Arquivo da tag: restaurante

6º Organic Food Fest oferece alta gastronomia orgânica

Festival reúne casas em São Paulo e Rio de Janeiro com receitas sustentáveis e livres de agrotóxicos a preços acessíveis. Apresentadoras de TV e chefs renomadas como Bela Gil e Tati Lund são destaques desta edição

Saúde, sabor, frescor. Essa é a proposta da 6ª edição do Organic Food Fest, que começou no dia 19 de janeiro e vai até dia 4 de fevereiro de 2018 e que conta com 23 restaurantes badalados do eixo Rio-SP, reunindo mais de 100 receitas inéditas e sustentáveis.

O festival é o único gastronômico à base de orgânicos do Brasil com a proposta de incentivar uma alimentação saudável e um consumo sustentável. Para criar uma verdadeira opção sensorial e gustativa, os chefs precisarão criar um menu-degustação exclusivo em 3 tempos com, pelo menos, metade dos ingredientes de origem orgânica, proveniência agroecológica ou de pequenos produtores. Os menus terão o preço fixo de R$ 55,00 no almoço ou R$ 88,00 no jantar (por pessoa), dependendo da escolha da casa. Bebidas e 10% de serviço à parte.

As chefs e apresentadoras do canal GNT, Bela Gil, dos hotéis Best Western, e Tati Lund, do.Org Bistrô, grandes defensoras da culinária natural e da cozinha de qualidade na mesa de todos, são destaques nesta edição e participam com menus exclusivos no Rio de Janeiro. Em São Paulo, as casas Antonietta Cucina, Banana Verde, Bar da Dona Onça, Clos, Comedoro, Condessa Bistrô, Félix Bistrot, Jacarandá, La Piadina, Le Bou Bistrô, Mercearia do Conde, Nambu, Obá Restaurante, Solo, Taka Daru Izakaya e Tavares Restaurante são alguns dos participantes desta edição, que vão adaptar ou ampliar seus menus de base orgânica para atender às regras do festival.

No Rio de Janeiro, participam: Bottega Del Vino, Duo Trattoria, Mensateria, .Org Bistrô, os restaurantes Da Bela e o Zazá Bistrô. Para ser orgânico, o produto não pode ter recebido adubo químico, agrotóxico, hormônio, antibiótico, insumo geneticamente modificado, radiação ou qualquer aditivo sintético. Na maioria dos casos, em edições anteriores, os chefs bateram as metas mínimas e conseguiram apresentar pratos de 80 a 100% orgânicos.

A 6ª edição do Organic Food Fest tem o patrocínio da Korin, empresa brasileira de produtos orgânicos e sustentáveis, especialmente carnes, Direto da Serra, Feira Biodinâmica e Terra Frutas. O apoio é de Associação de Agricultura Orgânica (AAO), Idec, FinoCoco, Poder da Terra e Zucca e o apoio de mídia de Band FM, Elemidia, Itaú Cinemas e Kallas.

Criado pelo empresário alemão Matthias Börner, grande entusiasta do mercado de orgânicos, o festival visa disseminar o uso de alimentos orgânicos na alta gastronomia e fomentar o setor no Brasil. Alimentos orgânicos fazem bem à saúde por serem mais completos nutricionalmente, mais saborosos e ricos em minerais como ferro, selênio e potássio do que os convencionais.

Pessoas com alergias e intolerâncias alimentares também têm se beneficiado de dietas de origem orgânica. Eles são benéficos à saúde também de quem os produz e manipula, por não haver risco de intoxicação. “A produção dos orgânicos respeita princípios, como proteção da biodiversidade, condições dignas de trabalho e o manejo correto da água e do solo. Substituir a alimentação convencional pela orgânica é iniciar uma revolução sustentável.

