Arquivo da categoria: depressão

Setembro Amarelo: sintomas e como tratar depressão e ansiedade

Desde 2014 é realizado no Brasil o Setembro Amarelo – campanha de combate à depressão. De acordo com os últimos dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a depressão afeta 322 milhões de pessoas no mundo. No Brasil, cerca de 6% da população sofre com esse mal, sendo o país com maior prevalência de depressão da América Latina.

Ainda, os brasileiros também são recordistas mundiais quanto aos transtornos de ansiedade, com 9,3% afetados pela doença. “A ansiedade e a depressão são quadros emocionais que podem estar correlacionados”, explica a psicóloga do Grupo São Cristóvão Saúde Aline Melo.

Conforme a especialista, a depressão se caracteriza por uma tristeza duradoura, que pode vir acompanhada de desanimo e autoestima baixa, falta de energia, entre outros sintomas. Já a ansiedade está associada a uma sensação de medo ou angustia constante sobre o futuro. “Essa sensação é considerada patológica quando começa a atrapalhar a rotina do indivíduo”, comenta Aline.

mulher ansiedade depressao medo pixabay

Se a ansiedade não for tratada, há grande probabilidade de, além de gerar desgaste emocional recorrente, ser gatilho para o desenvolvimento de outras doenças, até mesmo levando à depressão. “A ansiedade pode estar associada a compulsões, pânico, comportamentos obsessivos, entre outros aspectos. Por isso a necessidade de reconhecê-la, compreende-la e trata-la de maneira adequada”, alerta a profissional.

Quanto aos fatores mais comuns que podem desencadear uma depressão ou ansiedade estão as condições genéticas, disfunções físicas, além de traumas, estresse e perdas. Também o uso de álcool e drogas contribui para o aparecimento de tal patologia. “Para tratar as doenças é preciso de um cuidado especializado, sendo de grande importância a avaliação de um médico psiquiatra e de um psicólogo, visando o direcionamento adequado a cada caso. O uso de medicações e psicoterapia podem ser necessários”, esclarece a psicóloga.

A especialista ainda adverte que vivemos um período de muitas cobranças e pressões em várias áreas de nossas vidas – profissional, familiar e pessoal – que reforçam nosso desejo de antever e nos preparar para situações futuras, o que associadas a uma grande carga de estresse, fatores físicos e predisposições genéticas geram uma maior vulnerabilidade ao desenvolvimento de transtornos emocionais.

sintomas-da-depressão-2

“As cobranças e crises do mundo de hoje afetam nossa saúde mental, demonstrando cada vez mais a necessidade de voltarmos nosso olhar para dentro”, finaliza.

Fonte: Grupo São Cristóvão Saúde

Anúncios

Setembro Amarelo: Positivo lança guia de combate ao suicídio

De acordo com Organização Mundial da Saúde (OMS), o suicídio causa 800 mil mortes por ano no mundo. Essa é a principal causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos e, para cada uma, seis pessoas próximas sofrem consequências emocionais, sociais ou econômicas.

Para alertar alunos e colaboradores sobre o assunto, a Universidade Positivo (UP) participa do “Setembro Amarelo”, uma campanha de valorização da vida. Por meio de diversas ações, como iluminação do Teatro Positivo – Grande Auditório na cor amarela em apoio à campanha, capacitação de professores, palestras, “cinedebate”, entre outras, o Serviço de Informação e Apoio ao Estudante (SIAE), em parceria com o curso de Psicologia e os centros acadêmicos da UP, alerta a comunidade acadêmica sobre o tema e sobre as formas de ajudar o próximo.

Como parte das atividades, o SIAE, com apoio dos cursos de Medicina, Enfermagem e Psicologia, desenvolveu o guia “Uma vida que vale a pena ser vivida: como fazer a diferença e ajudar pessoas”O material, que aborda estatísticas, mitos e verdades, como identificar alguém que precisa de ajuda e como ajudar, pode ser acessado clicando aqui.

setembro amarelo

O SIAE é um setor da Universidade que conta com uma equipe multiprofissional para apoiar o estudante em todas as situações de risco. Ele pode ser contatado por meio dos seguintes canais: e-mail siae@up.edu.br; telefone (41) 3317-3442; e WhatsApp (41) 99252-4596.

