Arquivo da tag: mulheres

“The Women”: nova proposta de autoconhecimento para mulheres

Lançado neste ano, projeto inovador propõe eventos para as mulheres com conteúdo sobre desenvolvimento pessoal, troca de informações e experiências inusitadas

A criação de conexões reais com outras pessoas e a absorção de conteúdo realmente enriquecedor e que promova desenvolvimento pessoal e profissional são buscas que fazem muito sentido na realidade que vivemos. Ainda mais se for algo voltado para o universo feminino. Por isso, acaba ser lançada em São Paulo uma proposta inovadora, o projeto “The Women”, da TKM Business Advisory, pensada exclusivamente para proporcionar essas experiências a mulheres de diferentes perfis.

Concebido por Theka Moraes, empreendedora que possui mais de 15 anos na área de negócios, o projeto “The Women” realiza um encontro mensal com 20 a 30 mulheres na capital paulista. Os temas dos eventos exclusivos podem ser uma aula de gastronomia, um coquetel ou um bate-papo com coach e especialistas sobre assuntos relevantes do dia a dia.

Experiências e networking

Cada experiência proporcionada pelo “The Women”, qualquer que seja o formato proposto, é feita para a mulher se desconectar das atribulações diárias, que podem estar relacionadas a emprego, família, relacionamento, maternidade e outras vivências do ser feminino, e se permitir fazer parte de um momento de descontração, troca de conhecimento e networking com outras mulheres.

“São reuniões mensais entre mulheres que têm como propósito manter conversas mais abertas sobre carreira, sentimentos e questões do universo feminino. O que o ‘The Women’ faz é atender a esse público que sente a necessidade de ter uma experiência de mais leveza e troca”, comenta Theka, fundadora do projeto.

Dois formatos de encontro dão cara ao “The Women”: o The Women Knowledge, com foco em conteúdo, autoconhecimento e networking, e o “The Women Tasty”, voltado para a experiência inusitada e o relacionamento, ou seja, um momento para bate-papos, descontração e relaxamento.

The Women

the women.jpg

O conceito inovador do “The Women” atende a mulheres que buscam ter um momento diferenciado do seu hall social e profissional. Nas reuniões e eventos já promovidos pela empresa, o público foi formado por profissionais como executivas, consultoras de imagem, empreendedoras, advogadas, professoras e psicólogas.

Experiência com jantar harmonizado

Além de todo o conhecimento promovido pelo “The Women Knowledge”, esse encontro será um momento exclusivo para as participantes se desconectarem das atribulações diárias e saborearem de um jantar feito pela personal Chef Luciane Cataneo, harmonizado com espumante oferecido pela Freixenet.

Como participar

O próximo evento abordará a imagem sustentável. O jantar acontecerá no dia 25 de outubro, das 19h30 às 22 horas, na Casa Miracolli, em São Paulo (SP). Para mais informações e reserva de vaga, as interessadas devem consultar o perfil no Instagram ou acesse aqui.

A promoção dos eventos é feita com patrocínio e apoio de empresas, como: Movida, Amilla, Dress & Go, Estética Santa Beleza, Luciane Cataneo personal chef, Cris Lopes, Suely Chapiro consultoria de imagem, Freixenet e Marcos Mesquita. A organização é feita pela TKM Business Advisory.

Quem participa do ‘The Women’

O conceito inovador do “The Women” atende a mulheres que buscam ter um momento diferenciado do seu hall social e profissional.

Sobre Theka Moraes

theka.jpg

Formada em Gestão Comercial na Anhembi Morumbi, de São Paulo, Theka Moraes possui ampla experiência no mercado de negócios e relacionamentos conquistados ao longo dos últimos 15 anos, com passagem pela área de negócios da revista Cool Magazine, da plataforma de networking Experience Club, da AEG World Wide, entre outras.

Salvar

Anúncios

Owme: cocriação de bolsa artesanal com arrecadação em prol da ONG Orientavida

A Owme celebrou a parceria e a cocriação de uma bolsa artesanal, com todo valor arrecadado nas vendas em prol de causas sociais, em tarde de troca de ideias e aprendizado com a ONG Orientavida, na flagship da Rua Oscar Freire.

O tecido utilizado na confecção da peça é produzido pela EcoSimple, em que cada metro é composto por oito garrafas PET e fibras residuais da indústria têxtil, sendo 100% sustentável.

