Arquivo da categoria: Proteção solar

Nada substitui o filtro solar para proteção da pele

Esqueça as receitas caseiras na hora de proteger a pele! Os danos solares são imediatos, por isso a pele fica vermelha. Mas eles também persistem e danificam o DNA em até três horas, o que causa envelhecimento e câncer de pele

Nada substitui o filtro solar na hora de proteger a pele contra os danos solares. “O filtro solar é o mais seguro mecanismo de proteção contra os raios UV. Não existe receita caseira para substituí-lo”, salienta a dermatologista Thais Pepe, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Academia Americana de Dermatologia. Essa preocupação é valiosa, pois os efeitos da radiação solar na pele são cumulativos, ou seja, as consequências podem surgir anos depois. Mas, no momento em que entra em contato com a pele, o que a radiação provoca?

“Primeiro, precisamos entender as duas radiações: o UVA é o principal responsável pelo envelhecimento precoce (manchas e rugas), sendo um tipo de radiação que atravessa nuvens, vidro e epiderme e penetra na pele em grande profundidade, até as células da derme – sendo o principal produtor de radicais livres. Entre os prejuízos: desde lesões mais simples até, em casos mais graves, câncer de pele. Já o UVB deixa a pele vermelha e queimada, danifica a epiderme e é mais abundante entre às 10 da manhã e às 4 da tarde. Essa radiação pode furar o bloqueio dos filtros químicos e aumentar o risco de cancerização”, comenta a dermatologista. “Mas já sabemos que nos primeiros 20 minutos de exposição solar, a radiação é capaz de reduzir nossas defesas da pele, em um dano que vai perdurar”, acrescenta.

Nos primeiros 20 minutos

Nesse período, a pele já começa a sofrer oxidação por conta dos radicais livres, que geram vasodilatação, inflamação e vermelhidão – de acordo com a potência dos raios, segundo a médica. “Então, não adianta chegar à praia ou à piscina e esperar para passar o protetor solar nesse momento, porque há necessidade de, pelo menos, 20 a 30 minutos para que esse filtro solar comece a agir e nesse período já ocorre um ‘ataque’ importante em relação às células da pele”. Mas esse dano vai além…

mulher protetor solar praia

Após 3 horas

Esse dano imediato da radiação persiste e se intensifica a partir de três horas. “A célula começa a ficar mais danificada e seu material genético sofre, por consequência, mutação, no qual há produção de dímeros no DNA, isto é, a troca de informações de ligação, desestabilizando esse material genético”, afirma. “Todo esse dano ao DNA leva à expressão do P53, uma proteína que em alta quantidade é ruim, pois vai gerar deficiência de agentes antioxidantes, genes que vão levar à morte celular, resultando no envelhecimento”, conta.

Além disso, de acordo com Thais, a formação de dímeros criam alteração significativa e irreversível principalmente no melanócito, ou seja, a célula protetora de cor, que vai continuar por até três horas (por isso a pele fica vermelha), tendo lesões posteriores e que podem inclusive levar a um processo de cancerização. “Nós sabemos por exemplo que o melanoma é um câncer de pele extremamente agressivo com alta capacidade de metástase e é oriundo dessas células que são os melanócitos”, afirma.

praia sol pele

De 48 a 72 horas

O bronzeado, aquele transitório, aquele rosa avermelhado, o dourado, ele ocorre nas primeiras horas depois da exposição solar. “Mas só depois de 48 a 72 horas é que vamos ter a resposta da produção da melanina, seja ela castanha enegrecida ou amarela avermelhada, dependendo do fototipo do paciente. Esse bronzeado vai se depositar na pele como uma resposta fisiológica contra a agressão sofrida”

Todo esse processo ocorre quando há a exposição solar de um dia. Esse bronzeado pode durar até três ou quatro semanas e depois pelo próprio processo natural de renovação da camada mais superficial da pele, há uma perda gradual dessa pigmentação. “Outro dado importante e comum nas peles fotoenvelhecidas, aquelas peles que se expuseram muito ao sol, é a presença das sunburn cells, as células queimadas pelo sol”, afirma. Segundo a médica, as sunburn cells estão presentes quando houve a quebra da barreira, ou seja, a pele não conseguiu se proteger, o filtro solar estava aquém da necessidade para aquele fototipo, ou o estímulo solar foi prolongado demais, ou não houve a reaplicação desse filtro solar.

pele-queimada-de-sol

“E por conta disso, a pele começa a sofrer uma série de alterações, todos decorrentes de um primeiro processo inflamatório, onde ocorre o eritema, a vasodilatação, o aumento da perfusão sanguínea, a sensação de calor local, depois o processo de ardência e, então, já começam os processos oxidativos, que é a formação dos radicais livres e superóxidos que causam um envelhecimento precoce das nossas células. Além disso, pela exposição solar contínua, deixamos de ter a defesa imunológica feita pelas células de Langerhans, e quando isso acontece, nós aumentamos a chance de cancerização da nossa pele”, alerta a médica.

