conhecido como colesterol ruim. Portanto, a moderação no consumo de gorduras saturadas, presentes na manteiga, creme de leite e carnes gordurosas, reduz em até 30% o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares.

becel_

Os resultados destas pesquisas representam uma ótima notícia para a população, já que as doenças cardiovasculares causam mais de 17 milhões de mortes por ano em todo o mundo.

A nutricionista Marcia Gowdak, diretora científica do Departamento de Nutrição da Socesp, explica que “As gorduras insaturadas contêm nutrientes essenciais não fabricados pelo nosso organismo, como os ômegas 3 e 6. A alimentação, portanto, é a única forma de consumi-los”.

Como conseguir aderir a estes hábitos na prática? Uma das dicas é substituir a manteiga, rica em gorduras saturadas, pelo creme vegetal, que contém ômegas 3 e 6. Outro ponto importante é dar preferência ao consumo de leite, iogurtes desnatados e queijos com baixo teor de gordura, como cottage ou ricota. Na escolha das carnes, preferir as que sejam mais magras e tenham menos gorduras aparentes, além de incluir peixes como salmão e atum, pelo menos duas vezes por semana.

raspberries framboesa iogurte vermelha

Vale ressaltar que consultas regulares ao médico são essenciais para avaliar fatores de risco ao coração, tais como, níveis de colesterol, pressão arterial e avaliação física. Além disso, a adoção de hábitos simples e fáceis de serem aplicados no dia a dia, como as dicas alimentares apresentadas, podem prevenir a doença cardiovascular que representa atualmente a maior causa de mortes no Brasil e no mundo.

Fonte: Becel

Especialista alerta sobre diferenças entre crise de ansiedade e problemas cardíacos

Um levantamento da Organização Mundial da Saúde (OMS) revela dados preocupantes sobre a saúde psíquica dos brasileiros. O país ocupa o 4º lugar no ranking dos países com mais pessoas ansiosas, ficando atrás, apenas, do Paquistão – que lidera a pesquisa com 28% da população com quadro de ansiedade -, dos Estados Unidos (25%) e da Colômbia (24%).

Cerca de 23% dos brasileiros já tiveram algum transtorno de ansiedade ao longo da vida, e os cardiologistas recebem, com cada vez mais frequência, pacientes com transtornos de ansiedade manifestando problema cardiológico.

A ansiedade é a antecipação de uma possível situação de ameaça. O medo é algo comum e protege as pessoas de diversos perigos. “No entanto, quando a sensação de angústia é permanente, gera reações físicas e atrapalha atividades cotidianas, e é preciso averiguar se a ansiedade ganhou um patamar patológico”, explica o cardiologista do HCor – Hospital do Coração, Abrão Cury.

Quando os especialistas recebem essas reclamações, são solicitados os exames de eletrocardiograma, teste ergométrico e holter para verificar se há algum problema cardiológico ou como o coração reagiu após a pressão da crise. Por vezes, por se tratar apenas de manifestações emocionais, não é constatada nenhuma desordem nos resultados.

cerebro coracao elisariva pixabay
Ilustração: Elisa Riva – Pixabay

Os sintomas, no entanto, nunca devem ser ignorados. “O pico de ansiedade aumenta a produção de hormônios como cortisol e adrenalina, diminuindo o calibre das artérias, o que pode levar ao infarto ou ao acidente vascular cerebral (AVC). Por isso, é importante deixar de lado a timidez, e a falta de tempo, e sempre procurar a ajuda de especialistas que indicarão os tratamentos mais adequados”, sugere o médico.

Em alguns casos, o tratamento com medicação, psicoterapia e terapia ocupacional são suficientes. O acompanhamento dura, no mínimo, seis meses, mas pode perdurar por mais tempo, variando para cada paciente. “O uso de antidepressivo, ansiolítico e psicoterapia, aliados à prática regular de atividades físicas, alimentação saudável, boas noites de sono e tempo para se dedicar ao lazer aumentam a qualidade de vida e são os métodos mais recomendados aos ansiosos”, finaliza.

Queixas mais comuns de ansiedade
· Falta de ar;
· Palpitações;
· Dores no peito;
· Dormência;
· Formigamento;
· Tremores em alguma parte do corpo.

Fonte: HCor

Seu cachorro está pedindo colo?

Cansaço fácil dos cães é um dos sintomas de problemas no coração; um a cada quatro cães com mais de sete anos tem algum tipo de doença cardíaca

Um dos primeiros indicativos de que a saúde cardíaca do cãozinho não anda bem é o cansaço fácil. “Se o cachorro pede colo durante um passeio, na rota que já estava acostumado, ele pode sofrer de problemas cardíacos”, atenta o médico veterinário da Equilíbrio (Total Alimentos), Marcello Machado. Dificuldade para respirar, fadiga excessiva, tosse e rejeição a atividades físicas podem ser sinais de que o coração do cachorro não está conseguindo suprir adequadamente os tecidos, causando insuficiência cardíaca ou outras doenças do coração.