A ONG Orientavida capacita e gera renda para inúmeras mulheres em situação de vulnerabilidade, ministrando cursos de bordado, corte e costura em presídios femininos.

Tati Soares
Tati Soares
Celeste Castro Chad
Celeste Castro Chad
Caroline Preta
Caroline Preta

owme

owme-12owme-22owme-3

Informações: Owme

 

Pole dance se tornou o ‘queridinho’ da mulher moderna

Exercício físico, dança, esporte. Essas são as palavras que definem o pole dance, modalidade na qual são realizadas performances e movimentos com o corpo utilizando-se uma barra vertical como apoio.

Por muito tempo o pole dance foi visto apenas como dança sensual. Em 1996, o filme ‘Striptease’, estrelado pela atriz Demi Moore, trouxe cenas eróticas de sua personagem no pole dance, o que contribuiu para que a modalidade ficasse atrelada à sensualidade. Certamente ela não perdeu essa faceta, mas hoje é também encarada como esporte, com campeonatos de alto nível técnico, e como prática fitness.

A verdade é que o pole dance se consolidou no Brasil e caiu nas graças das mulheres, como no caso de Vanessa Esteves Reichert, professora de pole dance há oito anos e uma das sócias do estúdio V, localizado no bairro Vila Madalena, na capital.

Aberto há pouco mais de um ano, o estúdio nasceu de uma amizade com sua aluna e sócia, a publicitária Mayra Cordeiro. Elas e as praticantes de pole, Priscilla Lombardi e Kathia Calil, elencaram as cinco principais razões do pole dance ter se tornado o queridinho da mulher moderna:

1) Autoaceitação e relação positiva com o corpo

Vanessa_(19)180717_170843

Vanessa_(4)180717_170843
Vanessa 

O pole tem efeitos incríveis na relação da mulher com o corpo, começando pelo uso de roupas bem curtas, que favorecem o atrito da barra com a pele. “Durante as aulas precisamos nos encarar em um espelho enorme com roupas pequenas, nos fazendo enfrentar nossos próprios preconceitos com o corpo”, explica Vanessa.

As aulas, portanto, acabam sendo um grande processo de autoaceitação. “As alunas passam a se gostar mais e percebem que são mais fortes e bonitas do que imaginavam”, acrescenta.

Para a gerente comercial e aluna de pole há um ano e meio, Priscilla Lombardi, de 29 anos, a prática acaba até sendo uma sessão de terapia. “Eu sempre fui muito magra e já sofri bullying por isso. No pole, você passa a se amar mais”, revela.

2) Pós-parto: reencontro com o corpo

kathia2

Kathia_(1)180717_170634
Kathia

A maioria dos médicos não recomenda o pole dance durante a gravidez, por ser uma atividade com alta probabilidade de queda. No entanto, a prática é recomendada no pós-parto, quando muitas mulheres buscam se reconectar com seu corpo.

É o caso da atriz de 31 anos, Kathia Calil. Praticante de pole dance há três anos, ela voltou às aulas um mês após o parto. “Fazer uma atividade que traz força corporal e emocional é muito importante porque eu preciso estar bem para poder fazer bem à minha filha”, relata ela que costuma levar sua filha, Morena de três meses, para as aulas.

O pole dance também pode ser um aliado se o foco for o resgate da sensualidade, muitas vezes deixada de lado com a maternidade. “O legal é que você coloca a sensualidade nos movimentos e na dose que quiser”, relata Priscilla.
Mulheres maduras, mães ou jovens: o pole ensina que todas podem ser sensuais.

3) Estresse e ansiedade: vilões da mulher moderna

priscilla_(2)180717_170621

priscilla_(5)180717_170621
Priscilla

Com a dupla – ou até tripla jornada de trabalho – as mulheres têm enfrentado, com frequência, problemas emocionais como o estresse e ansiedade. A prática do pole ajuda a aliviar as tensões não só porque as alunas “se desligam” durante as aulas, mas porque o pole ensina a lidar com desafios e frustrações.

“Fazemos coisas incríveis: ficamos de ponta cabeça e dobramos o corpo de formas inimagináveis. Mas nada disso é fácil. Precisamos de treino e dedicação. Depois das aulas, essa força interior também é levada para as outras esferas da vida”, comenta Vanessa.