Por fim, Thais ressalta que o filtro solar deve ser passado na pele do corpo todo sem qualquer vestimenta, trinta minutos antes da exposição solar e reaplicado a cada duas horas em média, com uso de chapéu e óculos. “Além disso, aqueles que querem ir à praia, devem respeitar os horários recomendados que são: até 10 horas da manhã e depois das 16 horas”, finaliza.

Fonte: Thais Pepe é dermatologista especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, membro da Sociedade de Cirurgia Dermatológica e da Academia Americana de Dermatologia. Diretora técnica da clínica Thais Pepe, tem publicações em revistas científicas e livros, além de ser palestrante nos principais Congressos de Dermatologia

Anúncios

Pálpebras viram preocupação mundial pela incidência de câncer de pele

Estudo da Universidade de Liverpool, apresentado na conferência anual britânica de dermatologistas, mostra que ao usar filtro solar no rosto, uma área de 10% (incluindo pálpebras e região entre olho e nariz) é negligenciada. Entre 5 e 10% dos cânceres de pele acontecem nas pálpebras

As pálpebras e toda região dos olhos viraram preocupação mundial pelo aumento da incidência de câncer de pele, que já chega a 10% nessas áreas frequentemente negligenciadas, segundo pesquisa da Universidade de Liverpool apresentada na conferência anual da Associação Britânica de Dermatologistas, no Reino Unido.  O estudo constatou que, ao passar filtro solar no rosto, a tendência é esquecer cerca de 10% da face – incluindo pálpebras e região entre o canto interno do olho e o nariz.

“Uma proteção solar adequada deve ser feita efetivamente com a cobertura de todo o rosto, além do uso de chapéus e principalmente óculos de sol, já que a área dos olhos tem uma pele extremamente fina e susceptível a danos, inclusive câncer”, explica a dermatologista Thais Pepe, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Academia Americana de Dermatologia.

Aliás, a preocupação com a região tem crescido pelo mundo: a Associação Canadense de Dermatologia, por exemplo, anunciou, em junho, parceria com a Sociedade Canadense de Oftalmologia para criar um nível de proteção UV oferecido pelos óculos de sol, a fim de garantir fotoproteção adequada para a região.

A pesquisa da Universidade de Liverpool foi feita com 57 participantes, do sexo masculino e feminino. Eles foram convidados a aplicar protetor solar no rosto sem mais informações ou instruções dadas pelos pesquisadores. Foram tiradas fotos de cada um dos participantes com uma câmera sensível ao UV antes e depois da aplicação de protetor solar; as áreas cobertas de protetor solar aparecem em preto devido à câmera UV. Essas imagens foram então segmentadas e analisadas por um programa personalizado para julgar o sucesso que cada pessoa estava em cobrir todo o seu rosto.

A dermatologista afirma que, como a aplicação de protetor solar nestas áreas não é necessariamente prática, é importante usar outras formas de proteção, como óculos de sol. “Como a pele da região dos olhos é muito delicada, alguns filtros podem causar irritação; dessa forma, o paciente deve priorizar produtos oftalmologicamente testados, protegendo a área sem correr risco de reação”, afirma.

“Mas o dado mais importante para tirar desta pesquisa é a importância de acessórios na proteção solar, como os óculos de sol, que não resguardam apenas os olhos e córneas; eles são importantes para proteger, também, a pele das pálpebras propensas a câncer “, afirma.

A cirurgiã plástica Beatriz Lassance, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e da Isaps (International Society of Aesthetic Plastic Surgery), já atendeu casos de reconstrução de pálpebras por motivos de câncer e acrescenta: “O procedimento de retirada do tumor e reconstrução é muito delicado, por ser uma região que pode comprometer a funcionalidade das pálpebras e prejudicar a visão”.

Recomendações para uso correto do fotoprotetor

Middle-aged woman applying anti-aging cream
Foto: Bigstock

A Sociedade Brasileira de Dermatologia recomenda o uso de protetores solares de FPS mínimo de 30. “Em peles mais claras e em fotoexposição direta, o ideal é usar FPS 50”, explica Thais. Além disso, os filtros solares devem atender a legislação brasileira de apresentar proteção UVA (PPD) de no mínimo 1/3 do valor de FPS.

“A primeira aplicação do filtro deve ser feita com atenção e cuidado, pelo menos 15min antes da exposição, de preferência sem roupa, ou com a menor quantidade possível. É ideal aplicar em duas camadas cobrindo bem a superfície da pele, sendo que cada camada deve ser equivalente a uma colher de chá. O filtro deve ser realizado a cada duas horas ou após longos períodos de imersão”, acrescenta a dermatologista.

Raios UVA, UVB e IR

Os três principais promotores do envelhecimento precoce e que também favorecem o aparecimento do câncer de pele são os raios UVA, UVB e IR (Infravermelho A). A médica explica que UVA é o principal responsável pelo envelhecimento precoce (manchas e rugas), sendo um tipo de radiação que atravessa nuvens, vidro e epiderme, é indolor e penetra na pele em grande profundidade, até às células da derme — sendo o principal produtor de radicais livres.