Hoje é o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio

Setembro Amarelo – 97% dos suicídios estão ligados à depressão

No mês em que os olhares estão voltados para a prevenção do suicídio, Diego Tavares, psiquiatra e especialista em depressão e bipolaridade do Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina da USP alerta que a depressão do transtorno bipolar causa o dobro dos casos de suicídio da depressão clássica, mais conhecida pela maioria das pessoas. Mas por que pouco se fala na depressão com bipolaridade?

Segundo o especialista em transtornos de humor a maior parte das pessoas ao se deparar com temas relacionados a suicídio como automutilação, tentativas de suicídio e o próprio suicídio consumado, acaba dando atenção exclusiva aos fatores agravantes, mas não aos fatores predisponentes biológicos como as doenças psiquiátricas.

Muitos são os estressores ou gatilhos que levam ao suicídio: a perda de emprego, problema financeiro, separação, bullying, assédio moral, burnout, mas pouco se fala sobre as raízes de um comportamento suicida. E é disso que precisamos falar quando pretendemos prevenir o suicídio, agir nas raízes do problema.

“Quem se suicida está doente, isso é um fato, mesmo que a doença esteja silenciosamente oculta e na maior parte dos casos está, o suicídio traz, em algum grau, alguma desordem no sistema nervoso, nas regiões desregulação emocional. O suicídio é um problema que começa no cérebro e termina na ação, agravado por estressores psicossociais”, diz.

Para exemplificar, o médico enumera os tipos de depressão:

sintomas-da-depressão-2

Depressão melancólica: é a retratada nos filmes e, por isso, é o que a maior parte das pessoas acredita ser depressão. É um tipo grave, porém raro de depressão, em que os pacientes podem apresentar intensa lentidão motora, ficam de cama, parados o tempo todo, não comem, não tomam banho e têm acentuada perda da capacidade de sentir prazer por coisas antes prazerosas. A característica principal da melancolia é a completa ausência de reatividade do humor, ou seja, a pessoa não se anima com nenhum estímulo positivo.

mulher ansiedade

Depressão ansiosa: os pacientes apresentam sintomas depressivos menos graves, porém apresentam uma proeminência maior de sintomas ansiosos (medo intenso, preocupação, tensão, hipervigilância e insegurança).

tristeza dor depressão mulher pixabay

Depressão atípica: a pessoa sente um humor de apatia, sono excessivo durante o dia, aumento exagerado de apetite e reatividade do humor (melhora com fatores positivos eventuais). Costuma ser confundida com um esgotamento físico ou problemas como anemia, deficiência de hormônios etc.

olhos ansiedade geralt pixabay

Depressão mista: é mais perigosa e a que apresenta o maior risco de suicídio. São quadros de depressão com maior agitação mental, desespero, angústia, dificuldade de concentração por distração e pensamento acelerado, maior irritabilidade, comportamentos compulsivos que aliviam a depressão (fumar, beber, usar maconha, gastar dinheiro, abuso de calmantes, se masturbar etc), aumento da fala (reclamando e sofrendo com a depressão), labilidade de humor (momentos de grande variação emocional).

Nesse tipo, os pacientes podem apresentar com maior frequência ideias de suicídio como fenômeno associado ao intenso desespero e angústia presentes nestes quadros. Ocorre com frequência no transtorno bipolar, devido a mistura de elementos da depressão com elementos da fase maníaca (agitação, desespero, pensamento rápido, impulsividade aumentada etc).

Bipolar

De acordo com o especialista, a principal causa de suicídio são as depressões do transtorno bipolar (15% de frequência). Os tratamentos de depressões melancólicas, ansiosas e atípicas podem ser feitos apenas com medicamentos da classe dos antidepressivos mas quadros de depressão mista precisam de medicamentos da classe dos estabilizadores de humor (sozinhos ou associados aos antidepressivos).

“Mas, o mais importante de tudo é tratar a depressão como prevenção ao suicídio e sabermos que nem toda depressão se expressa da mesma maneira e que alguns tipos apresentam maior risco de suicídio. A depressão quando é grave não se cura sozinha e merece tratamento com medicamento e psicoterapia”, finaliza o especialista.

Fonte: Diego Tavares é graduado em medicina pela Faculdade de Medicina de Botucatu – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (FMB-UNESP) em 2010 e residência médica em Psiquiatria pelo Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (IPQ-HC-FMUSP) em 2013. Psiquiatra Pesquisador do Programa de Transtornos Afetivos (Gruda) e do Serviço Interdisciplinar de Neuromodulação e Estimulação Magnética Transcraniana (SIN-EMT) do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (IPQ-HC-FMUSP) e coordenador do Ambulatório do Programa de Transtornos Afetivos do ABC (PRTOAB).