Para Kathia, força e equilíbrio são o que faz do pole uma modalidade fascinante. “Cada aula é um desafio do seu limite. A cada desafio superado, você se sente mais capaz e mais forte também”, finaliza.

4) Pole Fitness: alternativa à musculação

Nem todas as mulheres gostam das tradicionais academias de ginástica. Umas porque acham a atividade monótona, outras porque não gostam do ambiente, por considerarem-no competitivo. “Os estúdios de pole são um ambiente mais feminino e mais acolhedores”, comenta Priscilla.

No estúdio V, as aulas começam com aquecimento, seguido de uma série de fortalecimento, movimentos como giros e inversões, e termina com relaxamento. “O pole trabalha todos os músculos de uma vez só e as aulas são todas de nível misto, ou seja, cada aluna treina e se desenvolve no seu ritmo”, resume Vanessa.

Além disso, o pole dance é inclusivo, não havendo restrição de idade ou peso. Em dois meses, em média, as mulheres começam a fazer movimentos com maior exigência de força, e a ver resultados no corpo. “O primeiro mês é o mais difícil, mas é uma questão de treino. Cada pessoa evolui de forma diferente e todo mundo é capaz de aprender”, finaliza Vanessa.

5) Mulheres unidas… jamais serão vencidas

mayra 2

Mayra_(5)180717_170621
Mayra

A união e amizade que nascem entre as praticantes de pole ganhou um apelido carinhoso: pole friends. “Todas têm objetivos em comum: se desafiar, se superar e se amar. Por ser difícil no começo, elas se unem e comemoram juntas um giro ou movimento novo”, conta Vanessa.

A empresária e publicitária, Mayra Cordeiro frequentou as aulas de Vanessa por um ano e meio, período que transformou seu estilo de vida. “Emagreci dez quilos e fiquei mais leve de corpo e espírito”, resume.

A relação de amizade com sua professora também fez nascer uma sociedade entre elas. “Queria o pole mais presente na minha vida. Ao mesmo tempo, acreditava que era preciso eliminar o preconceito e disseminar o quanto o pole é tudo de bom: emagrece e é divertido”, lembra Mayra.

Foi quando convidou Vanessa para montar o estúdio V, que já está em seu segundo ano de funcionamento e que, a cada dia, cativa mais mulheres com seu universo mágico e saudável. “Lá eu esqueço dos problemas que uma mulher do mundo moderno tem com casa, empresa, família, saúde etc.. Lá é o meu – e só meu – momento”, finaliza Mayra.

Informações: Estúdio V

 

 

Elas promove workshops gratuitos para mulheres nos dias 21 e 28

Primeira Escola de Liderança Feminina e Desenvolvimento, Elas, promove uma vivência única para despertar a autoconfiança das mulheres

Focada em mulheres que desejam assumir posições de destaque em empresas e na sociedade, a Elas, primeira Escola de Liderança Feminina e Desenvolvimento, promove nos próximos dias 21 e 28 de agosto, o workshop gratuito “Autoconfiança Para Conquistar o Mundo” no inovaBra habitat e no Spaces Berrini.

Com três horas de duração em cada um dos eventos, os encontros têm o objetivo de preparar as mulheres para se posicionarem com mais segurança no ambiente profissional e pessoal. Carine Roos e Amanda Gomes, cofundadoras da Elas, pretendem gerar reflexões, aumentar o poder pessoal e gerar novos comportamentos nas participantes a partir de debates e atividades práticas.

A Elas – Exercendo Liderança com Assertividade e Sabedoria – tem como propósito fortalecer a liderança feminina e evidenciar a importância da equidade de gênero dentro das empresas. Segundo dados do Instituto Ethos, as mulheres são maioria nos cargos de estágio e aprendiz, mas perdem força em funções maiores e de liderança que oferecem os melhores salários.

Outro estudo que chama atenção das cofundadoras da Elas é uma pesquisa recente da consultoria McKinsey, a qual reiterou a importância da igualdade entre homens e mulheres dentro do universo corporativo. O levantamento realizado com mais de 1.000 empresas em 12 países do mundo, mostrou que dar oportunidades de cargos de chefia às mulheres, aumenta em 21% a probabilidade de uma empresa ter performance financeira acima da média.