“Já a radiação ultravioleta B deixa a pele vermelha e queimada, danificando a epiderme e é mais abundante entre as 10 da manhã e 4 da tarde. Seu grau de proteção é medido pelo FPS e é uma radiação que pode furar o bloqueio dos filtros químicos e aumentar o risco de cancerização”, comenta Thais.

mulher rosto médico palpebras

Por fim, o Infrared é sentido através do calor ou mormaço. “É uma radiação que acomete num comprimento de onda suficiente para atingir a derme mais profunda — a derme reticular — onde estão as fibras de ancoragem e sustentação da pele. E isso provoca um dano muito importante, com menor elasticidade, além de um maior potencial de cancerização”, completa.

Fontes:

Thais Pepe é dermatologista especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, membro da Sociedade de Cirurgia Dermatológica e da Academia Americana de Dermatologia. Diretora técnica da clínica Thais Pepe, tem publicações em revistas científicas e livros, além de ser palestrante nos principais Congressos de Dermatologia.

Beatriz Lassance é Cirurgiã Plástica formada na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e residência em cirurgia plástica na Faculdade de Medicina do ABC. Trabalhou no Onze Lieve Vrouwe Gusthuis – Amsterdam -NL e é Membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, da ISAPS (International Society of Aesthetic Plastic Surgery) e da American Society of Plastic Surgery (ASPS).

Dezembro Laranja: protetores solares para prevenção do câncer de pele

Dezembro é o mês da chegada do verão e, junto com ele, nos deparamos com diferentes tipos de agressões dos raios solares, que podem ser extremamente prejudiciais à pele. Em uma iniciativa para o combate ao câncer de pele e como forma de lembrete à população sobre a importância do uso do protetor solar, a Sociedade Brasileira de Dermatologia lançou a campanha “Dezembro Laranja”.

Com foco constante no bem-estar e em atender às mais variadas necessidades dos consumidores, a Shiseido, uma das empresas mais antigas de cosméticos do mundo, apoia a iniciativa ao trazer diversos produtos de proteção solar para o mercado brasileiro. A empresa, que se consagrou graças ao amplo portfólio que visa a saúde da pele, trazendo a beleza de dentro para fora, tem a filosofia de destinar anos e grande parte do seu investimento em pesquisas para a descoberta de novas tecnologias para o desenvolvimento de produtos capazes de atender a todos os púbicos.

shiseido verão 1

Em 1923, a Shiseido lançou o Uviolin no Japão, considerado o primeiro protetor solar do país. Avançando rapidamente no mercado, trouxe em 1980 fórmulas resistentes à água e em 1993 aconteceu o lançamento oficial da best-seller UV Protective Compact Foundation, que continua como um dos carros-chefes da marca, ao oferecer proteção solar de alto desempenho e um toque embelezador, graças à sua gama de cores que satisfazem a todas. No Brasil, virou um ícone dos nécessaires das mulheres, reconhecida por sua embalagem azul.

Entretanto, foi em 2015 que a Shiseido revolucionou o mercado de proteção solar ao lançar a tecnologia WetForce, que forma um filme que protege a pele contra os raios UV, e fica ainda mais forte quando entra em contato com a água ou o suor. Desde seu lançamento até o fim de 2016, os protetores enriquecidos com essa tecnologia ganharam 28 prêmios de beleza pelo mundo.

Linha completa Shiseido Suncare:

Bases solares:

compact foundation shiseido

UV Protective Compact Foundation SPF 35 – R$ 247,00

stick foundation shiseido
UV Protective Stick Foundation SPF 36 – R$ 259,00

liquid foundation shiseido
UV Protective Liquid Foundation SPF 43 – R$ 329,00

Com tecnologia WetForce:

aging protection shiseido 1

Shiseido Expert Sun Aging Protection Lotion SPF 30 – R$ 285,00

aging protection shiseido 2
Shiseido Expert Sun Aging Protection Lotion Plus SPF 50+ – R$ 319,00

aging protection cream
Shiseido Expert Sun Aging Protection Cream Plus SPF 50+ – R$ 285,00

 

expert sun
Shiseido Expert Sun Protection Lotion SPF50+ – R$ 319,00

sports bb
Shiseido Sports BB – R$ 329,00

sun protection spray

Shiseido Sun Protection Spray 3 Em 1 – Oil Free SPF 15 – R$ 249,00

Informações: Shiseido – SAC – 0800148023

Aplicando protetor solar: quanto, como, quando, onde e qual passar

A chegada das estações mais quentes deve lembrar algumas coisas: os danos solares são imediatos, por isso a pele fica vermelha; mas eles também persistem e danificam o material genético causando envelhecimento e câncer de pele; o protetor solar é a forma mais eficaz de se defender.