De olho na alimentação

Mudanças no estilo de vida e na alimentação são fundamentais para que um animal cardiopata tenha qualidade de vida “junto com prescrição dos médicos veterinários, o cão precisa de alimentos específicos para cardíacos, com esses procedimentos combinados garantirá a ele bem-estar e longevidade”, explica.

A linha Super Premium da Total Alimentos possui um alimento coadjuvante no tratamento de cães com problemas cardíacos, Equilíbrio Veterinary Cardiac, que é rica em Taurina e L-carnitina, cujo auxiliam no funcionamento do músculo cardíaco, e possuem baixos teores de fósforo e sódio: “Os níveis dessas substâncias precisam ser controlados, pois o sódio pode gerar acúmulo de fluídos, e o fósforo em excesso pode gerar a sobrecarga dos rins e até uma doença renal, de tratamento muito mais complexo que uma doença cardíaca”.

Comida caseira não é aconselhada. De acordo com o médico veterinário, é difícil conseguir o perfeito balanceamento e equilíbrio nutricional por meio da comida preparada em casa pelo tutor do animal.

Sintomas:

-Dificuldade para respirar;
-Alteração da cor da língua;
-Rejeição a atividades físicas;
-Sono demasiado;
-Fadiga;
-Sede;
-Tosse.

CARDIAC CAO.PNG

Diagnóstico

O diagnóstico da doença cardíaca é realizado por meio de exames específicos: a bioquímica sérica (exame de sangue) e o ecodoppler cardiograma e deve ser realizado por um médico veterinário, de preferência, especialista em cardiologia.

Fonte: Total Alimentos

Índice de mortalidade por infarto pode aumentar até 30% no inverno

Durante o inverno é comum ver a maioria das pessoas se preocupando e tomando todos os cuidados contra gripes e resfriados. Mas esse pode não ser o grande vilão desta época do ano. Em estudo publicado pelo InCor (São Paulo) foi identificado que, em mais de 5 mil vítimas de infarto agudo do miocárdio, a mortalidade era 30% maior nos meses de inverno – ou até 44% maior, se considerados apenas os pacientes com mais de 75 anos de idade.

Pesquisadores da Unifesp, estudando quase 200 mil internações por insuficiência cardíaca congestiva no município de São Paulo, observaram que o pico de ocorrências está nos meses de junho, julho e agosto – sendo 20% superior às hospitalizações no auge do verão. Para diminuir esses números, é de extrema importância que ao notar os primeiros sintomas o paciente procure um pronto-socorro para atendimento imediato por profissionais capacitados.

Segundo Luiz Velloso, cardiologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo, os riscos de problemas cardiovasculares aumentam no inverno porque, com a queda da temperatura, diversos hormônios que atuam sobre o sistema circulatório podem apresentar aumento de atividade pela simples exposição do corpo ao frio intenso. “O resultado dessas alterações metabólicas é a contração das artérias, que leva ao aumento da pressão arterial e da frequência e intensidade das contrações cardíacas, sobrecarregando ainda mais o coração e o aparelho circulatório”, explica o médico.

Ao contrário do que a maioria das pessoas acredita, o infarto agudo do miocárdio pode se apresentar com manifestações clínicas consideravelmente diferentes do quadro clássico que todos conhecem, como dor intensa na face anterior do tórax e braços, náuseas, suor frio e dificuldade para respirar.

coracao

Muitos quadros apresentam sintomas distintos e, por este motivo, a atitude mais prudente é que todo paciente com desconforto ou dor no tórax de início súbito e sem causa evidente, seja levado imediatamente ao pronto-socorro e examinado como um potencial portador de infarto, até que este diagnóstico seja descartado – mediante avaliação do médico socorrista, que analisará um eletrocardiograma e até exames laboratoriais.

O cardiologista explica que procurar o pronto-socorro assim que identificar os primeiros sintomas pode ser decisivo para o quadro. “O infarto é causado pela obstrução aguda de uma das artérias coronárias, ou seja, o paciente sente dor no tórax enquanto o músculo de seu coração vai necrosando progressivamente. A perda de grandes quantidades desse músculo pode ser fatal, ou ter consequências dramáticas sobre a qualidade de vida do indivíduo. Quanto mais precoce o início do atendimento médico, maior a massa de músculo de seu coração que pode ser salva da necrose. Daí a importância do atendimento o mais rápido possível.”

No pronto-socorro, uma vez identificado o infarto agudo do miocárdio, a prioridade passa a ser a desobstrução imediata da artéria coronária que está causando todo o problema. Na Rede de Hospitais São Camilo, este tratamento é realizado mediante um cateterismo cardíaco de emergência, que permite visualizar a artéria e desobstruí-la com rapidez e segurança, no procedimento chamado de angioplastia primária.

Segundo Velloso, no caso do Pronto-Socorro do Hospital São Camilo, a triagem dos pacientes pré-atendimento médico é feita por enfermeiros capacitados por um rigoroso protocolo de atendimento à dor torácica, que traz segurança e bons resultados aos casos de infarto. “Os socorristas dos nossos hospitais são treinados para diagnosticar e iniciar o tratamento do infarto de imediato, antes mesmo da avaliação por um especialista em cardiologia, evitando perda de tempo em uma situação em que cada minuto é precioso.”