Batalhar para minimizar efeitos psicológicos pode ser uma poderosa ferramenta na luta por mais equidade de gênero no ambiente corporativo.

Desde agosto de 2017, o Programa Elas já formou 100 mulheres e mais de 1.800 vivenciaram a experiência de seus workshops e tiveram resultados importantes em suas vidas, tanto pessoal quanto profissional.

elas.jpg

Sobre os eventos

Dia: 21 de Agosto de 2018
Horário: 18h às 21h
Local: inovaBra habitat – Av. Angélica, 2529 – Bela Vista, São Paulo – SP
*Vagas limitadas
Inscrições para o workshop gratuito clique aqui

Dia: 28 de Agosto de 2018
Horário: 18h às 21h
Local: Spaces Berrini – Rua Irmã Gabriela, 51 – Brooklin, São Paulo – SP
*Vagas limitadas
Inscrições para o workshop gratuito clique aqui

Informações: Programa Elas

 

Hoje, o blog faz quatro anos!!!

Hoje, dia 4 de agosto, o blog faz três anos. Como fiz no ano passado, monto um álbum com algumas mulheres conhecidas, todas na faixa dos 50 anos (algumas entrando e outras indo para os 60). É bom saber que estamos bem acompanhadas, não é mesmo?

E sobre aniversariar, uma frase de Chico Xavier: “Aos outros, dou o direito de ser como são. A mim, dou o dever de ser cada dia melhor”. É o que desejo ao meu blog, e que você esteja sempre junto, acompanhando, sugerindo, criticando, elogiando, fique à vontade… Obrigada!

Olive Garden lança promoção para mulheres em seu happy hour

Toda quarta-feira o tradicional horário das 17 às 20 horas será estendido, para elas, até o fechamento do restaurante

Bater papo com as amigas, petiscar, fazer happy hour ou até mesmo desfrutar de um delicioso jantar. Seja qual for a intenção, se reunir com as companheiras é um dos programas favoritos das mulheres. Pensando nisso, a rede de restaurantes Olive Garden traz mais uma novidade, dessa vez voltada para elas.

Sob o nome “Quarta Delas”, até outubro, a casa estenderá sua oferta de happy hour (double chopp, double sangria e double drinks) para as mesas predominantemente de mulheres toda quarta-feira, das 17 horas até o seu horário de fechamento.

A rede, que busca oferecer por meio de pratos muito bem servidos e também da típica hospitalidade italiana uma experiência única e que garanta total satisfação ao público que frequenta a casa, está presente no MorumbiShopping, Shopping Center Norte, Aeroporto Internacional de Guarulhos, e no início de agosto inaugura a sua unidade no Parque D. Pedro Shopping, em Campinas.

sangria_08.jpg

Entre as opções de bebidas que possuem oferta “leve 2 pague 1” no horário, os destaques ficam por conta da Sangria (R$ 23,00), Clericot (R$ 23,00), Caipirinha Premium (R$ 22,00), Aperol Spritz (R$ 25,00), Gin Tanqueray Tônica (R$ 25,00), além do chopp Stella Artois em dois tamanhos: 473ml (R$ 14,90) e 290ml (R$ 9,90).

chicken_parmigianasteakgorganzolaalfredo_2697

Já nas receitas mais pedidas estão o Chicken Parmigiana (R$ 56,00) – filé de frango à milanesa coberto com queijo mozzarella gratinado, servido com spaghetti Marinara; Steak Gorgonzola Alfredo (R$ 67,00) – escalopes de filé mignon grelhados, regados com redução de aceto balsâmico, servido sobre fettucine Alfredo, acrescido de espinafre, queijo gorgonzola e tomate seco.

fettuccine alfredo

A casa também oferece opções vegetarianas, como o clássico Fettuccine Alfredo (R$ 49,00) e o Asparagus Risotto (R$ 61,00).

Todos os pratos acompanham free refil de salada ou sopas, além dos tradicionais pãezinhos breadsticks ilimitados.

create_your_sampler__appetizer_.jpg

Já entre os aperitivos, perfeitos para compartilhar em um happy hour, o destaque fica por conta do “Create Your Sampler”, no qual o cliente pode montar seu prato com duas opções de aperitivos (R$ 47,00) ou três (R$ 51,00). Entre as opções disponíveis estão: Lasagna Fritta, Calamari, Fried Mozzarella, Risotto Bites e Shrimp Scampi Fritta.