Mas afinal, qual a forma correta de aplicação do filtro solar? Aliás, existe uma? Dois experts no assunto, a dermatologista Thais Pepe, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, e o farmacêutico e diretor científico da Consulfarma Lucas Portilho, que também é pesquisador em Fotoproteção na Unicamp, tiram as principais dúvidas:

Quanto de protetor solar eu devo passar?
“Para obter a proteção do fator de proteção solar (FPS) descrito na rotulagem é necessário aplicar 2mg/cm2. De forma prática, se pensarmos em rosto, equivale a uma colher de café cheia”, conta Lucas Portilho. No caso do corpo, o consenso é aplicar: uma colher de café no braço e antebraço direitos; uma colher no braço e antebraço esquerdos; duas colheres no torso (1 para a frente e 1 para as costas); duas colheres para a coxa e perna direitas (1 para a parte da frente e 1 para a parte de trás); e duas colheres para coxa e perna esquerdas (1 para a parte da frente e 1 para a parte de trás).

protetor solar pedro j perez
Foto: Pedro J. Perez/MorgueFile

Como e onde deve ser aplicado?
“No caso do rosto, eu tenho que passar uma camada generosa do filtro solar até que cubra toda a área e eu tenha aquela sensação de que existe um conforto e uma cobertura homogênea. Então obrigatoriamente, eu devo passar e estender no rosto até a raiz do cabelo, também na região pré-auricular, bem pertinho da dobra da orelha, não esquecer pescoço, nuca, orelhas quando eu estou em exposição ao sol como praia, piscina, caminhada, porque essas são áreas que frequentemente sofrem queimaduras”, enfatiza a dermatologista Thais Pepe.

“Além disso, devo reforçar a região do osso da bochecha, ao redor dos lábios, na ponta do nariz e em suas laterais, já que que essas são áreas em que nós mais percebemos os campos de cancerização e mesmo a formação das manchas. Não esquecer de passar o protetor solar na região do pescoço, do colo, para os homens o V da camisa, que acaba sendo uma área esquecida e, por conta disso, acaba tendo a demarcação da linha do fotoenvelhecimento e o aparecimento das queratoses actínicas, que são lesões do tipo pré-câncer”, acrescenta Thais.

Já no caso do corpo, uma recomendação importante: sempre que o paciente for para a exposição solar, ele deve passar o filtro sem roupa. “Ou seja, o filtro é passado no corpo todo e depois é colocado ou a roupa do exercício físico, ou biquíni, ou maiô da natação. E o filtro solar deve ser aplicado puro sobre a pele: então eu não passo um filtro solar com perfume, com hidratante, com produto anterior de hidratação para não perder a sua potência e aderência”, completa.

protetor solar

Quando deve ser aplicado?
“Não adianta chegar à praia ou à piscina e esperar para passar o protetor solar nesse momento. O filtro solar tem a necessidade de, pelo menos, 20 a 30 minutos para começar a agir e nesse período eu já estou sofrendo um dano importante em relação às células da minha pele”, afirma a dermatologista. Portanto, aplicar o protetor meia hora antes da exposição é uma zona de conforto e segurança. Além disso, a reaplicação deve ocorrer a cada duas horas em média, com uso de chapéu e óculos. “Aqueles que querem ir à praia, devem respeitar os horários recomendados que são: até 10 horas da manhã e depois das 16 horas”, completa a médica.

Qual FPS devo usar?
“A partir do FPS 30 já temos uma boa proteção, que fica perto de 97% de absorção da UVB, por exemplo. O problema é que como os brasileiros não aplicam uma quantidade adequada de produto, quando usam um FPS 30, na verdade a proteção é equivalente a um FPS 8”, conta Lucas. “Por isso gosto de fotoprotetores com FPS mais alto como 50, 60 ou 70. Acima disso o produto fica muito ruim sensorialmente e faz com que o consumidor não utilize diariamente. Afinal ninguém gosta de ficar com o rosto oleoso”, acrescenta.

Qual protetor solar?
Sem dúvida as classificações da pele requerem fotoprotetores diferentes. “Por exemplo, uma pessoa com fototipo 1 precisa de uma proteção muito maior quando comparado com uma pessoa com fototipo maior. Isso porque quanto maior o fototipo, mais escura a melanina da pele, um pigmento que protege a pele contra a radiação. Portanto, um indivíduo com pele clara, tem menos proteção e por isso precisa de fotoprotetores com FPS e UVA maiores”, explica Lucas Portilho. E tem mais: “Em relação ao sensorial do fotoprotetor, é importante usar produtos que sejam mais secos no caso de pessoas com pele oleosa ou produtos mais hidratantes no caso de quem apresenta pele seca”, completa o pesquisador em fotoproteção.

protetor-solar-333

Por que usar filtro?
Porque ele é a forma mais segura de proteção contra as radiações solares, segundo a médica. “Pesquisa recente descobriu que o guarda-sol não consegue bloquear as radiações e oferece, no máximo, FPS 8. Além disso, a areia reflete os raios solares”, afirma Thais. “UVA é o principal responsável pelo envelhecimento precoce (manchas e rugas), sendo um tipo de radiação que atravessa nuvens, vidro e epiderme e penetra na pele em grande profundidade, até as células da derme – sendo o principal produtor de radicais livres. Entre os prejuízos: desde lesões mais simples até, em casos mais graves, câncer de pele. Já o UVB deixa a pele vermelha e queimada, danifica a epiderme e é mais abundante entre as 10 da manhã e as 4 da tarde. Essa radiação pode furar o bloqueio dos filtros químicos e aumentar o risco de cancerização”, finaliza a dermatologista.