Como identificar a depressão em diferentes fases da vida

A depressão é uma doença grave que afeta hoje grande parte da população. A palavra tem sido usada para tudo, o que banaliza e atrapalha o diagnóstico de quem realmente tem a doença. Ela pode se manifestar em diferentes fases da vida, cada uma delas com as suas peculiaridades.

Quanto antes perceber os sintomas, mais fácil  de tratar e de melhorar a qualidade de vida da pessoa doente. Confira neste infográfico, preparado pela Clínica Sadeb, os sintomas e dicas de como identificar a depressão nas diferentes fases da vida:

Como-identificar-a-depressao-em-diferentes-fases-da-vidaComo-identificar-a-depressao-em-diferentes-fases-da-vida2Como-identificar-a-depressao-em-diferentes-fases-da-vida3Como-identificar-a-depressao-em-diferentes-fases-da-vida 4)

A relação da mente com as doenças crônicas

Nossa mente vive em looping e nos traz de forma recorrente situações, medos e ansiedades que são os provocadores de muitas doenças crônicas. Pense um pouco e responda: você tem uma relação saudável com a sua mente?

Fresia Sa, fisioterapeuta especializada em microfisioterapia, fala sobre a relação da mente com as doenças crônicas: “quando dizemos que a mente vive em looping, não é brincadeira: sabemos que mais de 60 mil pensamentos passam pelo nosso cérebro por dia e que 80% deles se repetem no dia seguinte. Ou seja, estamos sempre pensando as mesmas coisas. Então, se pensamos na doença, no medo, se alimentamos pensamentos destrutivos, autossabotadores, eles persistirão. E mudar essa linha de raciocínio é uma questão de consciência e treino”, enfatiza.

Fresia lembra que a grande questão é que muitas das doenças que temos e que não conseguimos curar são causadas exatamente por nossos pensamentos destrutivos. “Nossa imunidade mental precisa estar em dia para que possamos ter autonomia, gerenciar nossa rotina e permanecer no centro, sem nos deixarmos levar por um fluxo automático e negativo”.

Segundo ela, existem alguns passos que podem facilitar:

mulher ouvindo musica fone de ouvido stocksnap pixabay

=Crie uma rotina saudável – começar o dia com práticas tranquilas, praticar exercícios, fazer afirmações positivas, ler algumas páginas do seu livro preferido, ouvir músicas que te fazem feliz. Vale tudo para que a rotina comece de uma forma mais saudável e que o dia seja menos estressante.

iphone celular smartphone pc tech magazine
=Determine um tempo por dia para as redes sociais – embora seja nossa grande porta de conexão com o mundo nos dias de hoje, as redes sociais podem ser bem tóxicas. A dica é: tenha momentos para ver Facebook, Instagram e até mesmo notícias.

mulher estudando wiseGEEK
WiseGeek

=Esteja mais presente nas suas atividades – estar presente significa efetivamente viver o momento. Quando vivemos no passado, geramos saudosismo e depressão, quando estamos pensando no futuro, alimentamos a ansiedade e as doenças conectadas a ela. Foque no que está fazendo agora.

mulher meditação pixabay 33
=Tenha consciência da respiração – a respiração é uma das chaves para a boa saúde e ajuda inclusive no próximo passo, porque permite que a gente pare, silencie e olhe para dentro. Melhorar o ritmo e a capacidade respiratório é pura saúde.

indecisao-mulher-duvida
=Investigue sua mente: que pensamentos são recorrentes? Agora sim, esse trabalho é um processo mais longo, mas que pode ajudar muito, inclusive em tratamentos que você esteja fazendo: anote o que vem sempre à mente. Faça isso por alguns dias e compare: quais são os pensamentos que você mais tem, eles são referentes ao que, são positivos ou negativos?

mulher vermelho livro
=Leia mais e bons títulos – ler ajuda a ter mais capacidade de lidar inclusive com o que nos acontece, porque gera repertório de vida junto com as nossas experiências. Leia, nos deixa mais inteligente e mentalmente saudáveis.

sintomas-da-depressão-2
=Inicie um processo de cura – se você sofre de algum mal, dor crônica, doença que não consegue curar, insônia, depressão, estresse, ansiedade e sente que precisa de ajuda, procure! Não espere ficar pior. Ninguém precisa viver com dor e todo mundo merece uma vida plena e saudável.