* A promoção não é válida na unidade do aeroporto.
** Preços descritos acima valem somente nas unidades localizadas em shopping.

Informações: Olive Garden

Mulheres que vivem relacionamentos abusivos não seguem padrão

Estudo que buscou o porquê de mulheres permanecerem nessas relações concluiu a impossibilidade de classificá-las

Por Ane Cristina

violencia_mulher_genero pixabay.jpg

Em 2014, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou erroneamente um dos resultados da pesquisa Tolerância social à violência contra as mulheres. Na época, o órgão federal informou que 65% dos entrevistados concordavam com a afirmação “Mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas”.

A veiculação da notícia gerou uma série de protestos nas redes sociais que denunciavam o machismo na sociedade brasileira, dentre eles a campanha Eu não mereço ser estuprada. Na semana seguinte o Ipea corrigiu o dado, informando que a porcentagem de 65% se referia à afirmação “Mulher que é agredida e continua com o parceiro gosta de apanhar”. A correção não gerou a mesma repercussão que a afirmação incorreta causou, mostrando o “pouco espanto” em relação à violência contra a mulher nas relações de conjugalidade.

Fabiana de Andrade pesquisou durante quatro anos o que faziam as mulheres que sofriam violência doméstica permanecerem ou saírem de uma relação violenta. Dentre suas conclusões, está a similaridade das narrativas de violência, a impossibilidade de classificar essas mulheres e a formulação de Pedagogias do Cuidado de Si, ferramentas de mudança de pensamento e de conduta.

Autora da tese de doutorado Mas vou até o fim: narrativas femininas sobre experiências de amor, sofrimento e dor em relacionamentos violentos e destrutivos, defendida na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, ela acompanhou e conversou com mulheres que passavam ou tinham passado por relacionamentos destrutivos em três locais diferentes. Ela esteve no Mulheres que Amam Demais (Mada), em Campinas, grupo de autoajuda formado por mulheres que sofrem por amar demais. O espaço existe há muito tempo e segue os moldes do Alcoólicos Anônimos (AA).

Também em Campinas, a pesquisadora conheceu o Centro de Referência e Apoio à Mulher (Ceamo), serviço fornecido pelo município que tem o objetivo “de acolher e prestar atendimento psicológico, social e orientação jurídica à mulher em situação de violência de gênero no âmbito doméstico, visando romper o ciclo da violência através de atendimento individual, familiar ou em grupo”. Ela também foi a Paris, onde seu objeto de estudo foi a associação francesa Libres Terres des Femmes (LTDF), que assim como o Ceamo acolhia mulheres em situação de violência, mas não fazia parte de uma política pública, sendo dependente de outras verbas.

info_relacionamentos_abusivos.jpg

 

Pedagogias do Cuidado de Si

Fabiana selecionou as quatro principais ferramentas discutidas nos grupos que visavam à mudança de pensamento e de conduta, chamando-as de Pedagogias do Cuidado de Si. “Eu chamei dessa maneira porque entendi que esses grupos funcionavam como espaços pedagógicos de produção de um outro olhar sobre estar no mundo, de produção de desejos, de coisas que as mulheres queriam na vida delas, porque eu observei que nesses espaços muitas das mulheres tinham uma forma de viver e de estar no mundo que era voltado para o bem-estar do outro”, conta a pesquisadora.

Questionamento das normas de gênero e sexualidade

No Ceamo e no LTDF falava-se muito sobre a existência de papéis diferentes para homens e mulheres, que pode tornar aceitável uma situação de violência para a mulher. No Mada eram apresentadas as normas do homem como “príncipe encantado” e “provedor da casa”.

Controlar excessos

Principalmente no Mada existia a ideia de que o “excesso” de controle da conduta do outro era muito perigoso: querer saber onde o outro está, o que ele pensa, querer provas de amor, ligá-lo compulsivamente. “A ideia do controle dos excessos era começar a criar formas de aprender a estar sozinha, saber que o sucesso amoroso não depende que o casal seja uma pessoa só, a importância da liberdade do outro e delas” explica Fabiana.

Uma mulher empoderada empodera outra mulher

No Ceamo e no LTDF, o termo “sororidade” era muito utilizado, ressaltando a importância de que mulheres entendam que não são inimigas. No Mada, o termo usado era “irmandade”. Os três grupos tentavam passar a ideia de que mulheres não devem competir entre si, uma vez que tal competição é mais um resultado da cultura machista.