Fontes
Thais Pepe: dermatologista especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, membro da Sociedade de Cirurgia Dermatológica e da Academia Americana de Dermatologia. Diretora técnica da clínica Thais Pepe, tem publicações em revistas científicas e livros, além de ser palestrante nos principais Congressos de Dermatologia.
Lucas Portilho: consultor e pesquisador em Cosmetologia, farmacêutico e diretor científico da Consulfarma e Pesquisador em Fotoproteção na Unicamp. Especialista em formulações dermocosméticas e em filtros solares. Diretor das Pós-Graduações do IPUPO Educacional, Hi Nutrition Educacional e Departamento de Desenvolvimento de Formulações do IPUPO. Atuou como Coordenador de Desenvolvimento de produtos na Natura Cosméticos e como gerente de P&D na AdaTina Cosméticos.

Árago participa de “Dezembro Laranja” na luta contra câncer de pele

O câncer de pele é o de maior incidência no Brasil, corresponde a 33% de todos os tumores malignos registrados no país. Para conscientizar e reforçar a importância da prevenção e diagnóstico precoce, a Sociedade Brasileira de Dermatologia promove neste mês a campanha Dezembro Laranja, com um alerta especial para quem se expõe constantemente ao sol na rotina profissional ou no dia a dia. Pelo quarto ano consecutivo, a Árago Dermocosméticos participa deste movimento, alertando parceiros e clientes sobre a importância do uso do protetor solar.

Com alta possibilidade de cura, quando detectado precocemente, o câncer de pele pode ser melanoma, mais agressivo e com maior taxa de mortalidade; ou não-melanoma, com maior incidência e com menos mortalidade. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), estima-se que, no Brasil, em 2017, houve mais de 175 mil novos casos, a maior parte deles em mulheres. Ligado diretamente à exposição solar, os sintomas estão presentes em uma pinta no corpo, onde se deve observar alguns sinais ABCDE: A – assimetria; B – bordas irregulares; C – cores diversas; D – diâmetro maior que seis milímetros e E – evolução (mudanças na pinta ou lesão).

De acordo com Elaine Verissimo, diretora de Pesquisa & Desenvolvimento da Árago Dermocosméticos, “uma das principais formas de prevenção é o uso constante de filtro solar e menor exposição aos raios solares nos horários mais críticos, entre 11h e 16h”. Engajada na campanha Dezembro Laranja, a empresa promoverá ações em torno do mote “Bye Bye Câncer de Pele”, como a distribuição de amostras de protetores solares e informativos nas cidades onde atua.

Tecnologia na proteção da pele

Entre as amostras que serão distribuídas, está a do protetor solar Bi-Gel, uma inovação que propicia o agrupamento de dois géis com filtros solares de alta performance, com excelente proteção UVA e UVB, sem a necessidade de um tensoativo – substância aplicada em produtos cosméticos para estabilizar a união água-óleo, fazendo com que os componentes da loção espalhem de forma mais uniforme –, o que proporciona um toque seco e um sensorial mais sofisticado que os outros produtos existentes no mercado.

Pretetor Solar Bi-Gel Bisnaga

Ideal para peles as oleosas e acneicas, o Protetor Solar Bi-Gel FPS 30 age na cicatrização da pele, aumentado a capacidade de retenção de umidade, e possui efeito amaciante e anti-irritante, tudo isso devido à ação da Alantoína. Contém ainda Vitamina E, com potente ação antioxidante e protetora do DNA celular.

Informações: Árago Dermocosméticos

 

 

 

Dudu Bertholini assina primeira coleção para UV.LINE

A UV.LINE, marca pioneira de roupas e acessórios com proteção solar, lança a sua primeira coleção resort em parceria com Dudu Bertholini, um dos estilistas mais consagrados da moda brasileira.

As criações aliam o estilo autêntico e autoral do estilista com a funcionalidade e tecnologia da UV.LINE, já que todas as peças possuem proteção FPU50+, que bloqueiam 98% dos raios UVA e UVB. “Estou muito feliz com minha nova parceria com a UV.LINE. Funcionalidade e estilo são as palavras chave dessa coleção, que traz proteção com muita personalidade”, diz Dudu Bertholini, que fará outras duas coleções exclusivas para marca em 2018.

 

Essa primeira colaboração traz duas estampas. A Zíngaras, palavra que significa ciganas em italiano, reflete a personalidade criativa do estilista, com uma pegada mais sofisticada. O mood safari em fundo claro é perfeito para curtir as festas de final de ano com muito estilo. Já a estampa Aloha é a cara do verão, refletindo a alegria da estação com cores fortes que deixam o look ao mesmo tempo divertido e cool, perfeita para curtir as férias.