Fonte: Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo

Excesso de medicação antigripal pode afetar a saúde cardíaca

No inverno, o número de casos de gripe e resfriado aumenta significativamente. Em grandes cidades como São Paulo, por exemplo, a situação atual é ainda mais preocupante, já que, pela falta prolongada de chuvas, a qualidade do ar se torna cada vez pior. Como consequência, há um crescimento do consumo de antigripais.

Mas, se por um lado, estes medicamentos aliviam os sintomas típicos – e extremamente incômodos – das doenças respiratórias mais comuns nesta estação, por outro, eles também devem ser utilizados com cautela. “Alguns desses remédios contêm substâncias vasoconstritoras, como a pseudoefedrina. Por isso, podem contribuir ou agravar quadros de hipertensão, por exemplo”, explica Pedro Genta, pneumologista do Hospital do Coração (HCor).

Genta aconselha que pessoas saudáveis e, principalmente, hipertensos e cardiopatas, procurem orientação médica antes de fazer uso de antigripais. “Medicamentos com vasoconstritores podem elevar a pressão arterial e também descompensar doenças como a insuficiência cardíaca e insuficiência coronariana”, alerta o pneumologista do HCor. “Por isso, é fundamental procurar orientação médica para saber quais limites respeitar, conforme a idade, hábitos cotidianos e condições específicas de saúde. A automedicação sempre representa riscos à saúde”, afirma.

O pneumologista explica que exageros acontecem porque as pessoas – portadoras ou não de problemas cardiovasculares – já estão acostumadas a tomar diferentes tipos de remédio para cada um dos sintomas que venham a apresentar nesta época do ano. Outro grupo de medicamentos bastante consumidos no inverno, com efeitos colaterais potencialmente sérios, são os anti-inflamatórios.

gripe assoar o nariz

Esses medicamentos podem também aumentar a pressão arterial, provocar alteração do funcionamento renal, além de poder trazer efeitos gástricos como úlcera péptica. “Indivíduos portadores de doenças cardiovasculares devem ter orientação para o uso de qualquer medicação pelo potencial de agravar as suas condições de saúde ou de haver interação com as medicações que já toma”, considera o médico.

Para controlar essa situação, outra medida sugerida pelo especialista, além de uma consulta ao médico, está relacionada à prevenção das doenças respiratórias que incluem a vacinação contra a gripe, higiene frequente das mãos e manter hábitos de vida saudáveis. Segundo ele, manter uma dieta balanceada, proteger-se das alterações de temperatura e observar a duração adequada do sono são atitudes indispensáveis neste inverno.

shutterstock pilula remédio medicamento

“Fazendo isso fortalecemos o nosso sistema imunológico e evitamos que a ingestão constante de medicamentos seja necessária. Assim, podemos passar por esse período do ano de maneira saudável com ainda mais disposição”, conclui o pneumologista do HCor.

Fonte: HCor

Os efeitos silenciosos da hipertensão

Especialista alerta para a importância do tratamento da pressão arterial elevada, mesmo quando não há sintomas

A hipertensão arterial é o principal fator de risco para doenças cardiovasculares. Trata-se de uma doença silenciosa e assintomática na maioria dos casos. Sintomas como dor de cabeça, dor na nuca, náuseas, tonturas e falta de ar são frequentemente associados a essa condição, mas podem estar relacionados a outras doenças associadas.

No Brasil, cerca de 30% dos pacientes apresentam elevação da pressão arterial e o número de pessoas diagnosticadas cresceu em quase 15% nos últimos dez anos, segundo dados do Ministério da Saúde. O tratamento inadequado pode levar a complicações cardiovasculares e a redução na expectativa de vida.

A elevação da pressão arterial causa alterações nos principais órgãos – coração, cérebro, olhos e rins – e nas artérias que os irrigam. Assim, o hipertenso sem tratamento está sujeito a sofrer uma série de consequências, como infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral, aneurisma, insuficiência cardíaca, insuficiência renal, alterações visuais, impotência sexual e até demência.

hipertensão pressão

“Como medida de prevenção, em pessoas que não são hipertensas, é importante a aferição da pressão arterial, por um profissional de saúde, pelo menos uma vez ao ano. Quando o paciente é hipertenso, a frequência da medida depende do valor da pressão e do risco de cada caso. O valor ideal para a redução do risco cardiovascular é de 120 por 80, ou menos. Quando superior, principalmente se isso ocorre com frequência, é importante procurar um médico. Por não apresentarem sintomas, muitos hipertensos só o fazem quando já ocorreu repercussão sobre algum órgão”, afirma o cardiologista Thiago Macedo, do Hospital TotalCor.

Mesmo quando o paciente não apresenta sintomas, o tratamento da hipertensão deve ser feito de forma contínua e com acompanhamento médico periódico, o que reduz consideravelmente o risco cardiovascular. Na consulta, o profissional pode avaliar se há necessidade de ajustes na medicação e pode fornecer orientações sobre alimentação e prática de exercícios físicos, assim como solicitar exames para verificar a evolução clínica.

Fonte: Hospital TotalCor