Autoconhecimento

As mulheres buscavam o autoconhecimento para entender qual seu lugar numa cultura machista e poder questionar essa cultura. Nos grupos, elas percebiam que não sabiam sequer do que gostavam de fazer, por não se conhecerem. O autoconhecimento produziria uma outra maneira de olhar para si mesmas e de estar no mundo.

Fonte: Jornal da USP

 

Curso “Amor e sedução: lições de Vênus e Marte” com Virginia Gaia

Que o amor é importante, não há dúvida nenhuma, mas como estabelecer uma relação afetiva saudável e prazerosa? E como manter acesa a chama de um relacionamento estável? Para contextualizar a questão, a astróloga, taróloga, sexóloga e coach de relacionamentos com abordagem holística Virginia Gaia promove um curso rápido, voltado para mulheres, no dia 7 de junho, das 20 às 22 horas, em São Paulo.

Virginia Gaia declara: “Muitas pessoas se sentem inseguras na hora da conquista e sedução e acabam adotando crenças limitantes que destroem a autoestima e dificultam o desenvolvimento de relacionamentos sólidos e felizes. Outras, já com uma relação estabelecida, não sabem como recuperar a paixão e o desejo do início do relacionamento.”

De uma perspectiva mais ampla, isso não chega a surpreender em um momento como o atual, em que o papel da mulher na sociedade e as formas de amar passam por muitas mudanças. Hoje, mais do que nunca, é importante entender alguns princípios que regem o amor e a sedução. Na mitologia greco-romana, o relacionamento de Marte, o deus da guerra e do desejo sexual, com Vênus, a deusa da beleza e do amor, era uma referência para diversas reflexões sobre o papel das relações afetivas na vida das pessoas. Resgatar a referência do casal mais sexy da mitologia é um caminho seguro para promover uma reconciliação pessoal com esses princípios, que é fundamental para ter relacionamentos melhores.

zodiac-profile-page

Partindo da mitologia e suas representações na astrologia e no tarô, o curso traz lições valiosas sobre a arte de conquistar, amar e ser amada e resgatar a essência do feminino e do masculino em si mesma, elementos essenciais para uma vida mais feliz.

O programa, destinado ao público feminino, tem 2 (duas) horas de duração, com conteúdo teórico e vivência ritualística em grupo, e inclui os seguintes tópicos:

– Breve contextualização da mitologia greco-romana e suas correspondências com a Astrologia e alguns símbolos do Tarô
– Marte: o deus da guerra, da conquista e do desejo sexual, suas qualidades e seus defeitos
– Vênus: a deusa do amor e da beleza, suas qualidades e seus defeitos
– Cupido: o filho de Marte e Vênus, chamado de Eros pelos gregos, é o deus do erotismo
– Psiquê: a deusa da alma
– Amor e sedução entre Marte e Vênus: o que podemos aprender com os pontos altos e baixos desse relacionamento?
– O casamento do Cupido com Psiquê e a lição de que o erotismo é o alimento da alma
– Dicas de amor e sedução inspiradas nas histórias desses mitos e na experiência com o Tarô e a Astrologia
– Vivência ritualística em grupo

beijo - clarita

Curso Amor e Sedução: lições de Vênus e Marte
Data: 7 de junho (quinta-feira)
Horário: das 20 às 22 horas
Local: Avenida Paulista, 1159 – São Paulo
Valor: R$ 80,00 (pode ser parcelado pelo PagSeguro)

Perfil

Virginia Gaia é astróloga, taróloga e estudiosa de mitologia e religião comparada há mais de 15 anos. Tem um quadro no programa A Tarde É Show com Nani Venâncio (Rede Brasil de Televisão) e leva o conhecimento que acumulou nas Ciências Herméticas para os mais diversos públicos. Propagadora do Vama Marga Tantra, foi iniciada no Vajrayana – o chamado Budismo Tântrico ou Budismo Tibetano –, além de ter sido integrante de ordens iniciáticas e ocultistas. Com base na certificação de Capacitação em Sexualidade que obteve pela Abeme (Associação Brasileira das Empresas do Mercado Erótico e Sensual), é também educadora sexual, ministrando cursos e palestras sobre o amor e os relacionamentos que abordam o estreito vínculo entre sexualidade, afetividade e espiritualidade.