A coleção também aposta na versatilidade das peças, como o capuz na estampa Zíngaras, que pode ser usado também como saia ou blusa cropped, e a canga na estampa Aloha que também pode virar saia, blusa frente única ou cardigã. Dois must have da coleção.

A campanha de lançamento conta com a top Alicia Kuczman, fotos de Tavinho Costa, make de Lau Neves e produção executiva da Goia Pana Studios.

 Informações: UV.LINE

 

 

Cuidados com as crianças no verão

Já dando os seus primeiros sinais, o verão, que começa oficialmente em dezembro, traz com ele o sol escaldante e as altas temperaturas, que podem trazer sérias complicações à saúde como desidratação, queimaduras e envelhecimento precoce, além de provocar o câncer de pele. Com o período de férias escolares nessa estação, as crianças ficam mais expostas a esses riscos e os cuidados precisam ser redobrados em relação à hidratação, à alimentação, ao vestuário e ao tempo para ficar ao ar livre.

As brincadeiras debaixo do sol devem ser realizadas em horários específicos, evitando os momentos de pico. Também é importante um equilíbrio entre a alta temperatura externa e o ar condicionado dos ambientes fechados.

menina criança praia pixabay
Foto: Pixabay

“A exposição solar deve ser evitada entre 10h e 16h. Nesse período, predomina a radiação ultravioleta-B, que é responsável pelo desenvolvimento do câncer da pele. Até às 10h e após às 16h, a exposição solar pode ser feita, mas sempre com o uso do filtro solar, roupa apropriada e chapéu. E, nas crianças maiores, óculos de sol. O ar condicionado deve ser utilizado com cuidado, principalmente se a criança ficar entrando e saindo do ambiente refrigerado”, alerta a professora doutora Silmara Cestari, docente da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP); médica do Corpo Clínico e coordenadora da Residência Médica em Dermatologia do Hospital Sírio Libanês, e presidente do Departamento Científico de Dermatologia da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP).

Além da desidratação e da diarreia, os problemas mais frequentes em crianças durante o verão, também é comum o surgimento de doenças de pele como miliária (a popular brotoeja), decorrente do suor, micoses devido à exposição mais frequente aos fungos, larva migrans (conhecida como bicho-geográfico), ocasionada pela penetração na pele de vermes vindos das fezes de cachorros e gatos em terrenos arenosos, e reações de hipersensibilidade a picadas de insetos.

Para que esses efeitos nocivos e doenças sejam evitados, é ideal a ingestão sistemática de água e sucos, o consumo de alimentos leves como verduras e frutas, o uso de roupas com tecidos finos de algodão e cores claras, que armazenam menos calor, além do cuidado frequente da pele com o uso do filtro solar.

crianca-protetor-praia

“O protetor deve ser aplicado 30 minutos antes da exposição solar, para que possa penetrar e agir adequadamente, e deve ser reaplicado a cada duas horas e sempre que a criança sair do mar ou da piscina”, orienta a dermatologista.

Fonte: Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP)

 

Hidratante fotoprotetor para peles maduras

Reforçando seu vínculo com os profissionais de beleza e estética de todo o país, a Bel Col Cosméticos lança Solectiv Hidratante Fotoprotetor FSP 60 e apresenta sua ampla linha de produtos, por meio do site, composta por itens profissionais para uso em cabine e home care para cuidados diários – além de novidades dotadas de alta tecnologia cosmética.

Hidratante fotoprotetor proporciona tratamento multifuncional para apele

Solectiv Hidratante Fotoprotetor, produto que contribui para a reposição da perda de hidratação cutânea, proporciona tratamento de beleza integral ao mesmo tempo em que protege a pele dos efeitos nocivos provocados pelas radiações UVA E UVB.

A novidade conta com composição diferenciada, capaz de propiciar a hidratação necessária para a pele e contribuir para a luminosidade, jovialidade e elasticidade. Além disso, associa os benefícios de sua formulação ao colágeno, proteína e princípio ativo de importância fundamental para a sustentação de células e função estrutural da pele.

Solectiv Hidratante Fotoprotetor FPS 60 - 11 4161-8450 - www belcol com br - R$ 12252

A associação do produto à capacidade de fotoproteção 60 contribui ainda para a formação de uma barreira de proteção na pele, adquirindo capacidade multifuncional, atuando como um verdadeiro protagonista na rotina de cuidado diária e no tratamento de peles sensíveis às radiações ultravioleta e suscetível à desidratação.

Informações: Bel Cor

 

Shiseido lança híbrido de BB Cream e protetor solar

Todas nós queremos nos manter belas enquanto praticamos esportes ou atividades físicas ao ar livre. Agora, a Shiseido desenvolveu o protetor solar tipo BB Cream que atende essas necessidades e, ao mesmo tempo, nutre a pele.