Na Europa, até cidades com apenas 50 mil habitantes possuem supermercados inteiramente orgânicos”, explica Börner, idealizador do evento. Convencido de que o mundo todo pode se alimentar de forma saudável, Matthias gostaria de ver o Brasil entre os países líderes de consumo de orgânicos – já que hoje possui um rótulo vergonhoso: campeão mundial no uso de agrotóxicos. Iniciativa para promover uma alimentação saudável e um consumo sustentável. Sabor sem veneno.

Informações: Organic Food Fest

Anúncios

Walfenda Medieval lança cardápio inspirado em Deus Salve o Rei

O mundo mágico de cavaleiros, reis e rainhas aportou no Walfenda Medieval na última sexta-feira (12). Durante seis meses, a casa paulistana servirá um cardápio inspirado na novela das sete da Globo, Deus Salve o Rei – é o único restaurante no segmento licenciado pela emissora.

Criados pela chef Angelita Gonzaga, os novos pratos da casa têm ligação com os dois reinos da ficção global, Montemor e Artena, e ganharam os nomes de seus personagens. Na trama, Montemor é um lugar rico em minérios, mas que sofre pela persistente falta de água. Ao contrário de Artena, abundante neste recurso natural. “Baseada nesta ideia inicial, trabalhei em duas frentes: ensopados, guisados e ingredientes bastantes frescos nos pratos ligados ao reino de Artena e frutas secas, carnes maturadas para Montemor”, explica a chef.

Além disso, o cardápio segue a linha medieval da casa, baseada na pesquisa que a chef fez sobre a cozinha ibérica do fim da Idade Média (séculos 14 e 15), com o fogo sendo sua principal inspiração. Entre os destaques do menu Deus Salve do Rei, estão Constantino (codornas cozidas na sidra com uvas frescas, R$ 24,00); Amália (pescada branca inteira defumada na lenha de maçã e acompanhada de purê de abóbora, R$ 44,50); Rei Augusto (duas coxas de frango com batata-doce caramelizada, R$ 42,00); Príncipe Afonso (short rack de cordeiro em salsa de hortelã e salada de favas, R$ 58,50); Princesa Lucrécia (steak de javali com compota de maçã e especiarias, R$ 62,00), Rainha Crisélia (contra-filé de Angus, com 480g e defumado, R$ 62,00) e Princesa Catarina (estufado de porco com damascos, espinafre e lentilhas, R$ 49,50), além de duas sobremesas: Cássio (cesta de massa folhada com frutas secas, R$ 23,50) e Demétrio (frutas grelhadas com mel de castanha e hortelã, R$ 23,50).

Rainha Crisélia Contra-file de Angus com 480 g defumado (Foto Ivam Grambek)
Rainha Crisélia Contra-file de Angus com 480 g defumado – Foto: Ivam Grambek
short rack de cordeiro com salsa de hortelã e favas Principe Afonso (Foto Ivam Grambek)
Short rack de cordeiro com salsa de hortelã e favas Principe Afonso – Foto: Ivam Grambek
frutas grelhadas com mel de castanha Demétrio (Foto Ivam Grambek)
Frutas grelhadas com mel de castanha Demétrio – Foto: Ivam Grambek
cestinha de massa folhada com frutas secas Cassio (Foto Ivam Grambek)
Cestinha de massa folhada com frutas secas Cassio – Foto: Ivam Grambek

Para entrar no clima medieval, os clientes também poderão dividir o Escudo de Cália, um bife gigante de 2,2 kg, que reúne cinco cortes de carne bovina e serve até seis pessoas (R$ 198,00). Na trama, Cália é o nome da região que reúne os dois reinos. O cardápio especial estará disponível até março, quando será renovado para o outono/inverno por mais três meses.

Harmonizações

Os pratos do cardápio especial Deus Salve O Rei serão harmonizados com cervejas artesanais seculares, selecionadas pela sommelière Paty Albehy. São três rótulos alemães: Aecht Schlenkerla Rauchbier Märzen, uma das cervejas defumadas mais premiadas do mundo; Schneider Weizendoppelbock TAP 6, a mais antiga Weizendoppelbock conhecida; e Weizen Doppelbock Tap 7. Além das cervejas, a chef sugere vinhos (servidos em taças de pedra sabão).