 

Revlon cria movimento para incentivar as mulheres a viverem com intensidade

#RevlonDay ocorre hoje, 17 de maio, e é um convite para tomar atitudes que transformem a rotina

A icônica marca Revlon lançou um movimento para celebrar seu novo posicionamento, o #RevlonDay, que ocorre hoje, 17 de maio, dando continuidade à comunicação Live Boldly, apresentada e estrelada mundialmente no início deste ano por suas novas embaixadoras globais Gal Gadot, Ashley Graham, Adwoa Aboah, Imaan Hammam, além da brasileira Raquel Zimmermann.

revlon

O movimento tem o objetivo de incentivar as mulheres a viverem intensamente, a saírem de sua zona de conforto e despertarem o lado bold que existe em cada uma delas.

Para a ação, a marca apresenta sua linha ColorStay, perfeita para ajudar as mulheres a expressarem sua força por meio da beleza, acompanhando-as nessa tarefa, o dia todo. Sua tecnologia de longa duração, que não transfere, não borra e não mancha destaca o best-seller mundial da marca, a base ColorStay, que tem incrível durabilidade de 24 horas, além dos demais produtos para pele, lábios e olhos.

E, durante todo o mês de maio, as mulheres que tiverem aderido à ação, contando nos Stories o que fizeram de diferente no #RevlonDay (17/5) – algo ousado para o seu estilo de vida, que pode ser desde uma atitude para enfrentar algum medo até tirar um momento de descanso para se cuidar – poderão ser selecionadas para aparecer nos Stories da Revlon (@revlonbrasil), como grandes exemplos do movimento Live Boldly.

REVLON BR

Facebook | Instagram | YouTube
Telefone de Atendimento ao Consumidor 0800 7733450

 

 

Dia Nacional de Conscientização e Enfrentamento à Fibromialgia

Os desafios de diagnosticar e tratar a doença que é ligada ao estresse e depressão e afeta principalmente mulheres

Dores musculares fortes em diferentes regiões do corpo, de forma crônica, podem ser um indício de uma doença que atinge principalmente mulheres entre os 35 e 44 anos – que chegam a representar 90% dos pacientes em tratamento para a Fibromialgia. A enfermidade é uma das doenças mais frequentes e acomete 2,5% da população brasileira. Este sábado, 12 de maio, é o Dia Nacional de Conscientização e Enfrentamento à Fibromialgia.

Quem sofre de Fibromialgia vive não só o incômodo das dores, mas o desconhecimento da origem e causa dos sintomas, já que a doença não é diagnosticada por exames laboratoriais, apenas pela identificação das queixas e dos pontos dolorosos. Algumas das características que indicam o mal são a fadiga, rigidez muscular, dor após esforço físico e anormalidades do sono – além de sintomas depressivos, ansiedade, deficiência de memória, desatenção e cefaleia.

Por englobar uma série de sintomas em diferentes partes do corpo e particularmente em relação ao quadro psicológico do paciente, especialistas indicam que o tratamento aconteça por equipe multidisciplinar, formada por reumatologista, fisioterapeuta, psicólogo e nutricionista).

dores nas costas

“A conduta terapêutica varia de acordo com a necessidade de cada pessoa e permeia entre o tratamento convencional e as terapias alternativas. Aos que sofrem desta enfermidade, temos à disposição aliados de fácil acesso como: compressas quentes ou frias, banhos de imersão, automassagem, alongamentos, cataplasmas com argila e meditação entre outros”, explica a fisioterapeuta do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) Valquíria, Francielli Teixeira Luttig.

Mudanças de hábitos, escolha saudáveis e pequenos ajustes na rotina são ações que podem gerar bons resultados no tratamento da Fibromialgia, dando mais qualidade de vida aos pacientes. Seguem algumas dicas de especialistas que podem trazer melhoras:

– Faça atividade física regular;

– Escolha alimentos mais saudáveis, uma dieta rica em verduras, legumes e frutas;

– Evite carregar pesos;

– Elimine perturbadores do sono como luz, barulho, eletrônicos e uso de estimulantes antes de dormir;

– Fuja de situações que aumentem o nível de estresse;

– Considere a possibilidade de buscar ajuda psicológica.

Fonte: NASF