Combinando sua expertise em maquiagem com sua renomada tecnologia de proteção contra o sol, a Shiseido apresenta seu novo protetor solar estilo BB Cream que protege, nutre e embeleza a pele, destacando seu look esportista na hora de malhar.

Graças à tecnologia WetForce introduzida no produto, quanto maior a transpiração ou contato com água, mais forte a proteção solar fica, e para reforçar o look luminoso, seu Contouring Powder garante máxima radiância. Se o objetivo é praticar esportes e atividades ao ar livre e permanecer bonita, o Sports BB é a melhor opção.

As diversas qualidades do Sports BB:

1. Sua fórmula WetForce impulsiona a proteção UV ao entrar em contato com o suor e com a água.
2. O Contouring Powder faz a pele parecer mais saudável, esculpida e bonita quando exposta a forte luz solar.
3. É formulado com Amino Complex, um dos principais agentes que ajudam a manter a pele hidratada. Por isso, muitos atletas tendem a consumir bebidas com este complexo enquanto praticam esportes, uma vez que atividades físicas levam a intensa perda d’água.
4. Sua fórmula refrescante se espalha de maneira suave e uniforme. De textura leve, fornece cobertura natural para as imperfeições, deixando uma pele radiante.

O novo Sport BB SPF 50+ da Shiseido, em três tons: Light, Medium e Dark. Possui uma fórmula bifásica, por isso é necessário agitar antes de aplicar. Colocar uma pequena quantia na ponta dos dedos, aplicar do centro da face para as extremidades uniformemente.

shiseido foto joão neto
Foto: João Neto

Como a proteção fica ainda mais forte quando entra em contato com a água ou transpiração?

Esse novo protetor BB é feito com uma forma estabilizada do Ionic Mineral Sensor, que contém íons negativos. Esses íons se mesclam de forma poderosa com os minerais da água e da transpiração (íons positivos), criando uma camada de proteção altamente repelente à água.

Tecnologia

1. WetForce
Com a tecnologia WetForce, a camada de proteção fica ainda mais forte quando entra em contato com a água (teste in vitro). Produtos com proteção solar tradicionais costumam sair facilmente quando se misturam com suor ou água; no entanto, essa exclusiva tecnologia Shiseido se une com os minerais da água e da transpiração, fortalecendo a proteção.

2. SuperVeil-UV 360
Cria uma camada de proteção UV que adere uniformemente aos contornos microscópicos da pele, prevenindo os raios UV de alcançarem qualquer ângulo da face.

3. Profence CEL
Um complexo de ingredientes que ajudam a prevenir os danos da pele ligados à formação de rugas e manchas*.

4. Amino Complex
Este complexo de aminoácidos ajuda a equilibrar a hidratação da pele, restabelecendo os níveis ótimos de pH e mantendo a reposição natural, que são afetados pelo suor.

5. Contouring Powder
Este pó para contorno especialmente formulado com pérolas brancas emite luminosidade quando entra em contato com a forte luz solar, absorvendo a luz que incide nas laterais criando um contorno para o rosto.

Efeito sombreado do Contouring Powder

Quando a luz incide diretamente sob o Contouring Powder, o centro do rosto torna-se iluminado, enquanto que as laterais permanecem escura, enfatizando o contorno. Quando a luz incide diretamente sob o pó iluminador, a superfície do rosto fica iluminada em todos os ângulos

Eficácia dos resultados

Durante/imediatamente após a aplicação
– 97%: “O produto espalha de maneira uniforme na pele”
– 95%: “A fórmula possui cobertura ideal”
– 89%: “Sob o sol, meu rosto parece esculpido/contornado pela luz e sombras”

Após quatro horas
– 95%: “O produto é mais resistente à transpiração e água que qualquer outro”

Avaliação Geral

– 96%: “O protetor BB é ideal para esportes ou outras atividades ao ar livre”
– 92%: “Acredito que este protetor BB possui maior durabilidade da proteção UV do que qualquer outro protetor BB ou base”
– 93%: é um produto must have!
*Testada em 109 mulheres caucasianas da África do Sul (12/2015).

shiseido bb

Shiseido Sports BB – Preço sugerido: R$ 329,00

Informações: Shiseido – SAC – 0800148023

Protetor solar colorido barra dano da luz visível à pele*

Há algo de errado em relação à exposição das pessoas ao sol. Mesmo com o aumento no consumo de protetores solares em todo o mundo, o número de casos de câncer de pele continua a crescer. Um dos principais motivos pode ser a ação da luz visível, que também causa danos à pele e não é bloqueada por protetores solares convencionais.

Essa foi a conclusão de uma equipe do Centro de Pesquisa em Processos Redox em Biomedicina (Redoxoma), um Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepid) da Fapesp. Os pesquisadores descreveram, em artigo publicado no Journal of Investigative Dermatology, o mecanismo dos efeitos combinados do dano provocado pelos raios UVA e pela luz visível nas células que produzem queratina.