A casa

O fogo é um dos protagonistas no Walfenda Medieval. Logo na entrada há uma área de preparo de carnes, assadas em lenha de árvores frutíferas. O ambiente remete à uma antiga farmácia medieval, com uma grande estante onde são guardados os ingredientes utilizados na produção dos drinques da casa.

Salão Walfenda Medieval (Foto Ricardo Bergamini)
Salão Walfenda Medieval – Foto Ricardo Bergamini)
Ambiente Walfenda Medieval (Foto Ricardo Bergamini)
Ambiente Walfenda Medieval – Foto Ricardo Bergamini)
walfenda 4 Ivam Grambek
Ambiente do Walfenda Medieval – Foto: Ivam Grambek

Walfenda Medieval: Rua Tito, 25, Vila Romana. Horário de funcionamento: 3ª/6ª, das 19h às 24h; sábados, das 12h às 24h; domingos das 12h às 17h

Bolovo é uma das especialidades do Guten Bier; aprenda a fazer

O quitute britânico conquistou os brasileiros e é uma das saborosas opções gastronômicas da casa

Embora faça tanto sucesso por aqui entre os apreciadores de comidas de boteco, o ovo à escocesa, mais conhecido como Bolovo, tem origem no Reino Unido. A receita composta basicamente de ovo cozido, carne moída e farinha de rosca foi criada pelo empório britânico Forthum & Mason para, inicialmente, apenas agradar os viajantes londrinos em 1738. Porém, a fama do quitute se consolidou, atravessou oceanos e está marcando presença nos melhores bares do mundo.

Aqui no Brasil, o Bolovo ficou bem conhecido depois da teoria dos humoristas do grupo Hermes e Renato, na qual disseram que um caminhão de carne moída fez uma curva acentuada e tombou em uma estrada. Depois, outro caminhão com ovos cozidos não conseguiu desviar e tombou no mesmo lugar. Para finalizar, o terceiro bateu de frente com os dois e espalhou a carga por toda a pista. Aí, como todo brasileiro que sempre consegue olhar o lado bom de qualquer situação, a proprietária de um bar viu a bagunça e resolveu fritar os “bolinhos de asfalto”.

Mesmo longe da realidade, a história divertida fez com que o Bolovo dominasse ainda mais os bares e botecos brasileiros. O Guten Bier inseriu o quitute no cardápio como uma das especialidades da casa e capricha na produção para não perder a essência da receita inicial e manter a qualidade. Confira a receita!

Bolovo (rende 1 unidade)

Ingredientes
1 ovo;
70g de massa de croquete;
30g de farinha de rosca de padaria;
50ml de molho picante.

Modo de preparo
Cozinhar o ovo e reservar. Revestir com massa de croquete. Empanar com farinha de trigo, ovo batido e farinha de rosca. Fritar.

bolovo

Ficou com água na boca? Combine com a sua turma e venha para o Guten Bier experimentar o Bolovo.

Guten Bier  Av. Manoel Borba Gato, 158 – Jardim Nova América – São José dos Campos (SP)

 

Arabesco lança prato com pasta de lentilha, arroz e cebola frita

Com duas unidades em São Paulo (Paulista e Perdizes), o Arabesco, tradicional restaurante sírio-libanês, apresenta um novo prato exclusivo com assinatura árabe: Pasta de Lentilha com arroz batido e cebola frita.

A porção inteira da Pasta de Lentilha sai por (R$ 25,10), e a meia porção sai por (R$ 13,15). A novidade está entre os pratos do buffet da casa (R$ 59,90).

pasta de lentilha.jpeg

Informações: Arabesco

Restaurante lusitano no coração do Belenzinho

Uma boa notícia para quem aprecia uma excelente gastronomia, em especial a portuguesa. A Casa Lisboete chegou ao bairro do Belenzinho há poucos meses com um menu de preciosidades para os amantes da boa mesa. Em um ambiente acolhedor, com inspiração portuguesa e capacidade para 160 pessoas, a casa oferece uma mesa farta com opções de receitas cheias de história vindas de uma pluralidade de lugares, que agrada a diferentes paladares.