Fonte: Fresia Sa é formada pela Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros, possui curso de aperfeiçoamento em Terapia Manual e especialização em Microfisoterapia – na França. Faz parte da equipe da Biointegral Saúde.

Dia dos Avós: por que eles deveriam ter um animal de estimação?

Muitos estudos indicam que os animais de estimação podem trazer diversos benefícios para os humanos. Na terceira idade, porém, as vantagens de conviver com um pet são ainda maiores. A falta de uma ocupação diária e muitas vezes a solidão, faz com que os idosos não sintam-se motivados a se exercitar, manter os cuidados com a casa e até a manterem vínculos sociais.

A responsabilidade de cuidar de um animalzinho e o carinho e companhia que ele traz, tem se mostrado como um ótimo remédio, ou ao menos, ótima vitamina para tantos avós e avôs.

Uma pesquisa publicada no National Center for Biotechnology Information, indicou que os idosos que têm um animal em casa apresentam maior bem-estar psicológico e físico. Além disso, dois terços das pessoas na terceira idade consideraram os animais como seus “melhores amigos” e “razão para se levantar de manhã”, e 75% consideraram sua saúde “excelente” com os pets. Tudo isso porque eles podem ajudar a diminuir o estresse, a depressão, o mau humor, a insônia, a falta de apetite e a dor.

Hoje é o Dia dos Avós e Carolina Rocha, médica veterinária e fundadora da Pet Anjo, plataforma de plataforma que oferece Dog Walker, Pet Sitter e Hospedagem Familiar, lembra a importância dos idosos possuírem um animal de estimação. Além disso, dá dicas de como promover esse convívio.

Saúde Física

bicicleta idosos cachorro pexels
Foto: Pexels

Adultos com mais de 65 anos precisam de pelo menos, uma vez por semana, duas horas de atividades físicas. Com os bichinhos, os idosos têm uma justificativa para realizá-las, o que inclui passear e caminhar com o cão, e acompanhado a atividade se torna mais agradável. Além disso, as brincadeiras sempre deixam o tutor em movimento constantemente.

Qual animal escolher?

É importante que o animal não traga preocupações e dores de cabeça para o idoso, por isso, é necessário analisar as características e saúde do bichinho.

O ideal é escolher um animal adulto, já que possui a personalidade mais desenvolvida e tem menos chances de apresentar comportamentos mais agitados, como destruição de objetos, incômodos causados por filhotes. Além do mais, a iniciativa estimula a adoção daqueles animais que poucas chances têm de ser adotado.

mulher senhora idosa gato pexels matthias zomer
Foto: Matthias Zomer/Pexels

O tamanho é importante. O recomendado é um animal de pequeno e médio porte para que não leve a acidentes devido à força. Em relação às raças, é recomendado um animal sem raça definida, o “vira lata”, já que tende a ser muito afetuoso e ter menos problemas de saúde. Em uma ONG ou abrigo, o responsável pelo local poderá indicar qual animal, pela personalidade, se dará bem com o idoso.

Fonte: Pet Anjo

O que toda mulher no climatério precisa saber

Muitas mulheres entram ou já entrou no climatério mesmo quando ainda estão na faixa dos 40 anos. Trata-se de um período que marca a transição da fase reprodutiva para a não reprodutiva. O climatério é uma transição importante na vida da mulher, que envolve mudanças fisiológicas, psicológicas e sociais, mas que pode ser vivida com tranquilidade com cuidados especiais.

“O climatério pode começar por volta dos 35-40 anos e se estender até a menopausa, ou seja, até a última menstruação, que fecha esse período. A confirmação ocorre se a mulher ficar 12 meses ininterruptos sem menstruar”, explica o ginecologista Edvaldo Cavalcante.

“Apesar das situações que podem ocorrer, o mais importante é que a mulher se informe sobre o climatério e se prepare física e mentalmente para passar por essa transição. Felizmente, hoje é possível aliviar os sintomas e tratar os problemas que podem surgir no climatério, na menopausa e na pós-menopausa visando à melhora da qualidade de vida”, comenta Cavalcante.