“Sabia-se que a luz visível provocava dano na pele, porém avançamos no entendimento dos mecanismos ao demonstrar que os raios UVA estimulam o acúmulo de um pigmento chamado lipofuscina, que atua depois como fotossintetizador da luz visível na epiderme”, disse Maurício Baptista, professor do Instituto de Química da USP e membro do Cepid Redoxoma, à Agência Fapesp.

“Basicamente, o UVA causa um dano na pele e a luz visível amplifica”, disse. De acordo com Baptista, para se proteger da luz visível seria necessário usar uma barreira física, como o uso de roupas e panos, ou um protetor solar colorido.

“O protetor colorido não deve ser de qualquer cor. A ideia é que seja da tonalidade da pele de cada pessoa. Desenvolvemos um produto que contempla a proteção dos raios UVA, UVB e também da luz visível. Ele usa nanopartículas revestidas com filme fino de melanina. Este invento está patenteado [em nome da USP, com apoio da FAPESP] e estamos buscando parcerias para produzi-lo”, disse.

O mecanismo de dano da luz visível é parecido com o dos raios UVA. Ambos atuam por meio da excitação luminosa e da promoção de estados excitados nas células da epiderme.

O mecanismo é completamente diferente, por exemplo, do encontrado nos raios UVB, que são absorvidos diretamente pelo DNA das células da epiderme, tendo resposta muito mais rápida – inicialmente a vermelhidão para quem produz menos melanina – e um maior dano à pele. O infravermelho tem o efeito de uma radiação de calor que expande os vasos e provoca uma inflamação.

“É preciso saber que a maneira como estamos nos protegendo do sol está errada. Além de exagerada, pois os índices de vitamina D estão cada vez mais baixos na população brasileira, porque não pegamos um mínimo de sol necessário sem protetor. Não estamos evitando a luz visível, que também causa dano na epiderme e não é barrada pelo filtro solar”, disse Baptista.

Por outro lado, proteger-se dos raios UVB é fundamental. “Outra interpretação errada de nosso estudo seria dizer que não é preciso usar protetor solar. Não é isso. O UVB é muito mais tóxico do que o UVA e do que a luz visível. Só que tem havido um aumento na ocorrência de cânceres mais profundos, até porque a população se protege do UVB há, pelo menos, 40 anos, mas por muito tempo não havia protetores contra o UVA. Contra o visível não tem até hoje”, disse.

protetor solar colorido fapesp
Estudo realizado no Cepid Redoxoma esclarece mecanismo de ação da luz visível na epiderme e põe em questão o modo como os protetores solares são utilizados pela população (foto: Wikimedia)

Lesão nos queratinócitos

A radiação UVA penetra de maneira mais profunda na epiderme e provoca outro tipo de dano, que é perceptível no longo prazo. “Acreditamos que os tipos de câncer de pele caracterizados pela exposição ao UVA devem ter muito da ação da luz visível, que nunca foi contabilizada. Os danos do UVA e da luz visível são parecidos, eles agem em conjunto. Tanto o dano oxidativo do UVA quanto do visível causam oxidação no DNA”, disse Baptista.

A equipe do Redoxoma já havia estudado, em 2014, como as células produtoras de melanina, os melanócitos, respondiam à luz visível. O novo trabalho vai além e analisa como as células produtoras de queratina (queratinócitos), que correspondem a maior parte das células da epiderme, são lesionados pela luz visível.

Baptista conta que os queratinócitos sofrem primeiro o dano pela radiação UVA, fazendo com que essas células produzam lipofuscina, um fotossensibilizador de luz visível – célula que absorve e destrói pigmentos. Quando isso ocorre, os queratinócitos se tornam sensíveis à luz visível. “Vimos que não é só o melanócito da epiderme que sofre com os efeitos da luz visível, o queratinócito também”, disse.

A luz visível tem um efeito menor de dano à pele em comparação a outros tipos de raios solares, mas a resposta na epiderme é amplificada quando a pele não é mais saudável e sofreu dano por radiação UVA. Além disso, 45% da radiação solar que atinge a pele é composta de luz visível e somente 5% de ultravioleta.

“Avançamos na compreensão sobre o dano na pele causado pelos tipos de radiação, mas é preciso alertar que tomar sol é importante. A pele fica mais saudável em quem toma um pouco de sol por uma série de fatores. O principal é a produção de vitamina D, que só ocorre se a pele é exposta sem o protetor solar. Quanto é esse pouco de sol? Depende muito do tipo de pele e de onde a pessoa está no planeta, da latitude, da altitude. Infelizmente, não existe uma tabela dizendo quanto a pessoa precisa tomar de sol”, disse Baptista.

O artigo Lipofuscin generated by UVA turns keratinocytes photosensitive to visible light (doi: 10.1016/j.jid.2017.06.018), de Paulo Newton Tonolli, Orlando Chiarelli-Neto, Carolina Santacruz-Perez, Helena Couto Junqueira, Ii-Sei Watanabe, Felipe Gustavo Ravagnani, Waleska Kerllen Martins, Maurício S. Baptista, pode ser lido no Journal of Investigative Dermatology.

*Maria Fernanda Ziegler | Agência Fapesp