Todos os dias no almoço, das 11h30 às 16 horas, é oferecido um serviço de buffet por quilo de encher os olhos pela variedade de itens. Difícil é escolher entre tantas opções: são mais de 18 tipos de saladas, queijos e frios, além de um variado combinado de sushis e sashimis que chegam coloridos e vistosos ao buffet, abastecidos pelo serviço de sushi bar da casa.

Desfilam no buffet de pratos quentes mais de 24 opções que vão do tradicional bacalhau à moda da casa, servido todos os dias, paella, polvo à provençal, sardinha portuguesa, peixes, frutos do mar, grelhados, massas, risotos e acompanhamentos variados, inclusive o delicioso bolinho de bacalhau. Tudo preparado com ingrediente de alto padrão.

bacalhay.jpgpaella la lisboeta.jpg

Para os apreciadores de um bom corte de carne, a Lisboete tem à disposição do cliente cortes dos mais variados tipos de carnes nobres e embutidos. Tudo grelhados na hora por seus churrasqueiros.

Há também o serviço de sushi bar que abastece o buffet com uma rica variedade de cortes de sashimis, sushis, hotroll e temakis preparados na hora, à escolha do cliente.

Para harmonizar o menu, que é constantemente enriquecido com novidades que surpreendem os clientes, a casa possui uma adega de vinhos com mais de 100 rótulos de todas as partes do mundo. Para o grand finale, o cliente tem à disposição um buffet de frutas, compotas e doces variados, inclusive os famosos pastéis de Belém.

pastel de belem

O serviço de buffet custa R$ 62,90 o quilo, de segunda a sexta-feira; e, R$ 74,99 o quilo aos sábados e domingos.

A Casa Lisboete também oferece o serviço de jantar com um menu especial à la carte, que conta com tradicionais pratos da culinária portuguesa como o leitão assado à bairrada, variados pratos de bacalhau como o Bacalhau à Braz e o Bacalhau à Gomes de Sá, entre outros. Também desfilarão pelo cardápio alheiras, arroz de pato, coelho a caçador e variados pratos da gastronomia contemporânea como peixes, grelhados, massas, frutos do mar e risotos).

Entre as novidades estão, além do serviço à la carte no jantar, uma programação cultural com shows de fado, aos finais de semana. Para o happy hour, as quartas de futebol contarão com a presença de jogadores convidados para um bate papo com os clientes.

Casa Lisboete – Largo São José do Belém, 131 – Belenzinho, São Paulo – SP. Horário de funcionamento: almoço de segunda a domingo, das 11h30 às 16h. Quilo do Buffet R$ 62,90 (de segunda a sexta-feira); R$ 74,99 (sábados e domingos)

 

Mukeka aposta em receitas exclusivas de moqueca

Preparadas pelo premiado chef Ivan Lopes, as receitas têm a cara do Brasil e se transformaram em símbolos do restaurante curitibano

É muito difícil encontrar um brasileiro que nunca tenha ouvido falar de moqueca. Embora haja diferenças entre a receita baiana e a receita capixaba, o prato é conhecido por ser uma das receitas mais típicas do Brasil e já foi reconstituído de diversas formas e com inúmeras variações de ingredientes e sabor, inclusive sem carne. E como o nome não nega, o restaurante Mukeka Cozinha Brasileira, de Curitiba, possui em seu menu diversos preparos exclusivos da iguaria.

“O que torna nossas moquecas especiais é o fato delas levarem um pouco do gostinho da moqueca baiana e um pouco da moqueca capixaba. Usamos, por exemplo, leite de coco, azeite de dendê, pimentão, cebola, tomate, alho e coentro. Outro diferencial é a farofa a base de castanhas, coco e manteiga de garrafa que é servida como acompanhamento”, comenta o chef Ivan Lopes, responsável pelas criações.