Veja agora os principais efeitos do climatério e como lidar com eles:

mulher calor fogacho menopausa

1-Fogacho: é um problema vasomotor associado à queda do nível de estrogênio. A mulher pode sentir uma sensação repentina de calor no rosto e na parte de cima do tórax que se espalha pelo corpo. Há intensa transpiração e a pele pode ficar mais avermelhada devido à dilatação dos vasos. Em seguida, cerca de dois a quatro minutos, há uma queda rápida da temperatura, com sensação de frio ou de calafrios. Isso pode ocorrer várias vezes ao dia e durante a noite, o que pode causar insônia e afetar a qualidade de vida da mulher.

Outras condições médicas, como doenças da tireoide, infecção, ou (raramente) câncer também produzem fogachos. Além disso, o uso de medicamentos como tamoxifeno para câncer, raloxifeno para osteoporose e alguns antidepressivos podem causar fogachos.

Os fogachos, geralmente, aumentam com o estresse e podem estar associados a ansiedade e palpitações (batimentos cardíacos acelerados). A sensação inquietante que antecede um fogacho pode parecer um “ataque de pânico” em algumas mulheres.

Como lidar: a terapia de reposição hormonal (TRH) é o tratamento mais efetivo para gerenciar os fogachos. Entretanto, nem todas as mulheres tem indicação para repor hormônios. Assim, para aquelas que não podem, recomenda-se praticar atividades físicas, técnicas de relaxamento, adotar uma dieta balanceada e procurar manter o corpo fresco durante o dia e enquanto dorme.

Osteoporosis

2- Osteoporose: a redução dos níveis de estrogênio leva à perda da massa óssea. Com isso, uma em cada três mulheres irá desenvolver a osteoporose, principalmente na menopausa ou na pós-menopausa. O principal problema ligado à osteoporose são as fraturas e suas consequências, como incapacidade e mortalidade.

Como lidar: a prática de atividade física é uma das melhores maneiras de prevenir e de tratar a osteoporose. Os exercícios devem visar ao aumento da força muscular, da estabilidade, do equilíbrio e da mobilidade. Pilates, por exemplo, é bastante recomendado. A terapia de reposição hormonal também pode ser feita e há outros medicamentos específicos para tratar a osteoporose.

casal cama separado

3- Vida Sexual: o estrogênio é responsável pela lubrificação vaginal. Portanto, a diminuição dos níveis do hormônio leva ao ressecamento vaginal. Como consequência, a mulher pode apresentar dor durante a relação sexual (dispareunia). O desejo sexual pode diminuir e pode ser preciso mais tempo nas preliminares para levar à excitação.

Como lidar: o ressecamento vaginal é facilmente tratável. O médico pode prescrever hormônios de uso tópico que melhoram a secura vaginal. Além disso, a mulher pode usar gel lubrificante durante as relações e um hidratante vaginal para manter a vagina úmida de maneira prolongada. A queda da libido pode melhorar com a reposição hormonal.

tristeza dor depressão mulher pixabay

4- Depressão: ao longo dos anos, estudos mostraram que há uma relação entre a menopausa e o aumento dos sintomas depressivos. Mulheres que apresentam sintomas mais severos no climatério/pós-menopausa, principalmente os fogachos, insônia e aquelas que têm histórico de depressão, correm mais risco de apresentar o transtorno.

Como lidar: buscar apoio psicoterápico e acompanhamento com um psiquiatra são estratégias importantes para lidar com a depressão. Além disso, atividade física, sono adequado e técnicas de relaxamento podem contribuir para prevenir ou para tratar a depressão. A terapia de reposição hormonal também pode ajudar a combater os efeitos do climatério no cérebro, como a depressão e o declínio cognitivo.

menopausa mulher bicicleta

5- Aumento do risco cardiovascular: as principais causas de mortalidade no Brasil e no mundo são o infarto e o acidente vascular cerebral (AVC). São as chamadas doenças cardiovasculares, cuja prevalência é maior nas mulheres na pós-menopausa ou naquelas com 55 anos ou mais.

Como lidar: a adoção de hábitos saudáveis é essencial. Manter o peso, praticar atividade física, comer de forma saudável, parar de fumar, beber com moderação, gerenciar o estresse, manter os níveis de colesterol adequados e cuidar da pressão arterial são as principais medidas que podem ser adotadas para prevenir as doenças cardiovasculares. O estrogênio pode atuar como fator de proteção contra as doenças cardiovasculares em mulheres saudáveis, principalmente quando iniciada logo na transição menopausal.