No restaurante curitibano, o público tem à disposição cinco opções diferentes, com preços a partir de R$ 49,00: Mukeka de Peixe, Mukeka de Camarão, Mukeka Mista, Mukeka de Frutos do Mar e Mukeka Vegetariana. “Cada uma delas conta com um preparo específico e um sabor diferente. Conseguimos chegar em receitas extremamente saborosas, que carregam toda a tradição desse preparo que tem a cara do Brasil”, completa Ivan.

moqueca

Mukeka Cozinha Brasileira – Rua Machado de Assis nº 417, Juvevê. Horário de funcionamento:  almoço, de segunda a sexta, das 11h30 às 14h30, e aos sábados e domingos, das 12h às 16h. Jantar, de segunda a domingo, das 19h às 23h. 

Indústria Brasileira é novidade no Itaim

O Itaim, um dos pontos mais badalados da cidade, acaba de ganhar um bar e burger que promete ser um dos novos points da região. Comandado pelas ex-participantes do Masterchef Brasil, Livia Cathiard e Raquel Novais, o Indústria Brasileira é o resultado da paixão das chefs por burger e a admiração pela rica gastronomia do país, exaltando os melhores temperos, queijos, grãos e vegetais tipicamente brasileiros.

O ambiente remete a uma clássica fábrica antiga, mas com a alegria e descontração característica do Brasil, em um espaço aberto, mesas ao ar livre e noites com música ao vivo.

Os burgers, grande diferencial do Indústria Brasileira, são feitos com ingredientes da nossa terra, como o Conexão Minas Amazônia (burger, queijo canastra, tomate tostado, aioli de tucupi negro e pão da casa R$ 28,00), o Matéria Prima (burger, queijo do reino, creme de abacate com bacon, alface e pão da casa R$ 24,00), Mina de Ouro Cheddar (burger, queijo cheddar derretido, crocante de bacon, cebola caramelizada e pão da casa R$27), e ainda os tradicionais sandubas, preparados em pães francês e que nos trazem tantas lembranças. No Industria Brasileira eles são feitos com filé mignon, linguiça e são servidos sempre acompanhado de vinagrete de maxixe.

Clássico R$26 - Indústria Brasileira Foto Agencia Asenses - Thiago Bergantin IMG_1285
Clássico
Conexão Mias - Amazônia R$28 - Indústria Brasileira Foto Agencia Asenses - Thiago Bergantin
Conexão Minas Amazônia

O Indústria Brasileira prova que batatas fritas não são todas iguais. Artesanais, feitas na casa, as opções são: Batata Frita Indústria Brasileira (batatas fritas cobertas com queijo brasileiro derretido R$ 25,00), Batata Frita da Fábrica (R$ 21,00) e Fritas de Batata Doce (R$ 24,00) ambas acompanhada de BBQ especial de goiabada ou maionese da casa preparada com cachaça. Trazendo brasilidade aos acompanhamentos, há também o Chips Brasileiro (lâminas de banana da terra crocantes e salgadinhas R$ 14,00).

Batata frita da Fábrica com maionese da casa $21 - Indústria Brasileira Foto Agencia Asenses - Thiago Bergantin
Batata frita da Fábrica com maionese da casa

Pensando em todos os tipos de fome e de público, o Indústria Brasileira tem um burger especial vegano, o Máquina Verde (burger de lentilha e feijão, chutney de tomate, rúcula, creme de abacate e pão da casa R$ 26,00). As chefs Livia e Raquel dão novas leituras as saladas que ganham ingredientes típicos brasileiros, como a Salada Verde que leva lâminas de queijo canastra, semente de girassol e palha de beterraba (R$ 27,00); a salada Grão de Bico, feita com grão de bico, tomate, pepino, cebola roxa em cama de folhas verdes (R$ 22,00); e o Salpicão, com frango defumado, milho, cenoura, ervilha e batata palha (R$ 24,00).

Com clima propício para happy hour, o cardápio conta com petiscos tipicamente brasileiros como os Dadinhos de Carne Seca com Mandioca Frita (R$ 39,00), Iscas de Filé Mignon na Manteiga (R$ 49,00), Pastel de Feira (R$ 29,00), entre outras deliciosas porções de boteco.

Dadinho de Carne Seca $39 - Indústria Brasileira Foto Agencia Asenses - Thiago Bergantin
Dadinhos de carne seca com mandioca frita

O Indústria Brasileira, que é a mais nova casa do grupo A.LIFE, proprietários também dos bares Tatu Bola, Eu Tu Eles e Boa Praça, tem no coração do salão uma grande chopeira que serve somente a bebida fresca, exclusivamente de cervejarias nacionais, como Wals, Colorado e Brahma. A carta de bebidas ainda conta com os drinques clássicos, com destaque para as que são preparas com frutas sazonais (R$ 22,00). Gin tônica (R$ 22,00), Apperol (R$ 22,00), Negroni (R$ 22,00), Moscow Mule (R$ 22,00) e Clericot (R$ 90,00) também ganham espaço.

Fachada - Indústria Brasileira

Indústria Brasileira Rua Prof. Atílio Innocenti, 419 – Itaim – São Paulo. Horário de funcionamento: terça a domingo das 12h às 15h e das 17h às 24h. Sábado das 12h à 1h. Domingo das 12h às 23h

Fogo e alquimia são as estrelas do Walfenda Medieval

Sob o comando da chef Angelita Gonzaga, o Walfenda Medieval busca inspiração na Idade Média para os seus pratos; cliente poderá levar drinques para casa

Com decoração que remete à uma farmácia da Idade Média, foi inaugurado no bairro Vila Romana, em São Paulo, em novembro, o Walfenda Medieval. Sob o comando da chef Angelita Gonzaga, especialista em cozinha caipira de raiz, a nova casa terá um cardápio de carnes feitas na brasa e acompanhamentos.

“Nossa proposta é que seja um espaço em movimento, um mix de restaurante e bar, também aberto para eventos. Se o cliente quiser parar, e levar algum prato para casa, será possível”, explica Angelita.

walfenda Ivam Grambek 3
Chef Angelita Gonzaga

A inspiração do Walfenda vem principalmente da cozinha ibérica do fim da Idade Média (séculos 14 e 15). Em Portugal, a chef pesquisou pratos e preparos que se mantêm quase intactos desde essa época. “Será uma cozinha com o que as pessoas querem comer hoje, mas com sabores que remetem ao passado. A inspiração é medieval, mas não há nenhuma ligação com vikings ou tabernas”, explica Angelita. Um dos destaques é a carta de bebidas, com “poções” engarrafadas, que poderão ser levadas para casa pelos clientes.

Assim como as poções, o fogo é um dos protagonistas no Walfenda Medieval. Logo na entrada, há uma área de preparo de carnes, que serão assadas em lenha de macieira, parreira e ameixeira, como galetos e o tomahawk steak.

walfenda 3 Ivam Grambek
Galeto assado na lenha
walfenda 2 Ivam Grambek
Tomahawk Steak

Também há embutidos e defumados variados, como o salpicão (enchido de lombo de porco) de um produtor do interior de São Paulo que utiliza uma técnica trasmontana de defumação, com lenha de castanheira. Eles serão vendidos por quilo e o próprio cliente escolhe as carnes que são servidas em tábuas. Sopas (como a de grão-de-bico e de ervilha com linguiça portuguesa) serão preparadas em caldeirões portugueses. Como sobremesas, o Walfenda oferecerá crepes com recheios variados, que serão preparadas também no fogo.

walfenda 6 Ivam Grambek
Tutano com pasta de hortelã e manjericão, acompanhado de cenouras assadas e pão de chapa

Com curadoria da sommelière de cerveja Paty Albehy, a casa irá servir chopes Weihenstephan (a mais antiga cervejaria do mundo, de 1040) e Revenge IPA e larger, além de cervejas artesanais importadas. Na carta de vinhos, apenas rótulos de pequenas caves do Sul do país.