“Acredito que a partir do momento em que a mulher está ciente do que é o climatério, em que idade isso pode acontecer e o que pode ocorrer, pode ser menos desafiador passar pelo processo. Com os recursos certos e de forma individualizada, a mulher pode descobrir que é possível viver plenamente e, em muitos casos, até melhor do antes. Por isso, é fundamental encontrar um médico que procure tratar o climatério de forma global, ou seja, levando em consideração todos os aspectos, como o físico, o emocional e o social”, finaliza o ginecologista.

Fonte: Edvaldo Cavalcante é médico Ginecologista e Obstetra, especializado em Cirurgia Minimamente Invasiva – Videolaparoscopia/Histeroscopia e Cirurgia Robótica.Mestre e Doutor em Ginecologia, atendimento em consultório localizado no Brooklin, assim como no Hospital Albert Einstein. Opera também nos principais hospitais de São Paulo.

 

Cães sofrem com a tristeza e o estresse causados pela solidão

Muitas pessoas que têm animais de estimação precisam deixá-los sozinhos em casa, mas a solidão pode causar vários problemas comportamentais e de saúde nos animais. Por isso, confira a seguir os principais motivos para não deixá-los solitários por muito tempo e descubra como evitar os problemas.

1. Bagunça

cachorro casa bagunça animals look
Animal’s Look

Alguns cães, para descontar seu estresse, ansiedade, raiva e medo, podem destruir objetos e partes da casa, cavar buracos, comer plantas e, além de deixar sua casa uma bagunça, acabam se machucando. Para evitar o transtorno de ver sua casa destruída e seu pet machucado, estimule a atividade física. Passeie e brinque diariamente com seu bichinho para que eles gastem energia e também se sintam amados. O carinho é a condição mais importante para que o animal tenha a segurança que você o ama e voltará sempre para casa depois de momentos de ausência.

2. Automutilação

cachorro se lambendo thriftyfun
Foto: thriftyfun

O cão pode morder ou lamber exageradamente extremidades do seu próprio corpo, como rabo e patas, machucando-se seriamente. Para prevenir esse comportamento, crie um ambiente estimulante para ele. Um lugar agradável e cheio de atrativos fará com que o animal veja o lado positivo de ficar sozinho. Disponibilize brinquedos educativos, ossinhos para que possam morder e objetos seguros que o animal goste de brincar. Também é possível deixar algum pano com o cheiro do dono para que ele se sinta seguro e não sofra com o medo de ser abandonado. Confira os melhores brinquedos para cachorro.

3. Mudança de comportamento

cachorro doente abatido deitado
O animal também pode passar a demonstrar agressividade, agitação, depressão e falta de apetite. Uma boa solução para evitar a mudança de comportamento é investir em adestramento. O cão treinado por um profissional consegue ser educado desde pequeno a ficar sozinho sem grandes problemas. As técnicas de treinamento ensinam o cão a se comportar de forma adequada e não sofrer com a solidão. Aprenda a identificar e tratar a depressão canina!

4. Ansiedade e pânico

cachorro medo mother nature network

Todos os sintomas citados anteriormente podem acontecer simultaneamente e indicar que o cão está sofrendo com a síndrome da ansiedade de separação. Quando isolado, o cão tem crises de pânico, late ou uiva desesperadamente, faz bagunça, se automutila e sofre com o medo de ser abandonado. Não há provas que a doença tem propensão a ser desenvolvida por algumas raças específicas, mas cães de pequeno porte que geralmente convivem mais com seus donos ou cães que foram abandonados e sofreram na rua tendem a desenvolver a síndrome com mais facilidade.

Se você notar que seu cão apresenta esses comportamentos, procure por um veterinário e adestrador para que eles possam diagnosticar a doença e iniciar o tratamento. Geralmente, eles recomendarão adestramento e medicamentos para deixar o cão mais calmo, afirma a veterinária especialista em comportamento canino, Lívia Romeiro do Vet Quality Centro Veterinário 24h.

Além disso, existem algumas medidas que podem minimizar o sofrimento do animal. Mais do que estimular a atividade física, criar um ambiente interessante e investir em adestramento, não faça da sua despedida e chegada um grande evento e preze pelo conforto do seu pet.

Fonte: Vet Quality Centro Veterinário 24h

 

 

Mitos que rondam o Transtorno de Personalidade Borderline (TPB)

Diego Tavares, psiquiatra do Hospital das Clínicas de São Paulo, explica que algumas doenças psiquiátricas são tão mal compreendidas que, com o tempo, vão perdendo o sentido original e incorporando características que não são e nunca fizeram parte delas.

“Hoje em dia, o transtorno de personalidade borderline (TPB) tem sofrido uma ampliação tamanha a ponto de transtorno bipolar clássico (tipo I), esquizofrenia, transtorno obsessivo compulsivo e até transtornos de ansiedade estarem sendo chamados de ‘transtorno borderline’ por conta da falha na formação adequada de psiquiatras e psicólogos”, fala o médico.

Afinal, qual a verdade sobre o problema?

1) A principal e definidora característica de um indivíduo com personalidade do tipo borderline é um problema no vínculo com as outras pessoas. “São indivíduos que lançam mão de esforços desesperados para evitar o abandono real ou imaginado. Qualquer fim ou separação (namoro, casamento, amizade, emprego) pode deflagrar uma crise em que a pessoa interpreta o afastamento como sinal de rejeição”, explica o médico.

2) Um padrão de relacionamentos instáveis caracterizados pela alternância entre extremos de idealização e desvalorização, que é o típico “tudo ou nada”, “amo ou odeio”. O outro tem que ser perfeito e, se errar, passa a ser depreciado. Assim, ao recusar um pedido, o “melhor psiquiatra do mundo” se transforma em “lixo”. Também é comum a pessoa ficar íntima rapidamente de alguém, alimentar um monte de expectativas e, logo depois, cair em frustração e passar a odiar o outro.

“Estas são as duas principais e essenciais características para um diagnóstico desse transtorno. Todos os outros sintomas (alterações de humor, aumento de impulsividade, ideias de suicídio, automutilação etc) são secundários a uma situação que envolva um relacionamento interpessoal problemático que tenha envolvido o medo do abandono e o de se sentir rejeitado. Além disso, pra ser um TPB esses sintomas ocorrem desde o início da adolescência até a idade adulta”, fala o psiquiatra.

sintomas-da-depressão-2

Tavares comenta que mesmo que um paciente comece a apresentar problemas de relacionamento relacionados ao medo do abandono, se for apenas durante um período de depressão, por exemplo, e não durante a vida toda, não se trata de transtorno de personalidade. Esse é o problema mais grave que vemos nos dias de hoje, avaliar uma pessoa no momento presente e, por conta de sintomas “típicos de alteração emocional do borderline” fechar este diagnóstico. O transtorno de personalidade é crônico e relacionado ao amadurecimento da personalidade e não são sintomas que ocorrem exclusivamente em um momento da vida.

O que muita gente chama de TPB, mas não é:

1) Mudanças constantes de humor;

2) Alteração de humor marcada por raiva, ódio e rancor;

3) Automutilação em pessoas deprimidas;

4) Pessoas extremamente impulsivas;

5) Tentativas de suicídio constantes;

6) Pessoa com transtorno de humor que sofreu abuso sexual ou bullying na infância;

7) Baixa tolerância à frustração e imaturidade;

8) Pessoa irônica, provocativa e manipuladora que causa uma sensação ruim no terapeuta ou no médico.

mulher humor bipolar mnt
Foto: MedicalNewsToday

“O grande problema que tenho visto para um excesso de diagnósticos de TPB é que muitas vezes se utilizam sintomas isolados para o diagnóstico. Isso é, alterações de humor mais rápidas (no mesmo dia) ou mistas (com disforia, raiva e agressividade), que até podem ocorrer em um portador de TPB, são usadas como critério essencial e apenas a presença delas leva ao diagnóstico, sem uma devida avaliação da personalidade ao longo da vida. Outro erro comum é achar que todo adolescente que se mutila é borderline, sendo que esse sintoma ocorre muito em alguns transtornos de humor”, finaliza o médico.

Fonte: Diego Tavares é graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina de Botucatu – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (FMB-UNESP) e residência médica em Psiquiatria pelo Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (IPQ-HC-FMUSP). Psiquiatra Pesquisador do Programa de Transtornos Afetivos (Gruda) e do Serviço Interdisciplinar de Neuromodulação e Estimulação Magnética Transcraniana (SIN-EMT) do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (IPQ-HC-FMUSP) e coordenador do Ambulatório do Programa de Transtornos Afetivos do ABC (PRTOAB).

Complicações da Síndrome do Intestino Irritável: o que pode ocorrer?