A carta de poções (drinques) será um dos grandes destaques do Walfenda. Assinada pelo mixologista Beto Ferreira, traz uma série de criações inusitadas, como o Dry Pothos (vodca, hibisco, hortelã, licor e suco de cranberry) e Fogo do Dragão (brandy, limão, absinto e café). Apresenta também três tipos de sucos, sem álcool, como o Sumo Negro, de maçã gaseificada, que chega à mesa com uma surpreendente cor escura.

walfenda 1 Ivam Grambek
drinque Fogo do Dragão 
walfenda 5 Ivam Grambek
drinque Dry Pothos

walfenda 4 Ivam Grambek

Walfenda Medieval – Rua Tito, 25, Vila Romana. De terça a sexta, das 18h às 24h; sábado, das 12h às 24h; domingos e feriados, das 12h às 17h.

Fotos: Ivam Grambek/Divulgação

Zena Caffè estará aberto no Réveillon

Trattoria moderna, além de ser uma ótima opção para toda família, ainda é pet friendly

Chega a correria de dezembro e uma das dificuldades é encontrar um restaurante aberto nos dias festivos, ainda mais para quem tem amigos pet, já que não são permitidos em todos os lugares. Porém, o Zena Caffè tem boas notícias: o pet é bem-vindo, sim! E, além disso, estará aberto durante as festas de final de ano e, portanto, será possível fazer sua refeição com a família completa.

salada zena
Insalata Frutti e Fiori – Foto: Tadeu Brunelli 

A casa estará aberta no dia  31 de dezembro – das 12 às 17 horas; e dia  01 – das 12 às 22 horas. O cardápio diário estará disponível. Sendo assim, quem for à casa, localizada nos Jardins e que leva o charme de uma vila típica italiana, poderá conferir várias delícias – como o premiado nhoque, eleito pelo público como o melhor de São Paulo, além suas focaccias, saladas, sobremesas e drinques.

focaccia zena cafe
Focaccia della Casa al Formaggio

Zena Caffé – Rua Peixoto Gomide, 1901 – Jardins – São Paulo – SP

 

 

Zena Caffè oferece menu de Natal

Sob o comando do Chef Carlos Bertolazzi, a trattoria moderna sugere prato feito com peru

Tradicionalmente, a maioria das pessoas costumam comer peru nas festas de fim de ano, mas você sabe de onde surgiu essa história? A ave foi levada pelos espanhóis no século XVI para a Europa e, a partir daí, tornou-se o símbolo do alimento de grandes ocasiões. O hábito de comer a ave surgiu em 1621 nos Estados Unidos, mais precisamente em Massachusetts, quando o prato foi servido no Dia de Ação de Graças. No Brasil, o peru é aclamado desde a época colonial.

Seguindo a tradição, o chef do Zena Caffè, Carlos Bertolazzi, desenvolveu sua receita com a ave como uma opção especial para as comemorações de final de ano. Sendo assim, até o dia 25 de dezembro será servido na casa, tanto no almoço quanto no jantar, o peru recheado com nozes, uva-passa, anchova, alecrim e pinhole, guarnecido com purê de castanha (R$ 62,00).

Peru Zena Caffè

Sendo assim, quem for à trattoria, localizada nos Jardins e que leva o charme de uma vila típica italiana, poderá conferir esta e outras delícias – como o premiado nhoque da casa, eleito pelo público como o melhor de São Paulo, além suas focaccias, saladas, sobremesas e drinques. Para saber mais ou agendar sua visita, acesse o site.

zenna cafe.jpg

Zena Caffè – Rua Peixoto Gomide, 1901 – Jardins – São Paulo – SP