Síndrome do intestino irritável (SII) afeta até 45 milhões de pessoas só nos Estados Unidos. Mas os médicos não sabem muito sobre o que causa esse distúrbio intestinal. Encontrar um tratamento que funcione pode demorar, e outros problemas de saúde podem surgir nesse meio tempo.

Nenhuma das complicações são potencialmente fatais. SII não leva ao câncer ou a outras condições mais graves relacionadas ao intestino. Aqui estão alguns dos problemas de saúde que pode causar:

agua torneira trestletech
Foto: Trestletech

Desidratação: se você tem diarreia grave com frequência, seu corpo pode perder muita água e sal. Isso pode deixar você desidratado. Você pode impedir que isso aconteça bebendo muita água. Seu médico pode recomendar suco de frutas e bebidas esportivas (isotônicas) também.

microbiota intestino SII

Intestino impactado: se você está constipado por um longo tempo, as fezes podem ficar bloqueadas no cólon. Às vezes pode ficar tão difícil que você não conseguirá “empurrá-las” para fora. Isso é conhecido como uma impactação fecal. Pode doer e causar dor de cabeça, náusea e vômito. ocorre com mais frequência em adultos mais velhos. Consulte o seu médico imediatamente se você tiver sinais de que isso pode estar acontecendo.

blueberries-strawberries-and-raspberries-fruit-included-in-the-fodmap-diet

Intolerância alimentar: certos alimentos podem piorar os sintomas da SII. O que eles provocam pode ser diferente para cada um. Mas algumas pessoas se sentem melhor quando cortam trigo, laticínios, café, ovos, fermento, batatas e frutas cítricas. E gorduras e açúcares podem piorar a diarreia. Seu médico pode sugerir que você tente uma dieta Fodmap para cortar alguns carboidratos que são difíceis de digerir.

prato

Desnutrição: cortar alguns tipos de alimentos pode aliviar os sintomas da SII. Mas seu corpo pode não obter todos os nutrientes de que precisa. Um nutricionista pode ajudá-lo a encontrar uma dieta que funcione para você.

hemorroidas homem derneuemann pixabay
Foto: Derneuemann/Pixabay

Hemorroidas: vasos sanguíneos inchados ao redor de seu ânus, a abertura onde as fezes saem, podem machucar e sangrar. Fezes muito duras ou muito soltas podem piorar a situação. Se os vasos inchados estão dentro do seu ânus, eles podem sair o suficiente para ficar para fora. Você pode muitas vezes tratar hemorroidas em casa com um creme sem receita. Você também pode tentar sentar em um bloco de gelo frio. E certifique-se de manter a área limpa.

mulher no banheiro

Problemas na bexiga: algumas pessoas com SII acordam durante a noite porque precisam fazer xixi. Você também pode ter uma necessidade urgente de ir durante o dia. Além disso, você pode sentir que não consegue esvaziar completamente a bexiga. Mas não reduza os fluidos. Isso pode piorar os problemas da bexiga.

gestação gravidez pixabay luciana
Foto: Luciana Ferraz/Pixabay

Complicações na gravidez: alterações hormonais e a pressão física que um bebê põe na parede do intestino podem causar problemas digestivos. Muitas mulheres também optam por interromper os medicamentos para a SII que estão tomando. Isso pode ser melhor para o bebê, mas pode tornar as mães mais propensas a ter azia e indigestão.

Depositphotos mulher pés exercicio ivan chernichkin

Qualidade de vida: os surtos podem acontecer sem aviso prévio. Além disso, você pode ter diarreia por um tempo e, em seguida,ficar constipado. Não ser capaz de prever como você se sentirá pode dificultar a sua vida diária. Você provavelmente também precisa consultar seu médico com frequência e, provavelmente, perderá mais dias de trabalho do que outras pessoas. Pode ser mais difícil se concentrar quando você está no seu trabalho. O controle do estresse, por exemplo, por meio de exercícios ou meditação, pode ajudar.

depressão

Depressão e ansiedade: é comum as pessoas que têm SII sentirem que estão perdendo o controle sobre suas vidas. Se os seus sintomas são ruins, você pode se encontrar sempre tentando mapear o banheiro mais próximo. Porque há uma ligação entre cérebro e intestino, esse tipo de estresse pode piorar o quadro. A dor e os sintomas desajeitados com os quais você está lidando podem afetar seu humor. Pode ajudar falar com um superior sobre o que está acontecendo com você.

Referência Médica WebMD, texto analisado por Minesh Khatri, em 23 de maio de 2017